Atenção: Esse texto contém spoilers 

Como fã de quadrinhos sempre procurei adaptações com classificação indicativa para maiores de 18 por gostar dos temas densos e cenas de luta mais trabalhadas e até mesmo violentas. Por isso, ‘Titãs’ logo se mostrou como uma ótima pedida considerando seu apuro técnico pelas sequências de ação. Entretanto, mesmo sendo dirigida ao público adulto, o seriado continua a apostar em tramas extremamente bobas, deixando seus personagens com o desenvolvimento superficial já visto na primeira temporada. 

Mostrando uma grande falta de coesão narrativa, a segunda temporada da produção começa com o arco estabelecido anteriormente sendo finalizado. Ou seja, o pai de Rachel (Teagan Croft) finalmente é derrotado de forma surpreendentemente fácil. Após a vitória, Dick Grayson (Brenton Thwaines) leva os membros mais novos dos Titãs para a antiga torre de treinamento do grupo, o que é suficiente para antigos inimigos e lembranças desagradáveis surgirem na vida dos super-heróis. 

A escolha por Deathstroke (Esai Morales) ser o grande vilão da temporada é uma boa pedida, principalmente, considerando todo seu histórico com o grupo. Entretanto, sua motivação dependente dos Titãs chega a ser quase infantil, tornando-se mais um exemplo de ótimo desempenho em cenas de ação com um péssimo desenvolvimento individual. 

Heróis em excesso 

Se do lado antagonista a construção de personagem não é satisfatória, os Titãs enfrentam uma grande dificuldade em mostrar coesão como grupo. De um lado temos os novos e inexperientes mutantes Rachel, Garfield (Ryan Potter), Jason (Curran Walters), Conner (Joshua Orpin) e Rose (Chelsea Zhang) e, em contrapartida, Hank (Alan Ritchson), Dawn (Minka Kelly) e Donna (Conor Leslie) são a lembrança viva de Dick sobre seus erros no passado. O equilíbrio entre os dois grupos não é algo fácil de ser visto em cena, passando a temporada sem ao menos uma sequência de luta juntos. 

Aqui, a impressão passada por “Titãs” é que na tentativa de agradar seu público, a série mostra os mais diversos heróis com suas respectivas histórias na esperança de que alguma chame atenção do público. Reforçando isto, Aqualad (Drew Van Acker) é apresentado e morto em apenas um episódio, tornando-se tão desinteressante quanto a trama paralela de Kory (Anna Diop), a qual reencontra e mata seu ex-namorado, descobre a morte dos pais, perde os poderes; tudo isso sem interferir na história do grupo principal. 

Falando em personagens mal aproveitados, é preciso mencionar a presença do Batman na história. Apesar de um bom desempenho de Iain Glen no papel, sua principal aparição é como a voz da consciência de Dick, sendo novamente seu mentor de alguma forma. Além disso, o icônico personagem somente é usado como desculpa para outros furos do roteiro. 

Para finalizar o compilado de personagens ruins, Conner e Krypto são extremamente negligenciados pela narrativa e, apesar de serem os mais poderosos do grupo, suas cenas de ação são as piores apresentadas e com efeitos especiais que fazem qualquer público achar graça. Além de tudo isso, os roteiristas ainda possuem a grande coragem de matar Donna da forma mais boba possível e sem nenhuma carga dramática. 

Resquícios de salvação? 

Além dos desenvolvimentos superficiais, a atuação de grande parte do elenco não consegue corresponder aos dramas enfrentados. Temas como o vício de drogas de Hank e a superação dos traumas de Dick não ganham performances generosas de seus intérpretes. Neste quesito, a melhor cena dramática da temporada é protagonizada por Curran Walters, o qual apesar de ser um personagem nada carismático, conseguiu aproveitar seus poucos momentos de tela. 

Como foi dito em diversos momentos deste texto, as cenas de ação continuam sendo o grande chamariz da série. Em cada momento, a produção consegue realizar um ótimo trabalho na montagem e ritmo das cenas assim como nas diferentes ambientações que tornam cada luta única. 

Apesar de possuir uma proposta consistente, ‘Titãs’ torna-se cada vez mais uma série com dificuldades para fidelizar seu público e o principal inimigo neste quesito é justamente a falta de tramas mais maduras. Assim, a produção possui muita violência para os menores de 18 anos e pouca densidade para o público adulto, correndo o risco de ficar sem público algum. 

‘Expresso do Amanhã’ – Episódio 8: revolução eletrizante

As pessoas a bordo do Snowpiercer acreditam no mito de um salvador: o homem que criou o trem, Wilford, e salvou uma parte da raça humana quando o congelamento do planeta se tornou realidade. Isso é algo muito poderoso. A humanidade tem, sim, uma necessidade por mitos,...

‘Expresso do Amanhã’ – Episódio 7: tensão e ansiedade ao máximo

ATENÇÃO: texto com spoilers Depois da emergência quase catastrófica do episódio anterior e do seu final apoteótico que representou um breve momento de felicidade para quase todos os personagens a bordo do Snowpiercer, as coisas voltam a ficar sérias e sombrias em “O...

Por que ‘Dark’ se tornou a melhor série da Netflix?

Recentemente, uma pesquisa feita no Rotten Tomatoes elegeu Dark como a melhor série original Netflix. A produção criada por Baran Bo Odar e Jantje Friese interliga quatro famílias da pequena cidade de Winden por meio de laços temporais e consanguíneos e segredos....

‘Dark’ – 3ª Temporada: verdadeira definição de um final agridoce

“Se a gente soubesse onde nossas decisões nos levariam, a gente mudaria o nosso destino?” Para onde nossas escolhas nos levam? Dark fecha o seu último ciclo se consagrando como a melhor produção da Netflix. Criada por Baran Bo Odar, que assume a direção de todos os...

‘Coisa Mais Linda’ – 2ª Temporada: a melhor série brasileira da Netflix

Também conhecida como uma das melhores séries brasileiras da Netflix, ‘Coisa Mais Linda’ voltou para uma segunda temporada tão satisfatória quanto a anterior. Apesar das grandes qualidades serem mantidas, desta vez, a narrativa corrida atrapalha a conexão do público...

‘Expresso do Amanhã’: Episódio 6 – alegria e união momentânea em meio ao caos

Em “Expresso do Amanhã”, o mundo do lado de fora do Snowpiercer pode estar congelado, mas o clima a bordo do trem volta a esquentar neste sexto episódio da temporada, “De onde menos se espera...”. Mas é um calor só superficial... É um episódio curioso da série, no...

‘Expresso do Amanhã’ – Episódio 5: luta de classes até no fim do mundo

Depois de 2020, vou pensar duas vezes antes de reclamar quando roteiristas de Hollywood inventarem de fazer seus personagens se comportarem de forma ilógica ou irracional frente a um cenário apocalíptico. Em outro bom episódio de Expresso do Amanhã, intitulado “A...

‘Reality Z’: padrão Netflix tira brasilidade de série fraca

Em minha opinião, um dos aspectos mais positivos da Netflix, desde que o serviço de streaming se popularizou e basicamente mudou a maneira como nos relacionamos com a produção audiovisual, é o fato de ele ser uma vitrine global, nos dando acesso a filmes, seriados e...

‘Expresso do Amanhã’ – Episódio 4: reviravoltas reenergizam série

Depois de muita preparação num episódio desanimador na semana anterior, Expresso do Amanhã pisa no acelerador da temporada nesta semana com “Sem Seu Criador”. O resultado é um episódio envolvente e que encerra uma história, aparentemente, e inicia outra, mais...

‘Space Force’: nem tão empolgante e engraçado como prometido

‘Space Force’ já surgiu com altas expectativas. Primeiro por reunir Greg Daniels e Steve Carell, dupla vinda da premiada ‘The Office’. Segundo por contar com nomes conhecidos e queridos do público como Lisa Kudrow e John Malkovich. Para completar, seria um alívio...