Alternando entre devaneio e agonia, “Breve Miragem de Sol”, novo longa de Eryk Rocha, busca compor o retrato de um Rio de Janeiro em colapso através dos olhos de um taxista. A produção nacional, que está tendo sua estreia mundial no Festival de Londres deste ano, tem um ritmo lento que pode não agradar a todos, mas é obra essencial sobre a classe trabalhadora brasileira.

No centro dela, está Paulo (Fabrício Boliveira), homem recém-divorciado que começa a dirigir um táxi na noite carioca para se sustentar e pagar a pensão do filho, com quem sonha se reencontrar. No carro, ele está sujeito a tudo e vê em primeira mão a tragédia e a comédia que compõem o mosaico urbano.

Solidão onipresente 

Informes noticiários e comentários de outros taxistas proveem um panorama do mundo interior para um homem que está fundamentalmente sozinho. A ex-mulher mal o responde e o espaço que o separa de seus passageiros vai além do físico: nas horas mortas, a solidão de Paulo é palpável.

Numa corrida comum, Paulo encontra a enfermeira Karina (Bárbara Colen), com quem inicia um relacionamento. Em outras mãos, essa história poderia ser a de um homem no fundo do poço que encontra forças diante de um novo amor – mas esse não é o filme fácil que Rocha quer fazer. Ao invés disso, as cenas do casal aparecem como um respiro – não uma salvação – do caos da vida de Paulo. Romance faz parte, o filme argumenta, mas não provém o sustento de ninguém.

O diretor usa seu background em documentários para compor uma estética que sufoca em seu realismo. Com a câmera dentro do carro, colada ao rosto do protagonista, o público se sente preso como ele. Certas cenas, como a reunião dos taxistas em um restaurante, acertam em cheio a coloquialidade da vida cotidiana.

Incisivo, urbano e caótico

Esse foco na classe trabalhadora brasileira conecta o longa a outro destaque do cinema nacional recente, “Arábia“. A abordagem aqui, no entanto, é outra: enquanto o filme de João Dumans e Affonso Uchoa buscava uma poética prosaica do trabalhador rural, o olhar de Rocha é mais incisivo e realista.

No centro desse realismo está o incrível trabalho de Boliveira, que leva a maior parte do filme sozinho em cenas sem diálogo. Nos seus olhos, é possível enxergar a pressão sob a qual está o homem comum, que tem prover seu sustento rodeado por caos e violências literais e simbólicas.

O filme poderia se beneficiar de mais agilidade, principalmente na meia-hora inicial, mas é compreensível que Rocha tenha escolhido que a vida de Paulo falasse por si só ao invés de recorrer a exposições. Por uma hora e meia, é possível acompanhar os medos e anseios de alguém que, apesar de fictício, é incrivelmente real. “Breve Miragem de Sol” pode ser uma história sobre dificuldades, mas é, acima de tudo, um conto de resistência.

‘Instinct’: desejo sexual gera jogo arriscado em suspense holandês

Como qualquer estudioso de Freud pode afirmar, tesão pode ser algo complicado. Em "Instinct", estreia da atriz Halina Reijn na direção, uma nefasta atração dentro de um presídio explora os limites entre desejo e razão. Ancorado em uma atuação corajosa de Carice van...

‘O Irlandês’: o peso da violência em obra-prima de Martin Scorsese

Depois de demorar 26 anos para tirar do papel seu filme anterior, “Silêncio”, Martin Scorsese finalizou “O Irlandês”, seu novo projeto, em ‘apenas’ 12 anos. Parece adequado para uma história tão enérgica quanto intimista que aborda como o tempo afeta a vida de pessoas...

‘A Hidden Life’: teste de fé e paciência no cinema de Terrence Malick

Mantendo a fase mais prolífera de sua carreira, desencadeada pelo ganhador da Palma de Ouro em 2011, “A Árvore da Vida”, Terrence Malick está de volta com “A Hidden Life”. O projeto marca seu retorno ao uso de roteiros bem-estruturados - depois do experimentos com...

‘Ema’: Pablo Larraín mexe com a cabeça do público em filme indomável

"Ema", novo filme de Pablo Larraín ("Jackie") exibido no Festival de Londres, começa em chamas - uma metáfora apropriada para a vida de personagens que parecem entrar em combustão no calor de suas paixões. Longe do seu ambiente costumeiro - o drama histórico -, o...

‘Dois Papas’: Anthony Hopkins e Jonathan Pryce em atuações abençoadas

Um retrato bem-humorado de duas personalidades mundialmente conhecidas, "Dois Papas" é um show de atuação à moda antiga que se tornou um inesperado sucesso de público nos festivais de Telluride, onde estreou, e Toronto. O longa, também exibido no Festival de Londres,...

‘Entre Facas e Segredos’: Rian Johnson retorna às raízes em grande comédia

O que você faz depois de abalar as estruturas de uma das maiores franquias cinematográficas da história? Pois Rian Johnson resolveu voltar às origens. “Entre Facas e Segredos”, seu primeiro filme desde “Star Wars: Os Últimos Jedi”, é uma comédia sensacional que remete...

‘A Beautiful Day in the Neighbourhood’: além dos limites do burocrático

O estado atual da indústria cinematográfica permite engraçados paralelos. De um lado, temos filmes que imploram a tela grande sendo produzidos por empresas de streaming, como “Roma”, de Alfonso Cuáron, ou o “Suspiria” de Luca Guadagnino. Por outro, há projetos como...

‘Wasp Network’: Olivier Assayas derrapa em suspense sem rumo certo

"Wasp Network" não é o inferno, mas está cheio de boas intenções. A trama real dos Cinco Cubanos, que espionaram em prol da terra natal em pleno solo americano, rende um thriller implacável. Infelizmente, ele continua na promessa. O novo longa de Olivier Assayas,...

‘O Farol’: horror brota da solidão em ótimo terror de Robert Eggers

Na sua carreira até agora, o diretor Robert Eggers tem se mostrado um grande explorador do poder de isolamento. Se seu filme anterior, "A Bruxa", almejava observar como o puritanismo religioso atuava na mente de pessoas longe da civilização, em "O Farol", seu novo...

‘Histórias de um Casamento’: os dolorosos detalhes do fim de um casal

O mais difícil de “Histórias de um Casamento” é saber lidar com o quão engraçado ele é. Não se engane: essa é uma história devastadora sobre um divórcio e a subsequente batalha judicial dos ex-cônjuges. Porém, a delicadeza com que o diretor-roteirista...