“Eu não sou um personagem”

Essa frase dita pela ex-presidenta do Brasil, Dilma Rousseff, embala o que pode ser conferido em “Alvorada”, documentário de Anna Muylaert e Lô Politi. As diretoras adotam a estética observacional para nos fazer imergir no cotidiano dos últimos dias de Dilma no Palácio da Alvorada.

Fazemos um passeio pela residência presidencial e seus habitantes durante os dias entre a abertura do processo de impeachment (também conhecido como golpe) na Câmara dos Deputados e a confirmação de sua destituição. Ao optar por essa construção, três elementos se destacam: o som, o Alvorada e a própria Dilma.

O retrato de Dilma Rousseff

Diferentemente de produções semelhantes como “O Processo” (2018), “Excelentíssimos” (2018) e “Democracia em Vertigem” (2019), “Alvorada” é um passeio pela persona Dilma Rousseff. É a construção de seu retrato. Podemos ter um vislumbre de quem é essa senhora que foi torturada durante a ditadura, tornou-se a primeira mulher a ser chefe de estado no Brasil e passou por um injusto processo de impeachment. Se você se deixou levar pelas imagens midiáticas e os discursos confusos, o retrato que Muylart e Politi constroem dessa figura emblemática nos oferece uma perspectiva diferente.

Parte disso se deve a corporalidade de Rousseff e a câmera de Cesar Charlone (“Cidade de Deus”, “Dois Papas”) e Politi que busca detalhes de suas expressões a fim de perceber o que se passava na mente dela nesse período. Tal abordagem é curiosa e reflexiona numa fala da ex-presidenta: “eu não me deprimo”.

Observar seu andar curvado e, de certa forma, despojado aliado ao olhar firme e inexpressivo, atestam a sua colocação. Dilma tem um andar não altivo, mas obstinado. Perpassando a sensação de alguém seguro, que não deve nada a ninguém ao mesmo tempo em que emite percepções do tumulto de sua mente.

Um espaço para não chamar de lar

A direção toma esses aspectos para deixar nítido o isolamento que Dilma se encontrava no Palácio por meio do uso de planos mais abertos, da falta de tato para abrir uma cortina ou simplesmente de uma fala na qual ela esboça o quão distante está o Alvorada de ser um lar. O espaço também é responsável por indicar as mudanças graduais que levariam ao afastamento da presidenta. Estamos diante de um local que tem vida própria e se camufla de acordo com seus públicos e eventos, a mesma casa que abriga jornalistas, é capaz de receber mães, atletas e urubus.

A ligação constante com o espaço e as vidas que o habitam contribui para alicerçar a sensação de distanciamento e, em certa medida, de angústia que se instala no decorrer da trama. Esse sentimento parece emergir também das inúmeras figuras que rondam a presidência e piora à medida em que recordamos o subsolo do fundo do poço em que o país se encontra. Esse retrospecto pode ser notado ainda nos diálogos de Dilma que consegue abordar desde a história do Brasil ao “Paraiso Perdido” de John Milton.

As notas de Portaro

Quem também se destaca é a trilha sonora de Patricia Portaro (“Boca a Boca”, “Babenco: Alguém Tem que Ouvir o Coração e dizer parou”): por meio dela passeamos por vários gêneros e compreendemos de forma mais contundente as percepções que rondaram o Alvorada durante o processo.

Maior prova disso é o impacto que a trilha inicial – a qual remete aos épicos do cinema clássico -, ainda na tela preta, reverbera nos primeiros instantes da produção. O samba e a quebra de perspectivas por meio da trilha também são importantes para dar o tom retratista e sensível que a produção evoca.

“Alvorada” surge como um registro e memória diferenciados não só dos últimos dias de Dilma Rousseff liderando o país, mas de tempos diferentes e saudosos. Quando os créditos sobem, fica a lembrança da garra de Dilma e da cena derradeira: os urubus invadindo o espaço que ela não conseguia chamar de lar.

‘Bar Doce Lar’: má fase de George Clooney persiste em filme repetitivo

Logo no início de “Bar Doce Lar”, título horroroso no Brasil para o filme disponível no Amazon Prime, JR diz gostar de viver na casa do avô ao contrário da mãe. O motivo: a presença de muita gente no local. Tal fala, entretanto, ganha um contorno maior para além da...

Onde foram parar e por que os filmes de cassino sumiram das telonas?

De filmes de ação a dramas, há grandes clássicos do cinema e títulos dos anos 90 e 2000 que destacam os poderosos cassinos, particularmente os encontrados nos Estados Unidos. Não há um brasileiro que não se lembre de pelo menos dois filmes que destacavam os luxuosos...

‘O Canto do Cisne’: não funciona como romance nem como sci-fi

À primeira vista, “O Canto do Cisne” engana bem: Mahershala Ali e Naomie Harris com a excelência de sempre e ainda com Glenn Close e Awkwafina como coadjuvantes de luxo, um visual atrativo pela modernidade clean do design de produção e do cenário principal...

‘Apresentando os Ricardos’: Sorkin racionaliza demais universo das sitcoms

Lucille Ball quer um lar. E ele definitivamente não vai ser construído em um cinema cerebral demais como o de Aaron Sorkin. “Apresentando os Ricardos”, nova investida dele na direção, é um retrato sem o brilho que fez de Ball a estrela mais assistida da TV dos Estados...

‘Não Olhe Para Cima’: sátira caminha por trilha segura em críticas

Quando “House of Cards” estreou na Netflix em fevereiro de 2013 chocou uma (ingênua) parcela do público sobre como o coração da política norte-americana poderia ser tão ardiloso e baixo. Era época de um suposto idealismo democrático com Barack Obama, primeiro...

‘Matrix Resurrections’: Lana Wachowski recorda o valor do risco em Hollywood

Se “Matrix” encontra paralelos diretos em “Metrópolis” ou “Blade Runner” dentro do universo de distopias e ficções científicas, pode-se dizer que “Matrix Resurrections” está mais próximo de obras como “Crepúsculo dos Deuses” ou “O Jogador” como análise ácida e...

‘Belfast’: Kenneth Branagh retorna à infância em filme singelo

Vários diretores, ao longo da história do cinema, fizeram filmes baseados em suas próprias vidas. Gente graúda, como François Truffaut (Os Incompreendidos), Federico Fellini (Amarcord) ou Ingmar Bergman (Fanny & Alexander), para citar só alguns dos mais marcantes....

‘A Mão de Deus’: Sorrentino navega no (bom) exagero em filme familiar

As relações familiares são o ponto de partida de “A mão de Deus”, novo filme do diretor italiano Paolo Sorrentino (“A Grande Beleza”). O protagonista da trama é Fábio Schisa (Filippo Scotti), um adolescente que vive com os pais e dois irmãos mais velhos na Nápoles dos...

‘Homem-Aranha: Sem Volta Para Casa’: a maturidade chega a Peter Parker

Com três intérpretes diferentes, o Homem-Aranha é o herói mais replicado no cinema (ao menos no século XXI). E é claro que a cada nova saga do herói a expectativa é sempre de superação, mas, mesmo sob essa pressão, em 2017, Tom Holland conseguiu se consagrar como...

‘Encontros’: Riz Ahmed faz o que pode em sci-fi morna

Riz Ahmed vem se consolidando como um dos melhores e mais interessantes atores de Hollywood no momento. O cara até agora não deu uma bola fora e, em alguns casos, até elevou algumas produções. Foi merecidamente indicado ao Oscar de Melhor Ator por O Som do Silêncio...