Ah, janeiro…  

Caro leitor, você não sente uma preguiça no comecinho de janeiro, como se o ano demorasse um pouco para engrenar depois das celebrações de dezembro? Eu sinto. E Hollywood também sente, pelo visto. O que vemos estrear no começo do ano, geralmente? Ora, filmes do Oscar, para a temporada de premiações, e alguns lançamentos nos quais os estúdios quase sempre não botam muita fé, para ver se eles arrecadam algum dinheiro numa época do ano menos tumultuada para estreias. É uma prática comum da indústria, que dá certo às vezes, do ponto de vista comercial, às vezes não. Por via das dúvidas, um senso comum que aprendemos depois de acompanhar a produção de Hollywood por algum tempo, é “cuidado com os idos de janeiro/fevereiro”. 

É o caso deste Ameaça Profunda. Segundo relatos, esta produção da 20th Century Fox foi filmada lá atrás, em 2017, ficou presa por um tempo na fusão Fox-Disney e só agora está sendo lançada nos multiplexes do mundo. Em janeiro. Ou seja, chega cercado de expectativas não muito boas. 

De fato, não é um filme bom. Mas não chega a ser realmente ruim: tem bons valores de produção – um ótimo trabalho de direção de arte e efeitos visuais – e uma ou outra cena com um suspense eficaz. É mais um clone de Alien (1979), o clássico de terror e ficção-científica de Ridley Scott, ambientado debaixo d’água. Se você já viu Alien, leitor, e consegue imaginar uma versão dele no fundo do mar, é provável que consiga conceber uma história bem semelhante ao deste Ameaça Profunda. Também lembra um pouco O Segredo do Abismo (1989), de James Cameron, que, aliás, dirigiu a continuação de Alien. O problema deste filme é a preguiça: ele é mais esquecível do que ruim. Alien realmente é um dos mais influentes filmes já feitos mas precisa seguir a cartilha dele tão à risca, sem apresentar quase nada de novo? 

Ameaça Profunda se inicia com um desastre numa estação mineradora no fundo do oceano. A heroína, Ripley – opa, não, Norah (vivida por Kristen Stewart) – assume o comando da situação e começa a reunir uns sobreviventes. Todos os personagens são definidos apenas por suas funções, assim como em Alien. Claro, tem o alívio cômico, feito por T. J. Miller, que desde a época das filmagens acabou virando pária em Hollywood por diversas polêmicas. Enfim… Para escapar, eles são forçados a percorrer uma distância até outra estação. No caminho, encontram uns aliens, opa, criaturas no escuro do fundo do mar que os vão pegando um a um. Em certo momento, os heróis encontram uma versão menor de um deles, parecido com aquele que saiu do peito do John Hurt, completo com muco e tudo. Em outra cena, um monstro maior tenta comer o rosto da heroína. No final, Norah fica de calcinha, igual à Ripley no desfecho do seu filme. Ainda bem que Ameaça e Alien pertencem ao mesmo estúdio… 

KRISTEN SE SALVA 

Se o roteiro de Brian Duffield e Adam Cozad não ganha pontos por originalidade ou mesmo esforço – São muito bobocas as cenas em que os personagens tentam “conversar sobre suas emoções” durante a correria para sobreviver – a direção de William Eubank, do razoável suspense de ficção-científica O Sinal (2014), ao menos trabalha para criar um pouco de tensão em alguns minutos. As cenas iniciais da destruição da estação realmente prendem a atenção e Eubank capta o caos de maneira impactante, mesclando computação gráfica com elementos rodados na set. Mas… É pouco. Acaba que o filme, por ser ambientado no escuro e debaixo d’água, não oferece tantas possibilidades visuais e a montagem, junto com a encenação, cria momentos de confusão visual. Em certas cenas fica difícil de saber qual personagem está de fato em perigo, ou como alguns escapam dele. 

O que resta é o elenco, fazendo o que pode para justificar seus pagamentos. O filme tem bons atores – Vincent Cassell, Jessica Henwick de Punho de Ferro e John Gallagher Jr., que passa quase o tempo todo deitado. Gallagher inclusive participou de um terror/sci-fi bem melhor que este aqui, Rua Cloverfield, 10 (2016), há alguns anos, e é até divertido imaginar Ameaça como parte do “universo cinematográfico Cloverfield”. Será que o J. J. Abrams leu este roteiro? 

No centro de tudo está Kristen Stewart, cada vez mais uma presença interessante. Ela já admitiu que anda fazendo papeis em grandes produções para viabilizar uns pequenos dramas independentes que parecem ser a sua real paixão desde o fim da sua fase Crepúsculo. Até agora isso não vem dando muito certo para ela, mas seu jeito meio alienígena torna este Ameaça Profunda um pouco mais interessante do que seria sem ela como protagonista. Stewart tem uma atuação intensa e focada; ela corre, pula, prende a respiração e leva o filme nas costas. 

Mas no fim das contas, é um esforço meio inútil. Pelo menos Ameaça Profunda é um filme B curto – cerca de uma hora e meia – e que, por ser despretensioso, acaba até quase entretendo. Existem outros filmes, maiores e mais inchados, que poderiam se beneficiar desse tipo de abordagem. Dez minutos depois de sair da sessão, você já o esqueceu. Este parece ser o destino de muitos lançamentos hollywoodianos do começo do ano nos multiplexes. Dá uma preguiça de sair pro cinema nessa época… É melhor ficar na cama, no ar condicionado, com uma boa companhia, revendo Alien. 

Oscar: 10 Atuações Internacionais que Mereciam Indicações

Em 1960, Sophia Loren foi a pioneira a ganhar o Oscar por uma atuação em um filme de língua não-inglesa com “Duas Mulheres”. Astros como Marcello Mastroianni, Liv Ulmann, Valentina Cortese, Isabelle Adjani, Gerard Depardieu, Roberto Benigni, Javier Bardem, Penélope...

Oscar: TOP 10 Indicações Improváveis de 2000-2021

Caio Pimenta apresenta uma lista com as indicações mais improváveis nas categorias de atuação do Oscar entre 2000 a 2021.  https://www.youtube.com/watch?v=RbqTgQVZch0 10. MARINA DE TAVIRA, por "ROMA"  Depois de levar o Leão de Ouro do Festival de Veneza e chegar com o...

Festival de Cannes: Quem Sai Forte para o Oscar 2022?

Caio Pimenta apresenta quais produções saíram fortes do Festival de Cannes deste ano para a disputa do Oscar 2022. https://www.youtube.com/watch?v=RIdRxxmSWrA MELHOR FILME https://www.youtube.com/watch?v=ZMgvkuhVWfc Maior evento do cinema europeu, o Festival de Cannes...

Oscar Bait: os 10 Maiores casos dos últimos anos

De Glenn Close a “Nasce uma Estrela”, Caio Pimenta analisa quais os 10 maiores Oscar bait dos últimos anos.  https://www.youtube.com/watch?v=ypWD-gfjnMY 10. JENNIFER LAWRENCE, por “JOY” Teve uma época em que bastava a Jennifer Lawrence lançar um filme e o Oscar a...

Oscar: 10 Filmes que não deram sorte na Premiação

Grandes clássicos do cinema não deram sorte no Oscar seja por concorrer contra um mega favorito ou estar no meio de uma disputa entre dois candidatos fortes. Neste vídeo, Caio Pimenta traz 10 filmes que passaram por essa situação....

Oscar: O Épico Duelo Sean Penn x Mickey Rourke

Dois galãs surgidos nos anos 1980, Sean Penn e Mickey Rourke tiveram trajetórias bem diferentes ao longo da carreira, mas, se encontraram para uma disputa acirrada no Oscar 2009 de Melhor Ator. Com direito até tretas, Caio Pimenta traz como foi essa disputa e se o...

Oscar: TOP 10 Atuações Esnobadas entre 2011 a 2021

De Greta Gerwig a Leonardo DiCaprio, Caio Pimenta apresenta 10 grandes atuações esnobadas de indicações no Oscar entre 2011 e 2021. https://www.youtube.com/watch?v=AW1s2P7Hlwk 10. ROBERT DE NIRO, por "O IRLANDÊS"  “O Irlandês” foi perdendo força ao longo da temporada...

Oscar: Os Melhores Duelos Dos Últimos 30 Anos

Há anos em que um filme sobra no Oscar: ocorreu com “O Silêncio dos Inocentes”, “A Lista de Schindler” e “Titanic”. Porém, há outras temporadas em que dois ou três filmes brigam pesado pela estatueta.   Caio Pimenta apresenta as 10 melhores disputas desde a década de...

Oscar: TOP 10 Atuações Indicadas que Nunca Venceriam

Sabe aqueles trabalhos muitos bons de atores consagrados indicados ao Oscar, mas, que, na hora da festa, a gente sabe que não vão levar o prêmio? Separei 10 casos dos últimos 20 anos neste novo vídeo do Cine Set.  https://www.youtube.com/watch?v=OES9Pp4j7Rs ELLEN...

Oscar: A Virada histórica de ‘Menina de Ouro’ sobre ‘O Aviador’

O Oscar 2005 entrou para a história como uma das disputas mais acirradas. O resultado foi a vitória de “Menina de Ouro” em Melhor Filme e Direção com Clint Eastwood. Agora, como isso aconteceu? E foi um resultado justo ou não?...