“Tempos Modernos” talvez seja o filme mais popular de Chaplin e do icônico personagem Carlitos, curiosamente a última obra em que essa persona marcante aparece.  Neste clássico, somos embalados pelos acordes de “Smile” enquanto acompanhamos as desventuras de um operário que tenta sobreviver diante das iminentes mudanças na divisão de trabalho e a expansão do sistema capitalista.

Além de popular, esta é uma das obras mais atemporais de Chaplin devido à contundente crítica social presente. O cineasta utiliza o humor pastelão com gotas de ingenuidade para retratar o gosto amargo que a Grande Depressão deixou no mundo. Ainda em 1936, era possível sentir as consequências da crise alinhadas aos processos de industrialização pós 2ª Revolução Industrial. Chaplin mostra como tudo isso afetou a vida em comunidade.

RITMO MECÂNICO DE PRODUTIVIDADE

Neste processo, é importante perceber como “Tempos Modernos” se preocupa em apresentar a procura pela recuperação econômica e adequação a uma realidade que pouco ampara os que estão nas classes mais baixas. Em tela, isso se evidencia com a utilização do modelo fordista de produção: repleto de equívocos, mas, aplaudido como exemplo do desenvolvimento produtivo. Afinal, este modelo servia como alicerce do modo de vida burguês norte-americano. No entanto, o filme de 1936 deixa nítida a exaustão a qual os empregados eram submetidos na linha de produção e como a repetição poderia desencadear a insanidade, realmente criticando o outro lado da moeda.

LEIA TAMBÉM – “O GAROTO”: ECONOMIA NARRATIVA ENCONTRA SENSIBILIDADE MÁXIMA

O que reforça essa ideia é o uso da ciência e tecnologia como ferramentas de alienação e domínio industrial, empurrando os operários para a fila do desemprego. Dessa forma, toda modernidade apreciada na Revolução Industrial disfarça a decadência que envolve o setor humano. Se por um lado os avanços são inquestionáveis, os padrões de sociabilidade humana enfrentam uma tragédia envolta de pessoas com a vida sem sentido, sem tempo para atividades que não visem o lucro e presas a atender as necessidades do modo de vida capitalista. Como em “Metrópolis” (1927), de Fritz Lang, os operários vivem a caminho do abatedouro e resumem sua vida ao ritmo mecânico da produtividade. Não é por acaso que uma das primeiras cenas do filme remete a esse clássico da ficção científica.

Arte como instrumento questionador

Chaplin usava o cinema para questionar e o humor era o canal escolhido para efervescer suas críticas. O público se diverte com suas obras por identificar-se com as situações apresentadas; os personagens de seu cinema vivenciam questões cotidianas e banais que se transformam em momentos inesperados e surreais. Neste caso, de forma simples, visual e criativa, ele denuncia a desumanização e alienação do sistema apenas com os gestos insanos de Carlitos. 

LEIA TAMBÉM – “EM BUSCA DO OURO”: EQUILÍBRIO PRECISO ENTRE HUMOR PASTELÃO E MELANCOLIA

Até mesmo o som, instrumento a qual Chaplin era tão avesso em seu cinema, aparece em “Tempos Modernos” como instrumento de argumentação. Além de surgir em momentos específicos, o som assume a postura de ferramenta de censura. Na fábrica, por exemplo, a voz do superior ecoa pelas paredes, mas não é permitido a nenhum dos operários parar, escutá-lo e respondê-lo. A eles só cabe concordar e seguir o ritmo desenfreado de produção.

Diante disso, a ironia presente na titulação da obra não poderia ser mais precisa. Afinal os tempos modernos trouxeram avanços incontestáveis, por outro lado, no entanto, sujeitaram o homem a sobreviver em busca da produtividade que alimenta o sistema capitalista, enquanto para a maior parte da população sobram as migalhas. Assim, que tipo de humanidade a modernidade fabrica?

Mais uma vez, Chaplin usa o humor e a sensibilidade para chamar atenção para assuntos sérios. Ele se despede de Carlitos de forma magistral, nos fazendo refletir até que ponto um sistema tão abraçado pelo mundo realmente é a melhor escolha para os usuários mais distantes do topo da pirâmide. Mais de 80 anos depois e a sua crítica permanece forte e intocável.

‘Love Story’: precursor dos romances açucarados atuais

Na literatura, chamam de precursora ou marco a obra que dá início a um movimento literário. Ela, geralmente, costuma conter características e temáticas que influenciarão as outras produções desse período. Foi assim com a “Divina Comédia” de Dante de Alighieri no...

‘A Loja da Esquina’: brilhante comédia com ecos melancólicos de uma época

As comédias de Ernst Lubitsch (“Ninotchka”, “Ser ou não Ser”) possuem argumentos simples e que conseguem nos encantar facilmente. Isso ocorre, entre outros fatores, pelo carisma de seus personagens, a estrutura das histórias e o toque pessoal do cineasta. Deve ser por...

‘Luzes da Ribalta’: o réquiem de Charlie Chaplin sobre a vida

Se alguém me perguntar quais são os meus filmes favoritos de Chaplin, eu não teria nenhuma dúvida em dizer que são O Garoto e Tempos Modernos, duas obras que traduzem facilmente a essência do comediante: sempre na pele de Carlitos, temos no primeiro o vagabundo...

‘O Grande Ditador’: síntese de regimes totalitários traz Chaplin versátil

Charlie Chaplin é lembrado como um dos grandes nomes da comédia mundial. E também por seu lado humanista. Nunca pensou duas vezes antes de colocar temáticas sociais em seus trabalhos, discutindo problemas como a pobreza e o valor da vida em suas obras. O intérprete de...

‘Tempos Modernos’: crítica atemporal e definitiva ao capitalismo

“Tempos Modernos” talvez seja o filme mais popular de Chaplin e do icônico personagem Carlitos, curiosamente a última obra em que essa persona marcante aparece.  Neste clássico, somos embalados pelos acordes de “Smile” enquanto acompanhamos as desventuras de um...

‘Luzes da Cidade’: Chaplin no auge diverte e emociona como nunca

Já preciso começar declarando que “Luzes da Cidade” não era apenas o filme favorito de Orson Welles feito por Charles Chaplin, mas, o meu também. Talvez por Chaplin estar em seu ápice de absurdo domínio criativo seja na produção, direção, roteiro e composição de uma...

‘Em Busca do Ouro’: equilíbrio preciso entre humor pastelão e melancolia

Com uma filmografia tão extensa e popular quanto si mesmo, Charles Chaplin afirmou em seu livro autobiográfico que gostaria de ser lembrado pelo singelo ‘Em Busca do Ouro’. O longa em questão pode até não ser o primeiro que nos vem à mente quando pensamos na...

‘O Garoto’: economia narrativa encontra sensibilidade máxima de Chaplin

Um lugar-comum que vez por outra é repetido por quem trabalha com cinema é que não se dá para realmente dirigir crianças e animais. Em frente à câmera, eles vão mais ou menos fazer o que eles querem. Bem, talvez hoje em dia seja um pouco mais fácil dirigir crianças,...

‘O Anjo Exterminador’: a rebelião da alta sociedade em confinamento

Grandes obras de arte têm o poder de atravessar o tempo mantendo o seu discurso e estilo tão potentes quanto na época em que foram lançadas. Casos assim são exemplos da capacidade do artista em observar o seu tempo, o comportamento da sociedade em que vive, e daí...

‘O Cremador’: clássico registra a ascensão ‘natural’ de regimes totalitários

Exploração absurda da banalidade do mal, “O Cremador” continua a ser um filme tão vital como foi ao ser lançado em 1969. Uma restauração, apresentada no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano, celebra a abordagem libertária de uma produção que...