No meio da maior pandemia em um século, o cinema enfrenta uma de suas maiores crises com salas fechadas ao redor do planeta e incertezas sobre os rumos do setor no Brasil amplificado pela (falta de) gestão do governo Bolsonaro. Ainda assim, o audiovisual segue em frente encontrando caminhos de resistência através da criatividade e resiliência dos artistas aliada aos dispositivos tecnológicos.

Realizado de forma totalmente online, o Festival Olhar do Norte abre espaço para experimentações e obras realizadas durante este período com a Mostra Olhar da Pandemia. São 13 filmes feitos a partir de março de 2020 em que o contexto da pandemia do COVID-19 é abordado de maneira direta ou indireta. Todas as produções vão disputar o prêmio de Melhor Filme.

CONFIRA TODOS OS DETALHES SOBRE OS FILMES:

 

Shaynna Pidori já escreveu e dirigiu “Baile do Carmo” e “O lenço do Samba”, documentários selecionados no edital Etnodoc

 

Filme: A Quarentena de Gertrudes

Direção: Shaynna Pidori

São Paulo, 3 minutos

Sinopse: A protagonista é uma frequentadora de bingo e uma mulher solitária, que nunca gostou de animais. Incumbida de cuidar da galinha do filho durante o período de quarentena, estabelece uma relação afetiva com ela, descobrindo coisas que não sabia sobre a ave.

“Bestiário” é o curta dirigido por Eduardo Resing após o trabalho como montador em “Boto”.

 Filme: Bestiário

Direção: Eduardo Resing

São Paulo, 2 minutos

Sinopse: Depois de oitenta e sete dias em isolamento social, uma pessoa descobre não estar sozinha em sua casa.

Jimmy Christian também participa da Mostra Norte com “Tucandeira”

Filme: COVID

Direção: Jimmy Christian

Amazonas, 7 minutos

Sinopse: A humanidade não estava preparada para enfrentar um vírus letal e muito menos o estado do Amazonas, os que duvidaram do COVID pagaram um preço muito alto. 

Ligia Souto é uma das roteiristas de “Boto”, série da Artrupe Produções.

 

Filme: Despejo

Direção: Lígia Souto

São Paulo, 2 minutos

Sinopse: Uma inquilina reflete sobre os sentimentos e segredos de sua casa diante de uma mudança iminente.

Do interior de São Paulo, Fabinho Santos apresenta o filme mais curto da Mostra Pandemia

 

Filme: Feira de Mainha

Direção: Fabinho Santinho

São Paulo, 50 segundos

Sinopse: As feiras são lugares de partilha, trocas, vendas, preços e sociabilidade, principalmente para negros africanos e afrodiaspóricos. Com a pandemia em curso, se tornou impossível circular por estes espaços. Essa curta cria uma paisagem sonora, com sons de mais variadas feiras e dialoga com a situação atual do mundo moderno-colonial; articulando imagens leves, com paisagens sonoras da feira e uma crítica a redistribuição de valores dos corpos.

Paraibano Leonardo Gonçalves traz na filmografia curtas como “Onde meus Olhos podem Alcançar” e “Julião”.

 

 

 

 

Filme: Isolamento Rural

Direção: Leonardo Gonçalves

Paraíba, 8 minutos

Sinopse: Filme trata da experiência do isolamento social na zona rural, tendo-se na observação do cotidiano de uma família de agricultores que vive no Assentamento Maria da Penha II, localizado na cidade de Alagoa Grande – PB. Assim, acompanhamos Maria Irece (63 anos) e seu marido Cristóvão (68 anos) que compartilham como suas vidas foram afetadas por causa do coronavírus.

Além de “O Drama”, Rafael Anaroli também produziu o curta “Todo Amor Dado Demais Pra Burro, É Pouco” durante a pandemia.

Filme: O Drama

Direção: Rafael Anaroli

Pernambuco, 1 minuto

Sinopse: Um artista, um isolamento social, uma câmera e uma ideia. A questão de que tudo está sendo filmado através das milhares lentes espalhadas diante da nova realidade em busca de comunicação. Como criar sem sair de casa, mas não de dentro de si. Apesar do Drama, ainda é preciso sorrir.

Romulo Sousa também está na Mostra Norte com “Ratoeira”

 

Filme: Ouço Alguém Chorar

Direção: Romulo Sousa

Amazonas, 1 minuto

Sinopse: Um choro de criança de madrugada pode tirar o sono de qualquer um, especialmente numa casa tão vazia.

Em 2018, Viviane Palandi dirigiu e protagonizou “O Búfalo”, solo performático baseado no conto homônimo presente no livro “Laços de Família”, de Clarice Lispector.

 

 

Filme: Parir Em Tempos de Cólera

Direção: Viviane Palandi e Júlia Salamé

Amazonas, 3 minutos

Sinopse: A vídeo-performance Parir em tempos de cólera nasce de um lampejo de não-lugar. Uma mulher e uma pergunta. Uma encruzilhada e uma ideia. Na pluralidade de decifrá-la a palavra parida é vermelho. Cor lampejante de fome. Gula por respostas. Um espirito canibal se apossou e a mulher comeu pedacinho por pedacinho ela mesma, em nome de um estado de sobrevivência. As imagens foram captadas nesse – nosso – tempo pandêmico, tendo os alimentos poéticos “Útero sem túmulo (ou banho da purificação)”, “A canção do Canibal” e “Mulher Cacto” da poeta Gloria Anzaldúa.

Murilo Barbosa participou da produção de “O Caso Tucumã”, premiado na última edição do Pirarucurta.

 

 

Filme: Pós Quarentena

Direção: Murilo Barbosa

Amazonas, 1 minuto

Sinopse: A ideia do curta é refletir em como nosso psicológico pode ter sido, estar sendo, ou como poderá ser afetado após este ano tão fora do comum. Refletir em como éramos antes e como ficaremos após estes momentos de distanciamento social, ainda mais sendo brasileiros tão habituados a sair e celebrar a vida sempre com tanto calor humano e aglomeração.

Nelson Rossiter já dirigiu filmes como “Experimento Líquido”, “Mais Humanos” e “Cumplicidad Brasileña”.

 

Filme: Respirar

Direção: Nelson Rossiter

Paraíba, 5 minutos

Sinopse: Falta-lhe ar. Pelo sobrepeso, pela máscara de proteção que cobre parte do seu rosto, pela espiral descendente na qual o país se encontra. No meio desse caminho sufocante, um chamado inesperado o faz mudar o itinerário. A sua necessidade agora é esta: respirar! 

Ravi Aynoré gravou o filme ao lado dos amigos Jonta Oliveira e Werbson Alves.

 

Filme: Pedalandoàcontra-mão

Direção: Ravi Aynoré

Sergipe, 6 minutos

Sinopse: Amigos se perdem em uma conversa gerando alterações de realidade

Rodrigo Ribeiro completa o time de realizadores selecionados para a Mostra Olhar da Pandemia.

 

Filme: Ecoa

Direção: Rodrigo Ribeiro

São Paulo, 3 minutos

Sinopse: O curta mostra o cotidiano de um jovem que vive durante a pandemia em sua casa e tenta sobreviver com a enxurrada de notícias que ocorrem diariamente. Como sobreviver nesses períodos mas ainda cuidar de sua saúde mental? 

‘A Hespanhola’: choque da alegoria restrita à mesma bolha

Em 2018, lembro-me de discutir com meu então mentor do programa para formação de críticos do Talent Press Rio, o português Luis Oliveira. O tópico: “Infiltrado na Klan”, de Spike Lee. Na ocasião, ele defendia que o filme não era bom por ser isento de qualquer sutileza...

‘Rabiola’: um verdadeiro suco de Brasil

Na história do cinema, não faltam casos de filmes que se utilizam de pontos de partidas comuns ou nada extraordinários para gradualmente representarem o panorama de uma sociedade e suas graves desigualdades. São casos de obras-primas como “Ladrões de Bicicleta”, ponto...

‘O Colar’: pedaços de grande filme ficam pelo caminho

O Festival Olhar do Norte acompanha com lupa a trajetória de Romulo Souza. Afinal, em todas as edições do evento, há um filme do jovem diretor e roteirista amazonense atualmente radicado em Santa Catarina. Na primeira edição foi “Personas”, documentário para além da...

Curta amapaense ‘Utopia’ é o grande vencedor do 4º Festival Olhar do Norte

A quarta edição do Festival Olhar do Norte terminou com a vitória do único curta-metragem vindo do Amapá: "Utopia" venceu Melhor Filme na Mostra Norte. O júri era formado pelos diretores Aldemar Matias (“La Arrancada”), Dheik Praia (“Pranto Lunar”), Elaíze Farias...

‘Meu Coração é um Pouco Mais Vazio na Cheia’: remix nas águas

Alguns elementos das raízes da cultura rave encontram um inusitado espaço de debate do curta “Meu coração é um pouco mais vazio na cheia”, da tocantinense Sabrina Trentim. O mais gritante deles é, óbvio, a presença da música eletrônica, mas o apreço por cenários...

‘Utopia’: o florescer da memória a partir da ausência

Com “Utopia”, a diretora amapaense Rayane Penha mostra ao público como a noção de ritmo é importante à narrativa documental no audiovisual. Dentre offs relembrando um sonho fantástico da diretora com o pai, depoimentos de conhecidos, a releitura de cartas paternas e...

‘Mestres da Tradição na Terra do Guaraná’: tema fascinante perde-se em pequenos excessos

O curta documentário “Mestres da Tradição na Terra do Guaraná”, com direção de Ramon Morato, foca nos músicos que mantêm vivos os ritmos de cancioneiro interiorano amazonense. São canções e ritos comunitários, cujas raízes remontam a culturas indígenas e...

‘Reflexos da Cheia’: uma viagem às origens do cinema dentro do Teatro Amazonas

Durante os nove minutos de “Reflexos da Cheia”, o público do Teatro Amazonas vivenciou uma oportunidade de viajar no tempo na terceira noite do Festival do Olhar do Norte. Engana-se quem deduz que este retorno faz referência apenas ao espantoso período de subida...

‘Nazaré: Do Verde ao Barro’: poética ribeirinha através da aquarela

Não é raro no curta-metragem vermos a experimentação técnica ou narrativa do realizador e equipe se sobrepor à necessidade real para o filme em si daquele recurso escolhido. Isso está longe de ser um crime, afinal, o curta traz esta liberdade maior, sendo, inclusive,...

‘Meus Santos Saúdam Teus Santos’: um abraço em forma de filme

Ao pensarmos na figura do Pajé, o senso comum aponta diretamente à representação massificada nas narrativas do festival folclórico de Parintins; se muito, imaginamos a figura de um indígena em idade avançada, envolto em trajes tidos como tradicionais. E para expandir...