Saudade é uma palavra interessante e particularmente nossa. O dicionário a define como o sentimento causado pela distância ou ausência, mas só quem a sente compreende o quanto ela dói e é capaz de deixar cicatrizes. A questão é que nem sempre essas marcas são tão ruins a ponto de não surgirem delas algo proveitoso. Foi assim que nasceu “Tranças”, documentário dirigido por Lívia Sampaio.

A saudade da diretora atende pela netinha dela, que mora com a mãe no interior da Argentina. Depois de inúmeras tentativas de diálogo e audiências para regulamentação de visitas, Lívia decidiu escrever um livro. Entretanto “enquanto escrevia, surgiu a ideia de fazer um filme para ela, que registrasse em imagens, com carinho e beleza, que a família paterna sempre buscou formas de encontrá-la”, comentou a cineasta em entrevista exclusiva ao Cine Set.

Sua intenção era contar “uma história triste, porém real e poética, sem rancor”, disse. Embora fosse uma narrativa particular, Lívia percebeu a importância de agregar pessoas que conheceu durante sua jornada em busca da neta. Assim “o filme sairia de uma esfera caseira e o debate seria ampliado”, contou a realizadora. Foi desse modo que ela se juntou a dois amigos cineastas e começaram a entrevistar pessoas relacionadas ao combate à alienação parental.

Para além da saudade

A alienação parental caracteriza-se como toda interferência na formação psicológica da criança ou do adolescente, promovida por um dos pais ou por qualquer adulto que tenha a criança ou o adolescente sob a sua guarda. O objetivo, na maior parte dos casos, é prejudicar o vínculo com o genitor. Nos Estados Unidos, cerca de 80% dos filhos de pais divorciados já sofreram alienação parental. Enquanto isso, no Brasil, segundo dados do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, o número de processos por alienação parental cresceu de 2.241 em 2016 para 2.365 em 2017.

Esse aumento se deve, em partes, ao conhecimento das leis. Em vigor desde 2010, a lei 12.318/2010 aborda especificamente a alienação parental, mas tem tido audiências no Senado para ser revogada. “É muito importante discutir a temática por diversas questões. Uma delas é que a maioria das pessoas, que está nessa circunstância, não sabe pelo que está passando e dar nome a esse processo torna mais fácil combatê-lo e buscar seus direitos”, afirmou Lívia que convive com a situação há três anos.

É nesse quadro que a diretora encontrou espaço para contar sua jornada. “No Brasil, apesar de haver poucos diálogos sobre o tema e, quando há, serem agressivos, consegui brechas para fazer um filme que abarque vários ângulos e não reforce mais ainda essa guerra sem sentido de adultos, enquanto o que interessa – a vida da criança, do adolescente – se perde entre agressões mútuas de pessoas que devem cuidar e proteger essas crianças e seus direitos” contou.

Superando as dificuldades

O filme levou dois anos para ser concluído. “Esse tempo foi utilizado para buscar imagens de apoio, editar e finalizar “Tranças”. Contei, durante esse processo, com o auxílio de uma equipe técnica que se dedicou, se identificou com o tema e acreditou que era possível”, revelou. Devido às atividades distintas – funcionária pública e diretora de cinema –, Lívia Sampaio “tinha que se desligar de uma atividade para entrar em outra, o que tornou a produção do filme um pouco cansativa”, disse.

Sem o auxílio de editais, “Tranças” foi produzido por meio de crowdfunding e recursos da diretora. “Este tema dificilmente seria contemplado em editais e eu, como diretora estreante, preferi não esperar muito”, comentou. Por conta do orçamento apertado, em alguns casos, a produção teve que fazer malabarismo para cobrir todos os gastos.

“Deixei algumas falhas técnicas de lado que fariam o filme melhor porque não tinha verba para consertar, mas nada que comprometesse a narrativa. Gostaria de ter entrevistado mais pessoas, por exemplo, mas tive um tempo escasso para fazer essas entrevistas devido à questão financeira”, disse.

“Tranças” será exibido no Festival de Cinema dos Sertões, que ocorre no estado do Piaui entre os dias 26 e 30 de novembro. Para Lívia Sampaio, a participação no festival é uma forma positiva de ampliar a discussão e tornar a repercussão do projeto maior. “Creio que a recepção será boa. Como acredito na arte como força para proporcionar mudanças, estou segura de que o filme cumprirá um importante papel no combate à alienação parental”, comentou. Seus próximos passos são voltar a escrever o livro sobre alienação parental e investir no audiovisual.

Cine Set no Festival de Berlim 2021: a história do cinema brasileiro no evento

Ver essa foto no Instagram   Uma publicação compartilhada por Cine Set (@cineset) Se tem um evento que gosta do cinema brasileiro, este é a Berlinale. A primeira vez que o Brasil participou da Berlinale em 1953 com dois filmes na mostra competitiva de...

Cine Set no Festival de Berlim 2021: conheça os detalhes do evento alemão

Direto do sofá da minha casa, eu, Lucas Pistilli, correspondente internacional do Cine Set aqui na Europa, irei cobrir o Festival de Berlim 2021. A Berlinale é um dos maiores eventos cinematográficos do mundo e o primeiro da grande tríade - composta por ele, Cannes e...

Quando o mau jornalismo presta desserviço aos artistas e à cultura do Amazonas

Faz duas semanas da morte precoce de Zezinho Corrêa, uma das 10 mil vítimas fatais na capital mundial da COVID-19. Naquele momento, a grandeza de um dos maiores artistas surgidos por estas bandas uniu todos os amazonenses em um luto coletivo e cessou por breves...

Asfixiada, a distópica Manaus sucumbiu; qual realidade será construída agora?

Para retornar a falar de cinema aqui no Cine Set, antes preciso falar de Manaus. O Cine Set sempre teve orgulho de ser um site de cinema independente produzido aqui na capital amazonense e, diante da maior tragédia da história da cidade, não dá para seguir adiante sem...

Os 10 Maiores Ataques do Governo Bolsonaro contra o Cinema do Brasil em 2020

Segundo ano de Jair Bolsonaro na presidência da República e segundo ano da lista dos maiores erros cometidos pela gestão dele em relação ao audiovisual brasileiro aqui no Cine Set (leia a lista de 2019).   Em um 2020 marcado pela tragédia da morte de mais de 190 mil...

Sean Connery, o astro mais perigoso do cinema

O cinema perdeu Sean Connery. No último 31 de outubro de 2020, foi anunciada pela família a morte do ator, que se foi tranquilamente durante o sono. Até o momento de escrita deste texto, a causa da morte não foi informada. Micheline Roquebrune, a viúva do astro,...

Olhar de Cinema e o ano que vivemos em quarentena

No Brasil de 2020, a leitura de mundo e a leitura de obras audiovisuais por parte de quem as consome encontra uma forte tensão: o país descobriu, não tão de repente, que a realidade objetiva só é palpável na medida em que é mensurada por nossos sentidos, sejam os...

Brasil na Covid-19 X Filmes de Fim de Mundo: Realidade mais irracional que a Ficção

A realidade é, muitas vezes, mais estranha que a ficção. E a realidade brasileira, então, nem se fala. Neste artigo vou comentar um pouco sobre como o Brasil do Covid-19 se compara com alguns elementos e clichês de filmes de catástrofes e fim do mundo que Hollywood e...

30 Anos de ‘Lua de Cristal’: documentário celebra sucesso estrelado por Xuxa

Em 1990, Xuxa Meneghel estava no auge de sua carreira. A loira mais famosa do Brasil já era recordista em vendagem de discos e seu programa “Xou da Xuxa”, exibido nas manhãs pela TV Globo, rompia barreiras e começava a ganhar repercussão internacional. Se tal fenômeno...

Bond, Cannes, Mercado Brasileiro: o Impacto do Coronavírus no Cinema

O surto de COVID-19, conhecido popularmente como coronavírus, tem deixado o mundo em pânico nestes últimos meses. O alto número de pessoas diagnosticadas com o vírus e o crescente número de mortes só tem alarmado mais ainda a situação. O surto teve início na cidade de...