Após uma carreira bem-sucedida em festivais com o documentário performático “Maria”, a diretora Elen Linth apostou num projeto de temática igualmente relevante, mas com uma pegada mais diferente. Trata-se de “Travessia”, longa-metragem de não-ficção dirigido em parceria com Riane Nascimento, numa co-produção Brasil-Haiti.

Nele, acompanhamos a família de Gloriane Aimable, haitiana que vive no Brasil há cerca de seis anos com marido e filhos, e que agora busca uma maneira de trazer pai e irmão ao país, enfrentando muitos percalços. Sua rotina se divide entre o pequeno lanche da família, as vendas como ambulante em um terminal de ônibus e a burocracia exasperante na busca pelo sonhado passaporte.

O indócil ir e vir

A câmera das documentaristas tenta trazer naturalidade à presença no lar da família, nem sempre bem-sucedida. Escolhas como filmá-los acordando, por exemplo, soam um tanto encenadas, assim como um ou outro take no qual se discute, nas entrelinhas, o direito de ir e vir para além de fronteiras – debate que acaba se infiltrando por todo o filme. A tentativa de criar uma linha discursiva audiovisual também não funciona no diálogo entre Gloriane e a mãe, Jacqueline, quando a primeira expressa o alívio que seria o pai estar por perto porque “mesmo que [comêssemos] um pão seco, ele também comeria”, e na cena seguinte, ela aparece comendo, contemplativa.

Porém, pequenos deslizes são rapidamente eclipsados por outros momentos de maior fluidez do tom observacional que as diretoras buscam emular. No fim das contas, os aspectos positivos do roteiro acabam pesando mais ao espectador.

Temos, por exemplo, a reação de Gloriane ao atraso na entrega de seu passaporte – item essencial que ela anseia para poder ir ao Haiti e auxiliar o restante da família do processo de conseguir seus próprios documentos para a vinda ao Brasil. Em sua indignação, quebra-se um estereótipo comum, pelo menos, em Manaus (cidade que recebe grande fluxo desses estrangeiros): o do negro dócil, passivo, disposto a passar por quaisquer percalços no Brasil porque “o nosso pior ainda é melhor que o pior deles”.

Não há como escapar dos problemas nessa terra

Tal quebra é um dos elementos que mais chama a atenção em “Travessia”, posto que ele consegue dialogar com outras questões macro próprias do Brasil. A burocracia excessiva enfrentada por Gloriane aqui e seus parentes no Haiti dialogam pelo fato de que são demarcadas por claras questões de classe, na qual tais personagens, pessoas de origem humilde, são suscetíveis a golpes e/ou enrolação generalizada nesse processo. A crise em ambos os países intensifica tal estado, como eles bem pontuam em ambos os países.

Assim, o dinheiro se torna a tônica para a resolução de todos os problemas, não importando o quanto desumaniza a condição das pessoas. A longa espera pelo passaporte (produzido nos EUA), os problemas de contato com embaixada em Brasília e altos custos do documento todos são solucionáveis (ou, pelo menos, reduzíveis) através de muitos reais.

Como bem conclui Gloriane quando analisa seu contexto, “a gente [haitianos] é vendido”, na medida em que seus direitos como seres humanos não deveriam ser implorados como esmola, mas considerados básicos, óbvios. Isso tudo só fortalece uma das aparentes asserções do longa-metragem: a de que o direito de ir e vir deveria ser amplificado, e não cerceado.

A ligação gerada entre esses tópicos é um dos pontos positivos do roteiro de Linth e da direção dela e de Nascimento como um todo: nunca soam gratuitas e desconexas, sendo um elemento digno de nota no salto da produção de curtas para um longa-metragem. De maneira geral, “Travessia” permite diferentes camadas de leitura, de forma macro ou não; exemplo simples disso é quando um dos personagens declara que “não há como escapar dos problemas nessa terra”; como espectadores, não sabemos se ele se refere ao Brasil ou à esse plano de existência, e nem importa gerar certezas, pois a riqueza do momento captado está justamente nessa lacuna.

Outro ponto de destaque é a atenção dada às músicas cantadas por Gloriane, especialmente a que fecha o documentário. Enquanto espectador, alguém de fora do que vemos em cena, o drama dos imigrantes nos atinge de maneira única ali, inesperadamente, nas letras reflexivas e melodia melancólica, cantadas em creole. É o que nos faz ir além da imagem de negros gentis, agradecidos por serem explorados no Brasil e dispostos a trabalhar em quaisquer condições. Sem imagens “pesadas”, que facilmente poderiam explorar a pobreza dos Aimable no Brasil e no Haiti, as diretoras escolheram dimensionar sua dor através da poesia, numa solução que acaba criando um laço entre “Travessia” e “Maria”.

Talvez como um média-metragem, “Travessia” poderia apresentar um pouco mais de dinamicidade. Tecnicamente, é um filme bem produzido, do cuidado com o trabalho de sim à fotografia (que, se não é muito original em seus tons desbotados, pelo menos é correta). O saldo geral é positivo nessa experiência, demarcando Linth como uma diretora atuante no Amazonas cujos projetos vale conferir, mesmo quando não ousa tanto.

‘Graves e Agudos em Construção’: a transgressão esquecida do rock

‘O rock morreu?’ deve ser a pergunta mais batida da história da música. Nos dias atuais, porém, ela anda fazendo sentido, pelo menos, no Brasil, onde o gênero sumiu das paradas de sucessos e as principais bandas do país vivem dos hits de antigamente. Para piorar,...

À Beira do Gatilho’: primor na técnica e roteiro em segundo plano

Durante a cerimônia de premiação do Olhar do Norte 2020, falei sobre como Lucas Martins é um dos mais promissores realizadores audiovisuais locais ainda à espera de um grande roteiro. Seus dois primeiros curtas-metragens - “Barulhos” e “O Estranho Sem Rosto” -...

‘Jamary’: Begê Muniz bebe da fonte de ‘O Labirinto do Fauno’ em curta irregular

Primeiro trabalho na direção de curtas-metragens de Begê Muniz, conhecido por ser o protagonista de “A Floresta de Jonathas”, “Jamary” segue a trilha de obras infanto-juvenis do cinema amazonense como “Zana - O Filho da Mata”, de Augustto Gomes, e “Se Não”, de Moacyr...

‘O Buraco’: violência como linguagem da opressão masculina

Em vários momentos enquanto assistia “O Buraco”, novo filme de Zeudi Souza, ficava pensando em “Enterrado no Quintal”, de Diego Bauer. Os dois filmes amazonenses trazem como discussão central a violência doméstica. No entanto, enquanto “Enterrado” apresenta as...

‘No Dia Seguinte Ninguém Morreu’: a boa surpresa do cinema do Amazonas em 2020

“No Dia Seguinte Ninguém Morreu” é, sem dúvida, uma das mais gratas surpresas do cinema produzido no Amazonas nos últimos anos. Esta frase pode parecer daquelas bombásticas para chamar a sua atenção logo de cara, mas, quem teve a oportunidade de assistir ao...

‘O Estranho Sem Rosto’: suspense psicológico elegante fica no quase

Lucas Martins foi uma grata surpresa da Mostra do Cinema Amazonense de 2016 com “Barulhos”. Longe dos sustos fáceis, o curta de terror psicológico apostava na ambientação a partir de um clima de paranoia para trabalhar aflições sociais provenientes da insegurança...

‘Tucandeira’: Jimmy Christian faz melhor filme desde ‘Bodó com Farinha’

Fazia tempo que Jimmy Christian não entregava um curta tão satisfatório como ocorre agora com “Tucandeira”. O último bom filme do diretor e fotógrafo amazonense havia sido “Bodó com Farinha” (2015) sobre todo o processo de pesca, cozimento e importância do famigerado...

‘Jackselene’: simbólico curta na luta pelo aprendizado do audiovisual em Manaus

Sem uma faculdade ou escola de cinema regular desde o fechamento do curso técnico de audiovisual da Universidade do Estado do Amazonas após míseras duas turmas formadas, os aspirantes a cineastas em Manaus recorrem a iniciativas de curta duração. Artrupe, Centro...

‘A Ratoeira’: percepções sensoriais do calor e da cultura manauara

São muito variantes as percepções que se tem de “A Ratoeira”, curta de Rômulo Sousa (“Personas” e “Vila Conde”) selecionado para o Festival Guarnicê 2020. Em seu terceiro projeto como diretor, ele entrega uma obra que experimenta várias construções cinematográficas e...

‘Enterrado no Quintal’: sabor amargo de que dava para ser maior

Tinha tudo para dar certo: Diego Bauer, recém-saído do ótimo “Obeso Mórbido”, adaptando um conto de Diego Moraes, escritor amazonense cercado de polêmicas, mas, de uma habilidade ímpar para construção de narrativas altamente descritivas, sarcásticas, sem qualquer tipo...