Pode-se dizer sem pestanejar que Martin Scorsese seja o maior diretor vivo do cinema dos EUA. Na história, está ao lado de D.W Griffith e John Ford como os maiores de todos os tempos. 

As obras de Scorsese são fundamentais para entender a criação, formação e as identidades da maior potência mundial do século XX.

No Oscar, foram nove indicações, mas, somente uma vitória: aconteceu em 2007 com “Os Infiltrados”. 

Chegou a hora de ranquear estas indicações e, claro, citar a maior esnobada da Academia. 

9. OS INFILTRADOS 

Cruel dizer que a indicação mais fraca do Scorsese ao Oscar veio justamente pela produção que ele ganhou a estatueta, mas, foi justamente o que aconteceu. 

Em “Os Infiltrados”, o diretor conta com um superelenco na melhor forma – especialmente, Mark Wahlberg e Leonardo DiCaprio – em um policial de gato e rato com reviravoltas para todos os lados e muito rock n´roll.

Ainda assim, perto daquilo que já produziu ao longa da carreira, trata-se um Scorsese de patamar inferior. 

8. GANGUES DE NOVA YORK 

Em 2003, o Scorsese chegou cotado para vencer o prêmio por “Gangues de Nova York”, porém, o drama épico sucumbiu à força de “Chicago” e “O Pianista”. 

Apesar de faltar ritmo no meio da trama e do foco difuso do roteiro, o Scorsese traz um espetáculo visual deslumbrante na recriação da Nova York do século XIX.

Além disso, diferente de “Os Infiltrados”, “Gangues” oferece duas sequências primorosas – as batalhas do início e do final do filme. 

O Oscar de Direção ficou nas mãos do Roman Polanski, de “O Pianista”, uma das maiores obras-primas do polêmico polonês. 

7. O AVIADOR 

Muito do que elogiei da direção do Scorsese em “Gangues de Nova York” dá para replicar aqui. 

“O Aviador” é o longa mais exuberante da extensa filmografia do diretor; um espetáculo da direção de arte aos figurinos até a condução de grandes momentos.

Por ser uma obra mais bem definida que “Gangues”, fica nesta sétima posição. 

No Oscar 2005, o Scorsese perdeu para o Clint Eastwood, de “Menina de Ouro”, um resultado novamente indiscutível. 

6. A INVENÇÃO DE HUGO CABRET 

O 3D virou um recurso caça-níquel na década passada nos cinemas mundiais: quantos filmes não fizeram conversões de quinta categoria para faturarem um pouco mais nas bilheterias? 

Raras foram as produções que conseguiram usar este recurso e a melhor delas foi “A Invenção de Hugo Cabret”. 

Nada é gratuito no 3D da aventura ao explorar as potencialidades deste recurso na profundidade de campo e a serviço da história.

Para completar, realiza uma homenagem que só ele poderia fazer a outro mestre do cinema, o mago George Méliès. 

A Academia, infelizmente, ficou com o Michel Hazanavicius e seu bonitinho trabalho em “O Artista”, mas, longe do brilhantismo do Scorsese. 

5. A ÚLTIMA TENTAÇÃO DE CRISTO

Se hoje em dia mexer com religião já dá uma confusão, imagina isso nos anos 1980? Para piorar, abordando a delicada morte e ressurreição de Jesus Cristo? 

Católico de origem italiana, o Scorsese mexeu neste vespeiro e foi indicado ao Oscar em 1989. 

O diretor no excelente “A Última Tentação de Cristo” cria um filme intimista e reflexivo em uma experiência nova sobre os dilemas e dramas da figura bíblica.

A reta final traz um dos momentos mais corajosos da carreira do diretor. 

A indicação no Oscar de 1989 foi a única de “A Última Tentação de Cristo” naquela edição. Perdeu para o Barry Levinson, de “Rain Man”, sintetizando bem o que foi os anos 80 na Academia. 

4. O IRLANDÊS 

A mais recente indicação do diretor veio na edição de 2020. 

O Irlandês” é um Scorsese reflexivo sobre a violência da máfia e as marcas dela em seus participantes.

Para tanto, o diretor vai na contramão da rapidez da era do Twitter para abordar uma história transcorrendo sobre pontos fundamentais da história recente dos EUA ao longo de cinco décadas.

Obra-prima. 

Só não dá para ficar chateado por ter sido mais uma derrota porque o vitorioso foi o Bong Joon-Ho, de “Parasita”. 

3. O LOBO DE WALL STREET 

Crítica: O Lobo de Wall Street

Saindo de uma produção mais cadenciada para outra de ritmo completamente diferente. “O Lobo de Wall Street” abre o pódio. 

Para tratar dos desvarios dos executivos milionários dos EUA, o Martin Scorsese engata uma quinta marcha com uma montagem dinâmica em sequências insanas repleto de cinismo e ironia.

Com um Leonardo DiCaprio em um de seus grandes trabalhos, o diretor cria uma comédia inesquecível.    

Em 2014, ele perdeu o Oscar para o Alfonso Cuáron, de “Gravidade”.

Por um lado, é inegável a excelência técnica do mexicano com seus planos-sequências de tirar o fôlego, porém, a ousadia e força jovial do Scorsese em “Wall Street” fazia por merecer a estatueta. 

2. TOURO INDOMÁVEL 

Em 1981, o Martin Scorsese foi indicado a Melhor Direção por “Touro Indomável”. 

A fúria da Nova Hollywood encontra o cinema clássico norte-americano nesta impactante história sobre o auge e a decadência do campeão do boxe, Jake La Motta.

Com uma direção de fotografia soberba do Michael Chapman e um elenco no seu melhor, o Scorsese realiza uma cinebiografia definitiva repleta de personalidade, potência e melancolia. 

Aqui, a Academia bobeou e foi conservadora demais ao premiar o Robert Redford, por “Gente como a Gente”, em vez do Scorsese.

Um erro histórico. 

1. OS BONS COMPANHEIROS 

O melhor trabalho do Scorsese indicado ao Oscar veio na cerimônia de 1991. 

“Os Bons Companheiros” é o filme máximo do diretor em seus dramas, suspenses sobre o universo dos gângsters.

A condução elegante da história aliada a uma montagem brilhante e um olhar ácido sobre o tema fazem do longa uma obra que influenciou por décadas diversos realizadores de filmes do gênero. 

Mais uma derrota inexplicável para outro astro de Hollywood: no caso para Kevin Costner, de “Dança com Lobos”.  

A MAIOR ESNOBADA 

Apesar das nove indicações, o Scorsese também sofreu esnobadas feias da Academia. Foi assim com “Caminhos Perigosos”, “A Época da Inocência” e “Silêncio”.

Mas, claro, nenhuma superou o que houve em 1977. 

O mestre ficou de fora de Melhor Direção pelo clássico “Taxi Driver”.

Sujo, violento e desesperançoso, o longa é um retrato do estado de espírito perturbado de uma nação em crise após a saída fracassada da Guerra do Vietnã simbolizada por um taxista mergulhado em uma espiral de violência e paranoia. 

Em 1977, tivemos a primeira mulher indicada a Direção, no caso a Lina Wertmuller por “Pasqualino Sete Belezas”.

Também teve o Ingmar Bergman, de “Face a Face”, além do Alan J. Pakula, de “Todos os Homens do Presidente”, Sidney Lumet, por “Rede de Intrigas”, e o vencedor John G Avildsen, de “Rocky”.

Nenhum deles, entretanto, com um trabalho mais marcante do que o Scorsese. 

Oscar: O Melhor e o Pior das Indicações de Robert De Niro

Do patriarca da família mais famosa do cinema a um taxista em crise passando por um boxeador campeão e perturbado: grandes papéis não faltaram na carreira do Robert De Niro. Da comédia ao drama, ele brilhou em obras-primas históricas.  Ao longo da carreira, foi...

Oscar: O Melhor e o Pior das Indicações de Steven Spielberg

Raros diretores conseguiram ser tão felizes ao aliar sucesso de público, comercial com produções elogiadas pela crítica com o Steven Spielberg. Desde o suspense “Encurralado” à aventura “Jogador Número 1”, ele experimentou os mais diversos gêneros ao longo de quatro...

Oscar: O Melhor e o Pior das Indicações de Cate Blanchett

Cate Blanchett: o ideal de atriz de uma geração.  Essa era o título de um artigo do Cine Set sobre a carreira desta australiana feito pelo Renildo Rodrigues. O link está na descrição.  E cá entre nós, o título de modo algum parece exagerado: a Cate Blanchett, ao lado...

Oscar: O Melhor e o Pior das Indicações de Dustin Hoffman

Baixinho, nem fortão nem magrelo, muito menos um símbolo sexual de parar avenidas.   O Dustin Hoffman poderia ser uma antítese daquilo que Hollywood consagrou como uma estrela do cinema, porém, é justamente essa capacidade do público enxergar nele uma pessoa como seu...

Oscar: 10 Filmes que Mereciam Mais Indicações entre 2016 e 2021

Sabe aquelas grandes produções que poderiam ter ido mais longe do Oscar? Conseguido uma indicação a Melhor Filme, por exemplo? Neste vídeo, Caio Pimenta fala sobre as 10 maiores entre 2016 e 2021 levando em consideração obras que foram indicadas ao prêmio....

Oscar 2022: Quem Pode Surgir na Disputa? – Parte 8

De "Cyrano" a "Encanto", Caio Pimenta apresenta mais possibilidades de filmes para disputar o Oscar 2022 nesta oitava parte do especial. https://www.youtube.com/watch?v=Svbz5YvQ87A BLUE BAYOU  https://www.youtube.com/watch?v=KvNCMXgRo8w Vamos começar com uma produção...

Oscar: TOP 10 Atuações Esnobadas entre 2000-2010

Chegou a hora de escolher 10 grandes atuações esnobadas no Oscar entre 2000 a 2010. A lista leva em conta atuações nomeadas para o Bafta, Globo de Ouro e SAG daqueles anos. https://www.youtube.com/watch?v=_vz0vCsdoUo 10. MAGGIE GYLLENHALL, por "SECRETÁRIA" A Maggie...

Oscar 2022: Quem Pode Surgir na Disputa? – Parte 7

De “The Eyes of Tammy Faye” a “Medusa”, Caio Pimenta apresenta mais possibilidades de filmes para disputar o Oscar 2022.  https://www.youtube.com/watch?v=bCuHGbgJ_iA THE EYES OF TAMMY FAYE  https://www.youtube.com/watch?v=6xBXRn3BvGY Tenho falado bastante de...

Oscar: Os 10 Maiores Oscar Baits das edições 2000 a 2009

De Charlize Theron a “Uma Mente Brilhante”, Caio Pimenta apresenta os maiores Oscar Baits das edições entre 2000 a 2009.  https://www.youtube.com/watch?v=HtCWl1B7zE0&pp=sAQA 10. WILL SMITH, POR “À PROCURA DA FELICIDADE”  Will Smith é um dos astros mais queridos de...

Oscar: TOP Seleção de Indicados a Melhor Filme – 2010 a 2021

Qual foi a melhor e a pior seleção de indicados ao Oscar de Melhor Filme de 2010 a 2021? https://www.youtube.com/watch?v=4zSew3dqVAg&pp=sAQA 12. OSCAR 2019  A lista começa com o pior ano disparado do Oscar nos últimos tempos.  Em 2019, não tivemos nenhum candidato...