Não sabemos ao certo o que esperar de um episódio para o outro de Better Call Saul. O anterior, o 5×02, terminava com o plano de um sorvete caído numa calçada, que fazia um rima visual legal com o plano final do teaser deste mesmo episódio, que mostrava um anão de jardim quebrado e caído na rua. O que parecia apenas um floreio adquire uma importância metafórica neste 5×03, intitulado “O Cara Certo”.

E Jimmy, agora Saul, é o cara certo e descobre isso dando seu grande primeiro passo das pequenas bandidagens para as grandes… Depois de ser levado por Nacho a um encontro com Lalo, ele se vê na posição de virar advogado de um traficante, Domingo, o nosso conhecido Krazy-8 – que vai ser morto por Walter White logo nos primeiros dias de Breaking Bad…

LEIA TAMBÉM: Crítica: “Better Call Saul” – Episódios 5×01 e 5×02

Jimmy/Saul fica desconfiado e nervoso no início – até elogia o famoso Tuco para Lalo. Mas depois o papel de advogado “criminal” no duplo sentido começa a ficar mais confortável – Mais à frente ele diz a Kim que “foi o melhor dia, financeiramente falando” do Saul.

Kim, por sua, também aprende que é difícil “dormir em duas camas” quando seu trabalho pro bono, para clientes que não podem pagar, conflita com seus serviços para a grande empresa Mesa Verde. Ao se ver diante de uma situação com um senhor idoso, a hipocrisia dela é jogada na sua cara. Quando começaram seus serviços legais, Jimmy e Kim tinham a ideia de autonomia, de fazerem o que quisessem e por conta própria. Mas nem sempre a vida funciona assim… E pouco a pouco eles vão se envolvendo com seus “chefes”. Nacho diz a Jimmy, “se você está dentro, ficará para sempre dentro”.

‘BREAKING BAD’ SE APROXIMA

Entre esses momentos, vemos… Mike, bêbado e deprimido, tem uma confrontação com uns bandidos – o momento mais fraco do episódio, mas que ainda é elevado pela atuação de Jonathan Banks. É só que já sabemos que ele é um coroa irado… E Nacho, num apartamento chique, mas vazio, é confrontado pelo pai. Em mais um lance criativo da parte visual da série, somos levados a crer que dentro do apartamento é noite, mas do lado de fora, quando vemos o pai de Nacho, é plano dia… Aliás, a própria direção de arte do apartamento passa uma ideia de prisão para Nacho, por mais que esteja acompanhado de moças usando roupas reveladoras.

E, claro, Steve (!) e Hank (!!!) dão as caras, nas suas primeiras aparições – espera-se – em Better Call Saul, e o primeiro encontro deles com Saul também representa o primeiro momento em que este entrou no jogo que, de vez, determinaria o seu futuro. Ao ser trazido de volta ao local da sua carona, o sorvete derreteu e virou alimento de formigas famintas. Jimmy vê isso, e nós também, em mais um simbolismo visual da série, que é sutil e não é martelado na cabeça do espectador. Coisas aparentemente pequenas levam a grandes desenvolvimentos, e ao longo da série, de vez em quando uma lente de aumento foi colocada sobre esses momentos. Better Call Saul, afinal, é uma série sobre os pequenos passos em direção a uma grande decadência.

‘As Filhas de Eva’: a sedutora serpente chamada liberdade

Quem foi Eva? Segundo os escritos da Bíblia, foi a primeira mulher do Planeta Terra, nascida da costela de Adão, o primeiro homem. Enganada e seduzida pela serpente, come o fruto proibido e, como castigo para ambos, Deus enviou o caos à Terra. Esta é uma breve síntese...

‘Loki’: boa, porém desperdiçada, introdução ao multiverso Marvel

Após a excêntrica e divertida "Wandavision", a política e reflexiva "Falcão e o Soldado Invernal", a nova série da Marvel focada no Deus da Trapaça é uma ótima introdução para o que está por vir no Universo Cinematográfico Marvel (MCU). Entretanto, por conta do...

‘Elize Matsunaga – Era Uma Vez Um Crime’: misoginia brasileira escancarada

Duas coisas se destacam na minissérie “Elize Matsunaga: Era Uma Vez Um Crime”: o domínio patriarcal no Brasil e o estudo de personagem feito pela diretora Eliza Capai. A documentarista é responsável por produções que buscam investigar personagens femininas sem...

‘Dom’: história de amor paterno no meio do caos das drogas

Dom (2021), nova aposta da Amazon Prime, é uma série que desperta as mais diversas emoções. Livremente inspirado no romance homônimo escrito pelo titã Tony Belotto e também em O Beijo da Bruxa (2010), de Luiz Victor Lomba (pai do Pedro), a produção narra a história...

‘Solos’: minissérie joga fora todos seus promissores potenciais

A minissérie do Prime Video "Solos" busca se distanciar de comparações ao streaming concorrente. Para tanto, traz elementos de ficção científica e a relação da tecnologia com (e eventualmente versus) a humanidade em um futuro distópico. Nesse sentido, há uma...

‘Manhãs de Setembro’: Lineker encanta em busca pela independência

“Manhãs de Setembro” é uma série recém-lançada pelo Prime Vídeo e traz a cantora Liniker no papel da protagonista Cassandra, uma mulher trans que divide seu tempo como motogirl de um aplicativo de entrega e seu trabalho como cantora. Somos apresentados à personagem em...

‘Mare of Easttown’: Kate Winslet domina brilhante estudo de personagem

Mare Sheehan não encara um bom momento em sua vida. Ela é uma policial na faixa dos 40 anos na cidadezinha de Easttown, no estado americano da Pensilvânia, um daqueles locais onde todo mundo conhece todo mundo. Há cerca de um ano uma jovem desapareceu por lá, e Mare e...

‘O Caso Evandro’: uma narrativa macabra repleta de reviravoltas

São poucas histórias factuais com tantas reviravoltas a ponto de serem mais interessantes e impressionantes do que as narrativas de ficção. A série documental “Caso Evandro”, disponível na Globoplay, entretanto, apresenta um conto revelador sobre um Brasil repleto de...

‘The Underground Railroad’: comovente luta pela liberdade e contra o racismo

É muito difícil encontrar uma adaptação audiovisual de um livro que consiga superar a obra original. “The Underground Railroad”, entretanto, não apenas alcança este feito como também atribui novas perspectivas ao romance homônimo escrito pelo premiado Colson...

‘O Legado de Júpiter’: Netflix perde o bonde para ‘The Boys’

Levando em conta todo o conteúdo de super-heróis disponível hoje no terreno das séries de TV e streaming – e é bastante – ainda há muito espaço para o heroísmo, digamos, tradicional: embora brinquem com formatos e gêneros e adicionem algumas complexidades aqui e ali,...