Não sabemos ao certo o que esperar de um episódio para o outro de Better Call Saul. O anterior, o 5×02, terminava com o plano de um sorvete caído numa calçada, que fazia um rima visual legal com o plano final do teaser deste mesmo episódio, que mostrava um anão de jardim quebrado e caído na rua. O que parecia apenas um floreio adquire uma importância metafórica neste 5×03, intitulado “O Cara Certo”.

E Jimmy, agora Saul, é o cara certo e descobre isso dando seu grande primeiro passo das pequenas bandidagens para as grandes… Depois de ser levado por Nacho a um encontro com Lalo, ele se vê na posição de virar advogado de um traficante, Domingo, o nosso conhecido Krazy-8 – que vai ser morto por Walter White logo nos primeiros dias de Breaking Bad…

LEIA TAMBÉM: Crítica: “Better Call Saul” – Episódios 5×01 e 5×02

Jimmy/Saul fica desconfiado e nervoso no início – até elogia o famoso Tuco para Lalo. Mas depois o papel de advogado “criminal” no duplo sentido começa a ficar mais confortável – Mais à frente ele diz a Kim que “foi o melhor dia, financeiramente falando” do Saul.

Kim, por sua, também aprende que é difícil “dormir em duas camas” quando seu trabalho pro bono, para clientes que não podem pagar, conflita com seus serviços para a grande empresa Mesa Verde. Ao se ver diante de uma situação com um senhor idoso, a hipocrisia dela é jogada na sua cara. Quando começaram seus serviços legais, Jimmy e Kim tinham a ideia de autonomia, de fazerem o que quisessem e por conta própria. Mas nem sempre a vida funciona assim… E pouco a pouco eles vão se envolvendo com seus “chefes”. Nacho diz a Jimmy, “se você está dentro, ficará para sempre dentro”.

‘BREAKING BAD’ SE APROXIMA

Entre esses momentos, vemos… Mike, bêbado e deprimido, tem uma confrontação com uns bandidos – o momento mais fraco do episódio, mas que ainda é elevado pela atuação de Jonathan Banks. É só que já sabemos que ele é um coroa irado… E Nacho, num apartamento chique, mas vazio, é confrontado pelo pai. Em mais um lance criativo da parte visual da série, somos levados a crer que dentro do apartamento é noite, mas do lado de fora, quando vemos o pai de Nacho, é plano dia… Aliás, a própria direção de arte do apartamento passa uma ideia de prisão para Nacho, por mais que esteja acompanhado de moças usando roupas reveladoras.

E, claro, Steve (!) e Hank (!!!) dão as caras, nas suas primeiras aparições – espera-se – em Better Call Saul, e o primeiro encontro deles com Saul também representa o primeiro momento em que este entrou no jogo que, de vez, determinaria o seu futuro. Ao ser trazido de volta ao local da sua carona, o sorvete derreteu e virou alimento de formigas famintas. Jimmy vê isso, e nós também, em mais um simbolismo visual da série, que é sutil e não é martelado na cabeça do espectador. Coisas aparentemente pequenas levam a grandes desenvolvimentos, e ao longo da série, de vez em quando uma lente de aumento foi colocada sobre esses momentos. Better Call Saul, afinal, é uma série sobre os pequenos passos em direção a uma grande decadência.

‘O Legado de Júpiter’: Netflix perde o bonde para ‘The Boys’

Levando em conta todo o conteúdo de super-heróis disponível hoje no terreno das séries de TV e streaming – e é bastante – ainda há muito espaço para o heroísmo, digamos, tradicional: embora brinquem com formatos e gêneros e adicionem algumas complexidades aqui e ali,...

‘Them’: ecos de ‘Poltergeist’ em incômoda série sobre racismo

No começo da década de 1980, Steven Spielberg e Tobe Hooper lançaram Poltergeist: O Fenômeno (1982), que acabaria se tornando um pequeno clássico do terror ao mostrar uma típica família norte-americana de um subúrbio californiano aparentemente perfeito enfrentando...

‘Falcão e o Soldado Invernal’: legado do Capitão América vira dilema da própria Marvel

ATENÇÃO: O texto a seguir possui SPOILERS de “Vingadores: Ultimato”. Histórias de super-heróis de quadrinhos são, por definição, otimistas. Por terem sido orginalmente criadas como fantasias infanto-juvenis, o otimismo faz parte de seu DNA: há um herói, há um vilão, o...

‘Os Irregulares de Baker Street’: Sherlock mal tratado em série péssima da Netflix

Sim, lá vamos nós para mais uma adaptação das obras de Arthur Conan Doyle. A Netflix, por exemplo, mantém uma linha de produção na qual não aborda exatamente a figura de Sherlock Holmes, mas sim, personagens ligados a ele. Após o sucesso de ‘Enola Holmes’ é a vez dos...

‘Small Axe: Educação’: ensino como instrumento de luta racial

Chegamos ao último episódio de “Small Axe”, série antológica dirigida por Steve McQueen (“12 Anos de Escravidão”). Intitulado “Educação”, o capítulo final narra um conto infantil carregado de incompreensões, racismo e a luta por uma educação inclusiva. O diretor, que...

‘Small Axe: ‘Alex Wheatle’: quando se encontra o senso de pertencimento

Duas coisas se destacam em “Alex Wheatle”, quarto episódio da série antológica “Small Axe”: a construção visual e o protagonista. Ao longo das semanas, tenho destacado o trabalho do diretor de fotografia Shabier Kirchner. Seja por sua câmera sensível em “Os Nove do...

‘Small Axe: Vermelho, Branco e Azul’: Boyega contra o racismo policial inglês

Em “Small Axe”, chegamos à semana do episódio que rendeu a John Boyega o Globo de Ouro de Melhor Ator em Minissérie ou Telefilme. Intitulado “Vermelho, Branco e Azul”, justamente as cores presentes na bandeira do Reino Unido, acompanhamos a saga de Leroy Logan...

‘Por Trás dos Seus Olhos’: imperdível thriller psicológico eletrizante

O quão longe você iria para ter o amor de alguém? Existem escrúpulos na busca pela vida perfeita com quem se ama? Esses são alguns questionamentos levantados pela minissérie da Netflix ‘Por trás de seus olhos’. Baseada no romance homônimo de Sarah Pinborough, a...

‘Os Últimos Dias de Gilda’: alegoria das sementes do ódio brasileiro

Se Jean-Paul Sartre já dizia que o inferno são os outros, imagina o que ele diria se ele fosse mulher e vivesse no subúrbio do Rio de Janeiro. "Os Últimos Dias de Gilda", nova minissérie da Globoplay exibida no Festival de Berlim deste ano, dá pungentes contornos a um...

‘Small Axe: Lovers Rock’: experiência sensorial em trama irregular

Tomando como referência o episódio anterior, considero essa segunda história de “Small Axe” um ponto fora da curva. A direção permanece impecável e, mais uma vez, a ambientação é o grande destaque da narrativa. No entanto, “Lovers Rock” carece de uma história mais...