Após episódios monótonos, “Boto” deu uma leve avançada nos capítulos 6 e 7, em exibição na TV Ufam (Canal 8 na Net Digital) até a próxima quinta-feira (11). Grande parte disso se deve ao foco prioritário nos relacionamentos entre os cinco protagonistas, aprofundando seus conflitos, diferenças e as angústias.  

Intitulado “Biquíni”, o sexto episódio inicia com Betina (Dinne Queiroz) vagando pelo Centro de Manaus após fugir do hospital. Preocupados, os quatro amigos resolvem sair à procura dela, indo muito além da capital amazonense. Dentro do expediente adotado por “Boto” até aqui, não é preciso ser um ás do roteiro para saber que teremos aquele tour por Manaus: Museu da Cidade, os grafittes dos viadutos da Constantino Nery, Praça do Congresso e da Polícia, Avenida Getúlio Vargas estão no roteiro da vez. Mesmo que não tenha tanta utilidade assim para a narrativa, não nego que seja charmoso ver a cidade representada tão bem em todas suas potências e incongruências. 

LEIA TAMBÉM: Crítica: ‘Boto’ – Episódios 1, 2 e 3: O Protagonismo da Enigmática Manaus

A grande força do episódio se apresenta quando o grupo chega nas cachoeiras de Presidente Figueiredo. As tensões decorrentes do namoro de Betina com Valdomiro (Lucas Wickhaus), devido aos questionamentos em relação à própria identidade de gênero dele, crescem a um ponto de explodirem em tela, o que acaba por ter reflexo em Alex (Renan Tenca) e Giordano (Ítalo Almeida). “Biquíni” deixa claro o quanto “Boto” funciona mais ao focar em seu quinteto de protagonistas e em suas relações como um grupo e não apenas em seus pequenos núcleos. Não é por acaso o capítulo trazer a cena mais singela da série até aqui ao mostrá-los brincando nas cachoeiras. 

LINDA, LINDA, MAS… 

Já o sétimo episódio, “Neve em Manaus” mantém o foco nos conflitos em alta entre Betina e Valdomiro ao mesmo tempo em que amplifica o drama do rapaz ao mostrar o rompimento do contrato com o Maracutaia´s Bar após a ausência dele em um show de Val dos Prazeres – aliás, destaco aqui a divertida aparição de Thaís Vasconcelos como Antônia em sua mistura de português com inglês embromation e também de Eric Lima como Jonas, sempre elétrico no palco.  

Chama atenção também como, mesmo diante de um discurso progressista de liberdade sexual e relacionamentos abertos, o sentimento de posse e a idealização do amor ainda persistem naqueles jovens e as quebras destas confianças os machucam de forma como não imaginavam ser capazes, algo elaborado de forma sutil pelo roteiro da série. 

LEIA TAMBÉM: Crítica: ‘Boto’ – Episódios 4 e 5: Ou Pode Chamar de ‘Aquela Estrada 2’

Por outro lado, de todos os protagonistas, Lara é quase uma nulidade. Tira fotos, passeia, vai para lá e vai para cá, plana por Manaus, como diz Alex em um poema no meio do episódio. Ela envolve-se sem se envolver, não se irrita nem apresenta nenhum tipo de dilema existencial. Talvez possa ser o ‘Boto’, mas, para tanto, precisaria de um certo encanto. Ah, mas, ela é bela. Sim, de fato, é linda, mas, poderia ir além disso para entregar o mínimo de personalidade. A idealização de Lara elevada ao ápice em “Neve em Manaus” apenas deixa claro como Daniela Blois pouco pode fazer com o que tem em mãos. 

Quem sabe isso não muda nos episódios 8 e 9 de “Boto”? As exibições iniciam na próxima sexta-feira (12), a partir das 23h, dentro do programa Cine Narciso Lobo. 

‘O Buraco’: violência como linguagem da opressão masculina

Em vários momentos enquanto assistia “O Buraco”, novo filme de Zeudi Souza, ficava pensando em “Enterrado no Quintal”, de Diego Bauer. Os dois filmes amazonenses trazem como discussão central a violência doméstica. No entanto, enquanto “Enterrado” apresenta as...

‘No Dia Seguinte Ninguém Morreu’: a boa surpresa do cinema do Amazonas em 2020

“No Dia Seguinte Ninguém Morreu” é, sem dúvida, uma das mais gratas surpresas do cinema produzido no Amazonas nos últimos anos. Esta frase pode parecer daquelas bombásticas para chamar a sua atenção logo de cara, mas, quem teve a oportunidade de assistir ao...

‘O Estranho Sem Rosto’: suspense psicológico elegante fica no quase

Lucas Martins foi uma grata surpresa da Mostra do Cinema Amazonense de 2016 com “Barulhos”. Longe dos sustos fáceis, o curta de terror psicológico apostava na ambientação a partir de um clima de paranoia para trabalhar aflições sociais provenientes da insegurança...

‘Tucandeira’: Jimmy Christian faz melhor filme desde ‘Bodó com Farinha’

Fazia tempo que Jimmy Christian não entregava um curta tão satisfatório como ocorre agora com “Tucandeira”. O último bom filme do diretor e fotógrafo amazonense havia sido “Bodó com Farinha” (2015) sobre todo o processo de pesca, cozimento e importância do famigerado...

‘Jackselene’: simbólico curta na luta pelo aprendizado do audiovisual em Manaus

Sem uma faculdade ou escola de cinema regular desde o fechamento do curso técnico de audiovisual da Universidade do Estado do Amazonas após míseras duas turmas formadas, os aspirantes a cineastas em Manaus recorrem a iniciativas de curta duração. Artrupe, Centro...

‘A Ratoeira’: percepções sensoriais do calor e da cultura manauara

São muito variantes as percepções que se tem de “A Ratoeira”, curta de Rômulo Sousa (“Personas” e “Vila Conde”) selecionado para o Festival Guarnicê 2020. Em seu terceiro projeto como diretor, ele entrega uma obra que experimenta várias construções cinematográficas e...

‘Enterrado no Quintal’: sabor amargo de que dava para ser maior

Tinha tudo para dar certo: Diego Bauer, recém-saído do ótimo “Obeso Mórbido”, adaptando um conto de Diego Moraes, escritor amazonense cercado de polêmicas, mas, de uma habilidade ímpar para construção de narrativas altamente descritivas, sarcásticas, sem qualquer tipo...

‘O Barco e o Rio’: angústias e desejos sufocados compõem ótimo filme

O Amazonas fechou a mostra competitiva de curtas-metragens brasileiros do Festival de Gramado 2020 com “O Barco e o Rio”. Quarto filme da carreira de Bernardo Ale Abinader, o projeto se mostra um salto evolutivo enorme dentro da filmografia do diretor/roteirista,...

‘Atordoado, Eu Permaneço Atento’: registro arrepiante da ditadura brasileira

O Brasil parece ser um país em que o passado e o presente vêm convergindo nos últimos tempos, e nesse contexto, o curta-metragem Atordoado, Eu Permaneço Atento, co-dirigido por Lucas H. Rossi dos Santos em parceria com o realizador amazonense Henrique Amud, chega como...

‘Manaus Hot City’: experiência afetiva, melancólica, quente e sensorial

Com pouco mais de 10 anos na direção de curtas-metragens de ficção, Rafael Ramos já trilhou os mais diversos rumos indo do convencional de “A Segunda Balada” e “A Menina do Guarda-Chuva" até o lisérgico de “Aquela Estrada”. Todos estes caminhos convergem para “Manaus...