Realizado anualmente na Suíça, o tradicional Festival de Locarno terá um toque de Manaus neste ano. Gravado na capital amazonense ano passado, “A Febre” está na disputa pelo Leopardo de Ouro, o prêmio máximo do evento previsto para acontecer entre os dias 7 e 17 de agosto.

Co-produção entre Brasil, Alemanha e França, o filme acompanha a história do indígena de 45 anos chamado Justino, vigilante em um porto de cargas e morador da periferia de Manaus. Desde a morte da sua esposa, sua única companhia tem sido sua filha Vanessa, mas ela está de partida para estudar medicina em Brasília. Sob o sol escaldante e as chuvas tropicais, Justino esforça-se para manter-se concentrado no trabalho. Com o passar dos dias, ele é tomado por uma febre forte. Em seus sonhos, uma criatura vagueia perdida pela floresta. Na televisão, o noticiário fala de um animal selvagem que ronda o bairro. Justino acredita que está sendo seguido, mas não sabe se quem o persegue é um animal ou um homem.

A equipe local de “A Febre” contou com nomes como a diretora de fotografia Valentina Ricardo e o ator/diretor Diego Bauer, entre outros. A direção do projeto fica por conta de Maya Da-Rin, filha dos diretores Silvio Da-Rin e Sandra Werneck. Antes deste trabalho, ela já havia comandado os curtas “E Agora, José?” (2002) e “Versão Francesa” (2011), além dos documentários “Margem” (2007) e “Terras” (2009).

“A Febre” não será o único filme brasileiro no Festival de Locarno 2019: “Swinguerra”, de Bárbara Wagner e Benjamin de Burca, está na mostra inventiva Moving Ahead, enquanto “Carne”, de Camila Cater, e “Chão de Rua”, comandado por Tomás von der Osten disputam a Pardi di Domani. Sucessos recentes do cinema nacional como “Temporada” e “As Boas Maneiras” tiveram boas participações na Suíça.

CONFIRA ABAIXO MAIS FOTOS DE “A FEBRE”:

‘Noite Escura da Alma’: terror amazonense com ares de parábola bíblica

Em um poema intitulado “A noite escura da alma”, o espanhol São João da Cruz descreve a jornada da alma, desde todas as dificuldades que enfrenta no mundo carnal até a união com Deus. Essa “noite escura” é a prova de fogo derradeira para o crescimento espiritual, como...

‘La Arrancada’: uma boa largada de Aldemar Matias em longas-metragens

Aldemar Matias é um dos principais expoentes do Amazonas no cinema de não-ficção hoje. Seu filmes têm em comum um olhar atento e curioso, mas que respeita a noção de distanciamento para extrair o que de melhor surge das histórias que pretende contar. É...

‘A Goteira’: show de Isabela Catão em filme de altos e baixos

Recentemente, Diego Bauer, integrante da Artrupe Produções e crítico do Cine Set, fez uma lista de cinco atores amazonenses que o cinema local deveria olhar com mais atenção. Isabela Catão estava entre eles e, se alguém por algum caso, torceu o nariz pela...

‘Vila Conde’: retrato simbólico do jogo de poder brasileiro

Por trás do discurso bonito e das aparências, "pessoas de bem" são capazes de fazer monstruosidades. É o que mostra o Brasil atual assim como "Vila Conde", novo curta-metragem de Rômulo Sousa. O jovem diretor local realiza o primeiro filme na ficção após o...

‘Zana: O Filho da Mata’: curta respeita público infantil em celebração ao universo amazônico

"Zana - O Filho da Mata" é o segundo curta-metragem de ficção da carreira de Augustto Gomes na direção. Selecionado para o Festival Olhar do Norte 2019, trata-se de uma produção capaz de acreditar na inteligência do público infantil e visualmente acima da...

‘A Terra Negra dos Kawa’: proposta intrigante perde força em filme lacunar

Formatos tradicionais, com aqueles três manjados atos bem fechados e personagens de personalidade e arcos dramáticos claramente demarcados, não são garantia de geração de identificação entre público e um filme. Quando os filmes partem para propostas menos...

‘BR-319: Bem-Vindo à Realidade’: a estupidez e a cara de pau são Pop

Obras como "BR-319: Bem-Vindo à Realidade" são um alento em meio ao debate político e social cada vez mais pobre no Brasil atualmente. O documentário dirigido por Gustavo Faleiros, selecionado para o Festival Olhar do Norte 2019, desperta atenção para as...

‘A Última no Tambor’: curta mostra como fazer suspense policial com qualidade

Você pode reclamar de qualquer coisa nos curtas de Ricardo Manjaro, menos que falta precisão técnica nos seus trabalhos. A Última no Tambor sua estreia como diretor, já mostra suas obsessões estéticas, algo que ficaria ainda mais perceptível nos seus...

‘Sons do Igarapé’: bonito curta entre o poético e o natural das relações amorosas

Os minutos iniciais de Sons do Igarapé já mostram a tônica do primeiro curta-metragem do ator Victor Kaleb: o zelo pelas imagens e enquadramentos. Isso é visível de ser observado, tanto no cuidado estético visual que é reforçado pela bela fotografia de...

‘Obeso Mórbido’: clima tenso marca interseções entre ficção e documentário

Frankie teardrop ressoa na profusão de imagens pixelizadas. A música lembra um rito ou suicídio – não por acaso, Suicide é o nome da banda que a executa. Já a baixa qualidade das telas – dos celulares, computadores – mostradas na tela – do cinema – lembram...