Após emplacar seus dois últimos projetos – “Aquela Estrada” e “Formas de Voltar Para Casa” – em festivais nacionais e internacionais, Rafael Ramos se prepara para gravar “Manaus Hot City”. Ambientada no centro da cidade, a produção começa a ser rodada em setembro e é o primeiro projeto totalmente independente do diretor, ou seja, sem a participação da Artrupe Produções Artísticas.

A ideia para o curta surgiu bem longe da capital amazonense. “Certa vez recebi uns peixes de Manaus e convidei um amigo para almoçar comigo na temporada que passei em São Paulo. Olhando a situação, pensei: ‘será que isso daria um bom roteiro?”, disse.

“Manaus Hot City” acompanha dois amigos que resolvem tirar um dia para almoçar juntos e conversar. Entre as discussões, conceitos sobre a cidade, o calor e saudade se destacam. “A premissa é bem simples e procura abordar como essas temáticas se aplicam a nossa região e ecoam nas relações locais”, afirmou.

Inspirações maranhenses

Diferente de suas produções anteriores, Rafael Ramos procurou escrever muitos diálogos a fim de “passar a sensação de que os personagens tivessem prazer em falar e em ouvir o outro”, contou.

A inquietação para estruturar o roteiro dessa forma veio de um ensaio do filósofo alemão Christoph Turcke, entretanto, “as grandes referências para os diálogos foram poemas, especialmente os de Ferreira Gullar e Matilde Campilho por abordarem a relação com espaços públicos e a referência de pertencimento ao lugar”.

Entre os poemas que o inspiraram estão os presentes no livro “Poema Sujo”, de Gullar, especialmente, sobre a relação do autor com o Maranhão e a saudade que sente da terra natal durante o exílio. Não à toa o personagem principal ser um poeta à procura de inspiração para escrever sobre o calor de Manaus.

Sem ecos de filmes anteriores

Rafael Ramos não vê muitas correlações com seus projetos anteriores, em cada um deles a concepção e o processo de criação foram feitos de maneiras distintas. “Todos os meus projetos são muito diferentes entre si. Talvez o que os conecte seja a intensa busca por experimentar coisas novas a cada produção”, afirmou.

Para “Manaus Hot City”, Rafael Ramos procurou rostos novos para compor sua equipe de produção. O elenco terá Maria do Rio e Frank Kitzinger nos papéis principais, enquanto Francisco Ricardo será responsável pela direção de arte e e Taiara Guedes do som direto. “A ideia de trabalhar com pessoas com pouca experiência é trazer novos ares ao set e experimentar, vejo isso como uma potência no projeto”.

 “Manaus Hot City” é uma produção totalmente independente, sem financiamento via edital ou via produtora. A partir do dia 22 de julho, uma campanha no Catarse será lançada para captar recursos para o projeto.

O lançamento do filme está previsto para 2020.

CONFIRA A FILMOGRAFIA DE RAFAEL RAMOS:

‘O Buraco’: violência como linguagem da opressão masculina

Em vários momentos enquanto assistia “O Buraco”, novo filme de Zeudi Souza, ficava pensando em “Enterrado no Quintal”, de Diego Bauer. Os dois filmes amazonenses trazem como discussão central a violência doméstica. No entanto, enquanto “Enterrado” apresenta as...

‘No Dia Seguinte Ninguém Morreu’: a boa surpresa do cinema do Amazonas em 2020

“No Dia Seguinte Ninguém Morreu” é, sem dúvida, uma das mais gratas surpresas do cinema produzido no Amazonas nos últimos anos. Esta frase pode parecer daquelas bombásticas para chamar a sua atenção logo de cara, mas, quem teve a oportunidade de assistir ao...

‘O Estranho Sem Rosto’: suspense psicológico elegante fica no quase

Lucas Martins foi uma grata surpresa da Mostra do Cinema Amazonense de 2016 com “Barulhos”. Longe dos sustos fáceis, o curta de terror psicológico apostava na ambientação a partir de um clima de paranoia para trabalhar aflições sociais provenientes da insegurança...

‘Tucandeira’: Jimmy Christian faz melhor filme desde ‘Bodó com Farinha’

Fazia tempo que Jimmy Christian não entregava um curta tão satisfatório como ocorre agora com “Tucandeira”. O último bom filme do diretor e fotógrafo amazonense havia sido “Bodó com Farinha” (2015) sobre todo o processo de pesca, cozimento e importância do famigerado...

‘Jackselene’: simbólico curta na luta pelo aprendizado do audiovisual em Manaus

Sem uma faculdade ou escola de cinema regular desde o fechamento do curso técnico de audiovisual da Universidade do Estado do Amazonas após míseras duas turmas formadas, os aspirantes a cineastas em Manaus recorrem a iniciativas de curta duração. Artrupe, Centro...

‘A Ratoeira’: percepções sensoriais do calor e da cultura manauara

São muito variantes as percepções que se tem de “A Ratoeira”, curta de Rômulo Sousa (“Personas” e “Vila Conde”) selecionado para o Festival Guarnicê 2020. Em seu terceiro projeto como diretor, ele entrega uma obra que experimenta várias construções cinematográficas e...

‘Enterrado no Quintal’: sabor amargo de que dava para ser maior

Tinha tudo para dar certo: Diego Bauer, recém-saído do ótimo “Obeso Mórbido”, adaptando um conto de Diego Moraes, escritor amazonense cercado de polêmicas, mas, de uma habilidade ímpar para construção de narrativas altamente descritivas, sarcásticas, sem qualquer tipo...

‘O Barco e o Rio’: angústias e desejos sufocados compõem ótimo filme

O Amazonas fechou a mostra competitiva de curtas-metragens brasileiros do Festival de Gramado 2020 com “O Barco e o Rio”. Quarto filme da carreira de Bernardo Ale Abinader, o projeto se mostra um salto evolutivo enorme dentro da filmografia do diretor/roteirista,...

‘Atordoado, Eu Permaneço Atento’: registro arrepiante da ditadura brasileira

O Brasil parece ser um país em que o passado e o presente vêm convergindo nos últimos tempos, e nesse contexto, o curta-metragem Atordoado, Eu Permaneço Atento, co-dirigido por Lucas H. Rossi dos Santos em parceria com o realizador amazonense Henrique Amud, chega como...

‘Manaus Hot City’: experiência afetiva, melancólica, quente e sensorial

Com pouco mais de 10 anos na direção de curtas-metragens de ficção, Rafael Ramos já trilhou os mais diversos rumos indo do convencional de “A Segunda Balada” e “A Menina do Guarda-Chuva" até o lisérgico de “Aquela Estrada”. Todos estes caminhos convergem para “Manaus...