Primeiro trabalho na direção de curtas-metragens de Begê Muniz, conhecido por ser o protagonista de “A Floresta de Jonathas”, “Jamary” segue a trilha de obras infanto-juvenis do cinema amazonense como “Zana – O Filho da Mata”, de Augustto Gomes, e “Se Não”, de Moacyr Freitas. O trio adota um tom mais sóbrio do que a média vista em filmes do gênero explorando os mitos e lendas amazônicos aliado a uma mensagem ambiental de necessidade de preservação da natureza como pano de fundo. Se as qualidades técnicas são inegáveis, faltam roteiros mais estruturados para o formato de curtas para que atinjam seus potenciais. 

Selecionado para o Cinefantasy 2021 na mostra Fantasteen, “Jamary” acompanha a história de Ana (Júlia Cabral), uma garota com pouco mais de 10 anos moradora da zona rural de Manaus. Ao ser deixada pela mãe (Isabela Catão) na casa da avó (Rosa Malagueta) para passar o dia, a menina brinca com dois primos quando entra na mata e dá de cara com Anhangá (Elisa Telles), um espírito conhecido por proteger as florestas e rios. Em uma segunda incursão na mata, Ana descobre que há perigos maiores para todos. 

Não precisa ser crítico de cinema ou cinéfilo para captar rapidamente que “O Labirinto do Fauno” é a grande referência utilizada por Begê Muniz. A concepção de Anhangá através do figurino e direção de arte de Eliana Andrade quanto na maquiagem remetem ao protagonista do longa mexicano dirigido por Guillermo Del Toro em um jogo dúbio de perigo e acolhimento. Isso se alia a boa fotografia de Reginaldo Tyson, capaz de criar uma atmosfera mágica da floresta com os breves raios de sol cortando a densa floresta. Ainda que percorra caminhos já conhecidos e poucos inventivos, não dá para dizer que o clima proposto por Begê não funcione para prender o espectador naquele universo do ponto de vista visual. 

PELO MEIO DO CAMINHO 

Infelizmente, “Jamary” não encontra a mesma sustentação no roteiro. Escrita pelo próprio Begê, a história cai na armadilha clássica de pensar em uma estrutura de longa para dentro de um curta. Isso leva ao excesso de personagens sem muito o que dizer – as excelentes Isabela Catão e Rosa Malagueta são pouco aproveitadas -, ínfimo desenvolvimento da protagonista e resoluções apressadas para tudo o que é proposto. Moacyr Freitas, por exemplo, poderia ter rendido um ótimo vilão, mas, surge rapidamente e desaparece na mesma velocidade.  

Desta forma, a justa mensagem ecológica perde força pela falta de mínimo envolvimento do espectador com tudo o que ocorre em cena. Neste contexto, pelo menos, salva-se a coragem na decisão por uma abordagem longe da infantilização, respeitando a sensibilidade e a inteligência de seu público – o perigo real enfrentado por Júlia e seus primos atinge um ponto de equilíbrio preciso de levar a tensão exata sem provocar um choque muito pesado para os mais novos.  

Como já revelado pelo diretor/roteirista em entrevistas à imprensa local, a ideia é que “Jamary” se transforme em um longa-metragem no futuro, sendo o curta apenas um ponto de partida para esta proposta. Nisso, guarda semelhanças com o paraense “Raimundo Quintela – O Caçador Vira-Porcos”, vencedor de três categorias do último Olhar do Norte 2020, em que os problemas e qualidades são praticamente os mesmos. Com ajustes necessários, pode-se tornar um futuro grande filme. 

‘Graves e Agudos em Construção’: a transgressão esquecida do rock

‘O rock morreu?’ deve ser a pergunta mais batida da história da música. Nos dias atuais, porém, ela anda fazendo sentido, pelo menos, no Brasil, onde o gênero sumiu das paradas de sucessos e as principais bandas do país vivem dos hits de antigamente. Para piorar,...

À Beira do Gatilho’: primor na técnica e roteiro em segundo plano

Durante a cerimônia de premiação do Olhar do Norte 2020, falei sobre como Lucas Martins é um dos mais promissores realizadores audiovisuais locais ainda à espera de um grande roteiro. Seus dois primeiros curtas-metragens - “Barulhos” e “O Estranho Sem Rosto” -...

‘Jamary’: Begê Muniz bebe da fonte de ‘O Labirinto do Fauno’ em curta irregular

Primeiro trabalho na direção de curtas-metragens de Begê Muniz, conhecido por ser o protagonista de “A Floresta de Jonathas”, “Jamary” segue a trilha de obras infanto-juvenis do cinema amazonense como “Zana - O Filho da Mata”, de Augustto Gomes, e “Se Não”, de Moacyr...

‘O Buraco’: violência como linguagem da opressão masculina

Em vários momentos enquanto assistia “O Buraco”, novo filme de Zeudi Souza, ficava pensando em “Enterrado no Quintal”, de Diego Bauer. Os dois filmes amazonenses trazem como discussão central a violência doméstica. No entanto, enquanto “Enterrado” apresenta as...

‘No Dia Seguinte Ninguém Morreu’: a boa surpresa do cinema do Amazonas em 2020

“No Dia Seguinte Ninguém Morreu” é, sem dúvida, uma das mais gratas surpresas do cinema produzido no Amazonas nos últimos anos. Esta frase pode parecer daquelas bombásticas para chamar a sua atenção logo de cara, mas, quem teve a oportunidade de assistir ao...

‘O Estranho Sem Rosto’: suspense psicológico elegante fica no quase

Lucas Martins foi uma grata surpresa da Mostra do Cinema Amazonense de 2016 com “Barulhos”. Longe dos sustos fáceis, o curta de terror psicológico apostava na ambientação a partir de um clima de paranoia para trabalhar aflições sociais provenientes da insegurança...

‘Tucandeira’: Jimmy Christian faz melhor filme desde ‘Bodó com Farinha’

Fazia tempo que Jimmy Christian não entregava um curta tão satisfatório como ocorre agora com “Tucandeira”. O último bom filme do diretor e fotógrafo amazonense havia sido “Bodó com Farinha” (2015) sobre todo o processo de pesca, cozimento e importância do famigerado...

‘Jackselene’: simbólico curta na luta pelo aprendizado do audiovisual em Manaus

Sem uma faculdade ou escola de cinema regular desde o fechamento do curso técnico de audiovisual da Universidade do Estado do Amazonas após míseras duas turmas formadas, os aspirantes a cineastas em Manaus recorrem a iniciativas de curta duração. Artrupe, Centro...

‘A Ratoeira’: percepções sensoriais do calor e da cultura manauara

São muito variantes as percepções que se tem de “A Ratoeira”, curta de Rômulo Sousa (“Personas” e “Vila Conde”) selecionado para o Festival Guarnicê 2020. Em seu terceiro projeto como diretor, ele entrega uma obra que experimenta várias construções cinematográficas e...

‘Enterrado no Quintal’: sabor amargo de que dava para ser maior

Tinha tudo para dar certo: Diego Bauer, recém-saído do ótimo “Obeso Mórbido”, adaptando um conto de Diego Moraes, escritor amazonense cercado de polêmicas, mas, de uma habilidade ímpar para construção de narrativas altamente descritivas, sarcásticas, sem qualquer tipo...