Fantasia, melancolia e leve toques de surrealismo são as características que definem o suspense dramático “Lamb”, primeiro longa-metragem co-escrito e dirigido por Vladimir Jóhannsson.

O filme venceu o prêmio máximo do Festival Internacional de Cinema Fantástico da Catalunha (Sitges), o mais importante do mundo nesse gênero e é o escolhido para representar a Islândia na categoria de Melhor Filme Internacional do Oscar 2022. Além disso, também esteve na programação da Mostra Internacional de Cinema de São Paulo.

Apesar de ter sido comercializado pela distribuidora norte-americana A24 como um filme de horror com estruturas narrativas e elementos semelhantes aos seus demais filmes do gênero (“A Bruxa” e “O Farol”, ambos de Robert Eggers), só é possível apreciar a obra de Jóhannsson quando a expectativa de assistir um grande thriller é deixada de lado.

Na trama, acompanhamos um casal de fazendeiros María (Noomi Rapace) e Ingvar (Hilmir Snær Guðnason) que vive em uma região isolada na Islândia, onde se dedicam à criação de cordeiros. Certo dia, os dois se deparam com o nascimento de um filhote com características peculiares e, a partir de então, decidem criá-la como filha.

Narrativa dramática com toques de surrealismo

“Lamb” é dividido em três capítulos (que podemos identificar também como os três atos da trama): o primeiro é dedicado, quase que totalmente, a apresentar o ambiente frio e cálido da região, o casal de personagens monótonos e como estes estão inseridos dentro de uma aura melancólica e “sem vida”.

As cenas possuem pouquíssimos diálogos. Entretanto, a direção de fotografia de Eli Arenson se preocupa em trazer sequências com grandes planos abertos da região vazia, porém bela e envolvente. E isso eleva ainda mais a carga dramática e melancólica que “Lamb” possui.

Após a adoção do bebê bizarro pelo casal, percebemos uma mudança de tom no segundo ato. Jóhannsson se preocupa em causar estranhamento no espectador com uso de elementos surrealistas de forma leve e sutil. A experiência, na verdade, se torna mais satisfatória quando o espectador ignora qualquer senso de realidade que possa procurar no desenrolar do enredo.

Boa representação do luto

O estranhamento causado ao longo do filme, porém, não é suficiente para ignorar certas escolhas do diretor em não ir a fundo no desenvolvimento dessa tensão, tendo em vista o caráter de suspense que a produção tenta carregar.

Muitas das cenas em que há troca de conversa entre os personagens acabam se tornando desnecessárias – o que é estranho, tendo em vista que o filme é marcado por poucos diálogos. Além disso, “Lamb” possui em sua estrutura narrativa pontos em que aborda relacionamento, falta de confiança e, principalmente, o processo de luto.

Este último, inclusive, é muito bem construído no roteiro, pois, desde a apresentação dos personagens nos primeiros minutos do filme até a chegada do clímax, é perceptível como a perda de algo ou alguém pode ser bastante traumático.

Desfecho – quase – catártico de um potencial diretor

Ainda que “Lamb” seja desenvolvida por um ritmo lento, a narrativa consegue ter um grau de imprevisibilidade permanente, levando o espectador a sentir que algo pode acontecer a qualquer momento. Como filme de horror, “Lamb” consegue ser um bom suspense dramático. Apesar das decisões de roteiro que influenciam diretamente no desfecho quase catártico, Jòhannsson demonstra saber desenvolver, em seu primeiro trabalho, uma história simples com complexidades surrealistas.

Há quem possa não gostar de “Lamb”, mas cabe ao espectador ficar atento ao potencial do diretor em seus próximos filmes.

‘Viagem ao Topo da Terra’: animação correta impressiona pelo visual e singeleza

Por que seres humanos perigosamente arriscam a vida escalando grandes montanhas? E vale a pena fazer isso, se ninguém vai registrar ou lembrar? Estas perguntas estão no cerne de Viagem ao Topo da Terra, animação francesa disponível na Netflix dirigida por Patrick...

‘Casa Gucci’: um filme de Lady Gaga e só

Se a palavra Gucci ao ser dita soa como algo doce, mas, carrega uma maldição simultaneamente como diz Patrizia Reggiani, dois momentos podem ser considerados simbólicos desta definição: o primeiro está na transformação do olhar de Patrizia ao ouvir o sobrenome vindo...

‘Encanto’: agradável ainda que nada marcante animação Disney

Apropriada para o público infantil e com fácil apelo emocional, a temática sobre família constantemente é explorada nas animações da Disney e ‘Encanto’ não foge disso. Dirigido pelo trio Jared Bush (‘Moana’), Byron Howard (‘Zootopia’) e Charise Castro Smith, o filme...

‘Ataque dos Cães’: a masculinidade tóxica dissecada e descontruída

“Ataque dos cães” trata sobre masculinidade e poder em uma obra que flutua pela sensibilidade dos detalhes. Benedict Cumberbatch (“Doutor Estranho”) interpreta Phil Burbank, um típico vaqueiro dos filmes de faroeste, tratando sua frieza e brutalidade como prêmios. Ele...

‘King Richard: Criando Campeãs’: a filosofia de Will Smith com todos seus vícios e virtudes

Há alguns anos, o astro Will Smith explicou o motivo de ter recusado o papel de protagonista no sucesso Django Livre (2012), de Quentin Tarantino. A estrela afirmou que “o único jeito de fazê-lo seria se fosse uma história de amor, não de vingança”. Bem,...

‘Earwig’: fábula dark de incapaz de envolver o público

A vida de uma menina peculiar, um homem atormentado e uma garçonete em apuros se entrelaçam em "Earwig", novo filme da francesa Lucile Hadžihalilović (“Inocência”, “Évolution”). O longa, que teve estreia em Toronto e premiada passagem em San Sebastián, foi exibido no...

‘Ferida’: Halle Berry tenta, mas, não sai de fórmulas batidas

Ferida, estrelado e dirigido pela atriz Halle Berry – marcando sua estreia como diretora – é um filme igual à sua protagonista: sincero, mas errático; intenso, mas também disperso. A produção da Netflix busca contar um drama humano dentro do universo do MMA e, com...

‘Deserto Particular’: a solidão como companheira

A solidão que a gente carrega e que nos carrega também. “Deserto Particular” é um filme sobre espaços e tempo. Logo na abertura, Daniel (Antônio Saboia) corre de noite em meio a uma rua vazia, enquanto ouvimos uma narração do protagonista direcionada a alguém que ele...

‘Tick, Tick… Boom!’: Lin-Manuel Miranda dribla resistências ao musical em grande filme

Seja no cinema ou no teatro, não conhecer ‘Rent – Os Boêmios’ e muito menos ter se emocionado ao som de ‘Seasons of Love’ é algo extremamente difícil para quem gosta de musicais. A partir dessa prerrogativa, ‘Tick Tick... Boom!’ trata-se de uma grande homenagem a esse...

‘Um Herói’: o melhor filme de Asghar Farhadi desde ‘O Passado’

Um conto-da-carochinha com desdobramentos épicos é a força-motriz de "Um Herói", novo drama de Asghar Farhadi. O longa foi exibido no Festival de Londres deste ano após estreia em Cannes, onde levou o Grand Prix - o segundo prêmio mais prestigiado do evento. Escolhido...