Para muitos, o cinema é a arte dos sonhos. Viver momentos que só existem nesse ambiente. O que importa são as grandes cenas de ação, os melodramas que comovem seus personagens a agir. É o close, é a câmera na mão correndo atrás de alguém, é a cena de solidão na morte de alguém próximo de um personagem principal. Todos os clichês, sejam eles de narrativa quanto imagéticos, já se consolidaram no imaginário popular. E para muitos, são regras intocáveis.

Leia Também – SEMANA CLAIRE DENIS: “CHOCOLATE” (1988)

Porém, muitos esquecem que a vida vai muito além desses momentos “grandes”. Vai além desses momentos de “representação” sobre o que passamos dia a dia. Para Claire Denis e seu co-roteirista Jean-Pol Fargeau, o “especial” é o que ocorre em uma noite após “35 Doses de Rum”. Momentos inesquecíveis que queremos levar para a vida. Seja um aniversário ou o casamento de sua filha. E mesmo sendo momentos “banais”, para um cinema mais escapista, essas situações na grande tela também são levadas por seus próprios clichês a criarem momentos “inesquecíveis”.

O que propõe então este longa de Claire Denis? Posso responder que seria o contrário sobre o que comentei mais acima, mas isso seria reduzir demais a discussão. “35 Doses de Rum” busca relacionar diversos temas sociais e sentimentais em sua trama para tentar conversar com o espectador sobre o que é a vida cotidiana. Mais especificamente sobre o que ela é feita e o que dá liga para que dia após dia diversas pessoas continuem em seus trabalhos e em suas famílias.

Leia Também – SEMANA CLAIRE DENIS: “BOM TRABALHO” (1999)

Um aspecto que chama bastante atenção no filme é o contraste entre justamente essa noção “cotidiana” e o caráter mais escapista do longa. E aqui não digo “escapista” como algo de teor mais onírico, mas sim momentos decisivos para os personagens, como uma dança ou a morte de um amigo. Se para moldar seus personagens, as regras de roteiro pedem alguma ação “extraordinária” em um momento-chave, aqui elas apenas aparecem esporadicamente por razões de que, na vida real, elas existem, e não é possível evitá-las. No entanto, estes momentos não são calculados pelo destino, para que mudemos ou que façamos algo diferente por causa daquilo. Isso é o que uma narrativa nos delega, e para Denis, esse mecanismo não é necessário para que as pessoas mudem.

FARSAS E LEMBRANÇAS

Em “35 Doses de Rum” somos apresentados ao núcleo de personagens focados em Lionel (Alex Descas) e na filha Jo (Mati Diop, a diretora de “Atlantique”). Através deles, conhecemos Noé (Grégoire Colin), amigo de infância de Jo e que nutre sentimentos por ela; e Gabrielle (Nicole Dogué), ex-mulher de Lionel que busca sempre se reaproximar dele. Um tabuleiro de xadrez armado para as mais diversas sacadas melodramáticas em busca de lágrimas e risos de seus espectadores. Aos poucos, “35 Doses de Rum” os entrega, mas dando a indicação de que são artificiais.

Leia Também – SEMANA CLAIRE DENIS: “MINHA TERRA, ÁFRICA” (2009)

Essa característica potencializa em algumas cenas como quando Noé e Jo dançam e se beijam. Sobe a música “Nightshift” ao fundo enquanto os dois se olham de forma romântica e ingênua, como em um filme de romance propriamente. É uma farsa, mas que funciona por se destacar do resto do filme. Faz parte daqueles momentos que guardamos em nossas memórias e o recriamos tantas vezes que a ingenuidade e naturalidade de quando ocorreu vão se embora. Fica somente o que buscamos lembrar.

E é esse um elemento que faz com que “35 Doses de Rum” funcione tão bem como um diário sobre esses personagens. Afinal, quando saímos da farsa, voltamos aos longos caminhos de trem percorridos por Lionel durante seu trabalho como maquinista. As mais diversas luzes e cores compõem o céu nesses momentos, dando talvez o ar para quem assiste de que a cada minuto é uma “beleza natural” diferente e que isso deve recompensar o trabalho maçante de Lionel. Para ele é apenas um trabalho e, se necessário, como conta para um amigo, imagina-se com sua filha andando a cavalo sobre aqueles trilhos.

Semana Claire Denis – ‘35 Doses de Rum’: a magia da vida cotidiana

Para muitos, o cinema é a arte dos sonhos. Viver momentos que só existem nesse ambiente. O que importa são as grandes cenas de ação, os melodramas que comovem seus personagens a agir. É o close, é a câmera na mão correndo atrás de alguém, é a cena de solidão na morte...

Semana Claire Denis: ‘Minha Terra, África’ (2009): cinema de fluxo na guerra armada

Chega a ser curioso notar que uma das cineastas mais interessantes de sua geração, Claire Denis, seja tão pouco conhecida pelo grande público. Nome respeitadíssimo dentro do circuito dos festivais de arte e do meio audiovisual europeu, Denis é uma diretora que você...

Semana Claire Denis – ‘Bom Trabalho’ (1999): ótica inovadora do cotidiano militar

Constantemente, eu falo nos textos e vídeos do Cine Set sobre a massiva presença de diretores e roteiristas homens ao retratarem narrativas femininas. Entretanto, confesso que nunca pensei na chance do contrário acontecer e, felizmente, pude contemplar esta...

Semana Claire Denis – ‘Chocolate’ (1988): memórias de uma África Colonial

A pandemia de Covid-19 fez com que a distância se tornasse uma convenção social em prol da saúde. Talvez este seja o motivo que, ao observar um filme como “Chocolate”, ela se torne algo incômodo. Em 1988, Claire Denis estreava na direção de longas-metragens com um...

‘Não é o homossexual que é perverso, mas a situação em que ele vive’: o ácido tratado de Rosa von Praunheim

O Brasil de 2019 vive um momento no qual nosso presidente acha pertinente vetar o financiamento de produção audiovisual que trabalhe a temática LGBT+ e o prefeito do Rio de Janeiro decide agir como um típico censor ao mandar recolher livros por causa de um beijo. Ao...

‘Old-Timers’: humor na busca de vingança gera ótima comédia tcheca

Com pouco tempo de vida pela frente, dois velhos amigos partem para encontrar e matar um promotor comunista que os prendeu na década de 1950. Essa é a premissa de “Old-Timers”, comédia que teve uma recepção muito calorosa no Festival Internacional de Cinema de Karlovy...

‘Monos’: coming-of-age da Colômbia com ecos de ‘O Senhor das Moscas’

Crescer não é fácil, mas certamente fica ainda mais complicado se você é membro de um esquadrão paramilitar em uma região selvagem e desolada. “Monos”, novo filme do diretor colombiano Alejandro Landes, cria uma psicodélica jornada de crescimento que pode ser estranha...

‘Na Fábrica’: o vestido assassino do mestre da estranheza da atualidade

Nova produção do diretor britânico Peter Strickland, “Na Fábrica” conta a bizarra história de um vestido com instinto assassino. Você pode ler isso de novo. Depois de aclamadas passagens pelos festivais de Londres e Toronto em 2018 e uma ótima recepção no Festival...

‘My Thoughts Are Silent’: ótima viagem sarcástica em road movie ucraniano

A procura por uma saída move os protagonistas de “My Thoughts Are Silent” – comédia excêntrica lançada no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary 2019, na República Tcheca. Ganhador do prêmio especial do júri na competição East of the West, que reúne filmes...

Três Razões para Assistir ‘Jeannette: A Infância de Joana D´Arc’, de Bruno Dumont

A mítica figura de Joana D'Arc sempre mexeu com o imaginário coletivo, seja pelas inúmeras retratações na arte da sua breve mas intensa vida, como pela fascinação instantânea com ela. Nessa nova representação feita cineasta Bruno Dumont, de "Camille...