Em 1960, Sophia Loren foi a pioneira a ganhar o Oscar por uma atuação em um filme de língua não-inglesa com “Duas Mulheres”. Astros como Marcello Mastroianni, Liv Ulmann, Valentina Cortese, Isabelle Adjani, Gerard Depardieu, Roberto Benigni, Javier Bardem, Penélope Cruz, Marion Cotillard, Emannuelle Riva, Antonio Banderas e, claro, a nossa Fernanda Montenegro também conseguiram o feito de chegarem ao Oscar em filmes falados em italiano, sueco, francês, espanhol, português.

Neste vídeo, eu trago dez atuações nos últimos 10 anos que poderiam ter se juntado a essa lista se o Oscar tivesse tido um olhar mais global. 

Para criar um recorte melhor, eu fiquei entre os filmes selecionados nas categorias dos internacionais na temporada de premiações e também no Festival de Cannes e Veneza, onde os filmes de língua não-inglesa se credenciam para o Oscar. 

10. DENIS LAVANT, por “HOLY MOTORS” 

Para começar, nada melhor do que uma dose de loucura na pragmática Academia. 

Em “Holy Motors”, o Denis Lavant faz um fascinante protagonista em um exercício intrigante de construção de personagens. O ator personaliza o estranho universo do diretor Leos Carax e modifica o tom da interpretação a cada nova sequência e abordagem. 

O filme francês foi lançado no Festival de Cannes 2012 e poderia concorrer no Oscar do ano seguinte. Tiraria facilmente o Bradley Cooper, de “O Lado Bom da Vida”, para encaixar o Lavant. Porém, nunca que a Academia deixaria um galã sair da disputa para uma interpretação tão fora da caixinha. 

9. JULIETTE BINOCHE, por “CÓPIA FIEL” 

A Juliette Binoche disputou o Oscar duas vezes: a primeira em 1997 quando venceu Atriz Coadjuvante por “O Paciente Inglês” e quatro anos depois indicada por “Chocolate”. A terceira vez poderia ter ocorrido em 2011. 

A francesa tem uma das melhores atuações da carreira em “Cópia Fiel”. No longa do iraniano Abbas Kiarostami, ela interpreta a dona de uma galeria de arte vivendo com o filho na Itália que finge viver um romance com um filósofo inglês em viagem para divulgar o novo livro. 

Pelo “Cópia Fiel”, a Binoche venceu o prêmio de Melhor Atriz em Cannes. No Oscar 2011, porém, a categoria estava pesada, mas, tiraria a Nicole Kidman, de “Reencontrando a Felicidade”, para inserir a francesa. 

8. DIANE KRUGER, por “EM PEDAÇOS”

Em Hollywood, para fazer um “Bastardos Inglórios”, a Diane Kruger teve que encarar vários “Troiá”, “A Lenda do Tesouro Perdido” e “A Hospedeira”. Foi na Europa em que ela realmente encontrou o melhor papel da carreira. 

No drama “Em Pedaços”, a atriz alemã comove como uma mulher que perde o marido e o filho em um atentado terrorista. Cansada de esperar pelos trâmites jurídicos, ela decide fazer justiça pelas próprias mãos. 

A Kruger também ganhou o prêmio de Melhor Atriz no Festival de Cannes. Pior que dava para ela disputar o Oscar tranquilamente em 2018 no lugar da Meryl Streep, de “The Post”. 

7. DANIELA VEGA, por “UMA MULHER FANTÁSTICA”

A Academia ainda poderia ter feito história no Oscar 2018 em Melhor Atriz. 

Afinal, a Daniela Vega poderia ter sido a primeira trans indicada nas categorias de atuação.

No ótimo “Uma Mulher Fantástica”, a chilena cria uma figura que resiste a tudo e todos e ainda lidando com a dor da perda do namorado. 

6. PETER SIMONISCHEK E SANDRA HÜLLER, por “AS FACES DE TONI ERDMANN” 

O Oscar sempre é muito resistente para nomear atuações de comédia. Mas, a estranheza de “As Faces de Toni Erdmann” merecia demais ser reconhecida. 

O sempre elegante Peter Simonischek incorpora uma figura, por vezes, grotesca, desajeitada, mas, dono de um coração enorme. Já a Sandra Huller faz uma personagem em constante pressão, fria, cansada a ponto de se tornar antipática no primeiro momento, mas, que se revela muito maior do que a aparência demonstrava. A química entre os dois move esta peculiar comédia de Maren Ade. 

O Simonischek teria vaga em Melhor Ator Coadjuvante no Oscar 2017 no lugar do Dev Patel, de “Lion”, ou do Jeff Bridges, de “A Qualquer Custo”, enquanto a Huller poderia substituir a Mery Streep, de “Florence”. 

5. MADS MIKKELSEN, por “A CAÇA” 

A Academia está devendo uma indicação ao Mads Mikkelsen há um bom tempo. Mais precisamente há oito anos. 

Vencedor de Melhor Ator em Cannes, o dinamarquês está brilhante como o professor acusado falsamente de ter abusado sexualmente de uma aluna criança em “A Caça”. Mikkelsen torna palpável o desespero de ter a vida destruída pela mentira e o ódio. 

Para ser justo com o Oscar, 2014 teve uma disputa em altíssimo nível em Melhor Ator. Ainda assim, meu escolhido para sair seria o Christian Bale, por “Trapaça”. 

4. SONIA BRAGA, por “AQUARIUS”

De todos desta lista, esta é a que dói mais para os brasileiros. 

A Sonia Braga merecia se juntar à Fernanda Montenegro no time das atrizes brasileiras indicadas ao Oscar. Em “Aquarius”, ela encontra o personagem mais completo da grande carreira ao fazer uma mulher resistindo em uma luta simbólica de que o dinheiro não pode comprar afeto nem a história. 

Seria incrível ter visto o Oscar reconhecer no mesmo ano atrizes tão potentes como a Isabelle Huppert e a Sonia Braga. Por outro lado, não tornou a Emma Stone odiada no Brasil igual a Gwyneth Paltrow. 

3. JEAN-LOUIS TRINTIGNANT, por “AMOR” 

Amor” praticamente não pode reclamar do Oscar: obteve nomeações em Melhor Filme, Direção com o Michael Haneke, Atriz com Emanuelle Riva e Roteiro Original. Venceu Filme em Língua Não-Inglesa. Porém, faltou uma nomeação. 

Grande nome do cinema francês, Jean-louis Trintignant merecia o reconhecimento e a primeira indicação ao Oscar por “Amor”.

O ator forma uma parceria comovente com Riva e traduz a tristeza e preocupação daqueles que acompanham a degradação mental e física das pessoas que amamos. 

2. SONG KANG-HO, por “PARASITA” 

Parasita” é uma das maiores obras-primas dos últimos anos e, se entre tantos acertos da Academia em reconhecer o filme, pode-se dizer que o erro veio nas categorias de atuações. 

Afinal, o elenco é a alma do longa dirigido pelo Bong Joon-Ho. E ninguém traduzia melhor todas as injustiças e espertezas daquele universo do que o personagem do Song Kang-Ho.  

E teria vaga fácil para ele seja em Melhor Ator no lugar do Leonardo DiCaprio, de “Era uma vez em Hollywood”, ou em Ator Coadjuvante tirando o Anthony Hopkins, por “Dois Papas”. 

1. ADÉLE EXARCHOPOULOS, por “AZUL É A COR MAIS QUENTE” 

O primeiro lugar deste TOP 10 vem de uma jovem francesa que brilhou em Cannes 2013. 

Em “Azul é a Cor Mais Quente”, Adéle Exarchopoulos entra para a história do cinema ao fazer um dos retratos mais tocantes sobre processo de amadurecimento, descoberta sexual e do primeiro amor. A entrega da atriz vai muito além das intensas cenas de sexo através dos altos e baixos de um relacionamento a partir de uma jornada sensorial em que a câmera capta cada detalhe das marcas dela. 

Caso tivesse sido indicada, a Adéle poderia ter dado um belo calor no favoritismo da Cate Blanchett, por “Blue Jasmine”. Vale lembrar como Hollywood gosta de reconhecer jovens atrizes talentosas e belas. Infelizmente, optaram por Judi Dench, de “Philomena”, Meryl Streep, de “Álbum de Família”, e Amy Adams, por “Trapaça”.

Vai entender… 

Oscar Anos 2020: TOP 5 Melhor Ator e Ator Coadjuvante

Hora de continuar o ranking das atuações premiadas no Oscar em Melhor Ator e Ator Coadjuvante nos anos 2000. Apesar de dois desempenhos monstruosos na categoria principal, a média dos ganhadores de papéis secundários foi acima da média.  Conheça os meus favoritos em...

Oscar 2025: Quem Pode Surgir na Disputa? – Parte 2

De "Rivais" com Zendaya a "Blitz" com Saoirse Ronan, Caio Pimenta traz a segunda parte de possíveis candidatos ao Oscar 2025. https://youtu.be/T-l8SsLD6uk 'THE PIANO LESSON' E 'WE LIVE IN TIME' Se você gostou de “Um Limite Entre Nós” e “A Voz Suprema do Blues”, tenho...

Oscar Anos 2020: TOP 5 Melhor Atriz e Atriz Coadjuvante

Hora de falar das mulheres neste especial sobre as cinco primeiras edições do Oscar nos anos 2020. Se os prêmios de coadjuvantes não foram nada animadores, tivemos sim bons resultados na categoria principal. Neste novo vídeo do Cine Set, eu faço um ranking de cada uma...

Oscar 2025: Quem Pode Surgir na Disputa? – Parte 1

O Oscar 2025 começa agora no Cine Set! Sim, falta bastante tempo e não farei previsões de quem serão os indicados. Mas, já dá para apontar os filmes com potencial para serem candidatos ao prêmio.  Nesta primeira parte, eu apresento o primeiro grande candidato a...

Oscar Anos 2020: TOP 5 Melhor Filme e Direção

De "Parasita" a "Oppenheimer", Caio Pimenta analisa os primeiros cinco anos da década 2020 em Melhor Filme e Direção. https://www.youtube.com/watch?v=LlghAq_dPYk 5. NOMADLAND E CHLOÉ ZHAO Como as categorias de Melhor Filme e Direção divergiram apenas uma vez nos...

Oscar | A Turbulenta História de Martin Scorsese com a Academia

https://youtu.be/_SnSefyofV4 É possível afirmar sem medo de errar que o Martin Scorsese é o maior diretor vivo do cinema norte-americano. Um gigante com mais de seis décadas de carreira e um punhado de clássicos. Isso se reflete no Oscar: ao todo, as produções...

Oscar 2024: O Melhor e o Pior da Cerimônia

Da transmissão brasileira ao show de Ryan Gosling, Caio Pimenta analisa do pior ao melhor da cerimônia do Oscar 2024. NÃO FOI BOM: CERIMÔNIA ENXUTA DEMAIS A cerimônia foi bem boa, mas, é claro, sempre tem aqueles problemas que são de lei. Para começar, achei o Oscar...

Oscar 2024: Por que ‘Oppenheimer’ venceu Melhor Filme?

Caio Pimenta analisa os motivos que levaram "Oppenheimer" a vencer o Oscar 2024 de Melhor Filme. https://www.youtube.com/watch?v=DsCtLukSRtc 1. A QUALIDADE DO FILME - 50% O primeiro e principal fator, claro, reside nas próprias qualidades de “Oppenheimer” .  O drama...

Oscar 2024: Por que Emma Stone venceu Melhor Atriz?

Emma Stone conquista o segundo Oscar da carreira em Melhor Atriz. Se a vitória por “La La Land” é contestada até hoje, agora, parece que não há tanta revolta assim. Pelo contrário. Neste post, eu apresento cinco motivos que levaram a estrela de “Pobres Criaturas”  à...

Oscar 2024: Por que Christopher Nolan venceu Melhor Direção?

Amado por uns, odiado por outros, o Christopher Nolan, agora, tem um Oscar para chamar de seu. O londrino conquista Melhor Direção por “Oppenheimer”. Caio Pimenta traz os quatro fatores que o levaram para esta vitória.  https://www.youtube.com/watch?v=ROvxsl0P93A 1. A...