Criado por Bram Stoker, Drácula já ganhou diversas versões com o passar do século, seja no cinema, animações, gibis, games e séries de televisão. Nesta versão em formato de minissérie, feita pela BBC com a Netflix, temos uma nova adaptação, uma (não tão) nova abordagem em uma versão que nos faz perguntar: por que diabos deixaram produzir isso?

A dupla Steven Moffat e Mark Gatiss, de “Sherlock”, implementa o mesmo modelo narrativo da série do detetive britânico em “Drácula”. São três episódios com cerca de uma 1h30 de duração em que acompanhamos o desenrolar da clássica trama até desandar em uma horrenda conclusão.

Uma nova visão a respeito de uma obra ou um personagem é sempre bem-vinda, principalmente quando os novos elementos e perspectivas são bem explorados, o que aqui não é o caso. As decisões tomadas a respeito de alguns dos personagens principais do livro clássico e seus destinos logo no primeiro episódio só não são um completo desastre, pois a caracterização e design de produção ajudam bastante. A paleta de cores sombria é correta, criando muito bem uma atmosfera claustrofóbica e opressora, no interior do Castelo do Conde.

A partir do segundo episódio conseguimos ter uma dimensão de como a série vai se sabotando. Os clichês e piadas se repetem a todo momento – entendemos o Drácula não beber vinho – além de um excessivo número de viradas na trama. Temos de personagem assumindo a identidade de uma pessoa e depois se arrependendo (não é preciso explicar a razão) a pessoas escapando da morte de maneira milagrosa. Apesar de ser uma personagem espirituosa, a irmã Agatha (Dolly Wells) precisa ter seus conflitos internos apresentados e resolvidos na mesma cena?! Fora soluções bizarras que desafiam qualquer lógica.

VERDADEIRA PERDA DE TEMPO

A ideia de apresentar o Drácula para o contexto atual não é nova, porém, aqui tem um potencial altamente desperdiçado. A inclusão da era digital na trama supostamente poderia render algo mais ambicioso, mas o roteiro resolve se entregar a um humor bizarro. Drácula lidando com celular, tablet, televisão e advogados para escapar de cárcere privado – ok, confesso que ri nessa, apesar dos absurdos.

Alçado ao sucesso mundial por “The Square”, Claes Bang até empresta dignidade ao personagem, fazendo o que pode para salvar a minissérie. O seu Drácula começa assustador e, aos poucos, vai se tornando canastrão. E o ato final é pavoroso, anticlimático, não sendo totalmente esquecível apenas por conta da frustração que ele causa.

Drácula passa a série toda dizendo que toma vidas; pensei que estava se referindo apenas às suas vítimas onde ele consume o sangue, mas, no fim, percebi que tinha me tornado mais uma delas. Um tempo que não recupero.  É sempre importante lembrar que Drácula é um Conde e, pelo título, merecia mais respeito.

‘Loki’: boa, porém desperdiçada, introdução ao multiverso Marvel

Após a excêntrica e divertida "Wandavision", a política e reflexiva "Falcão e o Soldado Invernal", a nova série da Marvel focada no Deus da Trapaça é uma ótima introdução para o que está por vir no Universo Cinematográfico Marvel (MCU). Entretanto, por conta do...

‘Elize Matsunaga – Era Uma Vez Um Crime’: misoginia brasileira escancarada

Duas coisas se destacam na minissérie “Elize Matsunaga: Era Uma Vez Um Crime”: o domínio patriarcal no Brasil e o estudo de personagem feito pela diretora Eliza Capai. A documentarista é responsável por produções que buscam investigar personagens femininas sem...

‘Dom’: história de amor paterno no meio do caos das drogas

Dom (2021), nova aposta da Amazon Prime, é uma série que desperta as mais diversas emoções. Livremente inspirado no romance homônimo escrito pelo titã Tony Belotto e também em O Beijo da Bruxa (2010), de Luiz Victor Lomba (pai do Pedro), a produção narra a história...

‘Solos’: minissérie joga fora todos seus promissores potenciais

A minissérie do Prime Video "Solos" busca se distanciar de comparações ao streaming concorrente. Para tanto, traz elementos de ficção científica e a relação da tecnologia com (e eventualmente versus) a humanidade em um futuro distópico. Nesse sentido, há uma...

‘Manhãs de Setembro’: Lineker encanta em busca pela independência

“Manhãs de Setembro” é uma série recém-lançada pelo Prime Vídeo e traz a cantora Liniker no papel da protagonista Cassandra, uma mulher trans que divide seu tempo como motogirl de um aplicativo de entrega e seu trabalho como cantora. Somos apresentados à personagem em...

‘Mare of Easttown’: Kate Winslet domina brilhante estudo de personagem

Mare Sheehan não encara um bom momento em sua vida. Ela é uma policial na faixa dos 40 anos na cidadezinha de Easttown, no estado americano da Pensilvânia, um daqueles locais onde todo mundo conhece todo mundo. Há cerca de um ano uma jovem desapareceu por lá, e Mare e...

‘O Caso Evandro’: uma narrativa macabra repleta de reviravoltas

São poucas histórias factuais com tantas reviravoltas a ponto de serem mais interessantes e impressionantes do que as narrativas de ficção. A série documental “Caso Evandro”, disponível na Globoplay, entretanto, apresenta um conto revelador sobre um Brasil repleto de...

‘The Underground Railroad’: comovente luta pela liberdade e contra o racismo

É muito difícil encontrar uma adaptação audiovisual de um livro que consiga superar a obra original. “The Underground Railroad”, entretanto, não apenas alcança este feito como também atribui novas perspectivas ao romance homônimo escrito pelo premiado Colson...

‘O Legado de Júpiter’: Netflix perde o bonde para ‘The Boys’

Levando em conta todo o conteúdo de super-heróis disponível hoje no terreno das séries de TV e streaming – e é bastante – ainda há muito espaço para o heroísmo, digamos, tradicional: embora brinquem com formatos e gêneros e adicionem algumas complexidades aqui e ali,...

‘Them’: ecos de ‘Poltergeist’ em incômoda série sobre racismo

No começo da década de 1980, Steven Spielberg e Tobe Hooper lançaram Poltergeist: O Fenômeno (1982), que acabaria se tornando um pequeno clássico do terror ao mostrar uma típica família norte-americana de um subúrbio californiano aparentemente perfeito enfrentando...