Sempre atentos aos lançamentos, mesmo com o atual destaque nas plataformas de streaming (devido às restrições impostas pela COVID-19 que nos impede de ir aos cinemas), andamos ponderando sobre a insistência – mais especificamente de Hollywood – nos remakes e continuações. A ideia dessa breve reflexão é trazer vários exemplos de como as novas versões dos já considerados clássicos não tem cumprido seus objetivos; aliás, passam longe… Ao nosso ver, alguns desses objetivos/funções seriam reviver as boas lembranças da película original, entreter e, muito menos, tentar ser superior ao seu original. 

Ao transitar entre os vários gêneros, há muitos exemplos para sustentar nosso argumento. Comecemos com Footloose – Ritmo Contagiante (2011) em comparação com seu original de 1984. A chegada do jovem Ren – interpretado pelo até então jovial Kevin Bacon – em uma cidade em que a música é proibida, conquistou o público na década de 1980 com uma ideia aparentemente simples, mas bem original. Podemos classificar seu remake como medíocre, com fraquíssimas atuações e o estilo country usado desnecessariamente. 

No gênero de ficção científica/comédia, temos o clássico Caça-fantasmas (1984) e também a sua boa sequência, Caça-fantasmas 2 (1989). A versão feminina de 2016 é fraca de roteiro e sem graça. E, pasmem! Em julho deste ano, foi lançado Gosthbusters – mais além, com os atores originais. 

No gênero de ação/aventura, temos o excelente Caçadores de Emoção (1991), no qual se acompanha Patrick Swayze no auge da carreira com o iniciante Keanu Reeves. Em nossa opinião, este filme ainda contém a melhor sequência de perseguição à pé. Seu remake, Caçadores de Emoção: Além do Limite (2015), é bem inferior – além do roteiro que, ao tentar ser inovador, acabou ficando no mais do mesmo. 

Ainda nessa linha, temos o antológico Karate Kid: A hora da verdade (1984), seguido de sua ótima continuação, A hora da verdade continua (1986), mas das tenebrosas sequências O desafio final (1989) e A nova Aventura (1994), com a vencedora do Oscar Hillary Swank desperdiçada no papel. O remake de 2010, com mesmo título do original, envergonha. O talentoso Jackie Chan em um papel mais dramático treinando Dre, interpretado pelo filho de Will Smith, é inexperiente no filme e como ator, ajuda a tornar o entretenimento bem difícil. 

DE ‘ONZE HOMENS’ A ‘O REI LEÃO’

Há ainda um problema ainda maior ligado ao assunto em questão. O remake do remake! Podemos citar o remake de Onze homens e um segredo (2001- o original é de 1960), belo seu elenco de peso como um filme de bom entretenimento, marcado pelo lançamento do hit A little less conversation, de Elvis Presley, mixado. As continuações também cumprem seu papel, com Doze homens e outro segredo (2004) e Treze homens e um novo segredo (2007). O problema vem mesmo com Oito mulheres e um segredo (2018). Desta vez, o time feminino de vencedoras de Oscar não cumpre seu papel e nos deparamos com um filme sem graça e previsível. Em pouquíssimas vezes, observamos que o remake do remake pode ter bons resultados, como é o caso de Nasce uma Estrela (2018), que foi produzido três vezes (as duas primeiras versões são de 1954 e 1976). 

Essa falta de criatividade se evidencia ainda mais com as versões live-action de animações consagradas da Disney como Cinderela, Aladdin e O Rei Leão, que passam longe de causar o mesmo impacto e as mesmas emoções dos originais. Os problemas não param por aí, pois ainda há o fator “continuações” e adaptações de livros que também andam predominando o cinema norte-americano nas últimas décadas. Passados 20, 30 anos, sequências de Top Gun (1986), Um Príncipe em Nova Iorque (1988) e Debi e Lóide (1994) foram lançadas. Agora nos digam: qual a necessidade disso?  Seria reviver os bons momentos e personagens dos filmes anteriores, como comentamos anteriormente? Se essa for a resposta, os roteiristas terão que fazer um trabalho estrondoso para que esse feito seja alcançado. 

Quando se trata do cinema internacional, imensamente superior no quesito originalidade, mais uma vez os Estados Unidos não querem ficar de fora e buscam uma maneira de ganhar também um reconhecimento com as suas próprias versões de filmes aclamados e premiados como O Segredo de Seus Olhos (Argentina, 2009) e Intocáveis (França, 2011). Como resultado, deparamos com produções extremamente inferiores às originais. A última empreitada norte-americana é o remake de Druk (2020), filme dinamarquês ganhador do Oscar de melhor filme estrangeiro esse ano. Como é de praxe, passaremos longe. 

Não queremos de maneira alguma, através desse texto, inferiorizar o cinema norte-americano. Hollywood sempre produziu e produz filmes grandiosos. Por essa mesma razão, sentimos que deveríamos tecer algumas observações a respeito da enorme quantidade de remakes e sequências que tomam conta de Hollywood nos últimos 10, 15 anos. Se os cineastas e roteiristas de outros países conseguem entregar histórias originais e bem-feitas em larga escala, por que não os colegas dos EUA?

A culpa voluntária em ‘O Operário’

Em O Operário (2004), Trevor Reznik (Christian Bale) é um trabalhador que sofre de uma insônia aguda e está sem dormir há um ano. Já vimos os efeitos desse sintoma muito bem representados por Edward Norton em Clube da Luta (1999). No filme aqui em questão, o...

A Essência do Conceito de Empatia em “O Agente Duplo”

Dentre os muitos lançamentos da temporada de premiações, sempre temos uma ‘queda’ e um interesse maior pelos filmes de língua não inglesa. Esse interesse já existe há muito tempo e se intensifica cada vez mais com o passar dos anos, devido principalmente ao realismo e...

Oh, Captain, my Captain: 7 anos sem Robin Williams

Como muitos acontecimentos na vida, parece que foi ontem. Mas, o dia 11 de agosto de 2021 completou sete anos sem Robin Williams. Uma grande perda para o cinema e menos uma pessoa que poderia estar trazendo mais sorrisos e alegria em tempos tão conturbados. Ao...

‘Biutiful’ e o desesperador instinto de sobrevivência do homem

Quando pensamos em cinema mexicano nos últimos 10 anos, principalmente, quando se trata de direção, três nomes nos vem à mente: Alfonso Cuarón, Guillermo del Toro e Alejandro González Iñárritu. Esse último, um dos nossos preferidos, se distingue dos outros dois pela...

O silêncio como defesa contra a violação da alma em ‘A vida Secreta das Palavras’

A Guerra nos Balcãs (1991-2001) foi o resultado sangrento de uma política nacionalista extrema por parte do governo sérvio que queria “limpar” a antiga Iugoslávia de minorias étnicas através de assassinatos em massa, torturas e estupros e, assim, reinar soberano na...

O Trauma e a Escuridão de Bruce Wayne

A figura do Homem-Morcego sempre me causou um certo fascínio desde criança, quando lia histórias em quadrinhos e assistia aos desenhos animados na televisão. Misterioso e reservado, o comportamento e a caracterização do Batman são bem diferentes comparados aos dos...

‘Normal People’ – uma história de amor envolvente e honesta

Séries e filmes voltados para o público adolescente tem nos mostrado há anos que a combinação entre ter (muito) dinheiro e ser popular é infalível. Filmes como As Patricinhas de Beverly Hills (1995)  e Garotas Malvadas (2004) e séries como Barrados no Baile...

As caricaturas e o “show dos horrores” em ‘Pinóquio’

Caricatural. Essa é a palavra característica que podemos associar a algumas interpretações que, de tão semelhantes, não conseguiríamos distinguir os personagens de um filme para outro se não fosse pelas roupas e/ou roteiro. Antes de entrar na crítica propriamente dita...

O sentido da vida e o amor na era da tecnologia em ‘Ela’

“Ela” (2013) pode ser classificado como um daqueles filmes com uma temática cada vez mais atual. Em um período relativamente curto desde o seu lançamento, chega a ser assustador presenciar os avanços da tecnologia e, mais ainda, ponderar o que ainda está por vir. ...

O voo da alma em ‘Mar Adentro’

Mar Adentro (2004), do diretor chileno Alejandro Amenábar (Os Outros, Vanilla Sky), é o tipo de filme que a gente não esquece, seja pelos temas polêmicos abordados ou pela atuação magistral e profundamente tocante de Javier Bardem. É uma verdadeira obra-prima do...