Mantendo a fase mais prolífera de sua carreira, desencadeada pelo ganhador da Palma de Ouro em 2011, “A Árvore da Vida”, Terrence Malick está de volta com “A Hidden Life”. O projeto marca seu retorno ao uso de roteiros bem-estruturados – depois do experimentos com filmagens espontâneas que geraram seus últimos filmes – mas não resgata a mágica de seus clássicos, como “Cinzas no Paraíso” e o próprio “A Árvore”.

Malick é para o cinema o que C.S. Lewis (“As Crônicas de Nárnia”) foi para a literatura fantástica – um artista cristão determinado a fazer perguntas sobre as limitações da fé e o desejo humano por transcendência. Esse interesse permeia a obra do cineasta há décadas e, em seu novo longa, ele encontra um prato cheio na história real de Franz Jägerstätter (August Diehl, o coronel nazista Dieter da célebre cena da taverna de “Bastardos Inglórios”), um austríaco que se recusou a lutar por Hitler na Segunda Guerra Mundial devido às suas convicções religiosas e acabou preso.

O protagonista tem ares de mártir logo de cara e, quando o regime lhe impõe a participação em uma guerra que vai contra seus princípios, ele toma uma decisão que faz todos se voltarem contra ele e sua família. Aos 35 minutos de filme, um pintor sacro fala que, com as suas pinturas, ele “cria admiradores, não seguidores” – e fica muito claro, naquele momento, o que Jägerstätter quer ser.

CANSATIVO AO EXTREMO

No entanto, não há desenvolvimento narrativo que justifique as quase três horas de duração. Da última vez em que Malick entregou um filme com mais de duas horas e meia (“A Árvore”), ele almejava alcançar um retrato da vida no universo através de milênios. Em comparação, toda a ação principal de “A Hidden Life” se passa em quatro anos, durante os quais pouco acontece.

A provação do austríaco e, sobretudo, uma história de paixão – mas não há nada aqui que não tenha sido dito de forma mais pungente em outras produções, tais como “A Última Tentação de Cristo” e “Silêncio”, ambos de Martin Scorsese, e “As Bruxas de Salem” de Nicholas Hytner.

Ao invés disso, temos um longo ato de uma hora com o protagonista sofrendo em seu vilarejo e um ainda mais longo ato subsequente de quase duas horas, com ele sofrendo na prisão. Como de praxe, Malick ilustra esse sofrimento com longas tomadas com ênfase na natureza, mas o efeito, ainda que melhor do que em seus trabalhos recentes, distrai mais do que encanta.

Ele é mais eficaz quando ancora suas cenas com questões humanas. A melhor delas – a difícil vida de Fanny (Valerie Pachner) ao ser condenada socialmente pela decisão do marido – rende os melhores momentos do longa. No entanto, eles não sustentam uma obra que parece, como seus protagonistas, procurar respostas impossíveis.

‘Delia Derbyshire: The Myths and Legendary Tapes’, o retrato multifacetado de uma viajante do tempo

https://www.youtube.com/watch?v=CM8uBGANASc O tradicional seriado “Doctor Who” completou 57 anos em novembro de 2020. A música-tema - um dos primeiros inteiramente eletrônicos criados para a televisão - entrou para os anais da ficção científica e, ainda que diversos...

‘David Byrne’s American Utopia’, a sequência espiritual de ‘Stop Making Sense’

Em certo ponto de "David Byrne's American Utopia", filme que registra o recente show que Byrne apresentou na Broadway, o músico faz questão de lembrar o público do Teatro Hudson, em Nova York, de que tudo o que eles estão ouvindo é gerado ao vivo. Ele admite não ter...

‘Cicada’: delicado romance marcado por traumas masculinos

Com uma poderosa abordagem sobre traumas masculinos, "Cicada" é um corajoso drama que aponta Matthew Fifer como uma nova voz do cinema queer dos EUA. O filme de Fifer e Kieran Mulcare, que estreou no Festival Outfest em Los Angeles e foi exibido no Festival de Londres...

‘Ammonite’: um cansativo sub-‘Retrato de uma Jovem em Chamas’

Depois do sucesso de seu primeiro longa, "O Reino de Deus", Francis Lee torna a apostar em um romance LGBT em sua nova produção, "Ammonite". No entanto, as semelhanças entre os filmes acabam por aí. Mesmo contando com performances poderosas de Kate Winslet e Saoirse...

‘A Voz Humana’: Tilda Swinton hipnotiza em Almodóvar menor

Unindo dois titãs do cinema, "A Voz Humana" é um filme cuja primeira foto de bastidor já foi suficiente para quebrar a internet cinéfila. A visão do diretor espanhol Pedro Almodóvar ao lado da atriz britânica Tilda Swinton veio cheia de promessa e o curta - que...

‘Um Crime Comum’: angústia da culpa domina belo thriller argentino

Combinando thriller psicológico e drama social, "Um Crime Comum", novo filme de Francisco Márquez, vê uma mulher entrar em colapso diante de um senso de culpa coletiva. Uma co-produção Argentina-Brasil-Suíça, o longa, que estreou na Berlinale, marca a única presença...

‘Another Round’: Mads Mikkelsen arrasador em comédia ácida

Se você queria ver Mads Mikkelsen bebendo até cair e mostrando um certeiro timing cômico, você acaba de achar seu filme do ano. "Another Round", longa de Thomas Vinterberg que estreou em Toronto e foi exibido no Festival de Londres deste ano, reúne o cineasta com o...

‘Fábulas Ruins’: conto italiano totalmente perdido

Era uma vez, nos subúrbios de Roma, crianças que tentaram sobreviver às férias de verão a despeito de seus pais e responsáveis. Esse é o mote de "Fábulas Ruins", drama italiano que estreou na Berlinale - onde ganhou o prêmio de melhor roteiro - e foi exibido no...

‘El Prófugo’: suspense digno dos clássicos do ‘Supercine’

Após um evento traumático, uma dubladora se vê às voltas com um estranho fenômeno em "El Prófugo", suspense argentino que estreou na Berlinale e foi exibido no Festival de Londres deste ano. Depois de brincar com a comédia policial em seu primeiro longa "Morte em...

‘Never Gonna Snow Again’: curiosa história de um super-herói do leste europeu

De uma terra desolada pela radiação, um viajante chega a uma cidade e, com estranhos poderes, se dedica a mudar a vida de seus habitantes. "Never Gonna Snow Again", drama polonês exibido no Festival de Londres deste ano, pode não pertencer à franquia da Marvel ou da...