Detentora de inúmeros prêmios e considerada uma das maiores atrizes do cinema francês e europeu, Isabelle Huppert (“Elle”) é o tipo de artista que possui um magnetismo quase orgânico com o benefício de uma carreira marcada por interpretações sólidas. Dito isto, é certo afirmar que qualquer longa com seu nome já carrega uma grande responsabilidade e expectativa e, felizmente, ‘Frankie’ faz bom uso de seu talento também contando com um elenco à altura, faltando somente maiores oportunidades da trama explorar todo potencial de seus atores. 

Co-roteirizado e dirigido por Ira Sachs (“O Amor é Estranho”), o longa acompanha a renomada atriz Frankie (Isabelle Huppert), a qual descobre ter poucos meses de vida. Para as últimas férias em família, ela decide realizar uma reunião na turística cidade de Sintra, em Portugal. Além de ser o cenário perfeito para se despedir dos familiares, a ocasião também revela o desejo de Frankie em interferir no futuro do grupo. 

O filme tem como aliado diálogos precisos e extremamente relevantes para a narrativa, com muitas cenas sendo resolvidas por uma simples interpretação da conversa. Assim, apesar de não existirem muitos momentos emotivos ou grandiosos, a trama consegue chamar atenção por sua construção voltada a diálogos soltos de diferentes personagens que se interligam.   

O resultado da parceria no roteiro entre Sachs e o brasileiro Mauricio Zacharias também rende ótimos momentos para Isabelle Huppert. A atriz carrega toda a dramaticidade de sua morte iminente ao mesmo tempo em que tenta passar serenidade para a família. O roteiro nos permite ainda conhecer melhor cada um dos personagens apresentados, mesmo aqueles que não possuem tanta relevância para narrativa. 

Poderia ser melhor? 

Existem muitos filmes que já abordaram essa temática sobre a morte ou uma doença reunir um núcleo familiar problemático, portanto, é muito difícil não fazer comparações com possíveis caminhos para ‘Frankie’. Mesmo sendo um filme regular e interessante de observar suas relações familiares, ele não busca um total aprofundamento mais complexo como ‘É Apenas o Fim do Mundo’, nem um flerte com a comédia como ‘Sete Dias Sem Fim’, pairando sobre diferentes gêneros de forma quase covarde. 

Somente os diálogos e a dinâmica entre o elenco conseguem tornar válida uma segunda exibição do longa, porém, quando chegamos no desfecho, sempre fica aquela impressão de que faltou alguma coisa. Afinal, “Frankie” mostra os familiares espalhados pela cidade e, quando existe o encontro do grupo, somos novamente bombardeados por um belo cenário, mas, nesta que poderia ser uma grande cena, temos a ausência total dos ótimos diálogos, onde era possível de acontecer um clímax. 

Na tentativa de unir a família mais uma vez, “Frankie”, assim como o público, logo percebe que não existem esforços suficientes para consertar as coisas como gostaria. Com o talento habitual, Isabelle Huppert pontua mais uma atuação consistente, a qual poderia ter sido brilhante caso o roteiro do longa tivesse se voltado para mais momentos mais decisivos. Assim, apesar de ser um filme facilmente assistível, é impossível não pensar no que a história poderia ter se tornado caso seu roteiro tivesse se arriscado mais. 

‘Lupin’: Omar Sy supera narrativa previsível em série mediana

Apresentando Arséne Lupin para o restante do mundo, a nova produção francesa da Netflix, ‘Lupin’ é baseada nos romances policiais de Maurice Leblanc contando com a responsabilidade de atualizar suas histórias para os dias atuais. Apesar de possuir uma narrativa pouco...

‘Minari’: naturalismo e honestidade dão o tom de belo filme

Minari, do diretor Lee Isaac Chung, é uma obra delicada e que tem um carinho muito perceptível pelos seus personagens e a história que conta. É uma trama comum no cinema - imigrantes lutando para sobreviver e prosperar numa terra nova - e parcialmente baseada na...

‘Miss Juneteenth’: a busca pela construção do sonho americano negro

Durante uma conversa, o dono do bar em que Turquoise Jones (Nicole Beharie) trabalha afirma que o sonho americano existe, menos para os negros. Esse é um resumo do que aborda “Miss Juneteenth”, longa de Channing Godfrey Peoples. A diretora, que também assina o...

‘Judas e o Messias Negro’: um decepcionante bom filme

Digam o que quiserem do Judas Iscariotes, mas ele é o personagem mais interessante da Bíblia -  do ponto de vista dramático, claro. Porque drama é conflito, e Judas vivia em conflito, e isso faz dele a figura interessante já dramatizada e analisada várias vezes em...

‘Eu Me Importo’: o melhor trabalho de Rosamund Pike desde ‘Garota Exemplar’

Rosamund Pike é uma atriz interessante. Ela tem o talento, a competência como intérprete e a beleza, o pacote completo para virar mega-estrela. A inglesa fez papel de mocinha, esteve até em alguns filmes de ação, mas nunca chegou a dar aquele grande salto para o...

‘O Amor de Sylvie’: Tessa Thompson brilha em romance clichê

“A maioria das pessoas nunca encontra esse tipo de amor. Nem por um verão” Uma protagonista negra segura de si e disposta a lutar pelos seus interesses. Um amor que ultrapassa os anos e a distância. Por mais que isso soe piegas, tinha esperança que esse não fosse o...

‘Adú’: tramas demais prejudicam foco central de drama espanhol

Adú, produção espanhola da Netflix, é um tipo de obra audiovisual que o cinema sempre lançou, mas que vemos com certa frequência hoje em dia: o filme sobre um tópico social importante da atualidade, bem-produzido e bem fotografado, que visa, além de entreter, educar o...

‘A Escavação’: duas metades desequilibradas atrapalham drama

No drama A Escavação, da Netflix, tudo gira em torno de trazer coisas e emoções à superfície. A trama é baseada em fatos reais e reconstitui uma das mais importantes descobertas arqueológicas já feitas no Reino Unido, o “achado de Sutton Hoo”. Tudo começa quando a...

‘Palmer’: Justin Timberlake emociona em drama de fórmula infalível

Em Palmer, drama da Apple TV+ dirigido pelo ator e diretor Fisher Stevens, a proposta é lançar um olhar sensível sobre questões de gênero e de masculinidade. É a história de um homem endurecido de uma geração anterior confrontado pelo mundo moderno, e aprendendo a...

‘Wolfwalkers’: ótima animação sem medo de abordar a morte

Uma animação em 2D de um pequeno estúdio e com baixo orçamento. Essas não parecem ser as características de um filme premiado ou notório na temporada de premiações, mas ‘Wolfwalkers’ atende a todos esses requisitos com benefício de abordar temáticas mais adultas assim...