Algumas das melhores atrações da Netflix são as suas produções sobre crimes da vida real e serial killers. Ora, Making a Murderer é um clássico da Netflix tanto quanto Orange is the New Black ou Stranger Things. Nos últimos anos, documentários sobre assassinos em série famosos se tornaram um filão que o maior serviço de streaming do mundo adora explorar porque o público se interessa: assinantes que nem sonhavam em nascer quando os crimes foram cometidos, hoje podem conhecer as trajetórias assustadoras de figuras como Ted Bundy (em Conversando com um Serial Killer: Ted Bundy), Richard Ramirez (Night Stalker) ou Peter Sutcliffe (O Estripador), entre outros. Todas são produções envolventes e viciantes, aliando linguagem documental e suspense típico de narrativas ficcionais para prender o público. Se você nunca as assistiu, leitor, está perdendo.

Agora chega para se juntar a essa safra o documentário britânico Arquivos de um Serial Killer (no original, “Memories of a Murderer: The Nilsen Tapes”), dirigido por Michael Harte e produzido por Dimitri Doganis – os mesmos de outra atração bizarra e marcante da Netflix, a minissérie documental Don’t F*ck with Cats (2019). Arquivos de um Serial Killer é um longa-metragem sobre os terríveis crimes cometidos por Dennis Nilsen na Inglaterra do começo dos anos 1980.

É outra história impressionante sobre o lado mais sombrio do ser humano, temperada pelo coquetel social da época. Um belo dia em 1983, moradores do bairro londrino de Cranley Gardens reclamaram de um bueiro entupido. É a deixa para a polícia (e os espectadores), descobrirem os crimes do escocês Nilsen, que vinha matando homens – vários deles homossexuais, embora nem todos – e escondendo seus corpos há anos. Vemos como o caso repercutiu perante a Inglaterra homofóbica da época, também assolada por problemas econômicos e sociais. E ainda ouvimos da boca do próprio Nilsen, que na prisão gravou várias horas de fitas recontando seus crimes. A voz melodiosa do assassino necrófilo só deixa sua narração ainda mais fria e assustadora.

OBJETIVIDADE CERTEIRA

Com 1h25 minutos de duração, Arquivos de um Serial Killer é curto e direto ao ponto. A abordagem de Harte na direção e na montagem se caracteriza pela total ausência de enrolação. Já começamos sentindo o impacto da descoberta das atrocidades de Nilsen, depois passamos para a investigação, vemos um pouco sobre alguns sobreviventes e pessoas que cruzaram o caminho do assassino, uma exploração sobre o contexto nefasto da Inglaterra da época – na qual homossexualidade era crime, punida com prisão – e o julgamento do criminoso.

Claro, em meio a tudo isso, há algumas intervenções do próprio Nilsen, que fala um pouco sobre a própria vida e sua infância – ocasionalmente ele se revela narcisista e patético, jogando a culpa dos seus atos sobre outras pessoas. O ritmo do documentário é envolvente e a montagem é precisa: simplesmente não há um minuto desperdiçado ao longo de todo o filme.

Também não deixa de ser um documentário convencional, com pessoas dando depoimentos em frente à câmera. Mas, em alguns momentos aqui e ali, a direção encontra espaço para umas cenas estilizadas: o close assustador no armário dentro da casa de Nilsen, que parece saído de um filme de terror do James Wan; ou planos subjetivos que mostram a avó do assassino, bem como o seu possível abuso nas mãos do avô.

Nesses momentos, o documentário parece querer mergulhar na mente de Nilsen ou busca um impacto emocional sobre o espectador para tornar a experiência ainda mais rica e, porque não, mais perturbadora também.

IMPACTO LIMITADO

É interessante notar ainda como o suspense é construído dentro da experiência do documentário. Harte demora a nos revelar o rosto do assassino e, quando o faz, atiça a nossa curiosidade. E apesar de dar voz ao assassino desde o começo, é muito bom observar como Arquivos de um Serial Killer reverte esse processo ao longo da sua duração, minimizando a glamourização da figura do psicopata – uma armadilha na qual algumas produções semelhantes acabam caindo.

Verdade também que, como narrativa, a história de Dennis Nilsen é menos interessante do que a de um Richard Ramirez ou Ted Bundy, portanto, Arquivos de um Serial Killer acaba tendo um impacto limitado. E embora a concisão do filme seja elogiável, não dá para não pensar que a produção poderia ter se aprofundado um pouco mais em alguns aspectos. Mas no geral, esta nova adição ao catálogo de psicopatas e assassinos da Netflix não decepciona.

Arquivos de um Serial Killer é sério, atmosférico e envolvente, e mais um lembrete de que monstros como Nilsen não surgem do nada nem atuam inteiramente sozinhos: afinal, se não fosse um problema comezinho do dia-a-dia, talvez a sociedade ao seu redor tivesse fechado os olhos para muitos mais assassinatos por anos à frente.

Festival de Karlovy Vary 2022: ‘Flux Gourmet’, de Peter Strickland

"Flux Gourmet", novo filme de Peter Strickland, é um prato reservado aos curiosos gastronômicos de plantão. O projeto do atual mestre do bizarro inglês foi exibido no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano após estreia em Berlim e vem recheado das...

‘The Five Devils’: a falácia do mito do “lugar de gente de bem”

"The Five Devils", novo filme da francesa Léa Mysius, é um misto de drama familiar e thriller sobrenatural que leva o espectador por caminhos inesperados. O longa, que estreou na mostra Quinzena dos Realizadores em Cannes e foi exibido no Festival Internacional de...

‘Trem-Bala’: carisma de Brad Pitt faz longa pueril valer a pena

Eis que chega às telonas “Trem-Bala”, mais uma obra que segue o filão do cinema de ação espertinho à la Deadpool. Ou seja: temos aqui uma maçaroca de referências pop e piadas adolescentes que, se por um lado, não radicaliza nada, por outro não consegue bancar o peso...

‘Ela e Eu’: Andréa Beltrão domina melodrama sobre recomeço

Mãe e filha. 20 anos de convivência emocional e de ausência física. Reconfigurando afetos, Gustavo Rosa de Moura traz aos cinemas em “Ela e Eu” uma história forte, importante e comovente sobre novas e velhas formas de amar com Andrea Beltrão fazendo uma personagem do...

‘Tinnitus’: angustiante e ótimo body horror brasileiro

Uma atleta de saltos ornamentais em apuros guia a trama de "Tinnitus", novo filme do paulista Gregorio Graziosi (“Obra”) que teve estreia mundial no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano. Ancorado na sólida performance da atriz Joana de Verona, o...

‘Aos Nossos Filhos’: Marieta Severo brilha em drama de tom solene

Vera (Marieta Severo) está em um embate terrível com a filha Tânia (Laura Castro). A jovem, lésbica e casada, que quer a aprovação da matriarca para ser mãe, mas não vê forma de superar os próprios traumas e o dissabor da relação com a personagem de Marieta, uma...

‘O Palestrante’: Porchat aposta no seguro em comédia morna

Guilherme (Fábio Porchat) é um contador frustrado que perdeu o tesão na vida. Seu chefe é um babaca, a esposa o humilha e o sujeito simplesmente desliza pelos dias no piloto automático. Isto até ser confundido com um palestrante motivacional e se apaixonar por Denise...

Festival de Karlovy Vary 2022: ‘Close’, de Lukas Dhont

As dores de amadurecimento dão o tom de "Close", novo filme de Lukas Dhont que estreou em Cannes - onde dividiu o Grand Prix com "Both Sides of the Blade", de Claire Denis - e foi exibido no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary. O drama confirma o diretor...

‘Il Buco’: um olhar contemplativo para uma Itália pouco explorada

Consigo imaginar vários filmes ambientados em cavernas. Desde ficções científicas a fantasias até true crimes, esse parece ser um ótimo cenário para criar dramaticidade, viver aventuras e encontrar novos mundos; no entanto, nenhum desses caminhos se assemelha ao que...

Festival de Karlovy Vary 2022: ‘The Eight Mountains’, de Felix van Groeningen e Charlotte Vandermeersch

Nos idos dos anos 2000, um jovem resolve ir atrás do companheiro de infância e embarcar em uma terna aventura. Esta é a premissa de "The Eight Mountains", filme que estreou em Cannes - onde dividiu o Prêmio do Júri com "EO", de Jerzy Skolimowski - e foi exibido no...