Desde o seu anúncio, “Os Mortos Não Morrem” tinha tudo para dar certo: um elenco estelar comandado por um cineasta aclamado, com uma premissa louca o suficiente para atrair tanto o público de arte quanto fãs de blockbusters. Entretanto, depois de uma fria recepção na noite de abertura do Festival de Cannes e a uma passagem muda no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary, o público percebeu que, embora os mortos aqui possam estar vivos, o mesmo não pode ser dito para o novo filme do diretor Jim Jarmusch. 

É uma pena, pois o filme tem um certo charme cult. Bill Murray, Adam Driver e Chloë Sevigny estrelam como um trio de policiais que se vêem tendo que lidar com uma horda de zumbis tocando o terror em sua pequena cidade americana. 

Dentro dessa proposta, o diretor se mostra disposto a brincar com as alegorias do gênero e inclui a maioria de seus personagens clássicos: o fazendeiro rabugento (Steve Buscemi), o nerd bobão (Caleb Landry Jones), a assustadora agente funerária (Tilda Swinton), os estrangeiros sem noção (Selena Gomez, Austin Butler e Luka Sabbat), e assim por diante. 

NEM TÃO INTELIGENTE ASSIM

Infelizmente, o resultado é muito parecido com um dos zumbis do filme: um cadáver andante de fala automática. Para além dos policiais, não há qualquer tipo de desenvolvimento emocional para fazer o público se preocupar por qualquer uma das vítimas do apocalipse. Elas são apenas funcionais, existindo unicamente com o objetivo de serem excêntricas. Neste quesito, Tilda Swinton fica com o papel mais interessante – uma escocesa deliciosamente estranha que também é uma excelente espadachim. 

Nesse quesito, “Os Mortos não Morrem” traz ecos de  “Ave, César!”, dos irmãos Joel e Ethan Coen, – outro filme com elenco impressionante mas com diversos personagens subdesenvolvidos. Ao menos, Jarmusch – que também escreve o roteiro – até consegue fazer boas críticas ao capitalismo, que é o grande vilão do filme. Reanimados, os cadáveres são atraídos para o que ansiavam quando vivos. É assim que temos uma cena fantástica com zumbis com telefones procurando wi-fi e outro em que um personagem tocado por Iggy Pop volta com uma sede sem fim de café.

Já outros ataques, como o fato do apocalipse zumbi ter ocorrido como consequência da exploração de petróleo nos círculos polares, algo negado veementemente pelo governo, funcionam até certo ponto, mas apenas escancaram um triste fato: na realidade, “Os Mortos Não Morrem” não é tão inteligente quanto todos os envolvidos nele querem que seja. Isso fica claro quando a personagem de Adam Driver faz críticas ao próprio roteiro do filme em um exercício de metalinguagem completamente fora de contexto. Apesar das aspirações, “Os Mortos Não Morrem” pode alegar ter um cérebro, mas certamente não tem alma.

*O jornalista viajou para o Festival de Karlovy Vary como parte da equipe do GoCritic!, programa de fomento de jovens críticos do site Cineuropa.

‘Kajillionaire’: Evan Rachel Wood emociona em pequeno tesouro

Uma tocante história sobre crescer e achar aceitação longe do núcleo familiar, "Kajillionaire", novo filme de Miranda July (“O Futuro”, “Eu, Você e Todos Nós”) é um projeto tematicamente ousado que confirma sua diretora como uma voz única no cinema independente...

‘Fita de Cinema Seguinte de Borat’: melhor síntese do louco 2020

E eis que, do nada, ele retorna... Borat Sagdiyev, o antissemita e machista ex-segundo melhor jornalista do Cazaquistão, ressurge num mundo bem diferente daquele no qual ele um dia foi um fenômeno, no já distante ano de 2006. O primeiro Borat, uma produção baratíssima...

‘Shirley’: drama explora toxicidade de relacionamento com show de Elisabeth Moss

Um passeio heterodoxo pelos bastidores do processo criativo, "Shirley" usa o cenário de um filme de época como pano de fundo de um drama cáustico. O longa de Josephine Decker, que estreou no Festival de Sundance e foi exibido no Festival de Londres deste ano, mostra...

‘On The Rocks’: ótima Sessão da Tarde para cults de plantão

Pai e filha se unem para uma dose de espionagem familiar em "On the Rocks", novo filme de Sofia Coppola (“Encontros e Desencontros”, “O Estranho que Nós Amamos”). Depois de estrear no Festival de Nova York no mês passado, o filme agora é lançado mundialmente na Apple...

‘Rose: A Love Story’: terror claustrofóbico ainda que previsível

Um casal que vive no meio do nada coloca seu amor à prova da maneira mais brutal neste horror psicológico britânico. Apesar de suas deficiências narrativas, "Rose: A Love Story" - que teve sua estreia mundial no Festival de Cinema de Londres deste ano - é um...

‘Sibéria’: viagem fascinante pelo nosso abismo interior

Há muitos lugares onde é possível se perder, mas talvez o mais profundo e remoto deles seja dentro de si mesmo. "Sibéria", novo filme de Abel Ferrara que estreou na Berlinale e foi exibido no Festival de Londres deste ano, é uma viagem lisérgica que pede muito do...

‘Os Sete de Chicago’: drama de tribunal eficiente com elenco fabuloso

“Isso é um julgamento político”. Essa afirmação feita por Abbie Hoffman (Sacha Baran Cohen), e notoriamente ignorada por seus companheiros de defesa nos fornece o tom de “Os Sete de Chicago”, filme de Aaron Sorkin disponível na Netflix. A produção se baseia em um dos...

‘Sertânia’: cinema como luta e resistência às agruras do sertão

Que a idade não é impeditiva para grandes diretores seguirem fazendo trabalhos excelentes a cada ano não é novidade – Manoel de Oliveira e Martin Scorsese, talvez, sejam os casos mais exemplares nos anos 2010. Porém, aos 81 anos, Geraldo Sarno, figura fundamental para...

‘Black Box’: ficção científica lembra episódio esticado de série

Entender como funciona o nosso subconsciente parece ser um daqueles mistérios que nunca acabará, nem mesmo se um dia forem criadas máquinas que leiam o pensamento humano. A arte, de forma geral, tenta ofertar soluções que sanem a nossa curiosidade. No cinema, por...

‘O Reflexo do Lago’: documentário fica pela metade em muitos caminhos

Primeiro filme paraense a ser exibido no Festival de Berlim, “O Reflexo do Lago” tateia por diversos caminhos da Amazônia e do documentário ora acertando em cheio pela força das suas imagens ora tropeçando nas próprias pernas pelas pretensões colocadas para si. Nada...