Fazia tempo que Jimmy Christian não entregava um curta tão satisfatório como ocorre agora com “Tucandeira”. O último bom filme do diretor e fotógrafo amazonense havia sido “Bodó com Farinha” (2015) sobre todo o processo de pesca, cozimento e importância do famigerado peixe amazônico. De lá para cá, produziu obras que deixaram uma impressão incompleta (“Ruas de Rio” soa curto demais para o que poderia ser) ou que simplesmente se perdiam nas suas pretensões (“Opala Conexão Amazônica”). 

Selecionado para a Mostra Competitiva Norte do Festival Olhar do Norte 2020, “Tucandeira” acompanha o tradicional ritual dos Saterê Mawé de passagem da puberdade dos homens. Nele, jovens rapazes devem vestir uma espécie de luva para serem picados por dezenas de formigas tucandeira (Paraponera clavata), que podem medir até 2,5 centímetros de comprimento. Para tanto, Jimmy Christian bebe na fonte do cinema etnográfico e adota uma abordagem direta focada em explicar e mostrar o que é o ritual e todos os seus simbolismos a partir da narração didática do indígena Geter Saterê. 

O curta deixa claro seu intuito de ser um registro da vida indígena, da potência do ritual e de toda ancestralidade presente naquele momento. Com a direção de fotografia do excelente Orlando K. Júnior (repórter cinematográfico da Rede Amazônica com participações marcantes em programas como Globo Repórter e Fantástico) e imagens de grandes nomes da fotografia amazonense como Bruno Kelly e Michel Dantas, “Tucandeira” consegue realizar uma imersão, ao mesmo tempo, plasticamente bela quanto singela pelo tom respeitoso com que se insere naquele universo.  

Não à toa que se torna perceptível a naturalidade com que os Saterês se mostram diante das câmeras seja nas brincadeiras dos adolescentes no rio ou dos garotos e garotas ao ouvir a história do papagaio, da onça e da velha senhora. Esse universo imagético aliás, se completa com a força sonora captada por Fernando Crispim Sanches trazida com extrema riqueza pelos sons da floresta e dos cânticos do ritual.  

 OLHAR INSTIGANTE

Pena que “Tucandeira” não consiga ir além do registro; faltam relatos pessoais daqueles jovens para que haja uma criação mínima de elo ou empatia com o que se vê. Tal ausência também não permite um olhar mais aprofundado sobre como esta ancestralidade passa através de gerações além do ritual em si, mas, também como acaba sendo encarado por estes garotos.  

Mas, diga-se, que tal abordagem não chega a ser algo inédito dentro da nossa produção: premiado no Amazonas Film Festival em 2013 na categoria de melhor curta-metragem local em documentário, “Watyama”, do parintinense Everton Macedo, abordava o mesmo assunto de maneira semelhante. 

Apesar disso, Jimmy Christian demonstra, mais uma vez, ser um dos diretores mais interessantes do atual cinema amazonense com “Tucandeira”. Seu olhar sobre a Amazônia, sua natureza e seu povo permanecem sendo instigantes, de um realizador em constante inquietude (por vezes, até demais) e de talento ímpar para transformá-las em imagens fascinantes. 

‘Sol, Pipoca e Magia’: série resgata Joaquim Marinho e a história cultural de Manaus

A websérie documental “Sol, pipoca e magia” se debruça sobre a história de Joaquim Marinho, um dos grandes nomes da cultura amazonense, tendo trabalhado em várias áreas artísticas como agitador e produtor cultural. A obra apresenta a trajetória de Marinho desde a...

‘Sidney Rezende: Meu Enquanto Canto’: doc. frio de lenda do boi-bumbá

O documentário “Sidney Rezende: Meu Enquanto Canto” introduz o espectador à história de um dos principais compositores de toadas, bastante identificado com o boi Garantido (mas também com passagem pelo Caprichoso) que empresta seu nome ao título da obra. O filme é,...

‘A Hespanhola’: choque da alegoria restrita à mesma bolha

Em 2018, lembro-me de discutir com meu então mentor do programa para formação de críticos do Talent Press Rio, o português Luis Oliveira. O tópico: “Infiltrado na Klan”, de Spike Lee. Na ocasião, ele defendia que o filme não era bom por ser isento de qualquer sutileza...

‘O Colar’: pedaços de grande filme ficam pelo caminho

O Festival Olhar do Norte acompanha com lupa a trajetória de Romulo Souza. Afinal, em todas as edições do evento, há um filme do jovem diretor e roteirista amazonense atualmente radicado em Santa Catarina. Na primeira edição foi “Personas”, documentário para além da...

‘Mestres da Tradição na Terra do Guaraná’: tema fascinante perde-se em pequenos excessos

O curta documentário “Mestres da Tradição na Terra do Guaraná”, com direção de Ramon Morato, foca nos músicos que mantêm vivos os ritmos de cancioneiro interiorano amazonense. São canções e ritos comunitários, cujas raízes remontam a culturas indígenas e...

‘Reflexos da Cheia’: uma viagem às origens do cinema dentro do Teatro Amazonas

Durante os nove minutos de “Reflexos da Cheia”, o público do Teatro Amazonas vivenciou uma oportunidade de viajar no tempo na terceira noite do Festival do Olhar do Norte. Engana-se quem deduz que este retorno faz referência apenas ao espantoso período de subida...

‘Cercanias / Gatos’: o universo felino e pitoresco de um condomínio de Manaus

“A Terra Negra dos Kawá” deixou a clara impressão de que Sérgio Andrade estava se repetindo em temas já abordados em “A Floresta de Jonathas” e “Antes o Tempo Não Acabava”. Parecia que os caminhos traçados até ali tinham se esgotado, tornando-se urgente e necessário...

‘Stone Heart’: frieza tira potência da mensagem

Vou abrir meu coração, caro leitor: “Stone Heart” me deixa diante de um impasse. De um lado, impossível não ressaltar o que o filme representa um avanço técnico inegável para o ainda incipiente setor da animação no Amazonas, especialmente, do ponto de vista técnico –...

‘A Bela é Poc’: afeto como resposta à violência manauara

Chega a ser sintomático como a violência de Manaus ganha protagonismo nas telas neste grande ano do cinema amazonense. Na brutalidade do marido contra a esposa em “O Buraco”, de Zeudi Souza, passando pela fúria surrealista de “Graves e Agudos em Construção”, de Walter...

‘Kandura’: documentário formal para artista nada comum

 Tive a honra de entrevistar duas vezes Selma Bustamante: a primeira foi na casa dela sobre o lançamento de “Purãga Pesika”, curta-metragem em documentário dirigido por ela em parceria com César Nogueira. A segunda foi para o programa “Decifrar-te”, da TV Ufam, no...