Chega a ser sintomático como a violência de Manaus ganha protagonismo nas telas neste grande ano do cinema amazonense. Na brutalidade do marido contra a esposa em “O Buraco”, de Zeudi Souza, passando pela fúria surrealista de “Graves e Agudos em Construção”, de Walter Fernandes Jr., ao policial noir de personagens sem muitos escrúpulos de “À Beira do Gatilho”, de Lucas Martins, o clima de uma cidade agressiva no âmbito das relações sociais permeia muitas das produções lançadas em 2021. Justo em um ano de ondas de violências múltiplas – da física promovida pelas longas e permanentes guerras do tráfico até da dignidade humana pela inação do Estado, em todas as suas instâncias, em propiciar o básico aos seus cidadãos.  

Esta mesma Manaus é aquela de seus bolsões de riqueza que, se antes mirava Paris, hoje, busca ostentar uma Miami do terceiro mundo. Primeiro curta-metragem do grupo teatral Ateliê 23, “A Bela é Poc” transita neste universo ao acompanhar Belinho (Taciano Soares), rapaz com o sonho de viver da arte, realizar uma turnê mundial com um show solo no palco do Teatro Amazonas – local símbolo do auge da cidade na época da Belle Époque. Sem esconder a homossexualidade, enfrenta com personalidade diariamente as violências advindas do preconceito e intolerância promovidos, claro, por cidadãos de bem.  

“A Bela é Poc” carrega em sua veia traços almodovarianos – ainda que não o abrace por completo – de excessos, cores, histórias pessoais e boas doses de melodrama. Se a linha tênue oferecida por este tipo de proposta passa do ponto em certos momentos com uma trilha por vezes didática e diálogos demais em outros, Eric Lima, diretor estreante nos cinemas, demonstra atenção total na elaboração de uma identidade visual e sonora forte como elemento de construção desta resistência de Belinho a um mundo que o abomina.   

O brinco esmeralda, o amarrador laranja, o cabelo louro e, depois, vermelho e a camisa rosa com os dizeres ‘Dieu Loves Poc” são achados no figurino do protagonista por já oferecer não apenas o caráter de resistência, mas, também de bom humor necessários para encarar a Via Crúcis diária de homofobia. A entrada triunfal de Isabela Catão, a direção de arte lúdica do único lugar onde Belinho pode se refugiar da violência – o próprio quarto -, a trilha das mais diversas vertentes, referências e o desfecho apoteótico no Teatro Amazonas criam momentos marcantes durante o curta. 

Mas, isso nada seria sem um grande ator a nos conduzir e sentir aquela história como pretendido por “A Bela é Poc”. Taciano Soares traz uma composição completa como Belinho. Sentimos a vivacidade repleta de rapidez no humor nas divertidas conversas com a personagem de Catão, a fúria de quem não aceita ser maltratado, a dor intensa com a perda de alguém querido e a poesia daquilo que almeja ainda que como um sonho distante. Parece impossível quando pensamos que estamos diante de um curta, mas, Taciano alcança isso em um trabalho com potencial de ser premiado festivais Brasil afora.  

Parte de um projeto audiovisual que inclui o ótimo (e polêmico – dá uma olhada nos comentários no YouTube) clipe “Gloriaw” e da videodança “Azul”, “A Bela é Poc” deixa claro como o Ateliê 23 chega com potencial de se tornar um dos principais players do audiovisual amazonense em breve. E demonstra que somente o afeto pode ser resposta à cultura da violência, especialmente, em uma cidade como Manaus. 

‘Sol, Pipoca e Magia’: série resgata Joaquim Marinho e a história cultural de Manaus

A websérie documental “Sol, pipoca e magia” se debruça sobre a história de Joaquim Marinho, um dos grandes nomes da cultura amazonense, tendo trabalhado em várias áreas artísticas como agitador e produtor cultural. A obra apresenta a trajetória de Marinho desde a...

‘Sidney Rezende: Meu Enquanto Canto’: doc. frio de lenda do boi-bumbá

O documentário “Sidney Rezende: Meu Enquanto Canto” introduz o espectador à história de um dos principais compositores de toadas, bastante identificado com o boi Garantido (mas também com passagem pelo Caprichoso) que empresta seu nome ao título da obra. O filme é,...

‘A Hespanhola’: choque da alegoria restrita à mesma bolha

Em 2018, lembro-me de discutir com meu então mentor do programa para formação de críticos do Talent Press Rio, o português Luis Oliveira. O tópico: “Infiltrado na Klan”, de Spike Lee. Na ocasião, ele defendia que o filme não era bom por ser isento de qualquer sutileza...

‘O Colar’: pedaços de grande filme ficam pelo caminho

O Festival Olhar do Norte acompanha com lupa a trajetória de Romulo Souza. Afinal, em todas as edições do evento, há um filme do jovem diretor e roteirista amazonense atualmente radicado em Santa Catarina. Na primeira edição foi “Personas”, documentário para além da...

‘Mestres da Tradição na Terra do Guaraná’: tema fascinante perde-se em pequenos excessos

O curta documentário “Mestres da Tradição na Terra do Guaraná”, com direção de Ramon Morato, foca nos músicos que mantêm vivos os ritmos de cancioneiro interiorano amazonense. São canções e ritos comunitários, cujas raízes remontam a culturas indígenas e...

‘Reflexos da Cheia’: uma viagem às origens do cinema dentro do Teatro Amazonas

Durante os nove minutos de “Reflexos da Cheia”, o público do Teatro Amazonas vivenciou uma oportunidade de viajar no tempo na terceira noite do Festival do Olhar do Norte. Engana-se quem deduz que este retorno faz referência apenas ao espantoso período de subida...

‘Cercanias / Gatos’: o universo felino e pitoresco de um condomínio de Manaus

“A Terra Negra dos Kawá” deixou a clara impressão de que Sérgio Andrade estava se repetindo em temas já abordados em “A Floresta de Jonathas” e “Antes o Tempo Não Acabava”. Parecia que os caminhos traçados até ali tinham se esgotado, tornando-se urgente e necessário...

‘Stone Heart’: frieza tira potência da mensagem

Vou abrir meu coração, caro leitor: “Stone Heart” me deixa diante de um impasse. De um lado, impossível não ressaltar o que o filme representa um avanço técnico inegável para o ainda incipiente setor da animação no Amazonas, especialmente, do ponto de vista técnico –...

‘Kandura’: documentário formal para artista nada comum

 Tive a honra de entrevistar duas vezes Selma Bustamante: a primeira foi na casa dela sobre o lançamento de “Purãga Pesika”, curta-metragem em documentário dirigido por ela em parceria com César Nogueira. A segunda foi para o programa “Decifrar-te”, da TV Ufam, no...

‘Terra Nova’: o desamparo da arte e de uma cidade na pandemia

A pandemia do novo coronavírus impactou a sociedade brasileira como um todo. Mas, talvez um dos segmentos mais prejudicados tenha sido a produção cultural independente, que, em grande parte, dependia de plateias e aglomerações em espaços fechados. Soma-se isso a uma...