Primeiro trabalho na direção de curtas-metragens de Begê Muniz, conhecido por ser o protagonista de “A Floresta de Jonathas”, “Jamary” segue a trilha de obras infanto-juvenis do cinema amazonense como “Zana – O Filho da Mata”, de Augustto Gomes, e “Se Não”, de Moacyr Freitas. O trio adota um tom mais sóbrio do que a média vista em filmes do gênero explorando os mitos e lendas amazônicos aliado a uma mensagem ambiental de necessidade de preservação da natureza como pano de fundo. Se as qualidades técnicas são inegáveis, faltam roteiros mais estruturados para o formato de curtas para que atinjam seus potenciais. 

Selecionado para o Cinefantasy 2021 na mostra Fantasteen, “Jamary” acompanha a história de Ana (Júlia Cabral), uma garota com pouco mais de 10 anos moradora da zona rural de Manaus. Ao ser deixada pela mãe (Isabela Catão) na casa da avó (Rosa Malagueta) para passar o dia, a menina brinca com dois primos quando entra na mata e dá de cara com Anhangá (Elisa Telles), um espírito conhecido por proteger as florestas e rios. Em uma segunda incursão na mata, Ana descobre que há perigos maiores para todos. 

Não precisa ser crítico de cinema ou cinéfilo para captar rapidamente que “O Labirinto do Fauno” é a grande referência utilizada por Begê Muniz. A concepção de Anhangá através do figurino e direção de arte de Eliana Andrade quanto na maquiagem remetem ao protagonista do longa mexicano dirigido por Guillermo Del Toro em um jogo dúbio de perigo e acolhimento. Isso se alia a boa fotografia de Reginaldo Tyson, capaz de criar uma atmosfera mágica da floresta com os breves raios de sol cortando a densa floresta. Ainda que percorra caminhos já conhecidos e poucos inventivos, não dá para dizer que o clima proposto por Begê não funcione para prender o espectador naquele universo do ponto de vista visual. 

PELO MEIO DO CAMINHO 

Infelizmente, “Jamary” não encontra a mesma sustentação no roteiro. Escrita pelo próprio Begê, a história cai na armadilha clássica de pensar em uma estrutura de longa para dentro de um curta. Isso leva ao excesso de personagens sem muito o que dizer – as excelentes Isabela Catão e Rosa Malagueta são pouco aproveitadas -, ínfimo desenvolvimento da protagonista e resoluções apressadas para tudo o que é proposto. Moacyr Freitas, por exemplo, poderia ter rendido um ótimo vilão, mas, surge rapidamente e desaparece na mesma velocidade.  

Desta forma, a justa mensagem ecológica perde força pela falta de mínimo envolvimento do espectador com tudo o que ocorre em cena. Neste contexto, pelo menos, salva-se a coragem na decisão por uma abordagem longe da infantilização, respeitando a sensibilidade e a inteligência de seu público – o perigo real enfrentado por Júlia e seus primos atinge um ponto de equilíbrio preciso de levar a tensão exata sem provocar um choque muito pesado para os mais novos.  

Como já revelado pelo diretor/roteirista em entrevistas à imprensa local, a ideia é que “Jamary” se transforme em um longa-metragem no futuro, sendo o curta apenas um ponto de partida para esta proposta. Nisso, guarda semelhanças com o paraense “Raimundo Quintela – O Caçador Vira-Porcos”, vencedor de três categorias do último Olhar do Norte 2020, em que os problemas e qualidades são praticamente os mesmos. Com ajustes necessários, pode-se tornar um futuro grande filme. 

‘Sol, Pipoca e Magia’: série resgata Joaquim Marinho e a história cultural de Manaus

A websérie documental “Sol, pipoca e magia” se debruça sobre a história de Joaquim Marinho, um dos grandes nomes da cultura amazonense, tendo trabalhado em várias áreas artísticas como agitador e produtor cultural. A obra apresenta a trajetória de Marinho desde a...

‘Sidney Rezende: Meu Enquanto Canto’: doc. frio de lenda do boi-bumbá

O documentário “Sidney Rezende: Meu Enquanto Canto” introduz o espectador à história de um dos principais compositores de toadas, bastante identificado com o boi Garantido (mas também com passagem pelo Caprichoso) que empresta seu nome ao título da obra. O filme é,...

‘A Hespanhola’: choque da alegoria restrita à mesma bolha

Em 2018, lembro-me de discutir com meu então mentor do programa para formação de críticos do Talent Press Rio, o português Luis Oliveira. O tópico: “Infiltrado na Klan”, de Spike Lee. Na ocasião, ele defendia que o filme não era bom por ser isento de qualquer sutileza...

‘O Colar’: pedaços de grande filme ficam pelo caminho

O Festival Olhar do Norte acompanha com lupa a trajetória de Romulo Souza. Afinal, em todas as edições do evento, há um filme do jovem diretor e roteirista amazonense atualmente radicado em Santa Catarina. Na primeira edição foi “Personas”, documentário para além da...

‘Mestres da Tradição na Terra do Guaraná’: tema fascinante perde-se em pequenos excessos

O curta documentário “Mestres da Tradição na Terra do Guaraná”, com direção de Ramon Morato, foca nos músicos que mantêm vivos os ritmos de cancioneiro interiorano amazonense. São canções e ritos comunitários, cujas raízes remontam a culturas indígenas e...

‘Reflexos da Cheia’: uma viagem às origens do cinema dentro do Teatro Amazonas

Durante os nove minutos de “Reflexos da Cheia”, o público do Teatro Amazonas vivenciou uma oportunidade de viajar no tempo na terceira noite do Festival do Olhar do Norte. Engana-se quem deduz que este retorno faz referência apenas ao espantoso período de subida...

‘Cercanias / Gatos’: o universo felino e pitoresco de um condomínio de Manaus

“A Terra Negra dos Kawá” deixou a clara impressão de que Sérgio Andrade estava se repetindo em temas já abordados em “A Floresta de Jonathas” e “Antes o Tempo Não Acabava”. Parecia que os caminhos traçados até ali tinham se esgotado, tornando-se urgente e necessário...

‘Stone Heart’: frieza tira potência da mensagem

Vou abrir meu coração, caro leitor: “Stone Heart” me deixa diante de um impasse. De um lado, impossível não ressaltar o que o filme representa um avanço técnico inegável para o ainda incipiente setor da animação no Amazonas, especialmente, do ponto de vista técnico –...

‘A Bela é Poc’: afeto como resposta à violência manauara

Chega a ser sintomático como a violência de Manaus ganha protagonismo nas telas neste grande ano do cinema amazonense. Na brutalidade do marido contra a esposa em “O Buraco”, de Zeudi Souza, passando pela fúria surrealista de “Graves e Agudos em Construção”, de Walter...

‘Kandura’: documentário formal para artista nada comum

 Tive a honra de entrevistar duas vezes Selma Bustamante: a primeira foi na casa dela sobre o lançamento de “Purãga Pesika”, curta-metragem em documentário dirigido por ela em parceria com César Nogueira. A segunda foi para o programa “Decifrar-te”, da TV Ufam, no...