Um casal que vive no meio do nada coloca seu amor à prova da maneira mais brutal neste horror psicológico britânico. Apesar de suas deficiências narrativas, “Rose: A Love Story” – que teve sua estreia mundial no Festival de Cinema de Londres deste ano – é um longa-metragem de estreia que mostra o potencial da diretora Jennifer Sheridan e seu ar claustrofóbico o torna perfeito para sessões noturnas em casa.

A personagem-título (Sophie Rundle, da série “Peaky Blinders“) é uma aspirante a escritora que vive em uma cabana remota (é claro) em uma floresta nevada. Junto com seu marido Sam (Matt Stokoe, do seriado “Bodyguard”), que caça sua comida e garante seu bem-estar, eles vivem uma vida aparentemente idílica longe da multidão das cidades.

No entanto, Rose está enfrentando uma doença estranha que a faz nunca sair de casa, Sam tem o hábito de trancá-la quando se ausenta e sanguessugas muitas vezes parecem estar no cardápio da casa. É evidente que há algo podre no reino destes dois – e quando o casal tem que dar as boas-vindas a uma hóspede indesejada em uma noite fatídica, todas as tensões vêm à tona.

O roteiro, escrito por Stokoe, habilmente se concentra na natureza quase parasitária do ajudante. Por um lado, Rose é uma pessoa doente que se vê impotente para deter o senso de dever que seu parceiro tem em relação a sua vida, que vem acompanhada de uma cobrança emocional. Ela sente que sua condição é um fardo e parece admitir que sua mera aceitação desse arranjo doméstico é uma ação perversa. Por outro lado, Sam é um marido cuja preocupação dominante vem de um lugar de amor, mas que acaba mostrando seu lado monstruoso. Lentamente, a culpa e o remorso se instalam, trazendo instabilidade a uma situação já delicada.

ESCURIDÃO COMPARTILHADA

Com tanto para explorar, é lamentável que a história recorra a manobras previsíveis, com o espectador atento capaz de vê-las a um quilômetro de distância. Uma vez estabelecidos, nenhum dos protagonistas parece se desenvolver muito narrativamente, o que torna seu diálogo seja um tanto monótono. Isso também também faz com que a ação – da qual não há muita – se arraste, principalmente no meio do filme.

Os cineastas se saem muito melhor quando usam sua localização para criar tensão. O sentimento de que algo em todo o cenário está profundamente errado imbue uma sensação sinistra de pavor às cenas, brilhantemente capturada pela diretora de fotografia Martyna Knitter. Suas tomadas dentro da casa trancada se aproveitam ao máximo da incerteza sobre se o perigo real está dentro ou fora dela.

Certamente teria sido fácil contar essa história através das estruturas do terror clássico, mas esse claramente não é o filme que Sheridan se propôs a fazer. Em vez disso, “Rose: A Love Story” se apresenta como a história de um amor condenado, cheia de ansiedade, que mostra como duas pessoas podem ser unidas pela escuridão que compartilham. 

‘Earwig’: fábula dark de incapaz de envolver o público

A vida de uma menina peculiar, um homem atormentado e uma garçonete em apuros se entrelaçam em "Earwig", novo filme da francesa Lucile Hadžihalilović (“Inocência”, “Évolution”). O longa, que teve estreia em Toronto e premiada passagem em San Sebastián, foi exibido no...

‘Um Herói’: o melhor filme de Asghar Farhadi desde ‘O Passado’

Um conto-da-carochinha com desdobramentos épicos é a força-motriz de "Um Herói", novo drama de Asghar Farhadi. O longa foi exibido no Festival de Londres deste ano após estreia em Cannes, onde levou o Grand Prix - o segundo prêmio mais prestigiado do evento. Escolhido...

‘Benedetta’: Verhoeven leva sexo a convento em sátira religiosa

Paul Verhoeven (“Elle”, “Tropas Estelares”), está de volta - e continua em excelente forma. Seu mais novo filme, Benedetta, exibido no Festival de Londres deste ano após sua estreia em Cannes, vê o diretor holandês empregando sua verve cáustica à serviço de uma...

‘The Tragedy of Macbeth’: ambiciosa adaptação que nada inova

Longe de pela primeira vez e certamente não pela última, o cinema recebe mais uma adaptação de "Macbeth"- agora concebida por Joel Coen, metade da oscarizada dupla de irmãos cineastas. O lançamento largamente digital do longa exibido no Festival de Londres deste ano -...

‘Sundown’: apatia generalizada em filme monótono

“Sundown”, novo filme do mexicano Michel Franco (“Depois de Lúcia”), tenta responder a velha pergunta: como seria começar de novo? A produção com Tim Roth (“Luce”) e Charlotte Gainsbourg (“Ninfomaníaca”), que teve estreia em Veneza e foi exibida no Festival de Londres...

‘A Crônica Francesa’: Wes Anderson joga para torcida ao celebrar o jornalismo

Descrito como uma "carta de amor aos jornalistas", "A Crônica Francesa" é uma divertida homenagem do diretor Wes Anderson à mídia impressa e aos articulistas que o inspiraram. O projeto, que estreou em Cannes e foi exibido no Festival de Londres deste ano, é o filme...

‘Great Freedom’: a luta para ser quem se é independente das consequências

Amor, tesão e tragédia dão a tônica de "Great Freedom", o belo e potente novo filme de Sebastian Meise. A co-produção Áustria-Alemanha, que estreou (e foi premiada) na seção Um Certo Olhar no Festival de Cannes, foi exibida no Festival de Londres deste ano. O drama de...

‘The Souvenir Parte II’: Joanna Hogg muda tom e cria sequência metalinguística

A diretora Joanna Hogg continua seu exercício em autoficção em "The Souvenir Parte II", sequência do premiado sucesso de 2019. O filme, que estreou em Cannes e foi exibido no Festival de Londres deste ano, começa exatamente no mesmo ponto em que seu predecessor...

‘Titane’: Julia Ducournau arrisca tudo com horror no limite

Dependendo da forma como você o vê, "Titane" é um horror porrada no estômago, uma hilária comédia de humor negro ou um drama sobre pessoas muito, mas muito quebradas. O filme ganhador da cobiçada Palma de Ouro - prêmio máximo do Festival de Cannes - deste ano e...

‘Spencer’: Kristen Stewart luta em vão contra filme maçante

Em "Spencer", Kristen Stewart se junta ao clube de atrizes - que inclui Naomi Watts (“Diana”) e Emma Corrin (“The Crown”) - que se lançaram ao desafio de retratar a Princesa Diana. A atriz traz uma energia caótica à personagem e a coloca no caminho de uma quase certa...