Há algum tempo me propus à reflexão sobre a representatividade da adolescente gorda no cinema. Entre os variados rostos que preencheram os estereótipos apresentados estava o de Beanie Feldstein, intérprete da insípida Julie Steffans em “Lady Bird”. E, é com prazer que a vejo dividir o protagonismo com Kaitlyn Dever em “Fora de Série”, estreia de Olivia Wilde como diretora.

“Fora de Série” se encaixa no subgênero coming-age e tem um texto sagaz e muito identificável, embora sejam obras diferentes, essa identificação acaba por rememorar “Oitava Série”, longa de Bo Burnham. Entretanto, a característica mais forte da produção de Wilde é a subversão dos padrões já estabelecidos nesse “clássico” tipo de filme, tornando-o uma referência contemporânea do gênero.

A comédia traz a história das melhores amigas Molly (Feldstein) e Amy (Dever), que, prestes a se formarem no Ensino Médio, descobrem que tudo aquilo que abriram mão durante esse período, para entrarem em boas faculdades, não foi suficiente para as tornarem especiais. Pelo contrário: todos aqueles que se divertiram e aproveitaram o momento também passaram em faculdades renomadas. A partir daí, elas têm uma noite – literalmente – para recuperarem o tempo perdido.

Quebra de Padrões

De um lado está Molly: gorda, feminista convicta e presidente da turma. É chata e um tanto egoísta. Do outro lado, Amy, lésbica assumida, careta e covarde. Esses contrapontos tornam as personagens palpáveis e representativas. Elas teriam tudo para seguirem o tradicional arquétipo de adolescentes excluídas, mas é aqui que as engrenagens de “Fora de Série” começam a assumir rumos distintos. As protagonistas são marginalizadas por vontade própria, diferentemente dos coming-age dos anos 2000, em que o personagem sente orgulho em ser esquisito. Afinal, Molly e Amy se sentem superiores aos outros, por isso, o auto-afastamento parece ser a melhor saída para elas.

Nesse contexto, o caminho escolhido pelas roteiristas (sim, o filme é escrito por quatro mulheres!) é mostrar que a sociedade high school estava preparada para acomodar as meninas, sem a necessidade de modificá-las por completo, mas aceitar suas individualidades e complexidades. As segmentações e pressões sociais ainda existem, mas elas se tornam insignificantes, pois o padrão perde seu valor. Isso traz outro ganho, porque há espaço para que os personagens secundários também apresentem tridimensionalidade e ganhem o público, mesmo com pouco tempo de tela.

Molly & Amy: as crônicas da sororidade

Há uma verdadeira preocupação em transmitir com veracidade a experiência da adolescência – aqui mais um paralelo com o filme de Burnham. Isto é visto por meio da naturalidade com que os temas e as interpretações do elenco são projetados. Há coragem e fidelidade na maneira como todos no filme falam de sexo, na representatividade LGBTQ distante de clichês, na empolgação de novas experiências e a forma de lidar com julgamentos e boatos entre os colegas de escola. Tanto o time de roteiristas quanto a diretora conseguem traduzir as especificidades desta geração. Se o “Clube dos Cinco” mostrou a adolescência dos anos 80 e “Meninas Malvadas” dos anos 2000, “Fora de Série” tem tudo para ser o coming-age da década.

Um dos principais elementos que apontam o filme como o representante coming-age da década é a sororidade. Tornou-se comum que projetos para esse público sejam calcados em competições femininas por interesses amorosos, melhores notas ou popularidade.  Embora essa nunca tenha sido uma das características verídicas da amizade feminina. A relação entre as mulheres criadas por Wilde não é assim. Mesmo as personagens secundárias estão dispostas a somarem com as outras.

 Triple A (Molly Gordon), Gigi (Billie Lourd), Ryan (Victoria Ruesga) são apenas alguns exemplos de garotas que, em outras produções adolescentes, encaixar-se-iam em estereótipos competitivos, mas aqui não. A sororidade e a parceria feminina são mais um retrato do comportamento feminino contemporâneo. Perceba, parceria feminina, não amizade. Mas Molly e Amy conseguem transpor o ponto máximo da parceira. A lealdade é tão presente entre elas que falas como “quem te permitiu ser tão linda? quem permitiu que você me deixasse sem fôlego” são constantes e emocionantes. Elas prezam para que o melhor da outra aflore e esse retrato raro de amizade é complementado pela química de Feldstein e Dever. Elas transmitem sintonia e verdade em suas performances.

O amadurecimento proposto em “Fora de Série” está relacionado a se permitir e quebrar seus próprios pequenos padrões. A obra apresenta o processo de ressignificação de aparências e valores, algo que se tornou uma das bandeiras da juventude contemporânea.  Aproximando ainda mais o filme da ideia de ser a comédia adolescente da década.

Wilde ousa em trazer em seu debut quebra de padrões e uma ode à sororidade e é isso o que torna “Fora de Série” tão legítima e admirável. Claro, que não se pode esquecer o quanto a presença de mulheres no set para contar narrativas femininas é imprescindível. Afinal o que seria de Molly e Amy sem o quarteto roteirista, a diretora e três produtoras?

Chega bater a vontade de ligar para a melhor amiga.

O que torna Pauline Kael um ícone da crítica cinematográfica?

Nascida em uma fazenda na Califórnia, Pauline Kael estudou filosofia na Universidade de Berkeley, mas abandonou a faculdade e se mudou para Nova York no início da década de 1940. Algum tempo depois, ela conheceu o poeta e escritor Lawrence Ferlinghetti em um café. Ele...

10 Mulheres Roteiristas da Atualidade que Você Precisa Conhecer

Todo filme precisa de um roteiro para conduzir como as coisas vão se desenvolver. Embora o roteirista não seja tão aclamado e prestigiado pelo público, ele é uma figura de extrema importância para a realização de boas produções.Um roteiro bem trabalhado e...

‘Uma obra viva de arte’: o legado de Agnès Varda em 10 filmes

Conheci Agnès Varda aos 15 anos de idade.No momento da vida que eu desvendava o cinema, suas possibilidades e me apaixonava. Foi assistindo "Reposta das Mulheres", um pequeno manifesto feminista sobre a mulher e seu corpo, que eu descobri que o cinema...

Oito Grandes Artistas Mulheres do Cinema que Você Precisa Conhecer

"Qual profissional do cinema (diretora, atriz, roteirista, montadora, figurinista, diretora de fotografia...) você acha que o público precisa conhecer mais e por quê?" Esta pergunta foi feita a algumas das principais críticas de cinema do Brasil pela...

Mulheres Críticas de Cinema que Você Precisa Conhecer

A luta das mulheres dentro da indústria do cinema não se resume apenas no processo de realização de um filme seja na frente ou atrás das câmeras. Como comprova estudo realizado pela escola de comunicação e jornalismo USC Annenberg, nos EUA, a crítica...

‘Absorvendo o tabu’: tema essencial à saúde da mulher patina em narrativa superficial

O curta-documentário “Absorvendo o tabu” (Period. End of Sentence, 2018) captura a atenção do espectador ocidental pelo espanto. Não se trata de uma surpresa que assuste como um filme de terror, e sim aquela que nos toca pelo absurdo da situação que busca...

‘Be Natural’: rica pesquisa ampara documentário sobre primeira diretora de cinema do mundo

Vivemos tempos em que a história é questionada sem a mínima base para tal, e isso torna mais emblemático assistir a Be natural: a história não contada da primeira cineasta do mundo em 2018. O filme foca na vida da diretora francesa Alice Guy-Blaché, assim...

Especial #MeToo: o que mudou no mundo do Cinema após o movimento feminista?

O dia 5 de outubro de 2017 entrou para a história da indústria do cinema: o artigo intitulado “Harvey Weinstein Paid off Sexual Harassment Accusers For Decades” ("Harvey Weinstein pagou os acusadores de assédio sexual por décadas", em tradução livre) foi...

Especial #MeToo: Harvey Weinstein, um ano depois: e as vítimas?

Parecia uma quinta-feira normal, mas o 5 de outubro de 2017 (portanto, há exatamente um ano) terminou como o dia em que uma bomba caiu na cabeça de um dos homens mais poderosos de Hollywood. Havia um relato ali e outro aqui, mas foi a reportagem do New...

Especial #MeToo: 10 Filmes Influenciados pelo movimento feminista nos cinemas

Desde outubro de 2017, quando o The New York Times reportou as diversas denuncias de abusos sexuais contra Harvey Weinstein, as alegações provocaram um divisor de águas no tratamento do assédio sexual na industria do cinema, o que de origem ao movimento...