Filme mais recente do experiente Marco Bellocchio, ”O Traidor” é uma versão enérgica das aflições de um informante da máfia na Itália nos anos 1980. Apesar de não contar com a profundidade narrativa dos grandes dramas de máfia, as sessões lotadas no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary sugerem um potencial de atrair grandes plateias.

A co-produção Brasil-Itália, lançada neste ano no Festival de Cannes, segue três décadas da vida de Tommaso Buscetta (Pierfrancesco Favino), primeiro chefe da máfia siciliana a delatar as atividades da organização criminosa para as autoridades. As informações fornecidas por ele deram origem ao “Maxiprocesso“ – o maior processo judicial da história. 
 
Inicialmente, a história de Buscetta trata-se de um dilema moral: ele é um homem criado em um ambiente que acredita que a máfia é boa, honrada e um modo de vida que implica ordem e apoio. Com a expansão do tráfico de drogas do grupo e a subseqüente contagem de corpos aumentando a cada dia, ele começa a questionar a natureza da associação. 
 
Ao se mudar para o Brasil para comandar operações mafiosas na América do Sul, uma guerra entre facções explode na Itália e a impiedosa polícia da ditadura brasileira o prende. Com a vida de sua esposa ameaçada, ele decide cooperar com o juiz italiano Giovanni Falcone (Fausto Russo Alesi) em um esforço para derrubar a Cosa Nostra. 

DRAMA DE TRIBUNAL SUSTENTA FILME

Co-autor do roteiro, Bellocchio imbue “O Traidor” de ação suficiente para preencher seus longos 135 minutos. Apesar disso, o filme não destina muito do seu tempo ao dia-a-dia da máfia, de forma que se torna difícil para o público se importar com o destino dos gangsters quando eles começam a ser presos.

Nesse sentido, o filme empalidece em comparação com clássicos como “Os Bons Companheiros” – talvez a representação definitiva de um informante da máfia no cinema. Apesar de ele ser o protagonista, nem mesmo a personalidade de Tommaso é explorada em profundidade: apenas seu desafio ao sistema que o originou e seu medo de ser morto por ele são consistentemente usados na trama.

Os melhores momentos de “O Traidor” ocorrem quando, por volta dos 70 minutos, o longa se torna um drama de tribunal. A primeira audiência do delator, por exemplo, é um retrato tenso e habilmente editado da loucura levada aos tribunais pelo simples escopo das acusações. Seu confronto com o mafioso Pippo Calò (Fabrizio Ferracane) também mostrou como o julgamento foi marcado por ressentimentos pessoais.

Em última análise, assim como o processo eventualmente parece se arrastar e não conseguir manter o interesse da população italiana na época, “O Traidor” desliza nos últimos 30 minutos e dilui a força de sua mensagem ao longo do caminho. No entanto, a produção é uma boa adição ao cânone dos dramas de máfia e não deve deixar fãs do gênero insatisfeitos.

*O jornalista viajou para o Festival de Karlovy Vary como parte da equipe do GoCritic!, programa de fomento de jovens críticos do site Cineuropa.

‘O Cremador’: clássico registra a ascensão ‘natural’ de regimes totalitários

Exploração absurda da banalidade do mal, “O Cremador” continua a ser um filme tão vital como foi ao ser lançado em 1969. Uma restauração, apresentada no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano, celebra a abordagem libertária de uma produção que...

‘Estação Central de Cairo’: revolução do cinema egípcio ecoa ainda hoje

Um jornaleiro com deficiência e uma vendedora de mente aberta e sexualmente bem-resolvida não parecem escolhas estranhas para protagonistas em 2019, porém, no Egito dos anos 1950, eles eram tão controversos quanto poderiam ser. No entanto, a decisão de criar uma...

40 Anos de ‘Manhattan’: clássico de Woody Allen resiste à era #MeToo?

Talvez a pergunta mais difícil ao terminar de assistir algum filme com, pelo menos, 30 anos de existência é se ele envelheceu bem ou mal. Qualquer obra de arte é realizada em um contexto cultural específico, cujas particularidades podem sobreviver ou não ao tempo....

‘Era uma vez na América’: obra-prima definitiva de Sergio Leone

Duas palavras poderiam resumir o que é ‘Era uma vez na América’: glorioso e sublime. A última obra-prima do cineasta italiano Sergio Leone, considerado um gênio da indústria cinematográfica, é grandiosa em sua narrativa construída através de excelentes atuações,...

Por que ‘Aconteceu Naquela Noite’ tornou-se base das comédias românticas no cinema?

Duas pessoas opostas, de personalidades fortes se conhecem durante um evento atípico. Há uma tensão raivosa entre eles quase que de imediato. Por coincidência do destino, são obrigados a conviver por alguns dias, meses ou até anos. Durante um período de infortúnio,...

‘O Ano do Dragão’: ótimo filme policial alucinante e megalomaníaco

Os anos 70 e 80 foram de ampla liberdade criativa para os cineastas que viveram naquele período e marcaram o ciclo da chamada Nova Hollywood. Dentro da sala de cinema, o diretor fazia o que bem queria e isso era perceptível nas cenas ousadas ou fora dos...

‘Vidas Secas’ (1963): obra máxima da filmografia de Nelson Pereira dos Santos

Vidas Secas, de Nelson Pereira dos Santos, baseado na seminal obra homônima de Graciliano Ramos, é dos filmes mais tristes do cinema. Uma tristeza particular, brasileira, nordestina. É sobre a face mais cruel da nossa desigualdade social, um dos elementos...

Clássicos do Cinema Brasileiro: ‘Ganga Bruta’, de Humberto Mauro (1933)

Os problemas técnicos de filmes antigos, principalmente os brasileiros, muitas vezes nos tiram do clima, dificultam o entendimento das ideias do filme, principalmente quando ainda estamos iniciando no rumo da cinefilia, e o amadurecimento do olhar para...

Clássicos do Cinema Nacional: ‘Limite’, de Mário Peixoto (1931)

A primeira vez que vi Sem Essa, Aranha, de Rogério Sganzerla, fiquei com uma impressão muito ruim. O filme parecia tosco, mal feito, diferente de tudo que já tinha visto, e não de um jeito bom. Fui assistir empolgado, pois já havia lido bastante a...

‘Capacete de Aço’ (1951): o significado do ser humano dentro de um filme de guerra

A década de 50 é considerada, por muitos, a época de ouro do cinema: Tínhamos Hitchcock, Kurosawa/Ozu e Ingmar Bergman despontando na Europa; Marilyn Monroe, Audrey Hepburn e Bridget Bardot como as novas musas cinematográficas; o cinema musical se...