Detentora de inúmeros prêmios e considerada uma das maiores atrizes do cinema francês e europeu, Isabelle Huppert (“Elle”) é o tipo de artista que possui um magnetismo quase orgânico com o benefício de uma carreira marcada por interpretações sólidas. Dito isto, é certo afirmar que qualquer longa com seu nome já carrega uma grande responsabilidade e expectativa e, felizmente, ‘Frankie’ faz bom uso de seu talento também contando com um elenco à altura, faltando somente maiores oportunidades da trama explorar todo potencial de seus atores. 

Co-roteirizado e dirigido por Ira Sachs (“O Amor é Estranho”), o longa acompanha a renomada atriz Frankie (Isabelle Huppert), a qual descobre ter poucos meses de vida. Para as últimas férias em família, ela decide realizar uma reunião na turística cidade de Sintra, em Portugal. Além de ser o cenário perfeito para se despedir dos familiares, a ocasião também revela o desejo de Frankie em interferir no futuro do grupo. 

O filme tem como aliado diálogos precisos e extremamente relevantes para a narrativa, com muitas cenas sendo resolvidas por uma simples interpretação da conversa. Assim, apesar de não existirem muitos momentos emotivos ou grandiosos, a trama consegue chamar atenção por sua construção voltada a diálogos soltos de diferentes personagens que se interligam.   

O resultado da parceria no roteiro entre Sachs e o brasileiro Mauricio Zacharias também rende ótimos momentos para Isabelle Huppert. A atriz carrega toda a dramaticidade de sua morte iminente ao mesmo tempo em que tenta passar serenidade para a família. O roteiro nos permite ainda conhecer melhor cada um dos personagens apresentados, mesmo aqueles que não possuem tanta relevância para narrativa. 

Poderia ser melhor? 

Existem muitos filmes que já abordaram essa temática sobre a morte ou uma doença reunir um núcleo familiar problemático, portanto, é muito difícil não fazer comparações com possíveis caminhos para ‘Frankie’. Mesmo sendo um filme regular e interessante de observar suas relações familiares, ele não busca um total aprofundamento mais complexo como ‘É Apenas o Fim do Mundo’, nem um flerte com a comédia como ‘Sete Dias Sem Fim’, pairando sobre diferentes gêneros de forma quase covarde. 

Somente os diálogos e a dinâmica entre o elenco conseguem tornar válida uma segunda exibição do longa, porém, quando chegamos no desfecho, sempre fica aquela impressão de que faltou alguma coisa. Afinal, “Frankie” mostra os familiares espalhados pela cidade e, quando existe o encontro do grupo, somos novamente bombardeados por um belo cenário, mas, nesta que poderia ser uma grande cena, temos a ausência total dos ótimos diálogos, onde era possível de acontecer um clímax. 

Na tentativa de unir a família mais uma vez, “Frankie”, assim como o público, logo percebe que não existem esforços suficientes para consertar as coisas como gostaria. Com o talento habitual, Isabelle Huppert pontua mais uma atuação consistente, a qual poderia ter sido brilhante caso o roteiro do longa tivesse se voltado para mais momentos mais decisivos. Assim, apesar de ser um filme facilmente assistível, é impossível não pensar no que a história poderia ter se tornado caso seu roteiro tivesse se arriscado mais. 

‘Caros Camaradas’: a desintegração do comunismo soviético

A primeira coisa que você deve saber acerca de “Caros Camaradas” é que estamos diante de um filme forte, necessário e que ainda se apropria de causas hoje presentes estruturados em uma sociedade desigual. Dito isso, vamos ao filme. “Caros Camaradas” narra um momento...

Trilogia ‘Rua do Medo’: diversão rasa, nostálgica e descartável

Séries de TV têm sido um dos pilares fundamentais na consolidação global da Netflix como o maior serviço de streaming do mundo. Boas, ótimas ou ruins, vindas de diversas partes do mundo, não importa: sempre podemos contar com a produção serializada de TV como parte...

‘Viúva Negra’: o pior filme da Marvel em muitos anos

Durante muito tempo, os fãs das produções da Marvel Studios pediam por um filme solo da heroína Viúva Negra. A estrela Scarlett Johansson também queria fazer. Para quem deseja entender um pouco dos meandros de Hollywood e esclarecer porque o filme da Viúva não saiu,...

‘Nem Um Passo em Falso’: Soderbergh perdido no próprio estilo

Steven Soderbergh é um cineasta, no mínimo, curioso. Seu primeiro filme, Sexo, Mentiras e Videotape (1989) mudou os rumos do cinema independente norte-americano quando saiu – e é, de fato, um grande filme. Ao longo dos anos, ele ganhou Oscar de direção por Traffic...

‘Um Lugar Silencioso 2’: ponte com dias atuais mirando futuro da franquia

“Um Lugar Silencioso” foi um dos meus filmes favoritos de 2018. A ambientação, o uso de recursos sonoros e a narrativa capaz de gerar tantas leituras e interpretações foram aspectos determinantes para a catarse causada e suscitar indagações quanto a necessidade de uma...

‘A Guerra do Amanhã’: estupidez eleva à potência máxima

A certa altura de A Guerra do Amanhã, o herói do filme se vê segurando pela mão outra personagem que está prestes a cair num abismo em chamas. Ela cai, ele grita “Nãããoo!” em câmera lenta, e aí eu dei risada e joguei minhas mãos para o ar. Tem certas coisas que não...

‘Four Good Days’: Glenn Close em novelão sobre recomeços

Glenn Close é uma das maiores atrizes de todos os tempos. Um fato indiscutível. Mas também é uma das mais injustiçadas se pensarmos em premiações. E o Oscar é o maior deles. Bem verdade que, ao longo dos anos, a Academia perdeu grande parte de sua relevância, mas...

‘Shiva Baby’: crônica do amadurecimento na era do excesso de informações

“Shiva Baby” é o trabalho de estreia da diretora canadense Emma Seligman e retrata um dia na vida de Danielle (Rachel Sennott), jovem universitária que encontra seu sugar daddy (pessoa mais velha que banca financeiramente alguém, em troca de companhia ou de favores...

‘Em um Bairro de Nova York’: sobre ‘suañitos’ e fazer a diferença

É preciso dizer que Jon M. Chu e Lin-Manuel Miranda são os artistas atuais mais populares no quesito representatividade em Hollywood. Chu é responsável por trazer o primeiro filme norte-americano em 25 anos com um elenco totalmente asiático e asiático-americano –...

‘Noites de Alface’: riqueza da rotina duela contra mistérios vazios

Apesar de “Noites de Alface” estar envolto em situações misteriosas, elas não têm tanta importância quando o mais interessante são as reflexões sobre envelhecer e das trivialidades da rotina cotidiana.  O grande trunfo do filme é ouvir os protagonistas dessa trama...