Velhos dilemas (ou dilemas velhos?) sobre Manaus formam a base de “De Costas pro Rio”. Dirigido por Felipe Aufiero, diretor amazonense radicado em Curitiba há mais de uma década e co-fundador da produtora Casa Livre Produções, o curta-metragem de 16 minutos aborda a cidade em franca expansão, mas, que ao mesmo tempo, esquece suas raízes, identidades e passado. Uma meta ambiciosa demais para uma execução desencontrada. 

A história acompanha Pietro (Victor Kaleb), um jovem nascido em Manaus, voltando para a capital amazonense após ser convocado por um espírito da floresta para salvar a cidade da destruição da Cobra Grande. Para tanto, ele terá a missão de fazer as pessoas resgatarem este passado através de memórias afetivas e lendas, lembrando as origens manauaras. 

AFETO, IDENTIDADE, MEMÓRIA 

“De Costas pro Rio” busca ser um projeto híbrido, ou seja, transitar de maneira fluida entre o documentário e a ficção, ainda que o foco esteja mais neste último. Para dar certo, porém, é necessário que o equilíbrio entre os dois funcione muito bem e ambos sejam bem construídos; caso contrário, ocorre uma autossabotagem não intencional, pois, o que funciona melhor perde força diante das falhas do que deu errado e vice-versa. Eis o ponto de Aquiles do curta. 

Toda a parte documental do projeto traz uma riqueza identitária, memorial, afetiva da construção de uma cidade. Nela, ouvimos a história do Curupira contada na infância de um hoje jovem adulto; um senhor de origem italiana falando sobre a decisão de vir para Manaus e as diferenças gastronômicas encontradas por aqui; e, por fim, uma garota com pouco mais de 18 anos recordando de uma época em que determinada rua não tinha asfalto e tudo era barro.  

Esta construção ganha força pela direção de fotografia de César Nogueira (“Purãga Pesika”), capaz de registros preciosos de pequenos detalhes e observações agudas seja de casarões abandonados com janelas quebradas, dos orelhões vandalizados, da fiação elétrica desorganizada em contraste aos prédios históricos de beleza arquitetônica europeia. Nada mais simbólico desta cidade quase esquizofrênica. São momentos tão potentes que minimizam a ‘necessidade’ desnecessária de rebater nosso complexo de inferioridade ao quadrado – o brasileiro e o amazônico – de como Manaus é uma cidade com 2 milhões de habitantes onde jacarés não andam pelas ruas, como dito por alguns entrevistados na reta final de “De Costas Pro Rio”. 

AONDE QUER CHEGAR? 

Por outro lado, a parte ficcional diminui grande parte do impacto de “De Costas Pro Rio”. A sequência inicial com Anderson Kary Bayá (ator indígena protagonista de “Antes o Tempo Não Acabava” e “A Terra Negra dos Kawá”) tentando acompanhar/imitar/interpretar ‘apenas’ Luciano Pavarotti na ópera “Caruso (Te Voglio Bene Assai)” ao lado do Teatro Amazonas já mostra o tamanho da pretensão objetivada por Aufiero. O roteiro criado por ele sabe onde quer chegar, mas, não necessariamente como fazer para percorrer o caminho.  

A angústia transmitida por Victor Kaleb a Pietro passa longe de encontrar vazão no que se vê em tela por ser um personagem o qual não temos muitos elementos para criar qualquer tipo de ligação com o drama dele. A conversa com a mãe interpretada por Koia Refskalefsky até insinua esse desenvolvimento ao remeter ao passado dos dois, mas, o desfecho frustrante joga tudo à estaca zero novamente. A cereja do bolo, entretanto, fica para o didatismo à la Christopher Nolan em que não se confia no público e precisa-se dizer tudo literalmente. Claro que estou falando do nonsense encontro entre Pietro e Eduardo Ribeiro (sim, ele mesmo, o primeiro governador do Amazonas no século XIX) e da música dos créditos finais. 

Selecionado para o 24º Festival de Cinema de Avanca, em Portugal, “De Costas Pro Rio” é um projeto irregular com problemas característicos de um jovem diretor – pequenos excessos, didatismo, falta de unidade -, porém, também consegue trazer momentos realmente inspirados, capazes de indicar rumos futuros promissores se bem trabalhados. Mesmo assim, como valor histórico para uma cidade incapaz de olhar para si longe de complexos como Manaus, acaba por ser uma experiência válida. 

‘Sol, Pipoca e Magia’: série resgata Joaquim Marinho e a história cultural de Manaus

A websérie documental “Sol, pipoca e magia” se debruça sobre a história de Joaquim Marinho, um dos grandes nomes da cultura amazonense, tendo trabalhado em várias áreas artísticas como agitador e produtor cultural. A obra apresenta a trajetória de Marinho desde a...

‘Sidney Rezende: Meu Enquanto Canto’: doc. frio de lenda do boi-bumbá

O documentário “Sidney Rezende: Meu Enquanto Canto” introduz o espectador à história de um dos principais compositores de toadas, bastante identificado com o boi Garantido (mas também com passagem pelo Caprichoso) que empresta seu nome ao título da obra. O filme é,...

‘A Hespanhola’: choque da alegoria restrita à mesma bolha

Em 2018, lembro-me de discutir com meu então mentor do programa para formação de críticos do Talent Press Rio, o português Luis Oliveira. O tópico: “Infiltrado na Klan”, de Spike Lee. Na ocasião, ele defendia que o filme não era bom por ser isento de qualquer sutileza...

‘O Colar’: pedaços de grande filme ficam pelo caminho

O Festival Olhar do Norte acompanha com lupa a trajetória de Romulo Souza. Afinal, em todas as edições do evento, há um filme do jovem diretor e roteirista amazonense atualmente radicado em Santa Catarina. Na primeira edição foi “Personas”, documentário para além da...

‘Mestres da Tradição na Terra do Guaraná’: tema fascinante perde-se em pequenos excessos

O curta documentário “Mestres da Tradição na Terra do Guaraná”, com direção de Ramon Morato, foca nos músicos que mantêm vivos os ritmos de cancioneiro interiorano amazonense. São canções e ritos comunitários, cujas raízes remontam a culturas indígenas e...

‘Reflexos da Cheia’: uma viagem às origens do cinema dentro do Teatro Amazonas

Durante os nove minutos de “Reflexos da Cheia”, o público do Teatro Amazonas vivenciou uma oportunidade de viajar no tempo na terceira noite do Festival do Olhar do Norte. Engana-se quem deduz que este retorno faz referência apenas ao espantoso período de subida...

‘Cercanias / Gatos’: o universo felino e pitoresco de um condomínio de Manaus

“A Terra Negra dos Kawá” deixou a clara impressão de que Sérgio Andrade estava se repetindo em temas já abordados em “A Floresta de Jonathas” e “Antes o Tempo Não Acabava”. Parecia que os caminhos traçados até ali tinham se esgotado, tornando-se urgente e necessário...

‘Stone Heart’: frieza tira potência da mensagem

Vou abrir meu coração, caro leitor: “Stone Heart” me deixa diante de um impasse. De um lado, impossível não ressaltar o que o filme representa um avanço técnico inegável para o ainda incipiente setor da animação no Amazonas, especialmente, do ponto de vista técnico –...

‘A Bela é Poc’: afeto como resposta à violência manauara

Chega a ser sintomático como a violência de Manaus ganha protagonismo nas telas neste grande ano do cinema amazonense. Na brutalidade do marido contra a esposa em “O Buraco”, de Zeudi Souza, passando pela fúria surrealista de “Graves e Agudos em Construção”, de Walter...

‘Kandura’: documentário formal para artista nada comum

 Tive a honra de entrevistar duas vezes Selma Bustamante: a primeira foi na casa dela sobre o lançamento de “Purãga Pesika”, curta-metragem em documentário dirigido por ela em parceria com César Nogueira. A segunda foi para o programa “Decifrar-te”, da TV Ufam, no...