Fazia tempo que Jimmy Christian não entregava um curta tão satisfatório como ocorre agora com “Tucandeira”. O último bom filme do diretor e fotógrafo amazonense havia sido “Bodó com Farinha” (2015) sobre todo o processo de pesca, cozimento e importância do famigerado peixe amazônico. De lá para cá, produziu obras que deixaram uma impressão incompleta (“Ruas de Rio” soa curto demais para o que poderia ser) ou que simplesmente se perdiam nas suas pretensões (“Opala Conexão Amazônica”). 

Selecionado para a Mostra Competitiva Norte do Festival Olhar do Norte 2020, “Tucandeira” acompanha o tradicional ritual dos Saterê Mawé de passagem da puberdade dos homens. Nele, jovens rapazes devem vestir uma espécie de luva para serem picados por dezenas de formigas tucandeira (Paraponera clavata), que podem medir até 2,5 centímetros de comprimento. Para tanto, Jimmy Christian bebe na fonte do cinema etnográfico e adota uma abordagem direta focada em explicar e mostrar o que é o ritual e todos os seus simbolismos a partir da narração didática do indígena Geter Saterê. 

O curta deixa claro seu intuito de ser um registro da vida indígena, da potência do ritual e de toda ancestralidade presente naquele momento. Com a direção de fotografia do excelente Orlando K. Júnior (repórter cinematográfico da Rede Amazônica com participações marcantes em programas como Globo Repórter e Fantástico) e imagens de grandes nomes da fotografia amazonense como Bruno Kelly e Michel Dantas, “Tucandeira” consegue realizar uma imersão, ao mesmo tempo, plasticamente bela quanto singela pelo tom respeitoso com que se insere naquele universo.  

Não à toa que se torna perceptível a naturalidade com que os Saterês se mostram diante das câmeras seja nas brincadeiras dos adolescentes no rio ou dos garotos e garotas ao ouvir a história do papagaio, da onça e da velha senhora. Esse universo imagético aliás, se completa com a força sonora captada por Fernando Crispim Sanches trazida com extrema riqueza pelos sons da floresta e dos cânticos do ritual.  

 OLHAR INSTIGANTE

Pena que “Tucandeira” não consiga ir além do registro; faltam relatos pessoais daqueles jovens para que haja uma criação mínima de elo ou empatia com o que se vê. Tal ausência também não permite um olhar mais aprofundado sobre como esta ancestralidade passa através de gerações além do ritual em si, mas, também como acaba sendo encarado por estes garotos.  

Mas, diga-se, que tal abordagem não chega a ser algo inédito dentro da nossa produção: premiado no Amazonas Film Festival em 2013 na categoria de melhor curta-metragem local em documentário, “Watyama”, do parintinense Everton Macedo, abordava o mesmo assunto de maneira semelhante. 

Apesar disso, Jimmy Christian demonstra, mais uma vez, ser um dos diretores mais interessantes do atual cinema amazonense com “Tucandeira”. Seu olhar sobre a Amazônia, sua natureza e seu povo permanecem sendo instigantes, de um realizador em constante inquietude (por vezes, até demais) e de talento ímpar para transformá-las em imagens fascinantes. 

‘O Buraco’: violência como linguagem da opressão masculina

Em vários momentos enquanto assistia “O Buraco”, novo filme de Zeudi Souza, ficava pensando em “Enterrado no Quintal”, de Diego Bauer. Os dois filmes amazonenses trazem como discussão central a violência doméstica. No entanto, enquanto “Enterrado” apresenta as...

‘No Dia Seguinte Ninguém Morreu’: a boa surpresa do cinema do Amazonas em 2020

“No Dia Seguinte Ninguém Morreu” é, sem dúvida, uma das mais gratas surpresas do cinema produzido no Amazonas nos últimos anos. Esta frase pode parecer daquelas bombásticas para chamar a sua atenção logo de cara, mas, quem teve a oportunidade de assistir ao...

‘O Estranho Sem Rosto’: suspense psicológico elegante fica no quase

Lucas Martins foi uma grata surpresa da Mostra do Cinema Amazonense de 2016 com “Barulhos”. Longe dos sustos fáceis, o curta de terror psicológico apostava na ambientação a partir de um clima de paranoia para trabalhar aflições sociais provenientes da insegurança...

‘Tucandeira’: Jimmy Christian faz melhor filme desde ‘Bodó com Farinha’

Fazia tempo que Jimmy Christian não entregava um curta tão satisfatório como ocorre agora com “Tucandeira”. O último bom filme do diretor e fotógrafo amazonense havia sido “Bodó com Farinha” (2015) sobre todo o processo de pesca, cozimento e importância do famigerado...

‘Jackselene’: simbólico curta na luta pelo aprendizado do audiovisual em Manaus

Sem uma faculdade ou escola de cinema regular desde o fechamento do curso técnico de audiovisual da Universidade do Estado do Amazonas após míseras duas turmas formadas, os aspirantes a cineastas em Manaus recorrem a iniciativas de curta duração. Artrupe, Centro...

‘A Ratoeira’: percepções sensoriais do calor e da cultura manauara

São muito variantes as percepções que se tem de “A Ratoeira”, curta de Rômulo Sousa (“Personas” e “Vila Conde”) selecionado para o Festival Guarnicê 2020. Em seu terceiro projeto como diretor, ele entrega uma obra que experimenta várias construções cinematográficas e...

‘Enterrado no Quintal’: sabor amargo de que dava para ser maior

Tinha tudo para dar certo: Diego Bauer, recém-saído do ótimo “Obeso Mórbido”, adaptando um conto de Diego Moraes, escritor amazonense cercado de polêmicas, mas, de uma habilidade ímpar para construção de narrativas altamente descritivas, sarcásticas, sem qualquer tipo...

‘O Barco e o Rio’: angústias e desejos sufocados compõem ótimo filme

O Amazonas fechou a mostra competitiva de curtas-metragens brasileiros do Festival de Gramado 2020 com “O Barco e o Rio”. Quarto filme da carreira de Bernardo Ale Abinader, o projeto se mostra um salto evolutivo enorme dentro da filmografia do diretor/roteirista,...

‘Atordoado, Eu Permaneço Atento’: registro arrepiante da ditadura brasileira

O Brasil parece ser um país em que o passado e o presente vêm convergindo nos últimos tempos, e nesse contexto, o curta-metragem Atordoado, Eu Permaneço Atento, co-dirigido por Lucas H. Rossi dos Santos em parceria com o realizador amazonense Henrique Amud, chega como...

‘Manaus Hot City’: experiência afetiva, melancólica, quente e sensorial

Com pouco mais de 10 anos na direção de curtas-metragens de ficção, Rafael Ramos já trilhou os mais diversos rumos indo do convencional de “A Segunda Balada” e “A Menina do Guarda-Chuva" até o lisérgico de “Aquela Estrada”. Todos estes caminhos convergem para “Manaus...