Fantasia, melancolia e leve toques de surrealismo são as características que definem o suspense dramático “Lamb”, primeiro longa-metragem co-escrito e dirigido por Vladimir Jóhannsson.

O filme venceu o prêmio máximo do Festival Internacional de Cinema Fantástico da Catalunha (Sitges), o mais importante do mundo nesse gênero e é o escolhido para representar a Islândia na categoria de Melhor Filme Internacional do Oscar 2022. Além disso, também esteve na programação da Mostra Internacional de Cinema de São Paulo.

Apesar de ter sido comercializado pela distribuidora norte-americana A24 como um filme de horror com estruturas narrativas e elementos semelhantes aos seus demais filmes do gênero (“A Bruxa” e “O Farol”, ambos de Robert Eggers), só é possível apreciar a obra de Jóhannsson quando a expectativa de assistir um grande thriller é deixada de lado.

Na trama, acompanhamos um casal de fazendeiros María (Noomi Rapace) e Ingvar (Hilmir Snær Guðnason) que vive em uma região isolada na Islândia, onde se dedicam à criação de cordeiros. Certo dia, os dois se deparam com o nascimento de um filhote com características peculiares e, a partir de então, decidem criá-la como filha.

Narrativa dramática com toques de surrealismo

“Lamb” é dividido em três capítulos (que podemos identificar também como os três atos da trama): o primeiro é dedicado, quase que totalmente, a apresentar o ambiente frio e cálido da região, o casal de personagens monótonos e como estes estão inseridos dentro de uma aura melancólica e “sem vida”.

As cenas possuem pouquíssimos diálogos. Entretanto, a direção de fotografia de Eli Arenson se preocupa em trazer sequências com grandes planos abertos da região vazia, porém bela e envolvente. E isso eleva ainda mais a carga dramática e melancólica que “Lamb” possui.

Após a adoção do bebê bizarro pelo casal, percebemos uma mudança de tom no segundo ato. Jóhannsson se preocupa em causar estranhamento no espectador com uso de elementos surrealistas de forma leve e sutil. A experiência, na verdade, se torna mais satisfatória quando o espectador ignora qualquer senso de realidade que possa procurar no desenrolar do enredo.

Boa representação do luto

O estranhamento causado ao longo do filme, porém, não é suficiente para ignorar certas escolhas do diretor em não ir a fundo no desenvolvimento dessa tensão, tendo em vista o caráter de suspense que a produção tenta carregar.

Muitas das cenas em que há troca de conversa entre os personagens acabam se tornando desnecessárias – o que é estranho, tendo em vista que o filme é marcado por poucos diálogos. Além disso, “Lamb” possui em sua estrutura narrativa pontos em que aborda relacionamento, falta de confiança e, principalmente, o processo de luto.

Este último, inclusive, é muito bem construído no roteiro, pois, desde a apresentação dos personagens nos primeiros minutos do filme até a chegada do clímax, é perceptível como a perda de algo ou alguém pode ser bastante traumático.

Desfecho – quase – catártico de um potencial diretor

Ainda que “Lamb” seja desenvolvida por um ritmo lento, a narrativa consegue ter um grau de imprevisibilidade permanente, levando o espectador a sentir que algo pode acontecer a qualquer momento. Como filme de horror, “Lamb” consegue ser um bom suspense dramático. Apesar das decisões de roteiro que influenciam diretamente no desfecho quase catártico, Jòhannsson demonstra saber desenvolver, em seu primeiro trabalho, uma história simples com complexidades surrealistas.

Há quem possa não gostar de “Lamb”, mas cabe ao espectador ficar atento ao potencial do diretor em seus próximos filmes.

CRÍTICA | ‘In a Violent Nature’: tentativa (quase) boa de desconstrução do Slasher

O slasher é um dos subgêneros mais fáceis de se identificar dentro do cinema de terror. Caracterizado por um assassino geralmente mascarado que persegue e mata suas vítimas, frequentemente adolescentes ou jovens adultos, esses filmes seguem uma fórmula bem definida....

CRÍTICA | ‘MaXXXine’: mais estilo que substância

A atriz Mia Goth e o diretor Ti West estabeleceram uma daquelas parcerias especiais e incríveis do cinema quando fizeram X: A Marca da Morte (2021): o que era para ser um terror despretensioso que homenagearia o cinema slasher e também o seu primo mal visto, o pornô,...

CRÍTICA | ‘Salão de baile’: documentário enciclopédico sobre Ballroom transcende padrão pelo conteúdo

Documentários tradicionais e que se fazem de entrevistas alternadas com imagens de arquivo ou de preenchimento sobre o tema normalmente resultam em experiências repetitivas, monótonas e desinteressantes. Mas como a regra principal do cinema é: não tem regra. Salão de...

CRÍTICA | ‘Geração Ciborgue’ e a desconexão social de uma geração

Kai cria um implante externo na têmpora que permite, por vibrações e por uma conexão a sensores de órbita, “ouvir” cada raio cósmico e tempestade solar que atinge o planeta Terra. Ao seu lado, outros tem aparatos similares que permitem a conversão de cor em som. De...

CRÍTICA | ‘Um Dia Antes de Todos os Outros’: drama naturalista não supera pecha de inofensivo

Pontuado por lampejos de qualquer coisa singular, Um dia antes de todos os outros é a epítome do drama independente naturalista brasileiro contemporâneo. A simplicidade de um conceito: um dia para desocupar um apartamento que coloca quatro mulheres diferentes nesse...

CRÍTICA | ‘Ivo’: simplismo naturalista leve para lidar com temas muito pesados

Enfermeira e ceifadora, a personagem título de Ivo expressa pela atriz Minna Wündrich tudo o que o filme é. A morte como elemento constante e sem cerimônia. A inevitabilidade da vida tratada com leveza mas não tanto. Com seriedade mas não tanto. Com um humor que não...

CRÍTICA | ‘Baby’: Existe amor em éssipê

O recomeço é sempre um processo difícil. Para muitos garotos ainda no fim da adolescência ou no início da vida adulta, ele é ingrato por natureza. Em “Baby”, o diretor Marcelo Caetano parte de um recomeço forçado para contar uma história de sobrevivência e encontro....

CRÍTICA | ‘Não existe almoço grátis’: doc. sobre cozinhas solidárias do MTST fica no arroz com feijão bem feito

Filme de estreia de sua dupla de diretores, Não existe almoço grátis meio que não erra em nada. É um documentário que consegue o que quer no retrato de suas três personagens principais como exemplos da pluralidade da cozinha solidária do MTST. Que apresenta bem o...

CRÍTICA | ‘Um Tira da Pesada 4’: o filme mais preguiçoso da temporada

Quarenta anos depois, a cidade de Detroit continua feia e o astro Eddie Murphy muito engraçado... e preguiçoso. Este Um Tira da Pesada 4: Axel Foley, nova continuação do sucesso de 1984 que transformou Murphy em mega astro mundial, chega à Netflix como um exercício de...

Review ‘Beverly Hills Cop: Axel F’: The Laziest Film of the Season

Forty years later, the city of Detroit remains grim, and star Eddie Murphy remains very funny... and lazy. This latest installment, "Beverly Hills Cop: Axel F," a new sequel to the 1984 hit that turned Murphy into a global megastar, arrives on Netflix as a nostalgia...