Dedicado a exibição de filmes não-comerciais, o projeto ‘Caixa de Pandora’ retorna ao Cinépolis do Millenium Shopping para uma segunda temporada. Serão, ao todo, quatro produções européias. A novidade fica por conta do preço dos ingressos: R$ 12 (inteira) e R$ 6 (meia-entrada).

As sessões continuam a ter início em horário nobre, ou seja, após 18h. Segundo a rede mexicana, após esta edição com início previsto para agosto, haverá uma avaliação e cidades poderão entrar e sair da iniciativa.

Conheça abaixo os filmes da segunda temporada do ‘Caixa de Pandora’:

Filme: Minha Lua de Mel Polonesa

Exibição a partir de 29 de agosto

Direção: Elise Otzenberger 

Elenco: Judith Chemla, Arthur Igual, Brigitte Roüan, Isabelle Candelier 

Sinopse: Anna e Adam, um jovem casal de Paris com origens judaicas polonesas, partem pela primeira vez rumo à Polônia. Eles foram convidados para comemorar os 75 anos da destruição da comunidade de nascimento do avô de Adam. Enquanto ele parece pouco animado com a viagem, Anna está ansiosa para descobrir o país, que também é a terra natal de sua avó. Finalmente, lá vão eles em busca de suas origens em uma jornada cheia de surpresas, durante a qual não encontrarão exatamente o que procuram.    

Filme: Adeus à Noite

Exibição a partir de 12 de setembro

Direção: André Téchiné

Elenco: Catherine Deneuve, Kacey Mottet Klein, Oulaya Amamra, Stéphane Bak 

Sinopse: Muriel está emocionada ao ver Alex, seu neto, que veio passar alguns dias na casa dela, antes de ir morar no Canadá. Intrigada com o comportamento do rapaz, Muriel logo descobre que ele está mentindo para ela. A verdade é que Alex está se preparando para uma outra vida. Desesperada, ela terá de agir muito rapidamente. 

Filme: O Menino que Fazia Rir

Exibição a partir de 26 de setembro

Direção: Caroline Link

Elenco: Julius Weckauf, Luise Heyer, Sonke Mohring, Joachim Krol, Ursula Werner 

Sinopse: Alemanha, 1972. Hans-Peter é um menino gordinho de nove anos que cresce na segurança de sua família e de parentes que adoram se divertir. À primeira vista, ele pode não ser o cara mais popular, mas ele tem um talento para fazer os outros rirem, o que ele refina diariamente na loja da esquina de sua avó. No entanto, sua mãe, outrora uma mulher alegre, fica mais e mais deprimida depois de uma operação. Então, o pai do garoto o deixa sob os cuidados de suas duas avós, ambas com grandes corações e fortes personalidades. Esse apoio afetivo faz com que Hans-Peter sobreviva ao tumulto emocional e use seus talentos cômicos para curar suas feridas e fazer as pessoas rirem junto com ele.

Filme: Papicha

Exibição a partir de 31 de outubro

Direção: Mounia Meddour

Elenco: Lyna Khoudri, Shirine Boutella, Amira Hilda Douaouda, Yasin Houicha 

Sinopse: Argélia, anos 1990. Nedjma, uma estudante de 18 anos apaixonada por design de moda, se recusa a deixar que os trágicos acontecimentos da Guerra Civil da Argélia a impeçam de experimentar uma vida normal e sair à noite com sua amiga Wassila. À medida que o clima social se torna mais conservador, ela rejeita as novas proibições impostas pelos radicais e decide lutar por sua liberdade e independência apresentando um desfile de moda.

30 Anos de ‘Lua de Cristal’: documentário celebra sucesso estrelado por Xuxa

Em 1990, Xuxa Meneghel estava no auge de sua carreira. A loira mais famosa do Brasil já era recordista em vendagem de discos e seu programa “Xou da Xuxa”, exibido nas manhãs pela TV Globo, rompia barreiras e começava a ganhar repercussão internacional. Se tal fenômeno...

Bond, Cannes, Mercado Brasileiro: o Impacto do Coronavírus no Cinema

O surto de COVID-19, conhecido popularmente como coronavírus, tem deixado o mundo em pânico nestes últimos meses. O alto número de pessoas diagnosticadas com o vírus e o crescente número de mortes só tem alarmado mais ainda a situação. O surto teve início na cidade de...

César 2020 e a vitória de Polanski: triste dia para o cinema da França

https://www.youtube.com/watch?v=PXnNOBj26lk&t=13s A primeira e única vitória de Roman Polanski na categoria de Melhor Direção no Oscar, em 2003, foi recebida em clima de euforia. No anúncio dos indicados, gritos e aplausos mais fortes para o cineasta responsável...

Os 10 maiores ataques do governo Bolsonaro ao cinema do Brasil em 2019

Jair Bolsonaro, de fato, é um fenômeno. Dólar passando dos R$ 4,20. Economia com crescimento pífio. Desemprego na casa de 12,5 milhões de pessoas. Perda da credibilidade internacional do Brasil ao redor do planeta. Parceria com EUA marcada por um lado recebe MUITO...

Os Mafiosos de Martin Scorsese: de ‘Caminhos Perigosos’ a ‘O Irlandês’

ALERTA: este artigo possui SPOILERS! Com a estreia de “O Irlandês”, o diretor Martin Scorsese parece encerrar um ciclo de produções sobre a vida dentro da máfia, uma jornada iniciada 1973 com o experimental “Caminhos Perigosos” (1973), primeira parceria dele com...

O caso James Dean e os limites (ou não) do uso do CGI no cinema

Há algumas semanas foi anunciado que o ícone de Hollywood, James Dean (1931-1955), será revivido via computação gráfica para aparecer no filme Finding Jack, um drama ambientado na Guerra do Vietnã a ser dirigido pela dupla Anton Ernst e Tati Golykh. Bem... Todos nós...

Saudade vira ponto de partida para debate da alienação parental em ‘Tranças’

Saudade é uma palavra interessante e particularmente nossa. O dicionário a define como o sentimento causado pela distância ou ausência, mas só quem a sente compreende o quanto ela dói e é capaz de deixar cicatrizes. A questão é que nem sempre essas marcas são tão...

Por Dentro de ‘Enterrado no Quintal’: de Lars Von Trier à força de Isabela Catão

A sinopse de “Enterrado no Quintal” acabou ficando assim: Isabela, ainda adolescente, enterrou uma arma no quintal de casa como uma maneira de ter em mente uma forma de se vingar do seu padrasto, que agrediu a sua mãe diversas vezes durante a sua infância. Ela...

Por dentro de ‘Enterrado no Quintal’: Cuba para enxergar a zona oeste de Manaus

Desde que gravamos “Boto” (Artrupe Produções, 2017), pude fazer trabalhos que me possibilitaram viajar para outros lugares apresentando a produção que fazemos aqui. E é em situações como essas, distante da zona de conforto e rodeado de pessoas que não fazem ideia de...

Por dentro de ‘Enterrado no Quintal’: a Manaus poética marginal de Diego Moraes

Não lembro ao certo quando foi a primeira vez que li um texto do Diego Moraes. Foi pelo Facebook, anos atrás. De cara me atraiu o seu senso de humor autodepreciativo e politicamente incorreto. Um texto foi puxando outro, e outro, as situações que ele descrevia me...