Em 26 de novembro de 2008, terroristas paquistaneses iniciaram uma série de ataques em solo indiano que chegaram a durar quatro dias. Bombaim, a cidade atingida, virou de cabeça para baixo devido a mais de uma centena de mortes e ao terror. Um dos maiores alvos foi o famoso Hotel Taj Mahal, devido à quantidade de turistas de várias partes do mundo hospedados. Terroristas armados com rifles e granadas, e recebendo instruções por telefone, invadiram o hotel, saíram matando funcionários e hóspedes e fizeram reféns. Os eventos daquele terrível momento, com ênfase nas 12 horas em que transcorreram o drama do hotel, são recontados em Atentado ao Hotel Taj Mahal, co-produção entre Índia e Austrália comandada pelo diretor Anthony Marras.

Trata-se de um perfeito exemplar de “cine-mundi”: na produção e no elenco, há pessoas de várias nacionalidades. Durante a projeção, diferentes línguas são ouvidas: definitivamente não é um filme daqueles onde todo mundo fala inglês. Dentre os atores, temos alguns rostos conhecidos: Dev Patel, Armie Hammer, Jason Isaacs… Mas esses nomes estão ali em nome da história, da recriação daquele momento histórico. Isso é o mais importante. As atuações, completamente naturalistas, servem a esse propósito.

E felizmente, Marras e sua equipe demonstram respeito e inteligência ao efetuar essa recriação. Pegando inspiração em lições de cineastas que abordaram o tema do terrorismo e recriaram eventos parecidos, como o italiano Gillo Pontecorvo e o inglês Paul Greengrass, Marras mantém sua câmera em movimento, como um observador camuflado, seguindo personagens, escondendo-se quando eles se escondem, tranquila no início do filme e mais desesperada no final. Ele não chega realmente a desenvolver nenhum personagem dentro da narrativa – o de Patel é o único que apresenta um pequeno, e tocante, desenvolvimento. E ainda bem, nenhum personagem é transformado em herói de ação. Mas nota-se que esse não é o objetivo do diretor. Seu objetivo é o de imergir no momento, no evento, e nisso ele é muito bem auxiliado pelo trabalho fluido de montagem – O próprio Marras é creditado como montador, ao lado de Peter McNulty.

IMERSÃO TOTAL

É um filme forte, até difícil de assistir em alguns momentos: algumas das melhores cenas se configuram em verdadeiros exercícios de suspense. Praticamente todas as cenas envolvendo um bebê e sua babá se escondendo dos assassinos provocam um grande nervosismo. Atentado ao Hotel Taj Mahal não se furta a recriar a barbárie, e em nome disso até joga algumas surpresas ao espectador: nem os atores famosos do filme e seus personagens estão imunes à morte, e quase sempre ela vem rápida e sem sentido.

Apesar dessas qualidades, o filme acaba incorrendo também em alguns estereótipos meio típicos do cinema: há o ricaço russo misterioso, um dos terroristas sofre de uma pequena crise de consciência – uma tentativa até louvável de injetar um pouco de profundidade aos vilões da trama, mas que acaba não sendo tão desenvolvida. Mesmo com esses deslizes, o filme acaba nos trazendo de volta à experiência, com uma cena bastante dramática ou com o uso pontual e inteligente de noticiários da época que servem para fornecer informações ao espectador.

O tom do filme é apolítico, na verdade. O roteiro não explora de fato as razões por trás dos atentados, nem o espectador sai da sessão com uma compreensão um pouco maior da sempre complicada relação entre Índia e Paquistão. O resultado é uma experiência não muito profunda, mas que consegue encontrar – e celebrar – alguns momentos de coragem e humanidade entre o terror e a carnificina. E acima de tudo, Atentado ao Hotel Taj Mahal sobrevive como cinema e pelas suas cenas tensas e fortes, que devem ficar por um bom tempo na memória do espectador.

Heitor Dhalia: ““Anna” foi um filme desafiado pelo seu tempo”

Um nome importante do meio artístico utilizando seu prestígio para promover um ambiente tóxico de trabalho ao promover abusos morais e até sexuais a seus subordinados. Não, ainda não se trata da cinebiografia de Harvey Weinstein e sim do mote principal de “Anna”, novo...

Lucas Salles: “filmes como ‘Missão Cupido’ trazem a esperança de um final feliz”

Vindo de uma geração marcada pela transformação tecnológica, Lucas Salles é um bom exemplo de artista multiplataforma. Já foi repórter do 'CQC' e do 'Pânico na Band', realiza stand-up comedy no teatro, foi apresentador da "A Fazenda Online" e também investe na...

Lírio Ferreira: “‘Acqua Movie’ é uma extensão espiritual de ‘Árido Movie’”

A Retomada do Cinema Brasileiro viu surgir uma nova geração de diretores pernambucanos com impacto de influenciar e referenciar a produção nacional fora do eixo Rio-São Paulo. Lírio Ferreira abriu as portas em 1997 com o já clássico “Baile Perfumado”. Ao som do mangue...

Ricardo Calil: ‘Cine Marrocos’ simboliza os desencontros do Brasil com a cultura e os sem-tetos’

Ricardo Calil ficou conhecido como documentarista de grandes filmes sobre a música e a cultura brasileira. São dele produções como “Uma Noite em 67” sobre o célebre Festival da Record com estrelas como Roberto Carlos, Chico Buarque, Os Mutantes e Gilberto Gil; “Eu Sou...

Gustavo Pizzi: “‘Gilda’ representa a luta contra a imposição externa sobre a própria vida”

No Brasil 2021 de Jair Bolsonaro, uma mulher livre, dona do próprio corpo e contrária a opressão masculina incomoda muita gente. “Os Últimos Dias de Gilda”, série disponível na Globoplay, mostra muito bem isso.  A produção exibida na Berlinale Series neste ano estreou...

Júlia Rezende: “’Depois a Louca Sou Eu’” pode ser uma ponte de diálogo sobre a ansiedade’

“Meu Passado me Condena 1 e 2”, “Ponte Aérea” e “Uma Namorado para a Minha Mulher”. Todos os estes filmes são sucessos recentes da comédia romântica brasileira dirigidas pela Júlia Rezende. E ela está chegando nos cinemas com “Depois a Louca Sou Eu” com a Débora...

Arnaldo Barreto: a experiência de um longa gravado na Fordlândia

Comemorando 30 anos de carreira na cultura amazonense, Arnaldo Barreto se lançou em um de seus maiores desafios nesta trajetória: dirigir o longa-metragem “Entre Nós”. O drama de época foi lançado no fim de 2020 em uma sessão especial em Manaus e deve seguir o caminho...

Giona A. Nazzaro: ‘A Cinemateca Brasileira pode contar com todo o apoio do Festival de Locarno’

2021 ainda é um ano cheio de mistérios para os eventos cinematográficos, muitos dos quais foram cancelados, reduzidos ou virtualizados este ano por conta da pandemia do coronavírus. O Festival de Locarno, um dos maiores do mundo, vai encarar esse desafio sob nova...

Bárbara Paz: ‘Babenco’ é um poema visual em preto e branco’

Como se alivia uma dor? Nas palavras de Bárbara Paz, é “contando uma história”. No caso dela, a história a ser contada realmente envolveu muita dor. Em “Babenco - Alguém Tem Que Ouvir o Coração e Dizer: Parou”, a atriz e diretora celebra a história de Hector Babenco,...

Maya Da-Rin: ‘’A Febre’ não teria sido possível sem os artistas do Amazonas’

Manaus volta a ganhar as telas dos cinemas brasileiros com a chegada de “A Febre”. Em cartaz desde o dia 12 de novembro, a produção, falada em tukano e português, traz a região metropolitana entre a imposição do modelo capitalista advindo da Zona Franca de Manaus e...