Em sua produção como diretora – que, até então, compunha-se dos curtas Strip Solidão (2013) e Dom Kimura (2016) –, Flávia Abtibol já vinha mostrando uma disposição especial para aproximar-se do mundo de seus personagens: é a empatia a qualidade que redime a narrativa “correta” e sanitizada demais de Strip Solidão, assim como é o evidente fascínio da realizadora pelas histórias do ex-lutador de telecatch e radialista Raimundo Maia Israel, o Dom Kimura que dá título a seu outro filme, o que lhe levaria a comunicar tanto entusiasmo naquele precioso trabalho.

A mesma qualidade marca O Céu dos Índios, documentário realizado em parceria com Chicco Moreira, e que, em seus eficientes 23 minutos (26 se contados os créditos finais), abre uma janela para a fascinante cosmologia das etinias indígenas Desâna e Tuiuca, habitantes sobretudo da região do Alto Rio Negro, na fronteira Brasil-Colômbia. Aliás, é importante atentar para o título da nova obra: O Céu dos Índios, nome arriscadamente generalista, é completado nos créditos iniciais pelos nomes das duas etnisas, para que ninguém se engane quanto às pretensões da obra, que não pretende dar conta de todas as visões de “céu” das culturas indígenas.

A premissa é enganosamente simples: resumir, em sua curta duração, como o ato de observar as estrelas é tão importante para a formação da cultura e dos hábitos das duas etnias. Guiados pelo pesquisador e antropólogo desâna Jaime Diákara, aprendemos sobre a importância dessa prática para as duas etnias de forma didática e simplificada, graças a uma inteligente escolha narrativa: o espectador é colocado no mesmo ponto de vista das crianças para quem o pesquisador explica tudo.

O uso discreto e elegante de animações – recurso empregado com sucesso em Dom Kimura – ajuda a dinamizar um filme que é quase todo construído em cima de voiceovers, e mostra a sensibilidade da realizadora para o ritmo. Não se trata, que fique claro, de uma videoaula do YouTube: dada a abrangência do tema – coleções inteiras de mitos, e sua influência prática no cotidiano dessas duas etnias –, a opção pela simplificação ajuda a concentrar o material, fazendo do filme basicamente uma introdução ao tema. O que está ótimo.

 Com sua apresentação respeitosa e cativante de um assunto quase desconhecido, mas nunca menos do que fascinante, O Céu dos Índios reafirma a capacidade de Flávia Abtibol de nos convencer a abraçar, também, as pessoas e histórias que lhe despertaram interesse. O curta ainda cumpre uma nobre função extra: eternizar em filme delicadas amostras da tradição oral de duas culturas prestes a virar acervo permanente do passado – as mudanças climáticas provocadas pela urbanização vêm alterando permanentemente os ritmos da natureza, e nem as estrelas podem nos dizer mais, com precisão, se o que vem a seguir é chuva ou seca, algo que os ancestrais Desâna e Tuiuca foram capazes de descobrir, um dia, apenas olhando para o céu.

‘Sol, Pipoca e Magia’: série resgata Joaquim Marinho e a história cultural de Manaus

A websérie documental “Sol, pipoca e magia” se debruça sobre a história de Joaquim Marinho, um dos grandes nomes da cultura amazonense, tendo trabalhado em várias áreas artísticas como agitador e produtor cultural. A obra apresenta a trajetória de Marinho desde a...

‘Sidney Rezende: Meu Enquanto Canto’: doc. frio de lenda do boi-bumbá

O documentário “Sidney Rezende: Meu Enquanto Canto” introduz o espectador à história de um dos principais compositores de toadas, bastante identificado com o boi Garantido (mas também com passagem pelo Caprichoso) que empresta seu nome ao título da obra. O filme é,...

‘A Hespanhola’: choque da alegoria restrita à mesma bolha

Em 2018, lembro-me de discutir com meu então mentor do programa para formação de críticos do Talent Press Rio, o português Luis Oliveira. O tópico: “Infiltrado na Klan”, de Spike Lee. Na ocasião, ele defendia que o filme não era bom por ser isento de qualquer sutileza...

‘O Colar’: pedaços de grande filme ficam pelo caminho

O Festival Olhar do Norte acompanha com lupa a trajetória de Romulo Souza. Afinal, em todas as edições do evento, há um filme do jovem diretor e roteirista amazonense atualmente radicado em Santa Catarina. Na primeira edição foi “Personas”, documentário para além da...

‘Mestres da Tradição na Terra do Guaraná’: tema fascinante perde-se em pequenos excessos

O curta documentário “Mestres da Tradição na Terra do Guaraná”, com direção de Ramon Morato, foca nos músicos que mantêm vivos os ritmos de cancioneiro interiorano amazonense. São canções e ritos comunitários, cujas raízes remontam a culturas indígenas e...

‘Reflexos da Cheia’: uma viagem às origens do cinema dentro do Teatro Amazonas

Durante os nove minutos de “Reflexos da Cheia”, o público do Teatro Amazonas vivenciou uma oportunidade de viajar no tempo na terceira noite do Festival do Olhar do Norte. Engana-se quem deduz que este retorno faz referência apenas ao espantoso período de subida...

‘Cercanias / Gatos’: o universo felino e pitoresco de um condomínio de Manaus

“A Terra Negra dos Kawá” deixou a clara impressão de que Sérgio Andrade estava se repetindo em temas já abordados em “A Floresta de Jonathas” e “Antes o Tempo Não Acabava”. Parecia que os caminhos traçados até ali tinham se esgotado, tornando-se urgente e necessário...

‘Stone Heart’: frieza tira potência da mensagem

Vou abrir meu coração, caro leitor: “Stone Heart” me deixa diante de um impasse. De um lado, impossível não ressaltar o que o filme representa um avanço técnico inegável para o ainda incipiente setor da animação no Amazonas, especialmente, do ponto de vista técnico –...

‘A Bela é Poc’: afeto como resposta à violência manauara

Chega a ser sintomático como a violência de Manaus ganha protagonismo nas telas neste grande ano do cinema amazonense. Na brutalidade do marido contra a esposa em “O Buraco”, de Zeudi Souza, passando pela fúria surrealista de “Graves e Agudos em Construção”, de Walter...

‘Kandura’: documentário formal para artista nada comum

 Tive a honra de entrevistar duas vezes Selma Bustamante: a primeira foi na casa dela sobre o lançamento de “Purãga Pesika”, curta-metragem em documentário dirigido por ela em parceria com César Nogueira. A segunda foi para o programa “Decifrar-te”, da TV Ufam, no...