Documentário paraense selecionado para a mostra competitiva do Festival Olhar do Norte 2020, “À Luz do Sol” segue o caminho de produções como o amazonense “Maria”, de Elen Linth, e o longa alagoano “Cavalo”, da dupla Rafhael Barbosa e Werner Salles, marcados pela ocupação de territórios. São produções em que pessoas marginalizadas pela sociedade e alvo do puro preconceito conservador e intolerante ganham as ruas, em plena luz do dia, para mostrarem que existem como qualquer outro ser humano e merecem dignidade, respeito. 

No curta de 13 minutos com direção, roteiro, fotografia e montagem de Edielson Shinohara, somos conduzidos por Eduarda Lacerda, funcionária pública da Secretaria Municipal de Saúde de Belém, e pela estudante Isabella Santorinni. A primeira é travesti, enquanto a segunda é trans e ambas são ativistas do movimento LGBTQIA+ na capital paraense. Com carisma de sobra, elas contam sobre a falta de oportunidades de emprego levando à prostituição, a invisibilidade imposta pela sociedade a estas pessoas e como se tornaram inspiração para jovens na mesma situação delas. 

Feito pelo coletivo Cyn Produções formado por estudantes do curso de jornalismo da Universidade Federal do Pará, “À Luz do Sol” reflete essa origem na proximidade com uma grande reportagem por sua estrutura linear, focada nas entrevistadas sem nenhum tipo de experimentação narrativa ou visual mais ousada. O privilégio de contar com duas protagonistas tão carismáticas e comunicativas como Isabella e Eduarda, porém, fazem essa abordagem funcionar.  

Seja no bom humor ao ironizar discursos que buscam minimizar a violência contra LGBTQIA+ ou nos relatos íntimos das dificuldades enfrentadas, especialmente, por Eduarda, Shinohara consegue criar retratos que transbordam empatia e humanidade comoventes, capazes de gerar pontes necessárias para quem pouca intimidade tem para com o assunto e inspirar outras trans e travestis a acreditarem em si. Nisso, até o tom didático acaba sendo benéfico para reforçar o discurso. A construção deste cenário se conclui ao colocar estas ‘criaturas das trevas’, como diz Isabella ao citar a forma como a sociedade os olha, ganhando as ruas, postos de trabalhos e instituições de Ensino Superior de Belém. 

Se não chega a ser tão marcante nem tenha a potência das obras citadas acima, “À Luz do Sol” se mostra uma produção competente e fundamental para a constante necessidade de dar visibilidade a vozes tão suprimidas pela sociedade pela completa intolerância. Uma resistência semelhante ao amor demonstrado por Eduarda ao cantar emocionada o hino de um dos países que mais mata LGBTQIA+ no mundo. 

‘Os Segredos de Madame Claude’: desperdício de um ícone em filme tão fraco

Tenho um pé atrás com produções que buscam abordar personagens reais com o intuito de vender diversidade e inclusão. Essa sensação é mais aguda diante de projetos que discutem personalidades femininas como “Maria Madalena” (Garth Davis, 2018) e “Joana D’Arc” (Luc...

‘Amor e Monstros’: pouco mais de ousadia faria um grande filme

Os melhores momentos de Amor e Monstros, parceria dos estúdios Paramount Pictures com a Netflix, estão logo no início do filme. É quando o narrador da história, o jovem Joel, reconta o apocalipse que devastou a Terra e que transformou insetos e animais em criaturas...

‘We’: o cinema como construtor de uma memória coletiva

"We", o novo filme de Alice Diop, é várias coisas: uma lembrança familiar, uma celebração das vidas comuns e uma busca pela identidade da França nos dias de hoje. Acima de tudo, o documentário, que ganhou o prêmio de Melhor Filme da mostra Encontros do Festival de...

‘Chaos Walking’: ótimo conceito nem sempre gera bom filme

Toda vez que se inicia a produção de um filme, cineastas participam de um jogo de roleta: por mais bem planejada que seja a obra e não importando o quão bons sejam os colaboradores que eles vão reunir para participar dela, tudo ainda pode acabar mal. Cinema é...

‘Locked Down’: dramédia na pandemia sucumbe à triste realidade

Dentre tantas situações inesperadas da pandemia da Covid, com certeza, a quarentena forçada foi uma grande bomba-relógio para conflitos conjugais e familiares. Agora, se conviver ininterruptamente com quem se ama já é desafiador, imagine passar semanas, meses dentro...

‘Godzilla Vs Kong’: sem vergonha de ser uma divertida bobagem

Não há como contornar: Godzilla vs Kong é um filme bobo. Todos os filmes “versus” feitos até hoje na história do cinema, com um personagem famoso enfrentando outro, foram bobos, e essa nova investida do estúdio Warner Bros. no seu “Monsterverse” – a culminação dele,...

‘Collective’: aula sobre o fundamental papel do jornalismo investigativo

“Collective” é, provavelmente, o filme mais marcante desta temporada de premiações. O documentário dirigido por Alexander Nanau traz à tona denúncias concernentes à corrupção no Ministério da Saúde romeno, algo super atual no período pandêmico e que dialoga com...

‘Moon, 66 Questions’: drama familiar foge do convencional em narrativa ousada

Livremente inspirado em tarô e mitologia, "Moon, 66 Questions" explora as falhas de comunicação e os conflitos geracionais de uma família através dos olhos de uma adolescente. O drama grego, exibido na mostra Encontros do Festival de Berlim deste ano, é carregado de...

‘Fuja’: suspense protocolar impossível de desgrudar da tela

Suspenses domésticos, quando bem feitos, acabam rendendo boas experiências. É o caso deste Fuja, lançado na Netflix – iria originalmente para os cinemas, mas a pandemia alterou esses planos. Não há nada nele que já não tenhamos visto antes, em outras obras tanto...

‘Meu Pai’: empática experiência sensorial da demência

"Meu Pai" começa ao som de uma ópera que acompanha os passos de uma mulher que anda por uma rua aparentemente pacata. Não demora muito e percebemos que essa música é escutada por outro personagem em fones de ouvido. Essas duas cenas simples revelam logo a essência do...