Em 2019, a Netflix lançou duas animações com propostas distintas: “Klaus” e “Perdi meu Corpo”. Se a primeira era voltada para o público infantil, a segunda tinha os adultos como seu alvo. Neste ano, “Os Irmãos Willoughby” fica no meio do caminho: apesar de ter um design infanto-juvenil, traz temas reflexivos e mais próximos ao público mais velho.

Dirigido por Kris Pearn (“Tá Chovendo Hambúrguer 2”) e inspirado no livro homônimo de Louis Lowry, “Os Irmãos Willoughby” acompanha os tais quatro irmãos. Negligenciados pelos pais, eles orquestram um plano para fugir e formar a família que desejam. A história é narrada por um gato sarcástico que atua como uma espécie de deus: além de contar o que se passa, o felino mexe na narrativa e a altera quando acha que os acontecimentos necessitam de uma virada.

Os protagonistas de “Os Irmãos Willoughby” lembram muito as crianças Baudelaire em “Desventuras em Série”. Não apenas pelas adversidades enfrentadas, mas, também pela forma como a história é contada. Dividida em episódios fatídicos, a construção possibilita observar, por exemplo, a inserção de elementos visuais que remetem a outras produções.

A negligência e o despertar intelectual das crianças se assemelham ao tratamento dado a pequena “Matilda”. Por outro lado, a vestimenta e a conduta do serviço social é uma versão menos elaborada e mais caricata dos agentes da “Matrix”. E, por fim, o comandante Melanoff e sua fábrica são uma versão pouco sofisticada e econômica da “A Fantástica Fábrica de Chocolate”.

Casos de Família

Por mais infantil que o design de produção, as referências visuais e a narrativa da obra possam soar, as temáticas presentes na animação, no entanto, dialogam melhor com o público adulto do que com o infantil. A animação foge de soluções escapistas e piegas, preferindo adotar uma postura suavemente cínica em relação ao lar Willoughby, principalmente, pela maturidade dos garotos.

Por mais que tenham a capacidade de se virar, nota-se os vestígios do abandono dos pais na forma como os garotos enxergam o mundo, vêem a si mesmas e reagem diante da separação familiar. Pearn procura emular discussões em relação às necessidades infantis e o apoio dado pelos adultos na infância. Quando me refiro a apoio, incluo aqui as relações que nos circundam nessa primeira fase da vida.

Querendo ou não, a maneira como os pais tratam-se afeta a forma como as crianças lidam com o mundo e reverberam em seus relacionamentos. Para muitos, quando adultos, a opção é fugir ou ter algo semelhante como meta de relacionamento. Tim (o irmão mais velho), no entanto, não precisou chegar à fase adulta para optar; para ele, era muito mais cômodo apegar-se a tradição do clã e negar qualquer tipo de amor que fosse lhe oferecido.

A questão é que, apesar de tocar em pontos tão relevantes para a formação dos adultos contemporâneos, a discussão fica muito na superfície e se perde entre tantas tentativas de plot twist.

Isso torna a condução da narrativa confusa e com muitas brechas, dando espaço para discussões frágeis e equivocadas. A falta de aprofundamento dos personagens também contribui para a distorção dos conceitos apresentados. Dessa forma, “Os Irmãos Willoughby” é um bom entretenimento, mas devido a superficialidade com que trata suas temáticas não consegue ser tão interessante quanto outras animações do streaming.

‘Você Nem Imagina’: agradável e irregular romance adolescente

Há dois pontos que ficam claros em Você Nem Imagina, novo romance adolescente da Netflix: o primeiro é que a sua realizadora Alice Wu foge do feijão com arroz tradicional dos coming of age (filmes de amadurecimento) lançados pela plataforma. Existe uma preocupação...

‘O Caminho de Volta’: Ben Affleck se destaca em filme médio

Ben Affleck é um caso interessante. Seu início de carreira como ator em filmes como Procura-se Amy (1997), Armageddon (1998), Dogma (1999) o indicavam como um rosto bonito eficiente – sem ofensa – para estrelar blockbusters sem muito a dizer, mas com enorme alcance de...

‘Wendy’: no limbo da indecisão entre o infantil e o adulto

Quando falamos de diferentes produções sobre uma história no cinema sempre buscamos uma versão definitiva, a mais completa ou melhor idealizada. Assim, um personagem tão famoso como Peter Pan logo ganhou destaque em diferentes filmes e, desta vez, o...

‘Capone’: a esquisitice brilhante de Tom Hardy vale o filme

Alguma coisa está acontecendo com Tom Hardy. Sempre foi um bom ator – daqueles discípulos do método Stanislavski, se imerge no personagem e não sai dele – e especializado em tipos intensos, às vezes atormentados, às vezes até vilanescos. Mas aí em 2018 o cara fez o...

‘Emma’: adaptação irritante com Anya Taylor-Joy robótica

Jane Austen construiu um dos romances mais reais, plausíveis e icônicos de todos os tempos. Afinal de contas, quem não admira a história de amor de “Orgulho e Preconceito”? É de sua autoria também, no entanto, uma das protagonistas mais fúteis e egoístas da...

‘Ilha da Fantasia’: candidato a episódio dos piores de ‘Lost’

“O avião! O avião!”. Essa fala e o anão Tattoo são os elementos mais lembrados do seriado da TV Ilha da Fantasia dos anos 1970. Esses elementos são suficientes para garantir a produção de uma nova versão, destinada ao grande público de cinema de hoje? Bem, alguém...

‘Sete Dias Sem Fim’: filme certo para relaxar na quarentena

 Sete Dias Sem Fim é o típico filme que você passa diversas vezes por ele no catálogo da Netflix, lê a sinopse sem dá qualquer bola para ela e decide escolher outra produção para ver no final das contas. É verdade que o resumo disponibilizado pela plataforma não ajuda...

‘Never Rarely Sometimes Always’: sororidade na angústia do aborto

Particularmente assistir produções que tenham como temáticas ou subtextos o aborto é emocionalmente desgastante. Mesmo quando elas têm um tom mais leve como “Aprendendo com a Vovó”, por exemplo, a carga emocional e unilateral que esse tipo de jornada narra me deixam...

‘A Assistente’: o retrato dos abusos na indústria do cinema

Como todo grande acontecimento no mundo hollywoodiano, o movimento #MeToo não demorou muito para se tornar uma fonte de inspiração para muitas produções no cinema. Seguindo essa proposta, a diretora e roteirista Kitty Green (‘Quem é JonBenet?’) apresenta ‘A...

‘Devorar’: senhoras e senhores, conheçam Haley Bennet

O título nacional do filme Devorar é impreciso e sensacionalista, como muitas vezes acontece. O original em inglês é “Swallow”, que significa literalmente “engolir”, e esse é o drama na vida na protagonista da história. É um filme que combina um olhar sobre um...