Um retrato bem-humorado de duas personalidades mundialmente conhecidas, “Dois Papas” é um show de atuação à moda antiga que se tornou um inesperado sucesso de público nos festivais de Telluride, onde estreou, e Toronto. O longa, também exibido no Festival de Londres, é o primeiro do brasileiro Fernando Meirelles em oito anos e marca seu retorno à comédia, gênero que não explora desde “Domésticas”, de 2001. 
 
Para a plateia familiar com seu trabalho pungente em “Cidade de Deus“, ou sua devastante adaptação de “Ensaio Sobre a Cegueira“, será um choque se deparar com piadas relacionadas sobre os Beatles, além de uma montagem hilária ao som de “Dancing Queen”, do ABBA. Em nenhum momento, no entanto, o cineasta tem a Igreja como seu alvo: o humor vem das diferentes formas de se enxergar a religião. 

Entre a cruz e… a cruz 

Os “dois papas” do título são Bento XVI (Anthony Hopkins, o eterno Hannibal Lecter) e Cardeal Borgoglio, o atual Papa Francisco (Jonathan Pryce, o Alto Pardal de “Game of Thrones“). O roteiro de Anthony McCarten, adaptado de sua própria peça, abraça as imagens popularizadas dos dois pontífices para criar um duelo intelectual dentro das paredes do Vaticano, com suas divergências políticas sendo expostas e discutidas em longas conversas. 
 
De um lado, Bento se mostra uma figura austera e tão respeitosa às tradições da Igreja que não combate o êxodo de fieis, a falta de fé contemporânea ou os escândalos dentro da instituição. De outro, Francisco aparece como uma figura progressista que acredita que a evolução da Igreja está na capacidade dela, como instituição, de se adaptar aos novos tempos.  
 
Seus posicionamentos são sumarizados aos 30 minutos de projeção, quando Bento declara que “mudar é ceder”, ao que Francisco responde: “A vida que Ele nos deu é mudança”. Dessa forma, a produção se apresenta como uma cômica representação do embate entre os filósofos pré-socráticos Heráclito e Parmênides, com Francisco e Bento defendendo, respectivamente, a visão de cada um. 

Habemus papam 

A despeito do título, Francisco tem um protagonismo mais claro: o grande arco narrativo do longa é sua ascensão ao papado, saindo da periferia de Buenos Aires para o Vaticano. Longos flashbacks dão conta de sua vida pré-sacerdócio e de seu tempo como jovem padre, incluindo as ações durante a ditadura argentina que o tornariam figura eternamente controversa em seu país natal. 
 
No papel, Pryce dá uma das melhores atuações da carreira, chegando a falar espanhol na maioria de suas cenas. Ele consegue passar, apenas com a linguagem corporal, a maneira como muito da dita felicidade de Francisco veio de um lugar de dor, dúvida e culpa profunda. Como sua contraparte, Hopkins faz pleno uso de algumas das melhores piadas do roteiro para humanizar um papa tido como sério e inacessível durante boa parte de seu tempo no cargo. 
 
No fundo, “Dois Papas” quer falar sobre entendimento e aceitação bem mais do que religião. Com duas performances em perfeita sintonia e um diretor com total domínio sobre a obra, o filme merece uma sessão com a família quando entrar no catálogo da Netflix – que o produziu – na semana antes do Natal.  

Bendito seja. 

‘Kajillionaire’: Evan Rachel Wood emociona em pequeno tesouro

Uma tocante história sobre crescer e achar aceitação longe do núcleo familiar, "Kajillionaire", novo filme de Miranda July (“O Futuro”, “Eu, Você e Todos Nós”) é um projeto tematicamente ousado que confirma sua diretora como uma voz única no cinema independente...

‘Shirley’: drama explora toxicidade de relacionamento com show de Elisabeth Moss

Um passeio heterodoxo pelos bastidores do processo criativo, "Shirley" usa o cenário de um filme de época como pano de fundo de um drama cáustico. O longa de Josephine Decker, que estreou no Festival de Sundance e foi exibido no Festival de Londres deste ano, mostra...

‘Rose: A Love Story’: terror claustrofóbico ainda que previsível

Um casal que vive no meio do nada coloca seu amor à prova da maneira mais brutal neste horror psicológico britânico. Apesar de suas deficiências narrativas, "Rose: A Love Story" - que teve sua estreia mundial no Festival de Cinema de Londres deste ano - é um...

Festival de Londres 2020 – Mads Mikkelsen brilhante e ‘Ammonite’ decepciona

O correspondente internacional do Cine Set, Lucas Pistilli, conversa com Caio Pimenta sobre os destaques do Festival de Londres 2020. https://www.youtube.com/watch?v=XhaVGD7TQF8

‘Sibéria’: viagem fascinante pelo nosso abismo interior

Há muitos lugares onde é possível se perder, mas talvez o mais profundo e remoto deles seja dentro de si mesmo. "Sibéria", novo filme de Abel Ferrara que estreou na Berlinale e foi exibido no Festival de Londres deste ano, é uma viagem lisérgica que pede muito do...

‘Instinct’: desejo sexual gera jogo arriscado em suspense holandês

Como qualquer estudioso de Freud pode afirmar, tesão pode ser algo complicado. Em "Instinct", estreia da atriz Halina Reijn na direção, uma nefasta atração dentro de um presídio explora os limites entre desejo e razão. Ancorado em uma atuação corajosa de Carice van...

‘O Irlandês’: o peso da violência em obra-prima de Martin Scorsese

Depois de demorar 26 anos para tirar do papel seu filme anterior, “Silêncio”, Martin Scorsese finalizou “O Irlandês”, seu novo projeto, em ‘apenas’ 12 anos. Parece adequado para uma história tão enérgica quanto intimista que aborda como o tempo afeta a vida de pessoas...

‘A Hidden Life’: teste de fé e paciência no cinema de Terrence Malick

Mantendo a fase mais prolífera de sua carreira, desencadeada pelo ganhador da Palma de Ouro em 2011, “A Árvore da Vida”, Terrence Malick está de volta com “A Hidden Life”. O projeto marca seu retorno ao uso de roteiros bem-estruturados - depois do experimentos com...

‘Ema’: Pablo Larraín mexe com a cabeça do público em filme indomável

"Ema", novo filme de Pablo Larraín ("Jackie") exibido no Festival de Londres, começa em chamas - uma metáfora apropriada para a vida de personagens que parecem entrar em combustão no calor de suas paixões. Longe do seu ambiente costumeiro - o drama histórico -, o...

‘Dois Papas’: Anthony Hopkins e Jonathan Pryce em atuações abençoadas

Um retrato bem-humorado de duas personalidades mundialmente conhecidas, "Dois Papas" é um show de atuação à moda antiga que se tornou um inesperado sucesso de público nos festivais de Telluride, onde estreou, e Toronto. O longa, também exibido no Festival de Londres,...