O Tempo Passa, filme dirigido por Diego Bauer, lançado em 2016, será exibido neste domingo, 17 de maio, às 5:30 no Canal Brasil. A produção foi pela realizada pela Artrupe, contemplada no Edital de Audiovisual da Manauscult de 2014. 

O curta-metragem de 15 minutos conta a história de Jhone, um garoto de 15 anos que mora com a mãe no bairro da Compensa. É apresentado o seu cotidiano, as amizades do futebol, os vizinhos, a igreja. A sua rotina muda com a chegada de Ismael, o novo namorado de sua mãe. 

As negociações para a compra dos direitos do filme aconteceram durante o Matapi de 2019: “O mercado trouxe pra cá vários players a fim de realizar negócios com as produtoras manauaras, e a gente estabeleceu contato com o Canal Brasil por meio das rodas de conversa. Apresentamos os nossos trabalhos, e ficamos felizes com o fato do filme agora ter mais uma janela de exibição, e num canal que se caracteriza por colocar em evidência diversas produções brasileiras relevantes”, afirma Diego Bauer. 

As gravações do filme aconteceram em dezembro de 2015. Fazem parte do elenco Adanilo, Ítalo Rui, Leonel Worton, Tiziane Virgílio, Isabela Catão e Israel Castro. Para Bauer, uma das características mais importantes do filme é a forma como apresenta o bairro da Compensa: “Moro no bairro ao lado da Compensa, Nova Esperança, então sempre reconheci ali um lugar repleto de histórias, em que a violência está muito  presente, mas que ao mesmo tempo não apaga o senso de humor das pessoas, e uma maneira muito próxima e até doce de se relacionar com o outro. Sempre me pareceu um lugar especial, de relações complexas, e que funciona como um microcosmo potente do que é a cidade de Manaus e as suas muitas contradições”, explica. 

O Tempo Passa é o segundo curta-metragem dirigido por Bauer, que neste ano lançou outro filme, Obeso Mórbido, em que divide a direção com Ricardo Manjaro.

com informações de assessoria

‘Terra Nova’: o desamparo da arte e de uma cidade na pandemia

A pandemia do novo coronavírus impactou a sociedade brasileira como um todo. Mas, talvez um dos segmentos mais prejudicados tenha sido a produção cultural independente, que, em grande parte, dependia de plateias e aglomerações em espaços fechados. Soma-se isso a uma...

‘Graves e Agudos em Construção’: a transgressão esquecida do rock

‘O rock morreu?’ deve ser a pergunta mais batida da história da música. Nos dias atuais, porém, ela anda fazendo sentido, pelo menos, no Brasil, onde o gênero sumiu das paradas de sucessos e as principais bandas do país vivem dos hits de antigamente. Para piorar,...

À Beira do Gatilho’: primor na técnica e roteiro em segundo plano

Durante a cerimônia de premiação do Olhar do Norte 2020, falei sobre como Lucas Martins é um dos mais promissores realizadores audiovisuais locais ainda à espera de um grande roteiro. Seus dois primeiros curtas-metragens - “Barulhos” e “O Estranho Sem Rosto” -...

‘Jamary’: Begê Muniz bebe da fonte de ‘O Labirinto do Fauno’ em curta irregular

Primeiro trabalho na direção de curtas-metragens de Begê Muniz, conhecido por ser o protagonista de “A Floresta de Jonathas”, “Jamary” segue a trilha de obras infanto-juvenis do cinema amazonense como “Zana - O Filho da Mata”, de Augustto Gomes, e “Se Não”, de Moacyr...

‘O Buraco’: violência como linguagem da opressão masculina

Em vários momentos enquanto assistia “O Buraco”, novo filme de Zeudi Souza, ficava pensando em “Enterrado no Quintal”, de Diego Bauer. Os dois filmes amazonenses trazem como discussão central a violência doméstica. No entanto, enquanto “Enterrado” apresenta as...

‘No Dia Seguinte Ninguém Morreu’: a boa surpresa do cinema do Amazonas em 2020

“No Dia Seguinte Ninguém Morreu” é, sem dúvida, uma das mais gratas surpresas do cinema produzido no Amazonas nos últimos anos. Esta frase pode parecer daquelas bombásticas para chamar a sua atenção logo de cara, mas, quem teve a oportunidade de assistir ao...

‘O Estranho Sem Rosto’: suspense psicológico elegante fica no quase

Lucas Martins foi uma grata surpresa da Mostra do Cinema Amazonense de 2016 com “Barulhos”. Longe dos sustos fáceis, o curta de terror psicológico apostava na ambientação a partir de um clima de paranoia para trabalhar aflições sociais provenientes da insegurança...

‘Tucandeira’: Jimmy Christian faz melhor filme desde ‘Bodó com Farinha’

Fazia tempo que Jimmy Christian não entregava um curta tão satisfatório como ocorre agora com “Tucandeira”. O último bom filme do diretor e fotógrafo amazonense havia sido “Bodó com Farinha” (2015) sobre todo o processo de pesca, cozimento e importância do famigerado...

‘Jackselene’: simbólico curta na luta pelo aprendizado do audiovisual em Manaus

Sem uma faculdade ou escola de cinema regular desde o fechamento do curso técnico de audiovisual da Universidade do Estado do Amazonas após míseras duas turmas formadas, os aspirantes a cineastas em Manaus recorrem a iniciativas de curta duração. Artrupe, Centro...

‘A Ratoeira’: percepções sensoriais do calor e da cultura manauara

São muito variantes as percepções que se tem de “A Ratoeira”, curta de Rômulo Sousa (“Personas” e “Vila Conde”) selecionado para o Festival Guarnicê 2020. Em seu terceiro projeto como diretor, ele entrega uma obra que experimenta várias construções cinematográficas e...