Detentora de inúmeros prêmios e considerada uma das maiores atrizes do cinema francês e europeu, Isabelle Huppert (“Elle”) é o tipo de artista que possui um magnetismo quase orgânico com o benefício de uma carreira marcada por interpretações sólidas. Dito isto, é certo afirmar que qualquer longa com seu nome já carrega uma grande responsabilidade e expectativa e, felizmente, ‘Frankie’ faz bom uso de seu talento também contando com um elenco à altura, faltando somente maiores oportunidades da trama explorar todo potencial de seus atores. 

Co-roteirizado e dirigido por Ira Sachs (“O Amor é Estranho”), o longa acompanha a renomada atriz Frankie (Isabelle Huppert), a qual descobre ter poucos meses de vida. Para as últimas férias em família, ela decide realizar uma reunião na turística cidade de Sintra, em Portugal. Além de ser o cenário perfeito para se despedir dos familiares, a ocasião também revela o desejo de Frankie em interferir no futuro do grupo. 

O filme tem como aliado diálogos precisos e extremamente relevantes para a narrativa, com muitas cenas sendo resolvidas por uma simples interpretação da conversa. Assim, apesar de não existirem muitos momentos emotivos ou grandiosos, a trama consegue chamar atenção por sua construção voltada a diálogos soltos de diferentes personagens que se interligam.   

O resultado da parceria no roteiro entre Sachs e o brasileiro Mauricio Zacharias também rende ótimos momentos para Isabelle Huppert. A atriz carrega toda a dramaticidade de sua morte iminente ao mesmo tempo em que tenta passar serenidade para a família. O roteiro nos permite ainda conhecer melhor cada um dos personagens apresentados, mesmo aqueles que não possuem tanta relevância para narrativa. 

Poderia ser melhor? 

Existem muitos filmes que já abordaram essa temática sobre a morte ou uma doença reunir um núcleo familiar problemático, portanto, é muito difícil não fazer comparações com possíveis caminhos para ‘Frankie’. Mesmo sendo um filme regular e interessante de observar suas relações familiares, ele não busca um total aprofundamento mais complexo como ‘É Apenas o Fim do Mundo’, nem um flerte com a comédia como ‘Sete Dias Sem Fim’, pairando sobre diferentes gêneros de forma quase covarde. 

Somente os diálogos e a dinâmica entre o elenco conseguem tornar válida uma segunda exibição do longa, porém, quando chegamos no desfecho, sempre fica aquela impressão de que faltou alguma coisa. Afinal, “Frankie” mostra os familiares espalhados pela cidade e, quando existe o encontro do grupo, somos novamente bombardeados por um belo cenário, mas, nesta que poderia ser uma grande cena, temos a ausência total dos ótimos diálogos, onde era possível de acontecer um clímax. 

Na tentativa de unir a família mais uma vez, “Frankie”, assim como o público, logo percebe que não existem esforços suficientes para consertar as coisas como gostaria. Com o talento habitual, Isabelle Huppert pontua mais uma atuação consistente, a qual poderia ter sido brilhante caso o roteiro do longa tivesse se voltado para mais momentos mais decisivos. Assim, apesar de ser um filme facilmente assistível, é impossível não pensar no que a história poderia ter se tornado caso seu roteiro tivesse se arriscado mais. 

CRÍTICA | ‘Twisters’: senso de perigo cresce em sequência superior ao original

Quando, logo na primeira cena, um tornado começa a matar, um a um, a equipe de adolescentes metidos a cientistas comandada por Kate (Daisy Edgar-Jones) como um vilão de filme slasher, fica claro que estamos diante de algo diferente do “Twister” de 1996. Leia-se: um...

CRÍTICA | ‘In a Violent Nature’: tentativa (quase) boa de desconstrução do Slasher

O slasher é um dos subgêneros mais fáceis de se identificar dentro do cinema de terror. Caracterizado por um assassino geralmente mascarado que persegue e mata suas vítimas, frequentemente adolescentes ou jovens adultos, esses filmes seguem uma fórmula bem definida....

CRÍTICA | ‘MaXXXine’: mais estilo que substância

A atriz Mia Goth e o diretor Ti West estabeleceram uma daquelas parcerias especiais e incríveis do cinema quando fizeram X: A Marca da Morte (2021): o que era para ser um terror despretensioso que homenagearia o cinema slasher e também o seu primo mal visto, o pornô,...

CRÍTICA | ‘Salão de baile’: documentário enciclopédico sobre Ballroom transcende padrão pelo conteúdo

Documentários tradicionais e que se fazem de entrevistas alternadas com imagens de arquivo ou de preenchimento sobre o tema normalmente resultam em experiências repetitivas, monótonas e desinteressantes. Mas como a regra principal do cinema é: não tem regra. Salão de...

CRÍTICA | ‘Geração Ciborgue’ e a desconexão social de uma geração

Kai cria um implante externo na têmpora que permite, por vibrações e por uma conexão a sensores de órbita, “ouvir” cada raio cósmico e tempestade solar que atinge o planeta Terra. Ao seu lado, outros tem aparatos similares que permitem a conversão de cor em som. De...

CRÍTICA | ‘Um Dia Antes de Todos os Outros’: drama naturalista não supera pecha de inofensivo

Pontuado por lampejos de qualquer coisa singular, Um dia antes de todos os outros é a epítome do drama independente naturalista brasileiro contemporâneo. A simplicidade de um conceito: um dia para desocupar um apartamento que coloca quatro mulheres diferentes nesse...

CRÍTICA | ‘Ivo’: simplismo naturalista leve para lidar com temas muito pesados

Enfermeira e ceifadora, a personagem título de Ivo expressa pela atriz Minna Wündrich tudo o que o filme é. A morte como elemento constante e sem cerimônia. A inevitabilidade da vida tratada com leveza mas não tanto. Com seriedade mas não tanto. Com um humor que não...

CRÍTICA | ‘Baby’: Existe amor em éssipê

O recomeço é sempre um processo difícil. Para muitos garotos ainda no fim da adolescência ou no início da vida adulta, ele é ingrato por natureza. Em “Baby”, o diretor Marcelo Caetano parte de um recomeço forçado para contar uma história de sobrevivência e encontro....

CRÍTICA | ‘Não existe almoço grátis’: doc. sobre cozinhas solidárias do MTST fica no arroz com feijão bem feito

Filme de estreia de sua dupla de diretores, Não existe almoço grátis meio que não erra em nada. É um documentário que consegue o que quer no retrato de suas três personagens principais como exemplos da pluralidade da cozinha solidária do MTST. Que apresenta bem o...

CRÍTICA | ‘Um Tira da Pesada 4’: o filme mais preguiçoso da temporada

Quarenta anos depois, a cidade de Detroit continua feia e o astro Eddie Murphy muito engraçado... e preguiçoso. Este Um Tira da Pesada 4: Axel Foley, nova continuação do sucesso de 1984 que transformou Murphy em mega astro mundial, chega à Netflix como um exercício de...