São muito variantes as percepções que se tem de “A Ratoeira”, curta de Rômulo Sousa (“Personas” e “Vila Conde”) selecionado para o Festival Guarnicê 2020. Em seu terceiro projeto como diretor, ele entrega uma obra que experimenta várias construções cinematográficas e flerta com o calor e a cultura amazonense. A sensação que fica é de passar uma tarde típica nas zonas periféricas de Manaus.

O curta acompanha um jovem casal que vive junto até que o rapaz tem um sonho inquietante e resolve voltar a morar com os pais. Esse é o pontapé inicial para as discussões que Sousa transmite. Como fizera em “Vila Conde”, o roteiro é diretos e preciso quanto às informações que chegam ao espectador. Não sabemos nada sobre a vida dos personagens, a não ser o que está sendo visto no momento. E isso é importante também para compreendermos as relações presentes e como essas parecem alicerçadas.

A quente e sensorial Manaus

O primeiro ponto a apoiar as ligações em “A Ratoeira” é a paleta de cores e como ela evoca o calor e o mormaço de quem está habituado ao nosso clima úmido. Fazemos uma viagem com a personagem de Thayná Liartes dentro de um dos ônibus de Manaus. Vemos como a temperatura parece transbordar pela personagem, que, apesar de não falar nada, tem o rosto fechado, como se estivesse enfezada. Suas expressões são importantes para compreendermos o que se passa no filme. Mesmo calada, a personagem emite intensidade, raiva e angústia.

Neste ponto, é possível ver semelhanças entre o curta de Sousa e “Manaus Hot City”, produção independente de Rafael Ramos. Em ambos, o uso da luz e cores é fundamental para evocar sensações naturais de Manaus. Afinal, assim como a luz saturada escolhida por eles, a capital amazonense é quente, vívida, mas também possui sua parcela de alegria e de angústias. Rômulo Sousa, assim como Ramos, também assina a fotografia, montagem e roteiro da produção, o que lhe permite ter uma visão mais ampla e eficaz do que quer alcançar. No entanto, o ponto-chave de “A Ratoeira” são seus personagens e não a cidade.

Desde o início fica estabelecido a falta de harmonia e sincronia do casal principal. Há um cuidado em retratá-los em ambientes divergentes e contrapostos. Enquanto ela está encoberta pela luz solar, a iluminação que o cerca é mais gélida e transmite um distanciamento de tudo aquilo que ela poderia representar como a angústia, raiva e intensidade. No entanto, o roteiro utiliza o imaginário como mote para esboçar as preocupações dele e o consagra como um típico personagem masculino egoísta e medíocre.

A influência do imaginário

O imaginário é um dos aspectos fortes da cultura amazônida por meio das crenças, tradições e superstições. Sousa bebe dessa fonte para amarrar a sua trama por meio da simbologia onírica. Para muitas culturas, o sonho é um indicativo premonitório. Curiosamente, o diretor toma essa crença para construir o arco central de “A Ratoeira”. Contudo, o que chama atenção realmente é a sequência do sonho e o tom cômico que a narrativa lhe confere.

Isso, de certa forma, prejudica a condução da narrativa que não prepara o público para o seu ponto alto. Compreendo que a pandemia colaborou para que alguns momentos importantes não fossem feitos, como uma das cenas sugere, no entanto, Sousa mostrou ser um diretor habilidoso e criativo para sair dessa situação, pena que não foi o suficiente para criar o impacto necessário.

“A Ratoeira” é uma experiência curiosa para se conectar ao clima amazônida e emitir sensações do que é a vida nesse lado do país. Rômulo Sousa mostra seu crescimento e o quanto ainda pode oferecer para o cinema amazonense. Imergir em suas percepções cinematográficas tem sido até agora satisfatório. Aguardemos seus próximos passos.

‘Graves e Agudos em Construção’: a transgressão esquecida do rock

‘O rock morreu?’ deve ser a pergunta mais batida da história da música. Nos dias atuais, porém, ela anda fazendo sentido, pelo menos, no Brasil, onde o gênero sumiu das paradas de sucessos e as principais bandas do país vivem dos hits de antigamente. Para piorar,...

À Beira do Gatilho’: primor na técnica e roteiro em segundo plano

Durante a cerimônia de premiação do Olhar do Norte 2020, falei sobre como Lucas Martins é um dos mais promissores realizadores audiovisuais locais ainda à espera de um grande roteiro. Seus dois primeiros curtas-metragens - “Barulhos” e “O Estranho Sem Rosto” -...

‘Jamary’: Begê Muniz bebe da fonte de ‘O Labirinto do Fauno’ em curta irregular

Primeiro trabalho na direção de curtas-metragens de Begê Muniz, conhecido por ser o protagonista de “A Floresta de Jonathas”, “Jamary” segue a trilha de obras infanto-juvenis do cinema amazonense como “Zana - O Filho da Mata”, de Augustto Gomes, e “Se Não”, de Moacyr...

‘O Buraco’: violência como linguagem da opressão masculina

Em vários momentos enquanto assistia “O Buraco”, novo filme de Zeudi Souza, ficava pensando em “Enterrado no Quintal”, de Diego Bauer. Os dois filmes amazonenses trazem como discussão central a violência doméstica. No entanto, enquanto “Enterrado” apresenta as...

‘No Dia Seguinte Ninguém Morreu’: a boa surpresa do cinema do Amazonas em 2020

“No Dia Seguinte Ninguém Morreu” é, sem dúvida, uma das mais gratas surpresas do cinema produzido no Amazonas nos últimos anos. Esta frase pode parecer daquelas bombásticas para chamar a sua atenção logo de cara, mas, quem teve a oportunidade de assistir ao...

‘O Estranho Sem Rosto’: suspense psicológico elegante fica no quase

Lucas Martins foi uma grata surpresa da Mostra do Cinema Amazonense de 2016 com “Barulhos”. Longe dos sustos fáceis, o curta de terror psicológico apostava na ambientação a partir de um clima de paranoia para trabalhar aflições sociais provenientes da insegurança...

‘Tucandeira’: Jimmy Christian faz melhor filme desde ‘Bodó com Farinha’

Fazia tempo que Jimmy Christian não entregava um curta tão satisfatório como ocorre agora com “Tucandeira”. O último bom filme do diretor e fotógrafo amazonense havia sido “Bodó com Farinha” (2015) sobre todo o processo de pesca, cozimento e importância do famigerado...

‘Jackselene’: simbólico curta na luta pelo aprendizado do audiovisual em Manaus

Sem uma faculdade ou escola de cinema regular desde o fechamento do curso técnico de audiovisual da Universidade do Estado do Amazonas após míseras duas turmas formadas, os aspirantes a cineastas em Manaus recorrem a iniciativas de curta duração. Artrupe, Centro...

‘Enterrado no Quintal’: sabor amargo de que dava para ser maior

Tinha tudo para dar certo: Diego Bauer, recém-saído do ótimo “Obeso Mórbido”, adaptando um conto de Diego Moraes, escritor amazonense cercado de polêmicas, mas, de uma habilidade ímpar para construção de narrativas altamente descritivas, sarcásticas, sem qualquer tipo...

‘O Barco e o Rio’: angústias e desejos sufocados compõem ótimo filme

O Amazonas fechou a mostra competitiva de curtas-metragens brasileiros do Festival de Gramado 2020 com “O Barco e o Rio”. Quarto filme da carreira de Bernardo Ale Abinader, o projeto se mostra um salto evolutivo enorme dentro da filmografia do diretor/roteirista,...