Estrear no cinema dirigida por Suzana Amaral em uma adaptação da obra de Clarice Lispector com apenas 22 anos de idade. Marcélia Cartaxo não se intimidou e realizou uma das mais belas atuações do cinema brasileiro em “A Hora da Estrela”. O trabalho rendeu o prêmio de Melhor Atriz no Festival de Berlim em 1985.  

Após importantes participações em filmes como “Baixio das Bestas”, “A História da Eternidade” e “Madame SatãMarcélia volta a brilhar de forma intensa com “Pacarrete”, produção cearense vencedora de oito Kikitos no Festival de Gramado 2019, incluindo, Melhor Atriz. O trabalho marca o auge da parceria dela com o diretor Allan Deberton iniciada no curta “Doce de Coco”.  

Em entrevista ao Cine Set durante a Mostra de Tiradentes, Marcélia, ao lado de Allan, fala sobre a experiência de realizar “Pacarrete”, o futuro trabalho ao lado do diretor Cristiano Burlan e o que espera de Regina Duarte à frente da Secretaria de Cultura do governo Bolsonaro. 

Cine Set – Qual a importância de “Pacarrete” em sua carreira? 

Marcélia Cartaxo – “Pacarrete” só veio confirmar cada vez mais a minha carreira, trazendo um grande amadurecimento pessoal, de emoções e de trabalhos diferentes que tenho feito. O Allan teve muita segurança de me convidar até porque não sou bailarina nem tenho esse ouvido que a personagem possui para a música. A Pacarrete é muito culta: fala francês, toca piano muito bem, fora ter um corpo que fala todo o tempo. Foi um grande desafio de resistência e enfrentamento, sem dúvida, e fiquei muito feliz porque se eu me esforçar bastante consigo chegar longe (risos). 

Cine Set – Como foi a parceria com o Allan Deberton? 

Marcélia Cartaxo – Conheci o Allan quando ele fez (o curta) “Doce de Coco” e não era nem para fazer uma personagem. Fui como preparadora de elenco e acabei fazendo uma participação especial.  

Allan Deberton – Na verdade, uma atriz do filme pediu que trocassem a preparadora do elenco originalmente prevista porque ela era casca grossa (risos). A menina estava desesperada e pediu para chamar a Marcélia (risos). Perguntei: ‘a Marcélia que fez “A Hora da Estrela”? Ah, mas, ela não vai querer não’ (risos). Mesmo assim, liguei, ela topou e foi só alegria. Modificou a minha vida e rodou muitos festivais. 

Marcélia Cartaxo – Foi um doce. Fomos preparando este doce com tempo e, ao fazer “Pacarrete”, essse doce ficou bem apurado. Enfrentamos muitos desafios e acabou sendo muito importante na minha carreira até porque estava um pouco à deriva. Quando o Allan chegou, já me deu esta força, estabelecendo uma segurança. Estou aprendendo demais com ele. 

Cine Set – Como “Pacarrete” mexeu com a cidade de Russas e o que sentem que ficou desta experiência para quem vive na cidade em relação a olhar a arte? 

Marcélia Cartaxo – Certa vez, ouvi alguns adolescentes de Russas falarem: ‘hoje, eu vou tratar melhor as pessoas’. Acho que o filme tem esta capacidade de mexer na nossa humanidade.  

Allan Deberton – Além desta experiência, observo também a própria relação do cinema com a cidade. Russas já teve três salas de exibição, sendo que a última delas se tornou uma padaria. Independente disso, nós já rodamos um curta e um longa-metragem lá, colocando a cidade como personagem. Apesar das nossas cidades de interior, muitas delas, não terem cinema, acho importante que continuemos a encorajar a fazer histórias e contá-las seja no cinema, teatro, dança, música. Como mostramos no filme, a realidade no interior para a cultura está muito associada a datas comemorativas sem um investimento fixo. 

Marcélia Cartaxo – Fora que contratam artistas renomados de fora, pegando todo o dinheiro da arte que poderia ampliar a arte na nossa cidade para colocar todo naquele evento. Com isso, o artista vai passando e a cidade, no fim das contas, fica sem nada. 

Cine Set – Qual a expectativa para a estreia em circuito comercial no Brasil? 

Marcélia Cartaxo – Estou ansiosa. Muita gente me liga perguntando como faz para ver o filme, enquanto outros estão querendo assistir mais uma vez. Espero que o público brasileiro venha ver o filme por ser algo importante neste novo momento do cinema brasileiro. “Pacarrete” é uma obra bem humana e presente em cada um de nós.

  

Cine Set – Quais as suas perspectivas enquanto artista nesse atual governo? 

Marcélia Cartaxo – Acho que vamos ter que vivenciar o desmonte da nossa cultura e precisaremos ser muito fortes, resistentes para atravessar este momento. Lamento que isso tenha acontecido pelo momento de alta no audiovisual da nossa região e não sabemos como será o futuro. Ainda precisamos muito do Estado e desta política cultural fortalecida, principalmente, para a nova geração. Temos que repensar e fortalecer como classe para estarmos juntos. Porém, acredito que mais na frente será melhor. 

Cine Set – Como você vê a escolha de Regina Duarte, que também é atriz, para ocupar a Secretaria da Cultura? 

Marcélia Cartaxo – A Regina Duarte sempre esteve por cima, nunca precisou da arte para se estabelecer. Não a vejo com bons olhos para o nosso futuro. Vamos sofrer muito com ela ao lado destes caras neste governo, o qual não considero meu representante nem ela. Muita gente importante do cinema percebe que isso não será bom. Será algo muito triste; corremos o risco, inclusive, de perder a Escola de Cinema Darcy Ribeiro, no Rio de Janeiro. Imagina outras coisas?  

O movimento regional era algo que estava alimentando a cultura, permitindo conhecer histórias que não podíamos contar, afinal, as narrativas do Nordeste eram feitas pelas pessoas do Sul/Sudeste. Agora que, finalmente, conseguimos colocar a mão na massa, trazer a nossa voz, encaramos com a censura, fim dos projetos, fim da Ancine. Essa Regina vai ter que passar também rapidamente (risos). 

Cine Set – Marcélia, fale, por favor, sobre seus novos projetos. Já há algum para os próximos meses? 

Marcélia Cartaxo – Estou fazendo o novo filme do Cristiano Burlan chamado “Mãe” em que sou a protagonista. É um filme muito forte: a mãe vê o filho sendo assassinado pelo Estado. Como é algo muito recente, estou maturando bastante como vou defender este projeto. Está sendo lindo e intenso.  

Michel Guerrero e as memórias da infância no Cine Carmen Miranda

Michel Guerrero possui uma longa carreira no teatro manauara, incluindo sua personagem mais famosa, Lady Park. Agora, ele revive sua paixão de infância pelo cinema para produzir seu primeiro curta-metragem como diretor, “Cine Carmen Miranda”. Partindo de uma narrativa...

Cláudio Bitencourt e Diego Lopes: “o talento do Marco Ricca elevou ainda mais ‘Lamento’”

Glamourosos e com uma diversidade de gente de todos os tipos entre hóspedes e clientes, hotéis sempre foram locais adorados por roteiristas e diretores para ambientarem suas produções. De Edmund Goulding em "O Grande Hotel" (1932) ao clássico "O Iluminado", de Stanley...

Daniel Nolasco: ‘A História brasileira ressignificou ‘Vento Seco’’

"Vento Seco" estreia no circuito comercial dos cinemas brasileiros em um mundo bem diferente de quando foi formulado inicialmente lá no longuíquo 2013. A chegada de um governo de extrema-direita ao poder e todo o preconceito contra minorias trazido por ele coloca...

Ignacio Rogers: ‘’O Diabo Branco’ mostra como as feridas da colonização seguem abertas’

 Com uma trajetória na carreira de ator iniciada em 2005, o argentino Ignacio Rogers resolveu se aventurar na direção de longas-metragens neste ano com “O Diabo Branco”. A produção em cartaz nos cinemas brasileiros toca em pontos sensíveis da colonização...

Heitor Dhalia: ““Anna” foi um filme desafiado pelo seu tempo”

Um nome importante do meio artístico utilizando seu prestígio para promover um ambiente tóxico de trabalho ao promover abusos morais e até sexuais a seus subordinados. Não, ainda não se trata da cinebiografia de Harvey Weinstein e sim do mote principal de “Anna”, novo...

Lucas Salles: “filmes como ‘Missão Cupido’ trazem a esperança de um final feliz”

Vindo de uma geração marcada pela transformação tecnológica, Lucas Salles é um bom exemplo de artista multiplataforma. Já foi repórter do 'CQC' e do 'Pânico na Band', realiza stand-up comedy no teatro, foi apresentador da "A Fazenda Online" e também investe na...

Lírio Ferreira: “‘Acqua Movie’ é uma extensão espiritual de ‘Árido Movie’”

A Retomada do Cinema Brasileiro viu surgir uma nova geração de diretores pernambucanos com impacto de influenciar e referenciar a produção nacional fora do eixo Rio-São Paulo. Lírio Ferreira abriu as portas em 1997 com o já clássico “Baile Perfumado”. Ao som do mangue...

Ricardo Calil: ‘Cine Marrocos’ simboliza os desencontros do Brasil com a cultura e os sem-tetos’

Ricardo Calil ficou conhecido como documentarista de grandes filmes sobre a música e a cultura brasileira. São dele produções como “Uma Noite em 67” sobre o célebre Festival da Record com estrelas como Roberto Carlos, Chico Buarque, Os Mutantes e Gilberto Gil; “Eu Sou...

Gustavo Pizzi: “‘Gilda’ representa a luta contra a imposição externa sobre a própria vida”

No Brasil 2021 de Jair Bolsonaro, uma mulher livre, dona do próprio corpo e contrária a opressão masculina incomoda muita gente. “Os Últimos Dias de Gilda”, série disponível na Globoplay, mostra muito bem isso.  A produção exibida na Berlinale Series neste ano estreou...

Júlia Rezende: “’Depois a Louca Sou Eu’” pode ser uma ponte de diálogo sobre a ansiedade’

“Meu Passado me Condena 1 e 2”, “Ponte Aérea” e “Uma Namorado para a Minha Mulher”. Todos os estes filmes são sucessos recentes da comédia romântica brasileira dirigidas pela Júlia Rezende. E ela está chegando nos cinemas com “Depois a Louca Sou Eu” com a Débora...