Suspenses domésticos, quando bem feitos, acabam rendendo boas experiências. É o caso deste Fuja, lançado na Netflix – iria originalmente para os cinemas, mas a pandemia alterou esses planos. Não há nada nele que já não tenhamos visto antes, em outras obras tanto melhores quanto piores que ele. Mas o longa do diretor Aneesh Chaganty, o mesmo do interessante Buscando… (2018), consegue fazer direito o básico, prende a atenção do espectador até o desfecho e o mantém tenso – e essas, no fim das contas, são as principais obrigações de todo thriller. Fuja, de quebra, ainda tem como alicerces duas atrizes realizando trabalhos inspiradíssimos. Assim, a receita não tinha como desandar.

No centro do longa, temos uma relação entre mãe e filha. Diane (interpretada por Sarah Paulson) sempre cuidou da sua filha Chloe (vivida por Kiera Allen), deficiente física. Cuidou de verdade: proveu para ela, a protegeu de enfermidades e também do mundo exterior, além de educá-la. Agora, a adolescente Chloe está prestes a ir à faculdade e encarar novos desafios na vida. As duas moram em uma casa remota e o relacionamento entre elas não é, de modo algum, algo disfuncional. Porém – e em filmes sempre há um – Chloe começa a descobrir alguns fatos sobre sua mãe… Não que o espectador já não estivesse com o desconfiômetro ligado, certo? Uma cena de abertura esquisita e outra com Diane num grupo de apoio já sugerem que a mulher não é totalmente normal.

Quanto menos o espectador souber sobre Fuja, melhor será a experiência. Mas vale ressaltar que, como Diane tem o rosto e o corpo de Sarah Paulson, isso já liga uma luz de alerta na mente do espectador mais atento. Paulson vem fazendo carreira nos últimos anos com personagens instáveis, quando não malucas mesmo. Ela sempre transmite a sensação de uma profunda intensidade por trás dos olhos e do rosto, ainda mais nesses papéis. Na recente série Ratched, ela conseguia às vezes elevar o material apenas com seu rosto de pedra e seu comportamento estudado. Em Vidro (2019), ela perturbava o espectador ao parecer simpática! Isso apenas para ficar nos seus trabalhos mais recentes… Essas mesmas características estão presentes em Fuja, fazendo desta mais uma atuação da atriz que é eletrizante de se presenciar.

Já Kiera Allen, que realmente é deficiente física na vida real, demonstra ser uma verdadeira revelação do projeto. O roteiro lhe dá um desafio físico a cumprir no papel, e também exige que ela atue de igual para igual com uma das melhores atrizes da TV e do cinema de Hollywood na atualidade. E Allen se sai muito bem: torcemos por ela, em nenhum momento ela deixa Paulson roubar de verdade o filme, e por vários trechos ela o carrega, em virtude de atuar sozinha num bom número de cenas. E de quebra, sua presença traz uma dimensão mais real à personagem, mais profunda, e isso ajuda a história imensamente. Sem dúvida, para além de considerações politicamente corretas, a presença e a atuação de Allen são os elementos que dão a Fuja sua força.

INFLUÊNCIAS DE ‘LOUCA OBSESSÃO’

Chaganty constrói o filme ao redor de suas atrizes, mas também não se esquece de fazer seu trabalho. A direção é bem efetiva e, assim como tinha demonstrado em Buscando…, Chaganty demonstra grande habilidade na condução do suspense. Nisso, ele é auxiliado pela montagem, que mantém o filme sempre ágil e interessante, e pelo roteiro, que dispõe com muita competência as pistas para que Chloe desvende o mistério ao seu redor. Por causa desse trabalho competente, que diretor e roteirista não apressam nem fazem de qualquer jeito, até aceitamos um ou outro momento mais exagerado que surge na segunda metade da trama.

Com uma forte influência do clássico Louca Obsessão (1990), Fuja é uma delícia de suspense, com uma trama focada e algumas pitadas de inverossimilhança para dar tempero. É um filme e não tem vergonha disso, feito para ser ver com a pipoca do lado e saboreando a tensão, e as presenças de Allen e Paulson evitam que ele se torne um mero exercício de estilo.

O filme só tropeça de verdade nos minutos finais, quando se estende um pouco além do que deveria e cai na bobagem – o final, aliás, também era onde Buscando… derrapava um pouco, o que indica que Chaganty ainda precisa refinar um pouco mais os seus instintos. Em todo caso, seu Fuja é um belo acerto. Hoje em dia, obras como essa, enfocando suspenses da vida doméstica que buscam se relacionar com a experiência do espectador, são o arroz-com-feijão em streamings e nas terríveis produções do canal Lifetime.  Fuja nos relembra o que esse tipo de filme pode ser, e o quanto pode ser envolvente, nas mãos de realizadores competentes.

‘Dog – A Aventura de uma Vida’: agradável road movie para fazer chorar

Filmes de cachorro costumam trazer consigo a promessa de choradeira e com “Dog – A Aventura de uma Vida” não foi diferente. Ao final da sessão, os críticos na cabine de imprensa em que eu estava permaneceram todos em silêncio; enquanto os créditos subiam e as luzes da...

‘Red Rocket’: a miséria humana dentro do falso american dream

Recomeçar. Um reinício, uma nova oportunidade, uma nova perspectiva, um recomeço. Estamos sempre nesse ciclo vicioso de dar um novo pontapé inicial. Todavia, há um certo cansaço nesta maratona de reiniciar a vida quando (nunca) ocorre de uma maneira planejada e o...

‘Top Gun: Maverick’: o maior espetáculo cinematográfico em um bom tempo

Precisamos de poucos segundos para constatar: a aura dourada de San Diego, banhada por um perpétuo poente, está de volta. “Top Gun: Maverick” se esforça para manter a mesma identidade estabelecida por Tony Scott no original de 1986 – tanto que a sequência de créditos...

‘Tantas Almas’: olhar sensível sobre questões amazônicas

Captar as sensibilidades que rondam a Amazônia e a vivência de seus moradores é um desafio que nem todos os cineastas estão dispostos a experimentar. A região, nesse sentido todo território sul-americano recoberto pelas suas florestas e rios, desperta curiosidade e o...

‘O Homem do Norte’: Eggers investe na ação aliada aos maneirismos

Considerando o que tem em comum entre os planos definidores de suas obras, podemos encontrar a frontalidade como um dos artifícios principais que Robert Eggers usa para extrair a performance de seus atores com êxito.  Ao mesmo passo que esses momentos tornam-se frames...

‘O Peso do Talento’: comédia não faz jus ao talento de Nicolas Cage

Escute esta premissa: Nicolas Cage, ator atribulado de meia-idade, teme que sua estrela esteja se apagando; o telefone já não toca mais, as propostas se tornaram escassas e o outrora astro procura uma última chance de voltar aos holofotes com tudo. Vida real, você...

‘O Soldado que não Existiu’: fake news para vencer a guerra

Em 1995, Colin Firth interpretou o senhor Darcy na série da BBC que adaptou “Orgulho e Preconceito”, de Jane Austen. Dez anos depois, Matthew Macfadyen eternizou o personagem no filme de Joe Wright, tornando-se o crush de muitas jovens e adolescentes. John Madden...

‘@ArthurRambo: Ódio nas Redes’: drama sintetiza a cultura do cancelamento

A cultura do cancelamento permeia a internet às claras. Para o público com acesso  frequente, é impossível nunca ter ouvido falar sobre o termo. Vivemos o auge da exposição virtual e como opera a massificação para que os tais alvos percam - merecidamente - ou não -...

‘Águas Selvagens’: suspense sofrível em quase todos aspectos

Certos filmes envolvem o espectador com tramas bem desenvolvidas, deixando-nos mais e mais ansiosos a cada virada da história; outros, apresentam personagens tão cativantes e genuínos que é impossível que não nos afeiçoemos por eles. Mas existe também uma categoria...

‘Ambulância – Um Dia de Crime’: suco do cinema de ação dos anos 2000

Vou começar com uma analogia, se me permitem. Hoje em dia, o ritmo e consumo de coisas estão rápidas e frenéticas. Com o Tik Tok e plataformas similares, esse consumo está ainda mais dinâmico (e isso não é um elogio) e a demanda atende às exigências do mercado. A...