“Dark” chega para o seu segundo ano confirmando porque é uma das melhores atrações do catálogo da Netflix. Intrigante e cativante, a produção alemã apresenta um roteiro que em momento algum subestima seu público pelo contrário, o instiga a desvendar os mistérios que cercam a pequena Winden.

Mais sombrio do que a primeira temporada, o segundo ano se destaca por aprofundar a relação dos personagens e o universo proposto por Baran bo Odar e Jantje Friese. Apesar de sustentar a aura de suspense, as perguntas levantadas anteriormente encontram respostas intrincadas e necessárias para a continuação da trama. Tudo isso deixa a sensação de que realmente estamos nos preparando para o capítulo final.

Expansão da filosofia de “Dark”

Com um salto temporal de seis meses em todas as linhas temporais apresentadas no primeiro ciclo, “Dark” inclui mais dois anos (1921 e 2053) a fim de mergulhar na ficção científica e expandir a mitologia na qual está amparada. Chama a atenção o cuidado em torno da discussão entre ciência e religião que parece ser um dos pilares de sua construção conceitual. Digo isso, porque se juntam a Nietzsche e Eisntein – muito presentes na primeira temporada – Peter Paul Rubens com “A Queda dos Condenados” e Andreas Cellarius e seus mapas de harmonia macrocósmicas.  Ambos, personalidades alemãs adicionando mais camadas ao embate entre a sombra e a luz. Com isso, finalmente, conhecemos o rosto dos oponentes: Claudia Tiedemann (Julika Jenkins e Lisa Kreuzer) e Adam (Dietrich Hollinderbaumer).

Dentro do arcabouço mitológico, os princípios herméticos também se expandem. O curioso é ver o Caibalion, livro escrito por Hermes Trimegisto, nas mãos de Elizabeth Doppler, que assume uma função interessante dentro da série, a qual seria ainda mais confusa se não fossem as duas leis herméticas essenciais para a compreensão da viagem no tempo em “Dark”: ritmo e causa e efeito. A primeira dita começos e fins como relembra os títulos do episódio inicial e final da temporada, enquanto a segunda possibilita assimilar como os atos das cinco linhas temporais influenciam uma na outra.

É importante a compreensão dos conceitos filosóficos e científicos que envolvem a série, já que nesta temporada fica claro o quanto esse é o solo em que a produção está fincada. Adam afirma no diálogo com Jonas (Louis Hoffman), em 1921, que o verdadeiro papel do “Sic mundus creatus est” é tornar o tempo deus, não como uma espécie de religião, mas justamente desvincular a ideia de uma deidade como forma motora que não seja lógica ou científica. Entretanto, a impressão deixada é que, em 2053, o Sic Mundus tornou-se uma espécie de religião a qual precisa ser seguida sem questionamentos ou atos contrários.

Um novo ciclo sobre os personagens

No primeiro episódio da temporada, “Começos e Fins”, Noah (Mark Waschke) comenta que o verdadeiro caráter se manifesta no propósito de nossos atos. Esta é uma afirmação que permeia todo o ciclo. Há um aprofundamento dos personagens, principalmente, no que diz respeito as suas motivações. As correlações, conexões e funcionalidades ficaram mais claras e parte disso se deve a explicações dadas a personagens mais misteriosos como Claudia Tiedemann e Noah, o qual finalmente conhecemos a origem e um lado mais humano.

O maior destaque da temporada, no entanto, é Jonas Kahnwald, que finalmente assume seu posto como protagonista da série. O drama do personagem é aprofundado, ele ganha mais tempo em tela e realmente conduz a narrativa. O que leva a quase compreensão do seu papel na complexa engrenagem que rege “Dark” e os méritos também devem ser estendidos a interpretação de Louis Hoffman (Jonas 2020) e Andreas Pietschmann (Jonas 2052).

Hoffman perde a inocência e ingenuidade que carregava na primeira temporada e transforma-se gradualmente, evidenciando o quanto as viagens do tempo afetam o jovem Kahnwald. É perceptível as mudanças em sua feição e trejeitos entre a pessoa que ouve as fitas de Claudia e a que está em Winden no dia do Apocalipse. Parece que não apenas o personagem, mas o ator também se caleja por conta das adversidades enfrentadas neste ciclo. Pietschmann não fica atrás. O ator incorpora o jeito de andar e os traços de Hoffman, acrescentando o desespero e o sofrimento de quem viu tudo aquilo acontecer e não quer que se repita. O intrigante é que a atuação de ambos permite a sensação de realmente estar prestigiando a maturação do ser humano. Como eu de hoje me torno a pessoa do amanhã.

Por isso, ao menos para mim, ainda restam muitas dúvidas sobre a real identidade de Adam.

Preocupações para o fim

Por mais fascinante e empolgante que esta temporada tenha sido, o gancho usado no final me preocupa. Com cada vez menos episódios, pode ser que não haja tempo o suficiente para desenvolver o multiverso. Embora este seja uma característica recorrente na ficção científica, o seu uso soa como um artifício de fácil saída. Junto à predestinação e, consequentemente, a imutabilidade da linha temporal, são duas características que geram dúvida quanto ao fechamento eficiente dos três ciclos. É como se criassem um desvio as regras pré-estabelecidas sobre os perigos da viagem no tempo.

“Dark” retorna para este novo ciclo confirmando e expandindo tudo aquilo que cativou na primeira temporada e que a torna a melhor produção da Netflix. Seja por sua direção magistral e segura, seja pelo elenco intrincado, seja a fotografia claustrofóbica e tenebrosa, seja pela montagem e trilha sonora soturnas: todos os elementos presentes na obra conduzem a reflexão e ao entendimento de sua grandiosidade. As discussões em torno de seu conceito e simbologia apenas alimentam o que há de melhor nas mãos de Odar e Friesi.

Mal posso esperar pelo fechamento do último ciclo!

‘Loki’: boa, porém desperdiçada, introdução ao multiverso Marvel

Após a excêntrica e divertida "Wandavision", a política e reflexiva "Falcão e o Soldado Invernal", a nova série da Marvel focada no Deus da Trapaça é uma ótima introdução para o que está por vir no Universo Cinematográfico Marvel (MCU). Entretanto, por conta do...

‘Elize Matsunaga – Era Uma Vez Um Crime’: misoginia brasileira escancarada

Duas coisas se destacam na minissérie “Elize Matsunaga: Era Uma Vez Um Crime”: o domínio patriarcal no Brasil e o estudo de personagem feito pela diretora Eliza Capai. A documentarista é responsável por produções que buscam investigar personagens femininas sem...

‘Dom’: história de amor paterno no meio do caos das drogas

Dom (2021), nova aposta da Amazon Prime, é uma série que desperta as mais diversas emoções. Livremente inspirado no romance homônimo escrito pelo titã Tony Belotto e também em O Beijo da Bruxa (2010), de Luiz Victor Lomba (pai do Pedro), a produção narra a história...

‘Solos’: minissérie joga fora todos seus promissores potenciais

A minissérie do Prime Video "Solos" busca se distanciar de comparações ao streaming concorrente. Para tanto, traz elementos de ficção científica e a relação da tecnologia com (e eventualmente versus) a humanidade em um futuro distópico. Nesse sentido, há uma...

‘Manhãs de Setembro’: Lineker encanta em busca pela independência

“Manhãs de Setembro” é uma série recém-lançada pelo Prime Vídeo e traz a cantora Liniker no papel da protagonista Cassandra, uma mulher trans que divide seu tempo como motogirl de um aplicativo de entrega e seu trabalho como cantora. Somos apresentados à personagem em...

‘Mare of Easttown’: Kate Winslet domina brilhante estudo de personagem

Mare Sheehan não encara um bom momento em sua vida. Ela é uma policial na faixa dos 40 anos na cidadezinha de Easttown, no estado americano da Pensilvânia, um daqueles locais onde todo mundo conhece todo mundo. Há cerca de um ano uma jovem desapareceu por lá, e Mare e...

‘O Caso Evandro’: uma narrativa macabra repleta de reviravoltas

São poucas histórias factuais com tantas reviravoltas a ponto de serem mais interessantes e impressionantes do que as narrativas de ficção. A série documental “Caso Evandro”, disponível na Globoplay, entretanto, apresenta um conto revelador sobre um Brasil repleto de...

‘The Underground Railroad’: comovente luta pela liberdade e contra o racismo

É muito difícil encontrar uma adaptação audiovisual de um livro que consiga superar a obra original. “The Underground Railroad”, entretanto, não apenas alcança este feito como também atribui novas perspectivas ao romance homônimo escrito pelo premiado Colson...

‘O Legado de Júpiter’: Netflix perde o bonde para ‘The Boys’

Levando em conta todo o conteúdo de super-heróis disponível hoje no terreno das séries de TV e streaming – e é bastante – ainda há muito espaço para o heroísmo, digamos, tradicional: embora brinquem com formatos e gêneros e adicionem algumas complexidades aqui e ali,...

‘Them’: ecos de ‘Poltergeist’ em incômoda série sobre racismo

No começo da década de 1980, Steven Spielberg e Tobe Hooper lançaram Poltergeist: O Fenômeno (1982), que acabaria se tornando um pequeno clássico do terror ao mostrar uma típica família norte-americana de um subúrbio californiano aparentemente perfeito enfrentando...