Após episódios monótonos, “Boto” deu uma leve avançada nos capítulos 6 e 7, em exibição na TV Ufam (Canal 8 na Net Digital) até a próxima quinta-feira (11). Grande parte disso se deve ao foco prioritário nos relacionamentos entre os cinco protagonistas, aprofundando seus conflitos, diferenças e as angústias.  

Intitulado “Biquíni”, o sexto episódio inicia com Betina (Dinne Queiroz) vagando pelo Centro de Manaus após fugir do hospital. Preocupados, os quatro amigos resolvem sair à procura dela, indo muito além da capital amazonense. Dentro do expediente adotado por “Boto” até aqui, não é preciso ser um ás do roteiro para saber que teremos aquele tour por Manaus: Museu da Cidade, os grafittes dos viadutos da Constantino Nery, Praça do Congresso e da Polícia, Avenida Getúlio Vargas estão no roteiro da vez. Mesmo que não tenha tanta utilidade assim para a narrativa, não nego que seja charmoso ver a cidade representada tão bem em todas suas potências e incongruências. 

LEIA TAMBÉM: Crítica: ‘Boto’ – Episódios 1, 2 e 3: O Protagonismo da Enigmática Manaus

A grande força do episódio se apresenta quando o grupo chega nas cachoeiras de Presidente Figueiredo. As tensões decorrentes do namoro de Betina com Valdomiro (Lucas Wickhaus), devido aos questionamentos em relação à própria identidade de gênero dele, crescem a um ponto de explodirem em tela, o que acaba por ter reflexo em Alex (Renan Tenca) e Giordano (Ítalo Almeida). “Biquíni” deixa claro o quanto “Boto” funciona mais ao focar em seu quinteto de protagonistas e em suas relações como um grupo e não apenas em seus pequenos núcleos. Não é por acaso o capítulo trazer a cena mais singela da série até aqui ao mostrá-los brincando nas cachoeiras. 

LINDA, LINDA, MAS… 

Já o sétimo episódio, “Neve em Manaus” mantém o foco nos conflitos em alta entre Betina e Valdomiro ao mesmo tempo em que amplifica o drama do rapaz ao mostrar o rompimento do contrato com o Maracutaia´s Bar após a ausência dele em um show de Val dos Prazeres – aliás, destaco aqui a divertida aparição de Thaís Vasconcelos como Antônia em sua mistura de português com inglês embromation e também de Eric Lima como Jonas, sempre elétrico no palco.  

Chama atenção também como, mesmo diante de um discurso progressista de liberdade sexual e relacionamentos abertos, o sentimento de posse e a idealização do amor ainda persistem naqueles jovens e as quebras destas confianças os machucam de forma como não imaginavam ser capazes, algo elaborado de forma sutil pelo roteiro da série. 

LEIA TAMBÉM: Crítica: ‘Boto’ – Episódios 4 e 5: Ou Pode Chamar de ‘Aquela Estrada 2’

Por outro lado, de todos os protagonistas, Lara é quase uma nulidade. Tira fotos, passeia, vai para lá e vai para cá, plana por Manaus, como diz Alex em um poema no meio do episódio. Ela envolve-se sem se envolver, não se irrita nem apresenta nenhum tipo de dilema existencial. Talvez possa ser o ‘Boto’, mas, para tanto, precisaria de um certo encanto. Ah, mas, ela é bela. Sim, de fato, é linda, mas, poderia ir além disso para entregar o mínimo de personalidade. A idealização de Lara elevada ao ápice em “Neve em Manaus” apenas deixa claro como Daniela Blois pouco pode fazer com o que tem em mãos. 

Quem sabe isso não muda nos episódios 8 e 9 de “Boto”? As exibições iniciam na próxima sexta-feira (12), a partir das 23h, dentro do programa Cine Narciso Lobo. 

‘Sol, Pipoca e Magia’: série resgata Joaquim Marinho e a história cultural de Manaus

A websérie documental “Sol, pipoca e magia” se debruça sobre a história de Joaquim Marinho, um dos grandes nomes da cultura amazonense, tendo trabalhado em várias áreas artísticas como agitador e produtor cultural. A obra apresenta a trajetória de Marinho desde a...

‘Sidney Rezende: Meu Enquanto Canto’: doc. frio de lenda do boi-bumbá

O documentário “Sidney Rezende: Meu Enquanto Canto” introduz o espectador à história de um dos principais compositores de toadas, bastante identificado com o boi Garantido (mas também com passagem pelo Caprichoso) que empresta seu nome ao título da obra. O filme é,...

‘A Hespanhola’: choque da alegoria restrita à mesma bolha

Em 2018, lembro-me de discutir com meu então mentor do programa para formação de críticos do Talent Press Rio, o português Luis Oliveira. O tópico: “Infiltrado na Klan”, de Spike Lee. Na ocasião, ele defendia que o filme não era bom por ser isento de qualquer sutileza...

‘O Colar’: pedaços de grande filme ficam pelo caminho

O Festival Olhar do Norte acompanha com lupa a trajetória de Romulo Souza. Afinal, em todas as edições do evento, há um filme do jovem diretor e roteirista amazonense atualmente radicado em Santa Catarina. Na primeira edição foi “Personas”, documentário para além da...

‘Mestres da Tradição na Terra do Guaraná’: tema fascinante perde-se em pequenos excessos

O curta documentário “Mestres da Tradição na Terra do Guaraná”, com direção de Ramon Morato, foca nos músicos que mantêm vivos os ritmos de cancioneiro interiorano amazonense. São canções e ritos comunitários, cujas raízes remontam a culturas indígenas e...

‘Reflexos da Cheia’: uma viagem às origens do cinema dentro do Teatro Amazonas

Durante os nove minutos de “Reflexos da Cheia”, o público do Teatro Amazonas vivenciou uma oportunidade de viajar no tempo na terceira noite do Festival do Olhar do Norte. Engana-se quem deduz que este retorno faz referência apenas ao espantoso período de subida...

‘Cercanias / Gatos’: o universo felino e pitoresco de um condomínio de Manaus

“A Terra Negra dos Kawá” deixou a clara impressão de que Sérgio Andrade estava se repetindo em temas já abordados em “A Floresta de Jonathas” e “Antes o Tempo Não Acabava”. Parecia que os caminhos traçados até ali tinham se esgotado, tornando-se urgente e necessário...

‘Stone Heart’: frieza tira potência da mensagem

Vou abrir meu coração, caro leitor: “Stone Heart” me deixa diante de um impasse. De um lado, impossível não ressaltar o que o filme representa um avanço técnico inegável para o ainda incipiente setor da animação no Amazonas, especialmente, do ponto de vista técnico –...

‘A Bela é Poc’: afeto como resposta à violência manauara

Chega a ser sintomático como a violência de Manaus ganha protagonismo nas telas neste grande ano do cinema amazonense. Na brutalidade do marido contra a esposa em “O Buraco”, de Zeudi Souza, passando pela fúria surrealista de “Graves e Agudos em Construção”, de Walter...

‘Kandura’: documentário formal para artista nada comum

 Tive a honra de entrevistar duas vezes Selma Bustamante: a primeira foi na casa dela sobre o lançamento de “Purãga Pesika”, curta-metragem em documentário dirigido por ela em parceria com César Nogueira. A segunda foi para o programa “Decifrar-te”, da TV Ufam, no...