Vamos dizer logo de cara: Batman: O Retorno é o filme de super-herói mais cheio de tesão e sexual que já foi feito.

Super-heróis de quadrinhos, com seus corpos impossivelmente perfeitos, tanto masculinos quanto femininos, sempre inspiraram fantasias sexuais e, quando incluímos o cinema na equação, isso só se intensificou ao longo dos anos. Nas telas, super-heróis – e até alguns vilões – na maioria das vezes são vividos por gente muito bonita, e aí se soma a fantasia das HQs com o star power que o cinema proporciona.

No entanto, é raro vermos esses personagens fazendo sexo nas telas: você consegue imaginar algum dos Vingadores transando? O Capitão América foi praticamente um virgem por toda a sua carreira nos filmes do Marvel Studios… Claro, geralmente esses filmes se direcionam a um público jovem, então não podem ter sexo ou muita violência. Mas é também interessante notar como muitos dos personagens super-heróicos são inibidos nesse quesito.

Nos filmes dos heróis DC, só às vezes vemos algo um pouquinho mais liberado: o Superman e Lois Lane se pegaram em alguns dos filmes, e a Mulher-Maravilha recentemente até aproveitou o corpo de um sujeito para reviver seu relacionamento com o Steve Trevor – bem, quanto menos falarmos sobre isso, melhor.

Mas se tem um super-herói cuja sexualidade foi debatida com frequência por aí é o Batman. E curiosamente quando Tim Burton foi fazer seu segundo longa com o Homem-Morcego, um forte subtexto sexual se tornou presente… Ora, Batman: O Retorno é basicamente uma ciranda sexual entre os personagens nas quais questões de poder e repressão são peças importantes. É praticamente uma obra sobre a vingança dos reprimidos sexuais.

BURTON LIVRE, LEVE E SOLTO

É curioso também como nasceu o projeto: apesar do mega-sucesso de Batman (1989), nem Burton nem o astro Michael Keaton tinham contrato para fazer a sequência, algo impensável hoje. O diretor só topou fazer quando conscientizou o estúdio Warner de que não iria fazer uma repetição do primeiro. As circunstâncias também seriam outras: o primeiro Batman fora rodado na Inglaterra, o segundo seria feito em Los Angeles.

A Warner deu o aval, e por causa do sucesso do primeiro, deu também carta branca a Burton. Se em Batman ele foi um operário, trabalhando dentro dos ditames de um projeto milionário do estúdio – mas, ainda assim, capaz de introduzir seu estilo nele – na sequência, ele basicamente pôde fazer o que queria.

E o fez. Na história concebida pelo roteirista Daniel Waters, com colaboração de Sam Hamm do filme original, é Natal em Gotham City quando surge o estranho Pinguim (interpretado por Danny DeVito, coincidentemente um amigão do Jack Nicholson). Ele é um ser monstruoso – não pergunte – que foi abandonado pelos pais ricos ainda bebê, quando descobriram que seu pequeno rebento era uma aberração que matava gatinhos. O Pinguim se alia ao milionário inescrupuloso Max Shreck (Christopher Walken, divertindo-se com a malvadeza do seu personagem) e vira uma figura popular na cidade. Mas ele tem planos sinistros em mente…

Shreck tem uma secretária chamada Selina Kyle (Michelle Pfeiffer), totalmente submissa – ela se considera “assistente, não secretária”. Shreck gosta dela especialmente porque ela faz “um ótimo café”. Numa noite, ele a empurra do alto de um prédio, mas Selina não morre. Ela é revivida por gatos – de novo, não pergunte – e incorpora a persona da Mulher-Gato.

Esses três personagens – o Pinguim, Max Shreck e a Mulher-Gato – vão dar trabalho ao Batman (Keaton), que é introduzido literalmente no escuro, sozinho em sua mansão. O herói é mais uma vez colocado para escanteio no seu próprio filme, porque de novo Burton está mais interessado nos vilões. Mesmo assim, na trama, tanto o Pinguim quanto Shreck são reflexos distorcidos de Bruce Wayne – um também é órfão e obcecado, o outro um milionário sem consciência.

GOTHAM EXPRESSIONISTA

Em termos de história, Batman: O Retorno é mais um conto de fadas sombrio do que filme de super-herói, com personagens diferentes das suas contrapartes das HQs e eventos sem lógica acontecendo. É o tipo de filme que você tem que aceitar, tem que se entregar às tolices deliciosas da trama, senão só vai se frustrar. E se no primeiro Batman, o espírito da série dos anos 1960 se infiltrava em alguns momentos apesar do visual sombrio, em O Retorno a subtrama do Pinguim tentando se tornar prefeito é praticamente retirada de um dos episódios antigos.  Saudade dos tempos em que monstros claramente desumanos como ele concorriam a cargos públicos apenas na ficção, e não na vida real…

O roteiro em si é bagunçado, quase episódico – primeiro, o Pinguim tem um plano de vingança envolvendo os filhos de Gotham, depois quer ser prefeito, depois quer acabar com o Batman, e então volta ao plano original… Porém, de novo, é a experiência visual que impressiona em Batman: O Retorno.

A Gotham recriada nos estúdios em LA agora é um pouco menos “delírio dos anos 1940” e mais “expressionismo alemão” graças ao novo designer de produção, Bo Welch. E a fotografia de Stepan Czapsky faz deste provavelmente o mais bonito filme do Batman. O herói está ainda mais imponente – Keaton cortou a maior parte das falas do Batman, para deixá-lo ainda mais poderoso – e o clima frio e sombrio é até ressaltado pelas decorações natalinas dos cenários. E o exército de pinguins armados com mísseis no final é outra imagem quase felliniana que jamais sairá da mente do espectador. Mas há também momentos de calor: a sequência do baile, com Bruce e Selina dançando e percebendo quem são, é o momento mais sensual e quente de um filme que tem uma boa quantidade deles.

CLIMA QUENTE

Aliás, por mais que o roteiro tenha lá seus poréns, há uma coisa em que Burton e Waters mantêm o foco: no teor sexual da história. O Pinguim é mostrado várias vezes como um verdadeiro tarado. Já a Mulher-Gato se torna a figura mais fascinante do longa, e a grande personagem feminina de um filme da Warner/DC até a chegada da já mencionada Mulher-Maravilha. Ela não vai mais esperar por um Batman para salvá-la – como ela afirma a uma vítima de um assalto a quem protege – e é uma verdadeira força sexual, impossível de controlar.

Após reviver, ela se transforma em mulher forte, embora também instável, e ao topar com o Batman, a atração é imediata – o fato de Pfeiffer e Keaton terem tido um relacionamento antes das filmagens deve ter contribuído para a química entre eles. Bruce e Selina são lindos, malucos e curtem fantasias de couro, chicotes e violência leve. Foram feitos um para o outro, e Burton extrai muita energia para o filme dessa tensão sexual.

A Mulher-Gato é tão poderosa em sua força sexual que ela nem pode ser morta – Shreck tenta de novo, mas não consegue. Ele, aliás, é o único dos personagens principais fora da ciranda porque o negócio dele é o poder, não o sexo. E é algo recorrente dentro da história os homens tentarem dominá-la, mas é inútil: depois de tantos anos de repressão e de conformidade ao papel feminino que a sociedade acha “bom”, não há mais volta para Selina depois da sua libertação.

Burton até se recusa a terminar com um final feliz entre ela e Bruce, e a atmosfera natalina contribui para deixar o desfecho do filme com um tom bastante melancólico. Quem, hoje em dia, consegue terminar um blockbuster de super-heróis desse jeito? Enfim, Pfeiffer tem uma grande atuação no papel, uma das melhores da sua carreira, com direito a colocar um pássaro vivo na boca e a lamber o Batman numa cena já icônica, e é uma pena que ela não viveu a Mulher-Gato novamente.

ANOMALIA DENTRO DOS FILMES DE HQs

A recepção a Batman: O Retorno é conhecida hoje: o filme ainda fez sucesso, mas não tanto quanto o primeiro. Pais começaram a reclamar da impropriedade do filme para as crianças, por causa do teor sexual e das esquisitices, como a gosma escura que sai da boca do Pinguim. O McDonald’s tinha problemas para vender seus McLanches Felizes atrelados a um filme no qual o vilão quer afogar crianças no esgoto. Essa repercussão fez a Warner rever sua estratégia para continuar com a franquia, e Tim Burton acabou sendo sutilmente afastado do universo do Homem-Morcego – embora ele até tivesse planos para um terceiro filme.

Hoje, Batman: O Retorno é uma anomalia dentro do subgênero: um filme multimilionário de um grande estúdio, feito para vender brinquedos e McLanches e com uma marca identificada mundialmente, conduzido pela visão maluca e bizarra de um diretor que fez o seu filme. Sai o pop dançante de Prince, entra a balada gótica e sensual da banda Siouxsie and the Banshees. Porém, Batman: O Retorno parece ter envelhecido melhor que o primeiro, em boa parte por causa das suas esquisitices – esse sim é um daqueles para o qual o chavão “jamais seria feito hoje” se aplica.

O próprio Burton, aliás, também não costuma ser um cara que aborda sexo em seus filmes – o mais perto de uma cena sexual num filme dele é aquela transa amalucada entre o vampiro de Johnny Depp e a bruxa de Eva Green em Sombras da Noite (2012), uma cena de tom pastelão. Mas de repressão, ele entende. Afinal, em Batman: O Retorno, os personagens brigam, se aproximam e se afastam, e essa dança atrai o público tanto quanto as cenas de ação e os efeitos visuais. Porém ao final, como se diz popularmente, “ninguém come ninguém”.

‘Noite Passada em Soho’: quando prazer e pavor caminham lado a lado

É normal filmes de terror isolarem seus protagonistas antes de abrirem as válvulas do medo. "Noite Passada em Soho", novo filme do cineasta Edgar Wright (“Scott Pilgrim Contra o Mundo” e “Baby Driver – Em Ritmo de Fuga”), inverte essa lógica. Sua protagonista sai de...

‘Duna’: conceito se sobrepõe à emoção em filme estéril

Duna, o filme dirigido por Denis Villeneuve, começa com o protagonista acordando de um sonho, e tem alguém falando sobre um planeta, um império e uma tal de especiaria... A sensação é de ser jogado num universo alienígena e ela perdura por praticamente todo o filme. É...

‘Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge’ e um herói para inspirar o coletivo

Vamos responder logo de cara: Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge, o último filme da bat-trilogia do diretor Christopher Nolan, é o pior dos três? É. É um filme com problemas? Sim. Mas é um filme ruim? Longe disso. Na verdade, quando Nolan foi concluir sua...

‘Spencer’: Kristen Stewart luta em vão contra filme maçante

Em "Spencer", Kristen Stewart se junta ao clube de atrizes - que inclui Naomi Watts (“Diana”) e Emma Corrin (“The Crown”) - que se lançaram ao desafio de retratar a Princesa Diana. A atriz traz uma energia caótica à personagem e a coloca no caminho de uma quase certa...

‘O Garoto Mais Bonito do Mundo’ e o dilema da beleza

Morte em Veneza, o filme do diretor italiano Luchino Visconti lançado em 1971 e baseado no livro de Thoman Mann, é sobre um homem tão apaixonado, tão obcecado pela beleza que presencia diariamente, que acaba destruindo a si próprio por causa disso. E essa beleza, no...

‘Venom: Tempo de Carnificina’: grande mérito é ser curto

Se alguém me dissesse que existe um filme com Tom Hardy, Michelle Williams, Naomie Harris e Woody Harrelson, eu logo diria que tinha tudo para ser um filmaço, porém, estamos falando de “Venom: Tempo de Carnificina” e isso, infelizmente, é autoexplicativo. A...

‘A Casa Sombria’: ótimo suspense de desfecho duvidoso

Um dos grandes destaques do Festival de Sundance do ano passado, "A Casa Sombria", chegou aos cinemas brasileiros após mais de um ano de seu lançamento. Sob a direção de David Bruckner (responsável por dirigir o futuro reboot de "Hellraiser"), o longa é um bom exemplo...

‘Free Guy’: aventura mostra bom caminho para adaptação de games

Adaptar o mundo dos jogos para as telonas é quase uma receita fadada ao fracasso. Inúmeros são os exemplos: "Super Mario Bros", "Street Fighter", "Tomb Raider: A Origem" e até o mais recente "Mortal Kombat" não escapou de ser uma péssima adaptação. Porém, quando a...

‘A Taça Quebrada’: a angustiante jornada de um fracassado

Não está fácil a vida de Rodrigo: músico sem grande sucesso, ele não aceita a separação da esposa ocorrida há dois anos (sim, 2 anos!) muito menos o novo relacionamento dela, além de sofrer com a distância do filho e de ver o trio morar na casa que precisou deixar. E...

‘Halloween Kills: O Terror Continua’: fanservice não segura filme sem avanços

Assim como ocorreu com Halloween (2018), a sensação que se tem ao final da sua sequência, Halloween Kills: O Terror Continua, é de... decepção. O filme dirigido por David Gordon Green que reviveu a icônica franquia de terror no aniversário de 40 anos do clássico...