‘The Boys’ inicia a segunda temporada apostando nos elementos que marcam seu diferencial em comparação a outras adaptações de HQ’s: violenta, sanguinária e constantemente surreal. Entretanto, neste segundo ano, tais pontos fortes são comedidos e dividem espaço com a busca por densidade temática e uma história mais complexa. Apesar dos esforços, a trama apresentada ainda não empolga tanto quanto as cenas chocantes de ação, mas, ao menos, se mostra como uma alternativa com grandes chances de ser bem desenvolvida. 

Episódio 1 – “Uma viagem e tanto” 

Preocupado em responder perguntas deixadas pelo final da temporada anterior, o showrunner Eric Kripke apresenta um primeiro episódio eficiente em realizar a conexão entre os dois momentos diferentes da série. Para isso, a história se divide novamente entre acompanhar superpoderosos “Os Sete” e seus inimigos, “The Boys”. 

De um lado, os “heróis” se encontram divididos em função de seus interesses próprios: Homelander (Antony Starr) lida com a ausência de Madelyn (Elisabeth Shue) enquanto enfrenta a diretoria da Vought por maior controle sobre Os Sete; Starlight (Erin Moriarty) continua como uma agente dupla trabalhando para a Vought ao mesmo tempo que tenta derrubá-la; Maeve (Dominique McElligott) e Deep (Chace Crawford) enfrentam questionamentos pessoais enquanto buscam se manter na equipe. Já o grupo protagonista sente toda fragilidade de suas ações com Hughie (Jack Quaid) e Butcher (Karl Urban) tentando acertar suas diferenças e sair da condição de procurados pela polícia. 

Com uma distância óbvia entre os personagens, o roteiro investe na aproximação destas narrativas e em justificar acontecimentos anteriores. Ao primeiro olhar, tudo parece aproveitável e interessante, entretanto, tramas como o romance entre Hughie e Starlight e o isolamento de Deep logo revelam uma repetição do que foi visto anteriormente. Já a ação sangrenta aparece timidamente nesse primeiro momento, possuindo uma preocupação em não ser apenas violência gratuita, mas, mostrar pontos importantes para o desenvolvimento da história. 

Episódio 2 – “Armando a Arapuca” 

Apesar do capítulo anterior ser animador para uma volta de série, seu ritmo é mais lento e compassivo, por isso, fica a cargo do segundo episódio aumentar a intensidade da trama. O início sob o ponto de vista de Butcher logo traz de volta seu papel como protagonista, mostrando motivações pessoais – diretamente ligadas com Homelander. Nesse aspecto, ambos personagens são facilmente explorados por seus respectivos atores, principalmente Antony Starr, o qual volta às expressões conhecidas de Homelander sem se tornar caricato. 

O episódio também apresenta a força do humor presente na série: seja pela ironia ou pelo politicamente incorreto, as histórias sempre terminam com humor ácido (mesmo se tratando de momentos mais complexos). O grande proveito disto é a volta das correlações com o mundo real e sacadas sobre a internet, incluindo memes, vídeos virais e aplicativos populares. A personagem que ajuda bastante nesse aspecto é a novata Stormfront (Aya Cash), a qual logo de início ajuda a debater sobre a aceitação pública de superpoderosos. 

Novamente, os pontos fracos da narrativa são Deep e Maeve. Não apenas por estarem longe da trama principal, mas também por possuírem temáticas mal exploradas. Deep não se encontra nem no humor nem no drama, apesar de suas motivações possuírem um cenário mais denso, já Maeve tem uma trama interessante, porém, sempre é apresentada de forma tímida, quase que uma forma de tapar buracos para cumprir o tempo da produção. 

Episódio 3 – “Mil homens armados com espadas” 

Inevitavelmente o episódio que mais se destaca nessa fase inicial. Tem um papel importante tanto em dar continuidade à trama como também apresentar novidade. As primeiras cenas mostram Hughie e Butcher em um novo cenário totalmente oposto do porão anterior onde se escondiam. Assim, a impressão de que o grupo progride finalmente é palpável, mesmo sem a trama acompanhar este desenvolvimento. 

Presente no grupo do Butcher, Kimiko (Karen Fukuhara) é uma personagem negligenciada na trama em vários aspectos e, este episódio mostra a intenção da série em aproveitá-la melhor. A trama com o aparecimento de seu irmão é explorada sempre em benefício próprio, revelando mais sobre sua origem para o público finalmente a conhecer. Seu irmão, por outro lado, possui uma presença pequena e mal explorada, mas, ainda mostra um desenvolvimento mínimo para acompanhar Kimiko. Outra personagem de destaque no capítulo é novamente Stormfront, a qual mesmo com apenas poucas aparições já possui uma cena icônica para chamar de sua. 

Mas o que torna o episódio o ponto alto da temporada até então é o fato de Butcher e Homelander se encontrarem novamente. A forma como a série lida com seus personagens é muito mais interessante por não protelar esse embate, pelo contrário, ele possui pouco destaque pois já foi visto na série. Assim, o grande foco do episódio é ressignificar a dinâmica entre os personagens. Outro grande exemplo disso é a aparição de Deep para Os Sete, momento que justifica toda sua trama anterior desinteressante, conseguindo também ser aproveitado juntamente de seus poderes para criar uma cena memorável. 

Episódio 4 – Não há nada igual no mundo 

É um episódio que precisa ser mais maduro e deixar o humor de lado. Também possui a menor classificação indicativa da temporada até então, mostrando o enfoque em acompanhar seus personagens. Nesse aspecto, Homelander é novamente um ótimo destaque e sua variação entre dilemas adultos desenvolvidos por alguém com diversos traumas infantis, encerrando o capítulo com um tom bastante sombrio. 

Nesse episódio os personagens verdadeiramente crescem. A carga dramática dos diálogos é maior e finalmente as consequências de viver em um mundo tão violento e surreal são sentidas por todos. Chega a ser irônico como Starlight, Maeve e vários outros personagens são bem explorados em um episódio onde o protagonista Butcher fica restrito à uma trama mal desenvolvida e clichê. Maeve, inclusive, tem sua sexualidade revelada à força, o que poderia render um ótimo debate, mas fica restrito a narrativa heroica já estabelecida. 

A revelação sobre Maeve só reforça a intenção de aprofundar melhor temáticas neste episódio. Desta forma, a discussão sobre corrupção de falhas no sistema judiciário voltam com a perseguição do The Boys à Vought e seus heróis. Se encaminhando para a metade da temporada, a série parece alcançar a densidade que já dava indícios desde o primeiro momento, entretanto, a forma como isto será explorado sem deixar o humor marcante se sobressair ou ser encoberto pelo sangue nas cenas de ação ainda é uma incógnita a ser respondida. 

‘As Filhas de Eva’: a sedutora serpente chamada liberdade

Quem foi Eva? Segundo os escritos da Bíblia, foi a primeira mulher do Planeta Terra, nascida da costela de Adão, o primeiro homem. Enganada e seduzida pela serpente, come o fruto proibido e, como castigo para ambos, Deus enviou o caos à Terra. Esta é uma breve síntese...

‘Loki’: boa, porém desperdiçada, introdução ao multiverso Marvel

Após a excêntrica e divertida "Wandavision", a política e reflexiva "Falcão e o Soldado Invernal", a nova série da Marvel focada no Deus da Trapaça é uma ótima introdução para o que está por vir no Universo Cinematográfico Marvel (MCU). Entretanto, por conta do...

‘Elize Matsunaga – Era Uma Vez Um Crime’: misoginia brasileira escancarada

Duas coisas se destacam na minissérie “Elize Matsunaga: Era Uma Vez Um Crime”: o domínio patriarcal no Brasil e o estudo de personagem feito pela diretora Eliza Capai. A documentarista é responsável por produções que buscam investigar personagens femininas sem...

‘Dom’: história de amor paterno no meio do caos das drogas

Dom (2021), nova aposta da Amazon Prime, é uma série que desperta as mais diversas emoções. Livremente inspirado no romance homônimo escrito pelo titã Tony Belotto e também em O Beijo da Bruxa (2010), de Luiz Victor Lomba (pai do Pedro), a produção narra a história...

‘Solos’: minissérie joga fora todos seus promissores potenciais

A minissérie do Prime Video "Solos" busca se distanciar de comparações ao streaming concorrente. Para tanto, traz elementos de ficção científica e a relação da tecnologia com (e eventualmente versus) a humanidade em um futuro distópico. Nesse sentido, há uma...

‘Manhãs de Setembro’: Lineker encanta em busca pela independência

“Manhãs de Setembro” é uma série recém-lançada pelo Prime Vídeo e traz a cantora Liniker no papel da protagonista Cassandra, uma mulher trans que divide seu tempo como motogirl de um aplicativo de entrega e seu trabalho como cantora. Somos apresentados à personagem em...

‘Mare of Easttown’: Kate Winslet domina brilhante estudo de personagem

Mare Sheehan não encara um bom momento em sua vida. Ela é uma policial na faixa dos 40 anos na cidadezinha de Easttown, no estado americano da Pensilvânia, um daqueles locais onde todo mundo conhece todo mundo. Há cerca de um ano uma jovem desapareceu por lá, e Mare e...

‘O Caso Evandro’: uma narrativa macabra repleta de reviravoltas

São poucas histórias factuais com tantas reviravoltas a ponto de serem mais interessantes e impressionantes do que as narrativas de ficção. A série documental “Caso Evandro”, disponível na Globoplay, entretanto, apresenta um conto revelador sobre um Brasil repleto de...

‘The Underground Railroad’: comovente luta pela liberdade e contra o racismo

É muito difícil encontrar uma adaptação audiovisual de um livro que consiga superar a obra original. “The Underground Railroad”, entretanto, não apenas alcança este feito como também atribui novas perspectivas ao romance homônimo escrito pelo premiado Colson...

‘O Legado de Júpiter’: Netflix perde o bonde para ‘The Boys’

Levando em conta todo o conteúdo de super-heróis disponível hoje no terreno das séries de TV e streaming – e é bastante – ainda há muito espaço para o heroísmo, digamos, tradicional: embora brinquem com formatos e gêneros e adicionem algumas complexidades aqui e ali,...