“Eu não sou um personagem”

Essa frase dita pela ex-presidenta do Brasil, Dilma Rousseff, embala o que pode ser conferido em “Alvorada”, documentário de Anna Muylaert e Lô Politi. As diretoras adotam a estética observacional para nos fazer imergir no cotidiano dos últimos dias de Dilma no Palácio da Alvorada.

Fazemos um passeio pela residência presidencial e seus habitantes durante os dias entre a abertura do processo de impeachment (também conhecido como golpe) na Câmara dos Deputados e a confirmação de sua destituição. Ao optar por essa construção, três elementos se destacam: o som, o Alvorada e a própria Dilma.

O retrato de Dilma Rousseff

Diferentemente de produções semelhantes como “O Processo” (2018), “Excelentíssimos” (2018) e “Democracia em Vertigem” (2019), “Alvorada” é um passeio pela persona Dilma Rousseff. É a construção de seu retrato. Podemos ter um vislumbre de quem é essa senhora que foi torturada durante a ditadura, tornou-se a primeira mulher a ser chefe de estado no Brasil e passou por um injusto processo de impeachment. Se você se deixou levar pelas imagens midiáticas e os discursos confusos, o retrato que Muylart e Politi constroem dessa figura emblemática nos oferece uma perspectiva diferente.

Parte disso se deve a corporalidade de Rousseff e a câmera de Cesar Charlone (“Cidade de Deus”, “Dois Papas”) e Politi que busca detalhes de suas expressões a fim de perceber o que se passava na mente dela nesse período. Tal abordagem é curiosa e reflexiona numa fala da ex-presidenta: “eu não me deprimo”.

Observar seu andar curvado e, de certa forma, despojado aliado ao olhar firme e inexpressivo, atestam a sua colocação. Dilma tem um andar não altivo, mas obstinado. Perpassando a sensação de alguém seguro, que não deve nada a ninguém ao mesmo tempo em que emite percepções do tumulto de sua mente.

Um espaço para não chamar de lar

A direção toma esses aspectos para deixar nítido o isolamento que Dilma se encontrava no Palácio por meio do uso de planos mais abertos, da falta de tato para abrir uma cortina ou simplesmente de uma fala na qual ela esboça o quão distante está o Alvorada de ser um lar. O espaço também é responsável por indicar as mudanças graduais que levariam ao afastamento da presidenta. Estamos diante de um local que tem vida própria e se camufla de acordo com seus públicos e eventos, a mesma casa que abriga jornalistas, é capaz de receber mães, atletas e urubus.

A ligação constante com o espaço e as vidas que o habitam contribui para alicerçar a sensação de distanciamento e, em certa medida, de angústia que se instala no decorrer da trama. Esse sentimento parece emergir também das inúmeras figuras que rondam a presidência e piora à medida em que recordamos o subsolo do fundo do poço em que o país se encontra. Esse retrospecto pode ser notado ainda nos diálogos de Dilma que consegue abordar desde a história do Brasil ao “Paraiso Perdido” de John Milton.

As notas de Portaro

Quem também se destaca é a trilha sonora de Patricia Portaro (“Boca a Boca”, “Babenco: Alguém Tem que Ouvir o Coração e dizer parou”): por meio dela passeamos por vários gêneros e compreendemos de forma mais contundente as percepções que rondaram o Alvorada durante o processo.

Maior prova disso é o impacto que a trilha inicial – a qual remete aos épicos do cinema clássico -, ainda na tela preta, reverbera nos primeiros instantes da produção. O samba e a quebra de perspectivas por meio da trilha também são importantes para dar o tom retratista e sensível que a produção evoca.

“Alvorada” surge como um registro e memória diferenciados não só dos últimos dias de Dilma Rousseff liderando o país, mas de tempos diferentes e saudosos. Quando os créditos sobem, fica a lembrança da garra de Dilma e da cena derradeira: os urubus invadindo o espaço que ela não conseguia chamar de lar.

‘Acqua Movie’: jornada das mudanças e permanências do sertão

Mais de uma década depois de Árido Movie (2006), o cineasta Lírio Ferreira retorna com Acqua Movie. Este novo trabalho não se trata realmente de uma sequência, embora traga de volta um ou outro personagem do longa anterior. Mas é, com certeza, uma companion piece, uma...

‘Luca’: Pixar aposta na inclusão em filme para cima

O mais recente lançamento da Pixar, “Luca” (2021), dirigido pelo cineasta e ilustrador italiano Enrico Casarosa em seu primeiro longa-metragem como diretor, é um belo filme sobre amadurecimento, superação do medo pelo desconhecido e aceitação das diferenças em vários...

‘The World to Come’: romance pautado pela dor e pelo que está por vir

Tem algumas dores capazes de destruir qualquer relação. De forma semelhante, há aquelas que unem os cacos e são capazes de libertar. Mais do que um drama queer de época, “The World To Come” fala sobre essas lesões emocionais, pautado, especialmente, na solidão e como...

‘Veneza’: o sonho como antítese da pesada realidade

A certa altura de Veneza, novo filme de Miguel Falabella, uma das personagens, após assistir a uma apresentação teatral num circo, diz a um dos atores da trupe: “a história não é de verdade, mas eu sempre choro”. De certa forma, essa fala resume a obra: Veneza é um...

‘Awake’: thriller de ficção científica perdido e sem propósito

Um filme como “Awake” poderia ser classificado como um thriller de ficção científica, mas que não é bom nem em ser thriller e muito menos em ter alguma base científica relevante na sua trama. Se você quer uma experiência de tensão real ou uma narrativa envolvente, com...

‘Espiral: O Legado de Jogos Mortais’: série pela hora da morte

Na primeira década dos anos 2000, os multiplexes do mundo foram, por um bom tempo, assombrados por pôsteres assustadores que mostravam pés decepados e outros horrores nos seus salões de entrada. E dentro das salas, se podiam ver cenas com gente usando máscaras de...

‘Missão Cupido’: comédia sobrenatural para não se levar a sério

Se eu acreditasse em astrologia, diria que o Brasil está passando por um inferno astral. E, nesses momentos, nada como dar umas risadas descomprometidas para aliviar a tensão. Essa é a proposta de Ricardo Bittencourt ("Real – O Plano por Trás da História") em "Missão...

‘Invocação do Mal 3’: James Wan faz falta no pior filme da franquia

James Wan é um cara esperto, um cineasta inteligente e talentoso, que não fez nenhuma obra-prima, mas também não realizou nenhum filme ruim até agora. No seu trabalho dentro do gênero terror, ele não reinventou a roda, mas soube dar uma bela polida nela, trazendo seu...

‘Anônimo’: Bob Odenkirk surpreende como herói improvável

Na história do cinema, isso sempre aconteceu: um filme de certo gênero aparece, traz alguma inovação ou inaugura uma tendência, faz sucesso e, por algum tempo, vira o padrão dentro deste gênero. Tubarão (1975) deu origem a um subgênero de filmes abilolados de tubarões...

‘Cruella’: fúria punk e figurinos luxuosos comandam diversão

Durante a minha infância, tínhamos o costume de nos reunir aos finais de semana para assistir filmes de animação. Foi assim que vi (e decorei as músicas) dos clássicos da Disney. Com o tempo, os gêneros foram mudando, mas as lembranças desses momentos permaneceram....