Desde o seu anúncio, “Os Mortos Não Morrem” tinha tudo para dar certo: um elenco estelar comandado por um cineasta aclamado, com uma premissa louca o suficiente para atrair tanto o público de arte quanto fãs de blockbusters. Entretanto, depois de uma fria recepção na noite de abertura do Festival de Cannes e a uma passagem muda no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary, o público percebeu que, embora os mortos aqui possam estar vivos, o mesmo não pode ser dito para o novo filme do diretor Jim Jarmusch. 

É uma pena, pois o filme tem um certo charme cult. Bill Murray, Adam Driver e Chloë Sevigny estrelam como um trio de policiais que se vêem tendo que lidar com uma horda de zumbis tocando o terror em sua pequena cidade americana. 

Dentro dessa proposta, o diretor se mostra disposto a brincar com as alegorias do gênero e inclui a maioria de seus personagens clássicos: o fazendeiro rabugento (Steve Buscemi), o nerd bobão (Caleb Landry Jones), a assustadora agente funerária (Tilda Swinton), os estrangeiros sem noção (Selena Gomez, Austin Butler e Luka Sabbat), e assim por diante. 

NEM TÃO INTELIGENTE ASSIM

Infelizmente, o resultado é muito parecido com um dos zumbis do filme: um cadáver andante de fala automática. Para além dos policiais, não há qualquer tipo de desenvolvimento emocional para fazer o público se preocupar por qualquer uma das vítimas do apocalipse. Elas são apenas funcionais, existindo unicamente com o objetivo de serem excêntricas. Neste quesito, Tilda Swinton fica com o papel mais interessante – uma escocesa deliciosamente estranha que também é uma excelente espadachim. 

Nesse quesito, “Os Mortos não Morrem” traz ecos de  “Ave, César!”, dos irmãos Joel e Ethan Coen, – outro filme com elenco impressionante mas com diversos personagens subdesenvolvidos. Ao menos, Jarmusch – que também escreve o roteiro – até consegue fazer boas críticas ao capitalismo, que é o grande vilão do filme. Reanimados, os cadáveres são atraídos para o que ansiavam quando vivos. É assim que temos uma cena fantástica com zumbis com telefones procurando wi-fi e outro em que um personagem tocado por Iggy Pop volta com uma sede sem fim de café.

Já outros ataques, como o fato do apocalipse zumbi ter ocorrido como consequência da exploração de petróleo nos círculos polares, algo negado veementemente pelo governo, funcionam até certo ponto, mas apenas escancaram um triste fato: na realidade, “Os Mortos Não Morrem” não é tão inteligente quanto todos os envolvidos nele querem que seja. Isso fica claro quando a personagem de Adam Driver faz críticas ao próprio roteiro do filme em um exercício de metalinguagem completamente fora de contexto. Apesar das aspirações, “Os Mortos Não Morrem” pode alegar ter um cérebro, mas certamente não tem alma.

*O jornalista viajou para o Festival de Karlovy Vary como parte da equipe do GoCritic!, programa de fomento de jovens críticos do site Cineuropa.

‘Waves’: um drama excelente de partir o coração

Em um primeiro momento, confesso que “Waves” me tapeou. Uma Flórida ensolarada, jovens sorrindo, cores e amor no ar, a câmera girando. O novo filme de Trey Edward Shults (“Ao Cair da Noite”), porém, se transforma de uma hora pra outra em um drama competente com efeito...

‘O Jovem Ahmed’: lacunas na história deixam Dardenne pelo meio do caminho

A radicalização é um problema que se arrastou para o século XXI, encontrando na era da informação um período fértil para sua proliferação. Pode até parecer contraditório achar que em uma época onde se pode saber absolutamente tudo, a ignorância ainda capture pessoas e...

‘Escape From Pretoria’: personagens esquecidos em nome da ação

Escrito e dirigido por Francis Annan (“Woyzeck”), “Escape From Pretoria” apresenta a história real de Tim Jenkin (Daniel Radcliffe, o eterno 'Harry Potter') e Stephen Lee (Daniel Webber), dois ativistas anti-apartheid levados para a prisão de segurança máxima de...

‘Goddess of the Fireflies’: conto canadense entre o atual e o nostálgico

Bebendo da fonte de contos clássicos de juventude transviada, o longa canadense "Goddess of the Fireflies" acompanha uma jovem descendo a um inferno de rebeldia e vício. O longa, mesmo com uma trama um pouco batida, se ancora em uma impecável ambientação para entregar...

‘O Poço’: sucesso espanhol da Netflix digno de todo hype

Impactante, atual e necessário. Essas são algumas palavras que definem ‘O Poço’ e toda sua repercussão ao ser distribuído internacionalmente pela Netflix. Em geral, quando uma produção faz um sucesso estrondoso no streaming, eu já duvido muito sobre sua qualidade,...

‘Você não Estava Aqui’: repensando o papel da família e o sistema capitalista

Ken Loach costuma retratar o quanto o sistema capitalista afeta negativamente as pessoas que dependem dele. Em “Eu, Daniel Blake”, ele destacou o quanto a burocracia e o sistema podem abalar a tranqüilidade de quem precisa deles. Já em “Você não estava aqui”, seu...

‘Por Lugares Incríveis’: Netflix volta a errar em drama adolescente

Com toda repercussão negativa de séries como ‘13 Reasons Why’ e ‘You’, a Netflix apostou em outra atração jovem sobre transtornos mentais e, mais uma vez, foi na direção errada. Tudo bem, ‘Por Lugares Incríveis’ não chega ao mesmo nível de irresponsabilidade que as...

‘Seberg contra todos’: Kristen Stewart gigante não faz milagre

Seguindo o estilo de ‘O Relatório’, a Amazon apresenta mais um longa baseado em fatos totalmente protocolar e com pouca originalidade. ‘Seberg Contra Todos’ até possui um forte e atrativo argumento, entretanto, a condução exagera em momentos óbvios e personagens...

‘Dois Irmãos: Uma Jornada Fantástica’: o óbvio que não vemos

"O mundo perdeu a magia”, diz Ian Lightfoot (Tom Holland), logo no início de “Dois Irmãos: Uma Jornada Fantástica” A frase poderia soar ordinária caso não tivesse embutida de uma deliciosa ironia, afinal, se trata de um jovem elfo, irmão do dono de uma van chamada...

‘O Homem Invisível’: aula sobre os perigos de um relacionamento tóxico

AVISO: o texto abaixo contém SPOILERS  Há mais ou menos um ano ‘remake’ era um conceito inocente para mim, mas, após ser bombardeada com tantas recriações realmente ruins, a palavra tornou-se um motivo de pânico. Em meio a este boom de reaproveitamento em Hollywood,...