Na corrida para criar a próxima ‘Game of Thrones’, a Netflix realizou uma escolha bem ousada ao anunciar a adaptação de ‘The Witcher’, franquia literária de Andrzej Sapkowski. Falo isto pois, além dos livros, a trama tornou-se famosa por sua presença no mundo dos games, questão extremamente complicada quando falamos de adaptações. Mas, para seu benefício, o streaming escolheu Henry Cavill (o Superman da DC Comics), um ator popular para encabeçar a história juntamente da competente showrunner Lauren Schmidt (“Demolidor”, “Os Defensores”). Contudo, nenhum destes dois nomes de peso consegue criar densidade para a trama, tornando a série apenas mais uma fantasia medieval suportável.

Lidando agilmente com três linhas temporais diferentes, “The Witcher” apresenta o bruxo Geralt de Rívia (Henry Cavill) como ponto comum entre as outras duas histórias. Assim, as caçadas de monstros pelo bruxo vão sendo alternadas com a história da feiticeira Yennefer (Anya Chalotra) e da princesa Ciri (Freya Allan) até que os três personagens se encontram num mesmo acontecimento.

Dentre os três protagonistas, Yennefer possui a história mais interessante pois acompanhamos todo seu desenvolvimento como feiticeira e, posteriormente, sua busca por autonomia. A escolha de Anya Chalotra foi uma grata surpresa já que a atriz consegue conduzir cenas mais dramáticas na trama. Por outro lado, Ciri é a menos complexa do trio protagonista. Apesar do mistério sobre seus poderes animar, sua trama é constantemente deixada de lado em razão de histórias mais interessantes, como as aventuras de Geralt.

Sem grande complexidade

Como protagonista, Geralt possui um desenvolvimento protocolar, os únicos momentos que realmente criam maior densidade na sua trama é quando ele aborda sua ética como bruxo ou sofre hostilidades por sua origem. Cavill tem diversos benefícios para encarar este papel como a ótima caracterização realizada e o fato que seu personagem não sente emoções, assim, sua atuação limitada consegue cumprir o papel necessário.  Quando Geralt faz a dobradinha com o grande clichê de alívio cômico Jaskier (Joey Batey) fica ainda mais óbvia a falta de complexidade na criação dos personagens pela série.

Apesar das tramas individuais não animarem o suficiente para o público encarar episódios com duração de uma hora, quando os roteiros conseguem relacionar estas histórias a trama realmente fica interessante. Além dos dois capítulos finais, o terceiro episódio faz isso com maestria ao retratar o renascimento de duas mulheres, sendo uma delas Yennefer e seu rico desenvolvimento.

Já no setor técnico, o design de produção se destaca imensamente ao criar ótimas caracterizações, figurinos e cenários ricos para cada um dos personagens. Para ser justa, os efeitos especiais também são um grande trunfo para que as cenas funcionem em harmonia com o design de produção. Para completar este universo compartilhado entre tantas adaptações, a direção de fotografia ousa ao sugerir ângulos mais utilizados em games como Geralt visto de perfil ou de costas assim como a câmera subjetiva.

Nova Game of Thrones?

Quando falamos de fantasia medieval ou épica nesta década é claro que Game of Thrones é referenciada. Com seu encerramento, a série definitivamente deixou um lugar vazio no gênero pronto para ser ocupado por outra produção. Entretanto, no caso de ‘The Witcher’, acredito que a série poderá criar seu próprio caminho e legado pelo gênero, até mesmo pelas diferenças em relação a outras produções.

Entretanto, se ‘The Witcher’ realmente quer se inspirar no sucesso de GOT eu sugiro que futuramente suas tramas apresentem maior densidade ou engajamento com o espectador. Muitas vezes é notório o esforço para a trama corresponder ao seu próprio universo, para ser uma adaptação fiel, o que muito pouco corresponde à realidade de seu público. Isto pode ser facilmente realizado pois os argumentos políticos e éticos se fazem presentes na história.

Apesar de não ser extremamente genial, ‘The Witcher’ definitivamente mostra uma boa alternativa para os seriados de fantasia, a qual requer paciência de um público ávido por novidades, uma equação que somente o tempo poderá afirmar se rendeu bons resultados.

‘Expresso do Amanhã’ – Episódio 8: revolução eletrizante

As pessoas a bordo do Snowpiercer acreditam no mito de um salvador: o homem que criou o trem, Wilford, e salvou uma parte da raça humana quando o congelamento do planeta se tornou realidade. Isso é algo muito poderoso. A humanidade tem, sim, uma necessidade por mitos,...

‘Expresso do Amanhã’ – Episódio 7: tensão e ansiedade ao máximo

ATENÇÃO: texto com spoilers Depois da emergência quase catastrófica do episódio anterior e do seu final apoteótico que representou um breve momento de felicidade para quase todos os personagens a bordo do Snowpiercer, as coisas voltam a ficar sérias e sombrias em “O...

Por que ‘Dark’ se tornou a melhor série da Netflix?

Recentemente, uma pesquisa feita no Rotten Tomatoes elegeu Dark como a melhor série original Netflix. A produção criada por Baran Bo Odar e Jantje Friese interliga quatro famílias da pequena cidade de Winden por meio de laços temporais e consanguíneos e segredos....

‘Dark’ – 3ª Temporada: verdadeira definição de um final agridoce

“Se a gente soubesse onde nossas decisões nos levariam, a gente mudaria o nosso destino?” Para onde nossas escolhas nos levam? Dark fecha o seu último ciclo se consagrando como a melhor produção da Netflix. Criada por Baran Bo Odar, que assume a direção de todos os...

‘Coisa Mais Linda’ – 2ª Temporada: a melhor série brasileira da Netflix

Também conhecida como uma das melhores séries brasileiras da Netflix, ‘Coisa Mais Linda’ voltou para uma segunda temporada tão satisfatória quanto a anterior. Apesar das grandes qualidades serem mantidas, desta vez, a narrativa corrida atrapalha a conexão do público...

‘Expresso do Amanhã’: Episódio 6 – alegria e união momentânea em meio ao caos

Em “Expresso do Amanhã”, o mundo do lado de fora do Snowpiercer pode estar congelado, mas o clima a bordo do trem volta a esquentar neste sexto episódio da temporada, “De onde menos se espera...”. Mas é um calor só superficial... É um episódio curioso da série, no...

‘Expresso do Amanhã’ – Episódio 5: luta de classes até no fim do mundo

Depois de 2020, vou pensar duas vezes antes de reclamar quando roteiristas de Hollywood inventarem de fazer seus personagens se comportarem de forma ilógica ou irracional frente a um cenário apocalíptico. Em outro bom episódio de Expresso do Amanhã, intitulado “A...

‘Reality Z’: padrão Netflix tira brasilidade de série fraca

Em minha opinião, um dos aspectos mais positivos da Netflix, desde que o serviço de streaming se popularizou e basicamente mudou a maneira como nos relacionamos com a produção audiovisual, é o fato de ele ser uma vitrine global, nos dando acesso a filmes, seriados e...

‘Expresso do Amanhã’ – Episódio 4: reviravoltas reenergizam série

Depois de muita preparação num episódio desanimador na semana anterior, Expresso do Amanhã pisa no acelerador da temporada nesta semana com “Sem Seu Criador”. O resultado é um episódio envolvente e que encerra uma história, aparentemente, e inicia outra, mais...

‘Space Force’: nem tão empolgante e engraçado como prometido

‘Space Force’ já surgiu com altas expectativas. Primeiro por reunir Greg Daniels e Steve Carell, dupla vinda da premiada ‘The Office’. Segundo por contar com nomes conhecidos e queridos do público como Lisa Kudrow e John Malkovich. Para completar, seria um alívio...