Criado por Bram Stoker, Drácula já ganhou diversas versões com o passar do século, seja no cinema, animações, gibis, games e séries de televisão. Nesta versão em formato de minissérie, feita pela BBC com a Netflix, temos uma nova adaptação, uma (não tão) nova abordagem em uma versão que nos faz perguntar: por que diabos deixaram produzir isso?

A dupla Steven Moffat e Mark Gatiss, de “Sherlock”, implementa o mesmo modelo narrativo da série do detetive britânico em “Drácula”. São três episódios com cerca de uma 1h30 de duração em que acompanhamos o desenrolar da clássica trama até desandar em uma horrenda conclusão.

Uma nova visão a respeito de uma obra ou um personagem é sempre bem-vinda, principalmente quando os novos elementos e perspectivas são bem explorados, o que aqui não é o caso. As decisões tomadas a respeito de alguns dos personagens principais do livro clássico e seus destinos logo no primeiro episódio só não são um completo desastre, pois a caracterização e design de produção ajudam bastante. A paleta de cores sombria é correta, criando muito bem uma atmosfera claustrofóbica e opressora, no interior do Castelo do Conde.

A partir do segundo episódio conseguimos ter uma dimensão de como a série vai se sabotando. Os clichês e piadas se repetem a todo momento – entendemos o Drácula não beber vinho – além de um excessivo número de viradas na trama. Temos de personagem assumindo a identidade de uma pessoa e depois se arrependendo (não é preciso explicar a razão) a pessoas escapando da morte de maneira milagrosa. Apesar de ser uma personagem espirituosa, a irmã Agatha (Dolly Wells) precisa ter seus conflitos internos apresentados e resolvidos na mesma cena?! Fora soluções bizarras que desafiam qualquer lógica.

VERDADEIRA PERDA DE TEMPO

A ideia de apresentar o Drácula para o contexto atual não é nova, porém, aqui tem um potencial altamente desperdiçado. A inclusão da era digital na trama supostamente poderia render algo mais ambicioso, mas o roteiro resolve se entregar a um humor bizarro. Drácula lidando com celular, tablet, televisão e advogados para escapar de cárcere privado – ok, confesso que ri nessa, apesar dos absurdos.

Alçado ao sucesso mundial por “The Square”, Claes Bang até empresta dignidade ao personagem, fazendo o que pode para salvar a minissérie. O seu Drácula começa assustador e, aos poucos, vai se tornando canastrão. E o ato final é pavoroso, anticlimático, não sendo totalmente esquecível apenas por conta da frustração que ele causa.

Drácula passa a série toda dizendo que toma vidas; pensei que estava se referindo apenas às suas vítimas onde ele consume o sangue, mas, no fim, percebi que tinha me tornado mais uma delas. Um tempo que não recupero.  É sempre importante lembrar que Drácula é um Conde e, pelo título, merecia mais respeito.

‘Lovecraft Country’ 1×06: surpreendente romance em meio ao terror

Bem, uma coisa ninguém pode dizer de Lovecraft Country: ser um seriado chato e previsível. O sexto episódio da temporada, “Me encontre em Daegu”, é um momento inspirado da série, uma hora cheia de imagens grotescas muitas vezes contrapostas a um clima tocante, belo...

‘The Boys’ 2×05 – ponto alto da temporada até aqui

Começando a se encaminhar para o final da segunda temporada, ‘The Boys’ acelera o ritmo da narrativa e entrega um de seus melhores episódios. Entre referências, sarcasmos e revelações, a série também apresenta dois recursos primordiais para ser um sucesso de público:...

‘Ratched’ – 1ª Temporada: traição à essência de clássica vilã

Às vezes, produtores de Hollywood têm cada ideia que nos fazem questionar os rumos da indústria. Tome, por exemplo, a série Ratched, que estreou na Netflix a sua primeira fornada de oito episódios – a segunda virá em 2021. É mais uma produção de Ryan Murphy, um dos...

‘Lovecraft Country’ 1×05: ironia sobra em novo ponto alto da série

Até agora, Lovecraft Country se mostrou meio que uma montanha-russa: um episódio muito bom, seguido de um fraco; mais um muito bom, outro problemático. Pois bem, é ótimo notar que neste quinto episódio da temporada, “Um caso estranho”, a gangorra sobe novamente....

‘The Boys’ – 2ª Temporada 2×01 a 2×04 – ação ainda supera história

‘The Boys’ inicia a segunda temporada apostando nos elementos que marcam seu diferencial em comparação a outras adaptações de HQ’s: violenta, sanguinária e constantemente surreal. Entretanto, neste segundo ano, tais pontos fortes são comedidos e dividem espaço com a...

‘Away’: drama se sobressai à sci-fi em boa série da Netflix

Orbitando entre a ficção científica e o melodrama familiar, ‘Away’ estreia na Netflix como uma surpresa positiva não somente para os fãs de sci-fi, mas também para qualquer um que aprecie uma boa narrativa. Diferente de muitas produções atuais do streaming, a série...

‘Lovecraft Country’ 1×04: sai terror e entra Indiana Jones

É hora da caça ao McGuffin em Lovecraft Country! O quarto episódio desta temporada da série é menos Lovecraft e mais estilo Indiana Jones, o que de novo rende um episódio divertido que consegue aliar cenas tensas e malucas – já se tornando características da série –...

‘Lovecraft Country’ 1×03: sem medo de experimentar ao máximo

Realmente parece que cada episódio de Lovecraft Country vai se configurar numa viagem a um lugar maluco e imprevisível. Depois de todas as doidices do episódio anterior, este terceiro, intitulado “Espírito Santo” (Holy Ghost), mantém a pegada maluca do seriado, mas...

‘Lovecraft Country’ 1×02: trama acelera além da conta

Depois do empolgante primeiro episódio da temporada de Lovecraft Country, o segundo tinha a difícil tarefa de sucedê-lo e manter a atenção do espectador. Isso é compreensível. Mas o que não se esperaria era que o segundo episódio fosse tão... cheio de coisas: são...

‘3%’ – Quarta Temporada: desfecho bonito de subestimada série da Netflix

"- A gente vai apagar a história.  - Não, a gente vai fazer história"  -- Pioneira das produções brasileiras na Netflix, ‘3%’ sempre apresentou como objetivo refletir o Brasil, principalmente, nos aspectos político e social. Desta forma, apesar de existirem temas...