Aventura baseada nas lendas e mitos amazônicos, “Zana – O Filho da Mata” vem se destacando no cenário do audiovisual local como uma das produções mais premiadas dos últimos anos. O curta-metragem dirigido por Augustto Gomes recebeu 12 prêmios ao longo de 2019 e, neste ano, deve circular ainda mais festivais.

A trajetória bem-sucedida começou em Manaus mesmo quando “Zana” venceu seis prêmios no Festival Olhar do Norte, em abril do ano passado: Melhor Filme pelo Júri Popular, Direção, Ator para Remi Sampaio, Direção de Arte, Montagem e Som. Em Pernambuco, o curta amazonense faturou três prêmios no FestCine Indígena de Águas Belas: Ator novamente com Remi Sampaio, Ator Coadjuvante com Irê Sampaio e Figurino com Oberdan Nogueira e ErIca Contente.

A lista fica completa com o prêmio de Melhor Filme no festival de Alter do Chão, no interior do Pará, e Melhor Figurino no festival de Palmas, em Tocantins. “Zana” ainda obteve uma menção honrosa no Cine.Ema – Festival de Cinema Ambiental e Sustentável, no Espírito Santo.

OS PRÓXIMOS PASSOS

Para 2020, Augustto Gomes pretende aumentar ainda mais a participação de “Zana” em festivais. O curta já soma 20 seleções em eventos de cinema espalhados pelo Brasil. Em seguida, a expectativa é que seja exibido nas televisões públicas.

“”Zana” terá que ser veiculado em um TV pública. Pretendemos comercializá-lo. Caso não consigamos êxito – por ser um curta metragem e é sempre mais difícil – faremos a doação para uma TV pública em cumprimento ao edital da Fundação Municipal de Cultura, Turismo e Eventos (Manauscult) com a Agência Nacional do Cinema (Ancine)”, declara.

Gravado na Vila de Paricatuba, Margens do Rio Negro, e na BR 174, km 10, “Zana” acompanha a história do personagem-título (Remi Sampaio) menino que quase morre afogado após ser ameaçado pelo velho do saco Mamulengo (Gomes de Lima). Salvo por Andí (Aline Cassiano), espírito da Natureza, mãe dos animais e protetora das florestas, ele será encarregado de salvar crianças mantidas prisioneiras pelo Mamulengo e Irene (Lilian Machado). No meio do perigoso caminho, o protagonista se depara com a imprevisibilidade do Curupira (Irê Sampaio).

‘Amazonas, O Maior Rio do Mundo’: imagens intrigam e revelam as contradições da Amazônia

Como explicar a experiência de ver, em uma sessão até agora única, um filme de um pioneiro do cinema, dado como perdido há mais de 100 anos, que retrata justamente a região onde você vive – e você até está dentro de um dos cenários da obra?   Sobretudo, como explicar...

‘Prazer, Ana’: o terror de uma noite qualquer

Uma noite qualquer para dezenas de pessoas em uma mesa de bar. Mais uma cerveja, mais uma cadeira, mais alguém chegando, mais vozes ao redor, mais conversa para jogar fora, mais uma marchinha de carnaval na caixa de som. O mais banal dos cenários para a mais comum das...

‘O Desentupidor’: um olhar anárquico sobre a invisibilidade social

Jimmy Christian é um dos mais prolíficos realizadores da cena amazônica. Semelhante aos Gremlins do filme homônimo de Joe Dante da década de 80 que se reproduziam em abundância no primeiro contato com a água, Jimmy produz roteiros e curtas sempre que uma nova ideia...

‘Meus pais, Meus atores preferidos’: o pessoal pode ser coletivo

O curta Meus pais, meus atores preferidos, de Gabriel Bravo de Lima, é o segundo trabalho do diretor - o primeiro foi “No Dia Seguinte Ninguém Morreu”, vencedor do prêmio de Melhor Roteiro no Olhar do Norte 2020. O ponto de partida foi realizar uma série de...

‘Controle’: curta peca ao não amarrar tantos caminhos possíveis

O formato de curta-metragem pode ser revelador. Escancaram-se os pontos fortes dos cineastas – mas também se encontram suas fraquezas. Porque a duração é apertada, o curta exige um tratamento econômico. Cabe a diretores, roteiristas e montadores dar conta do que quer...

‘Ensaio de Despedida’ e as relações sob o microscópio

Em um apartamento, quatro personagens se revezam em uma corda-bamba entre o real e a encenação. Mas, não seria a encenação também real? Afinal, todo mundo tem um mundo de personas em si. No filme realizado pelo Ateliê 23, os talentos de Júlia Kahane, Taciano Soares,...

‘Alexandrina — Um Relâmpago’: releitura imagética da mulher negra e amazônica

Existe um apagamento da história negra na Amazônia, o qual sutilmente a professora de história e pesquisadora Patrícia Sampaio denomina de silenciamento. O trabalho que ela desenvolve em seu núcleo de pesquisa acadêmica na Universidade Federal do Amazonas escoa em...

‘Cem Pilum – A História do Dilúvio’: animação valoriza a importância das lendas

“No tempo antigo era muito violento. Existiam mais animais ferozes do que pessoas, e Deus Criador quis acabar com as cobras, onças e outros animais. Então ordenou o dilúvio”. Essa é a sinopse do mais novo grande filme de Thiago Morais, lenda e notório nome do...

‘Galeria Decolonial’: a construção de um olhar singelo sobre a Amazônia

O poeta e pesquisador paraense Paes Loureiro, ao se debruçar sobre a cultura amazônica, destaca alguns pontos que considera essenciais sobre o que é viver na região, dentre eles: o devaneio, a paisagem mítica e o lúdico presente no despertar imaginativo sobre os...

‘Castanho’ e a quietude do olhar

María é uma forasteira. Nunca há um pertencimento total dela em “Castanho”, curta dirigido por Adanilo, o amazonense que tem feito história no audiovisual brasileiro com importantes participações na frente das câmeras. Atrás delas, ele é igualmente visceral, ainda que...