Atlantique, primeiro longa-metragem de ficção da diretora Mati Diop e produzido pela Netflix, é acima de tudo um filme que surpreende. Quando ele se inicia, achamos que a história seguirá por uma direção, mas não demora muito uma tangente se apresenta, e depois outra, e então fica claro que o filme é uma mistura de vários elementos. Ele é alternadamente, um drama social sobre a condição feminina, um melodrama romântico, uma história sobrenatural com toques de terror e uma trama de maturação sobre o amadurecimento de sua protagonista. O fato de conseguir ser relativamente coeso, ao seu final, acaba sendo a maior proeza da direção de Diop.

É o tipo de filme do qual quanto menos se souber antes de entrar na sua Netflix, melhor. Em termos gerais, é a história de Ada (vivida com sensibilidade e com expressividade por Mama Sané). Ela vive em Dakar, no Senegal, numa comunidade à beira-mar, e está prestes a se casar numa cerimônia arranjada com um sujeito que mal conhece. Mas ela ama o jovem Souleiman (Ibrahima Traoré), um operário que está trabalhando na construção de uma enorme torre na cidade. Algo ocorre entre Ada e Souleiman e esse fato desencadeia uma história intrigante e com tons metafóricos e políticos.

Desde o início do filme, Diop não adota um enfoque puramente documental em Atlantique, fugindo do que normalmente se esperaria numa produção como essa. Apesar de mostrar a comunidade de maneira naturalista – percebe-se que não há muitos atores profissionais em cena – e da sua câmera ser invisível e nos mostrar aquele mundo como se fosse uma mosca na parede, há também elementos e imagens que demonstram o interesse maior da diretora por um tom lírico. Planos recorrentes do oceano, sempre por perto; ou o uso da trilha sonora nos colocam num estado emocional, fazendo do filme algo além do mero documental.

ESCOLHAS DIVISIVAS

Isso dá permissão a Diop fazer a transição para o elemento sobrenatural na segunda metade, a qual provavelmente deve dividir um pouco o público. Mesmo assim, essa transição também é suavizada pelas observações do roteiro (de Diop e Olivier Demangel) sobre a condição feminina – Em dado momento, Ada precisa ser examinada por um médico para comprovar sua virgindade, o que acaba sendo mais assustador e incômodo do que o lado sobrenatural da história. A libertação da personagem e a eterna luta entre modernidade e tradição, também são temas abordados dentro daquele contexto de forma orgânica e inteligente.

Ainda assim, há alguns problemas. Apesar do roteiro e da direção fazerem o que podem para suavizar a entrada dos elementos sobrenaturais na história, eles não são inteiramente bem sucedidos nesse quesito. A certa altura, Atlantique se torna simplesmente esquisito demais, o que acaba até diminuindo um pouco a força da catarse no final. Além disso, há algumas perguntas razoavelmente importantes que o roteiro parece não ter interesse em responder. Por exemplo, afinal por que a família do pretendente rico de Ada aceitou na boa esse casamento com uma moça pobre? E o que acontece com o detetive, no final?

Esses problemas demonstram que os temas propostos no roteiro nem sempre se coadunam num todo harmônico. Ainda assim, é um filme intrigante, no qual Mati Diop se mostra uma revelação no tocante à direção de atores e na criação de uma atmosfera especial. Atlantique não é perfeito, nem deverá ser abraçado por todo mundo, mas é uma experiência com tons de fascínio e mistério bem fortes. E hoje em dia, a capacidade genuína de surpreender o espectador não é, de jeito nenhum, algo para se desprezar.

‘O Massagista’: brechas incômodas atrapalham boa premissa

Dirigido pelo filipino Brillante Mendoza e lançado em 2005, “O Massagista” - selecionado como parte da seção Open Doors do Festival de Cinema de Locarno deste ano - é uma produção que tem mais potencial do que sua execução consegue realizar, embora possa ser de...

Semana Claire Denis – ‘35 Doses de Rum’: a magia da vida cotidiana

Para muitos, o cinema é a arte dos sonhos. Viver momentos que só existem nesse ambiente. O que importa são as grandes cenas de ação, os melodramas que comovem seus personagens a agir. É o close, é a câmera na mão correndo atrás de alguém, é a cena de solidão na morte...

Semana Claire Denis: ‘Minha Terra, África’ (2009): cinema de fluxo na guerra armada

Chega a ser curioso notar que uma das cineastas mais interessantes de sua geração, Claire Denis, seja tão pouco conhecida pelo grande público. Nome respeitadíssimo dentro do circuito dos festivais de arte e do meio audiovisual europeu, Denis é uma diretora que você...

Semana Claire Denis – ‘Bom Trabalho’ (1999): ótica inovadora do cotidiano militar

Constantemente, eu falo nos textos e vídeos do Cine Set sobre a massiva presença de diretores e roteiristas homens ao retratarem narrativas femininas. Entretanto, confesso que nunca pensei na chance do contrário acontecer e, felizmente, pude contemplar esta...

Semana Claire Denis – ‘Chocolate’ (1988): memórias de uma África Colonial

A pandemia de Covid-19 fez com que a distância se tornasse uma convenção social em prol da saúde. Talvez este seja o motivo que, ao observar um filme como “Chocolate”, ela se torne algo incômodo. Em 1988, Claire Denis estreava na direção de longas-metragens com um...

‘Não é o homossexual que é perverso, mas a situação em que ele vive’: o ácido tratado de Rosa von Praunheim

O Brasil de 2019 vive um momento no qual nosso presidente acha pertinente vetar o financiamento de produção audiovisual que trabalhe a temática LGBT+ e o prefeito do Rio de Janeiro decide agir como um típico censor ao mandar recolher livros por causa de um beijo. Ao...

‘Old-Timers’: humor na busca de vingança gera ótima comédia tcheca

Com pouco tempo de vida pela frente, dois velhos amigos partem para encontrar e matar um promotor comunista que os prendeu na década de 1950. Essa é a premissa de “Old-Timers”, comédia que teve uma recepção muito calorosa no Festival Internacional de Cinema de Karlovy...

‘Monos’: coming-of-age da Colômbia com ecos de ‘O Senhor das Moscas’

Crescer não é fácil, mas certamente fica ainda mais complicado se você é membro de um esquadrão paramilitar em uma região selvagem e desolada. “Monos”, novo filme do diretor colombiano Alejandro Landes, cria uma psicodélica jornada de crescimento que pode ser estranha...

‘Na Fábrica’: o vestido assassino do mestre da estranheza da atualidade

Nova produção do diretor britânico Peter Strickland, “Na Fábrica” conta a bizarra história de um vestido com instinto assassino. Você pode ler isso de novo. Depois de aclamadas passagens pelos festivais de Londres e Toronto em 2018 e uma ótima recepção no Festival...

‘My Thoughts Are Silent’: ótima viagem sarcástica em road movie ucraniano

A procura por uma saída move os protagonistas de “My Thoughts Are Silent” – comédia excêntrica lançada no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary 2019, na República Tcheca. Ganhador do prêmio especial do júri na competição East of the West, que reúne filmes...