Após um evento traumático, uma dubladora se vê às voltas com um estranho fenômeno em “El Prófugo”, suspense argentino que estreou na Berlinale e foi exibido no Festival de Londres deste ano. Depois de brincar com a comédia policial em seu primeiro longa “Morte em Buenos Aires”, a diretora Natalia Meta faz uma releitura do giallo – estilo de suspense popular na Itália nos anos 70 – em seu novo projeto.

Nele, Inés (Érica Rivas, a fantástica noiva em fúria de “Relatos Selvagens“), uma soprano que divide seu tempo entre o palco e o estúdio de dublagem, se sente sufocada dentro de um relacionamento sem sentido com Leopold (Daniel Handler), que se mata após uma briga. Ela tenta superar o trauma, mas sua voz não é mais a mesma, frequências estranhas começam a surgir em suas gravações e um músico enigmático, Alberto (Nahuel Pérez Biscayart, de “120 Batimentos por Minuto“), surge repentinamente em sua vida.

Ao invés de encher seu giallo com sangue e tripas, Meta opta por uma conexão mais sutil com o estilo italiano. Trabalhando em parceria com a diretora de fotografia Barbara Alvarez, ela faz ótimo uso da ambientação noturna da trama, com longas sombras e cores artificiais fortes dialogando com o trabalho de diretores como Mario Bava e Dario Argento.

NO LIMITE DO CONVENCIONAL

O roteiro, escrito pela cineasta e baseado livremente no romance “El Mal Menor”, de C. E. Feiling, pinça elementos de vários cantos do suspense, montando uma colcha de retalhos que pode parecer familiar demais para o espectador mais astuto. O cenário do estúdio de dublagem remete a “Barberian Sound Studio”, o elemento das mensagens escondidas em gravações lembra “Vozes do Além”, e assim por diante. O resultado tira o senso de surpresa da produção – o que é um problema em um gênero que depende dele.

O maior acerto da narrativa está em deixar em aberto a situação da protagonista, nunca esclarecendo qual a real natureza de sua condição. Tendo que lidar com o estresse pós-traumático e com uma mãe dominadora (a musa almodovariana Cecilia Roth, terrivelmente desperdiçada aqui), é crível que os acontecimentos bizarros em sua vida sejam fruto de sua imaginação – e é essa a proposta mais assustadora trazida por “El Prófugo”.

No entanto, a produção opta por soluções convencionais a despeito de seu potencial. É um pouco frustrante, por exemplo, ver a caracterização de Alberto servir como um spoiler do personagem e a explicação do fenômeno sobrenatural que pode estar afligindo Inés ser jogada numa cena expositiva súbita.

Apesar de seu final curioso e seu estilo impecável, “El Prófugo” tem a cara e a cor dos filmes B estilo Supercine: não é ruim, mas tampouco prende a atenção ou vai além do esperado.

‘Earwig’: fábula dark de incapaz de envolver o público

A vida de uma menina peculiar, um homem atormentado e uma garçonete em apuros se entrelaçam em "Earwig", novo filme da francesa Lucile Hadžihalilović (“Inocência”, “Évolution”). O longa, que teve estreia em Toronto e premiada passagem em San Sebastián, foi exibido no...

‘Um Herói’: o melhor filme de Asghar Farhadi desde ‘O Passado’

Um conto-da-carochinha com desdobramentos épicos é a força-motriz de "Um Herói", novo drama de Asghar Farhadi. O longa foi exibido no Festival de Londres deste ano após estreia em Cannes, onde levou o Grand Prix - o segundo prêmio mais prestigiado do evento. Escolhido...

‘Benedetta’: Verhoeven leva sexo a convento em sátira religiosa

Paul Verhoeven (“Elle”, “Tropas Estelares”), está de volta - e continua em excelente forma. Seu mais novo filme, Benedetta, exibido no Festival de Londres deste ano após sua estreia em Cannes, vê o diretor holandês empregando sua verve cáustica à serviço de uma...

‘The Tragedy of Macbeth’: ambiciosa adaptação que nada inova

Longe de pela primeira vez e certamente não pela última, o cinema recebe mais uma adaptação de "Macbeth"- agora concebida por Joel Coen, metade da oscarizada dupla de irmãos cineastas. O lançamento largamente digital do longa exibido no Festival de Londres deste ano -...

‘Sundown’: apatia generalizada em filme monótono

“Sundown”, novo filme do mexicano Michel Franco (“Depois de Lúcia”), tenta responder a velha pergunta: como seria começar de novo? A produção com Tim Roth (“Luce”) e Charlotte Gainsbourg (“Ninfomaníaca”), que teve estreia em Veneza e foi exibida no Festival de Londres...

‘A Crônica Francesa’: Wes Anderson joga para torcida ao celebrar o jornalismo

Descrito como uma "carta de amor aos jornalistas", "A Crônica Francesa" é uma divertida homenagem do diretor Wes Anderson à mídia impressa e aos articulistas que o inspiraram. O projeto, que estreou em Cannes e foi exibido no Festival de Londres deste ano, é o filme...

‘Great Freedom’: a luta para ser quem se é independente das consequências

Amor, tesão e tragédia dão a tônica de "Great Freedom", o belo e potente novo filme de Sebastian Meise. A co-produção Áustria-Alemanha, que estreou (e foi premiada) na seção Um Certo Olhar no Festival de Cannes, foi exibida no Festival de Londres deste ano. O drama de...

‘The Souvenir Parte II’: Joanna Hogg muda tom e cria sequência metalinguística

A diretora Joanna Hogg continua seu exercício em autoficção em "The Souvenir Parte II", sequência do premiado sucesso de 2019. O filme, que estreou em Cannes e foi exibido no Festival de Londres deste ano, começa exatamente no mesmo ponto em que seu predecessor...

‘Titane’: Julia Ducournau arrisca tudo com horror no limite

Dependendo da forma como você o vê, "Titane" é um horror porrada no estômago, uma hilária comédia de humor negro ou um drama sobre pessoas muito, mas muito quebradas. O filme ganhador da cobiçada Palma de Ouro - prêmio máximo do Festival de Cannes - deste ano e...

‘Spencer’: Kristen Stewart luta em vão contra filme maçante

Em "Spencer", Kristen Stewart se junta ao clube de atrizes - que inclui Naomi Watts (“Diana”) e Emma Corrin (“The Crown”) - que se lançaram ao desafio de retratar a Princesa Diana. A atriz traz uma energia caótica à personagem e a coloca no caminho de uma quase certa...