Seguindo a irregularidade característica da série, os episódios 10 e 11 de “Boto” conseguem, ao mesmo tempo, trazer momentos brilhantes – talvez, os melhores até aqui – e outros beirando o tédio. A reta final escancara que, apesar de ter cinco protagonistas, cabe a Alex (Renan Tenca) e Valdomiro (Lucas Wickhaus) segurar os principais conflitos em cena.

LEIA TAMBÉM: Crítica: ‘Boto’ – Episódios 1, 2 e 3: O Protagonismo da Enigmática Manaus

“Depois de Ontem”, título do décimo capítulo de “Boto”, inicia do término do episódio anterior com ménage entre Alex, Giordano (Ítalo Almeida) e Lara (Daniela Blois). Tudo feito com muito cuidado, exalando liberdade e afeto, mas, que não se sustenta por tanto tempo assim, afinal, o que poderia ser um causador de conflito ou alguma faísca inesperada pelo rumo do trisal, na verdade, termina com eles fumando um baseado, dormindo nus juntos, se beijando mais um pouco e só. Nem mesmo o episódio seguinte apresenta algum elemento adicional, o que só aumenta a sensação de desperdício dos personagens de Ítalo e Daniela – sinceramente, já desisti de esperar qualquer coisa da dupla.

LEIA TAMBÉM: Crítica: ‘Boto’ – Episódios 4 e 5: Ou Pode Chamar de ‘Aquela Estrada 2’

Ainda falando de Alex, ele protagoniza o grande momento de “Boto” até aqui no episódio 11, “Boto Máquina”. Novamente, o passado nebuloso do personagem está no centro da história com a traumática viagem de barco feita na infância. Remetendo a Hamlet, o príncipe da Dinamarca assombrado pela morte do pai, temos Alex lidando com o seu passado em uma encenação de uma performance teatral repleta de grunhidos e angustiante, tal qual o espírito inquieto do rapaz.

CAMINHADA TRÁGICA

Paralelo a isso, temos Valdomiro que decide sair à rua e ir ao trabalho de vestido e brinco. Ao sair para tomar uma cerveja com um cliente da pizzaria em que exerce a função de garçom, ele acaba sendo vítima da intolerância. Interessante observar como existe um ar trágico em relação ao personagem em “Depois de Ontem”: ao vê-lo caminhar confiante e feliz pelas ruas ensolaradas do Centro de Manaus, sabemos que, logo, a triste e violenta realidade de uma sociedade incapaz de olhar com afeto ao diferente e preconceituosa será posta. O contraste com o fim do capítulo, em uma avenida Eduardo Ribeiro deserta, tarde da noite, ensanguentado e com o olhar de espanto e incredulidade com o que lhe ocorrera, sem ter a quase ninguém para recorrer (a PM não parece ser a melhor escolha), dá o tom perfeito desta composição.

LEIA TAMBÉM: Crítica: Boto – Episódios 6 e 7: Série Cresce Independente de Obstáculos

Completa esta jornada a forma como a sociedade sexualiza aqueles corpos acima de qualquer outro traço. Para Amaury (Diego Bauer), típico ‘cidadão de bem’, não importa quão seja competente como garçom ou o talento inegável como cantor, Valdomiro é apenas um ser o qual deseja ter posse. O simbolismo desta violência ganha ainda mais força ao se tratar de um homem negro identificando-se com um gênero feminino, corpos historicamente violentados e desrespeitados pela sociedade brasileira ao longo de séculos.

LEIA TAMBÉM: Crítica: Boto – Episódios 8 e 9: Sobra Tempo e Falta História

Os dois últimos capítulos de “Boto” serão exibidos a partir da próxima sexta-feira (26) na TV Ufam, a partir das 23h (hora de Manaus).

‘Terra Nova’: o desamparo da arte e de uma cidade na pandemia

A pandemia do novo coronavírus impactou a sociedade brasileira como um todo. Mas, talvez um dos segmentos mais prejudicados tenha sido a produção cultural independente, que, em grande parte, dependia de plateias e aglomerações em espaços fechados. Soma-se isso a uma...

‘Graves e Agudos em Construção’: a transgressão esquecida do rock

‘O rock morreu?’ deve ser a pergunta mais batida da história da música. Nos dias atuais, porém, ela anda fazendo sentido, pelo menos, no Brasil, onde o gênero sumiu das paradas de sucessos e as principais bandas do país vivem dos hits de antigamente. Para piorar,...

À Beira do Gatilho’: primor na técnica e roteiro em segundo plano

Durante a cerimônia de premiação do Olhar do Norte 2020, falei sobre como Lucas Martins é um dos mais promissores realizadores audiovisuais locais ainda à espera de um grande roteiro. Seus dois primeiros curtas-metragens - “Barulhos” e “O Estranho Sem Rosto” -...

‘Jamary’: Begê Muniz bebe da fonte de ‘O Labirinto do Fauno’ em curta irregular

Primeiro trabalho na direção de curtas-metragens de Begê Muniz, conhecido por ser o protagonista de “A Floresta de Jonathas”, “Jamary” segue a trilha de obras infanto-juvenis do cinema amazonense como “Zana - O Filho da Mata”, de Augustto Gomes, e “Se Não”, de Moacyr...

‘O Buraco’: violência como linguagem da opressão masculina

Em vários momentos enquanto assistia “O Buraco”, novo filme de Zeudi Souza, ficava pensando em “Enterrado no Quintal”, de Diego Bauer. Os dois filmes amazonenses trazem como discussão central a violência doméstica. No entanto, enquanto “Enterrado” apresenta as...

‘No Dia Seguinte Ninguém Morreu’: a boa surpresa do cinema do Amazonas em 2020

“No Dia Seguinte Ninguém Morreu” é, sem dúvida, uma das mais gratas surpresas do cinema produzido no Amazonas nos últimos anos. Esta frase pode parecer daquelas bombásticas para chamar a sua atenção logo de cara, mas, quem teve a oportunidade de assistir ao...

‘O Estranho Sem Rosto’: suspense psicológico elegante fica no quase

Lucas Martins foi uma grata surpresa da Mostra do Cinema Amazonense de 2016 com “Barulhos”. Longe dos sustos fáceis, o curta de terror psicológico apostava na ambientação a partir de um clima de paranoia para trabalhar aflições sociais provenientes da insegurança...

‘Tucandeira’: Jimmy Christian faz melhor filme desde ‘Bodó com Farinha’

Fazia tempo que Jimmy Christian não entregava um curta tão satisfatório como ocorre agora com “Tucandeira”. O último bom filme do diretor e fotógrafo amazonense havia sido “Bodó com Farinha” (2015) sobre todo o processo de pesca, cozimento e importância do famigerado...

‘Jackselene’: simbólico curta na luta pelo aprendizado do audiovisual em Manaus

Sem uma faculdade ou escola de cinema regular desde o fechamento do curso técnico de audiovisual da Universidade do Estado do Amazonas após míseras duas turmas formadas, os aspirantes a cineastas em Manaus recorrem a iniciativas de curta duração. Artrupe, Centro...

‘A Ratoeira’: percepções sensoriais do calor e da cultura manauara

São muito variantes as percepções que se tem de “A Ratoeira”, curta de Rômulo Sousa (“Personas” e “Vila Conde”) selecionado para o Festival Guarnicê 2020. Em seu terceiro projeto como diretor, ele entrega uma obra que experimenta várias construções cinematográficas e...