O Olhar do Norte 2020 terá exibições especiais de elogiados curtas e longas-metragens do cinema brasileiro em 2020. Fazem parte desta programação três obras do cinema amazonense – “O Barco e o Rio”, de Bernardo Abinader, “Manaus Hot City”, de Rafael Ramos, e “Sons do Igarapé”, de Victor Kaleb – o longa paraense “O Reflexo do Lago”, de Fernando Segtowick, e o alagoano “Cavalo”, de Rafhael Barbosa.

CONHEÇA MAIS SOBRE OS CINCO FILMES E TUDO SOBRE AS EXIBIÇÕES:

“Manaus Hot City” é um dos principais destaques do cinema amazonense em 2020. Dirigido por Rafael Ramos, a produção acumula participações em importantes festivais brasileiros, entre eles, o Festival Internacional de Curtas-Metragens de São Paulo – Kinoforum,  o Festival de Vitória, o Cine PE e o Festival Curta Cinema. 

Rodado em 2019, o curta aborda a amizade entre três amigos e como esta é afetada por uma descoberta transformadora. Tudo isso em meio a conceitos de sobre a cidade, o calor e saudade. “Manaus Hot City” é quarto curta de ficção da carreira de Rafael Ramos – “A Segunda Balada“, “A Menina do Guarda-Chuva” e “Aquela Estrada” são as obras anteriores.

Maria do Rio, Frank Kitzinger, Denis Lopes e Vanessa Moraes integram o elenco, enquanto Francisco Ricardo (diretor de arte), Oberdan Nogueira (figurino), Livia Limeira (trilha sonora) fazem parte da equipe técnica)

Filme: Manaus Hot City
Direção, Roteiro e Direção de Fotografia: Rafael Ramos 

Elenco: Maria do Rio, Frank Kitzinger, Denis Lopes, Vanessa Moraes
Assistente de direção: André Cunha 
Diretora de produção: Karine Pantoja 
Produção: Lucas Aflitos, Lucas Carvalho, Wallace Modesto 
Montagem: Maynard Stuart Farrell 
Trilha Sonora e Edição de Som: Livia Limeira
Direção de Arte: Francisco Ricardo 
Figurino: Oberdan Nogueira 
Finalização: Leonardo Tavares

“O Barco e o Rio” chega como um dos filmes mais aguardados do Olhar do Norte 2020. Afinal, os cinco Kikitos conquistados no Festival de Gramado 2020 – Melhor Filme do Júri Oficial e Popular, Direção, Direção de Fotografia e Direção de Arte – deram uma projeção rara para uma produção amazonense tantos nas redes sociais quanto na mídia em geral. Essa será a grande oportunidade para quem não conferiu o curta dirigido por Bernardo Ale Abinader de poder assistir ao filme.

Produzido pela Fita Crepe Filmes, o curta traz a história de duas irmãs antagônicas que herdam o barco da família. A mais velha e conservadora, Vera (Isabela Catão), vê no patrimônio a vida dela, passando os dias transportando mercadorias e passageiros. Já Josi (Carolinne Nunes) não gosta das restrições da irmã; possui cabeça aberta, mas vê a vida mudar devido a uma gravidez inesperada. A dinâmica da relação é o ponto de conflito do de “O Barco e o Rio”.

Igual “Manaus Hot City”, “O Barco e o Rio” segue uma trajetória importante em festivais nacionais: além de Gramado, o curta amazonense integra a lista do Festival Curta Cinema, e, recentemente, obteve a primeira seleção para um festival internacional, no caso, o Festival Internacional de Curtas-Metragens de Bogotá, na Colômbia.

Filme: O Barco e o Rio
Direção e Roteiro: Bernardo Ale Abinader
Elenco: Isabela Catão, Carolinne Nunes, Márcia Vinagre, Diego Bauer
Produção Executiva: Hamyle Nobre
Direção de Fotografia: Valentina Ricardo
Direção de Arte: Francisco Ricardo
Trilha Musical: Heverson Batista (Batata)
Trilha Sonora Original: Lucas Coelho
Montagem: César Nogueira
Desenho de Som: Lucas Coelho

Um musical do cinema amazonense? Isso é possível?

Sim e “Sons do Igarapé” chega para provar isso. O pouco conhecido curta-metragem dirigido por Victor Kaleb terá mais uma chance de ser descoberto no Olhar do Norte 2020. A obra traz a história de um casal morando isolado que encontram um ser sem pêlos. Segundo o realizador, a ideia é trabalhar as questões sobre as conexões e relacionamentos humanos com a música sendo elo fundamental deste processo.

Este é o o primeiro filme de Victor Kaleb como diretor de curtas-metragens após atuar em peças de teatro da Artrupe e no curta “Aquela Estrada”, de Rafael Ramos, e “No Céu da Boca Cresceu Saturno”, de Francis Madson.

Filme: Sons do Igarapé
Direção e Roteiro: Victor Kaleb
Elenco: Victor Kaleb, Fabiano Baraúna, Jessyca Paiva
Direção de Fotografia: Robert Coelho
Montagem: Eduardo Resing

Som: Chico Toledo, Wayra Arendartchuk, Henrique Mendonça e Lucas Coelho

“Cavalo” está para o cinema de Alagoas o que significou “A Floresta de Jonathas” para o audiovisual amazonense. O projeto dirigido por Rafhael Barbosa e Werner Salles foi o primeiro longa-metragem do estado nordestino com incentivo público do Governo Federal através do Prêmio Guilherme Rogato em 2015, projeto da Fundação Municipal de Ação Cultural (FMAC) que repartiu R$ 900 mil entre o setor do audiovisual.

Produção híbrida composta por trechos documentais, ficcionais e performances de dança de sete artistas negros de Alagoas, “Cavalo”, através do candomblé e toda sua ancestralidade, mostra como o corpo daquelas pessoas é um instrumento de ligação com as suas raízes e, acima de tudo, de resistência social. 

O longa está acumulando importantes passagens por festivais de cinema Brasil afora em 2020, incluindo, a Mostra de Cinema de Tiradentes, o Festival Ecrã de Experimentações Audiovisuais e o Olhar de Cinema.

Filme: Cavalo
Direção e Roteiro: Rafhael Barbosa e Werner Salles
Elenco: Alexandrea Constantino, Evez Roc, Joelma Ferreira, Leide Serafim Olodum, Leonardo Doullennerr, Robert Maxwell  e Sara de Oliveira
Preparação de elenco: Glauber Xavier e Flávio Rabelo
Direção de produção: Adriana Manolio
Produção executiva: Valeska Leão
Assistência de produção: Renah Roxo Berindell
Som direto Simone Cordeiro
Direção de arte: Nina Magalhães e Weber Salles Bagetti
Montagem: Werner Salles Bagetti e João Paulo Procópio
Direção de fotografia: Roberto Iuri
Assistência de câmera: Chapola Silva
Edição e mixagem de som: Lucas Coelho
Assistência de direção: Guilherme César
Correção de cor e finalização: Gabriel Çarungaua

Iluminador: Moab de Oliveira Santos
Trilha sonora original: Luciano Txu

Se “Manaus Hot City” e “O Barco e o Rio” fazem bonito pelo cinema amazonense, é possível dizer o mesmo sobre cinema paraense com “O Reflexo do Lago”. O documentário de Fernando Segtowick foi o primeiro filme do Estado selecionado para a Mostra Panorama Dokumente do Festival Internacional de Cinema de Berlim. A produção também passou pelo 60º Festival de Cine de Cartagena de Índias, Mostra Algo a Declarar – estreia Latina (indicado a Melhor Documentário), DokuFest 2020, Mostra Green Dox (indicado a Melhor Documentário), Olhar de Cinema – Mostra Novos Olhares e Festival Jean Rouch – Mostra Competitiva.

Filmado em preto e branco, “O Reflexo do Lago” mostra o cotidiano das pessoas que moram perto de uma das maiores usinas hidrelétricas do mundo na Amazônia. À sombra desse projeto ambientalmente destrutivo, eles ganham vidas involuntariamente escassas, sem eletricidade ou infraestrutura.

“Não é só fazer um filme sobre hidrelétrica ou sobre comunidades impactadas; além da preocupação de como contar a história cinematograficamente, a maneira com que me relaciono com as pessoas, o material e a maneira que reverbero isso, além da maneira com que a Amazônia é enxergada pelo Brasil e pelo mundo, é uma das tônicas do “Reflexo do Lago””, declarou Segtowick à colunista do Cine Set, Lorenna Montenegro na coluna Filme & Prosa.

Filme: O Reflexo do Lago
Direção: Fernando Segtowick
Produtores Executivos: Brenda Silvestre e Thiago Pelaes

Direção de Fotografia: Thiago Pelaes
Montagem: Frederico Benevides
Som: Victor Kato, Igor Amaral e Lauro Lopes
Design de Som e Mixagem: Lucas Coelho
Colaboração Design de Som: Guilherme Farkas
Assistentes de Direção: Rodrigo Garcia e Dayana Manasses

Festival Olhar do Norte 2024 bate recorde de filmes inscritos

Principal festival de cinema realizado em Manaus, o Olhar do Norte atingiu uma marca histórica na edição deste ano. O evento registrou 527 filmes inscritos nas três categorias competitivas, maior número até então - o recorde anterior era de 365 curtas.  Os Estados da...

Festival Olhar do Norte abre inscrições para edição 2024

O pontapé inicial para o 6º Festival de Cinema da Amazônia – Olhar do Norte está dado: as inscrições para a edição 2024 estão abertas de 15 de abril a 17 de maio através do site oficial do evento (clique aqui). Podem se inscrever filmes com duração máxima de até 25...

‘Prazer, Ana’: o terror de uma noite qualquer

Uma noite qualquer para dezenas de pessoas em uma mesa de bar. Mais uma cerveja, mais uma cadeira, mais alguém chegando, mais vozes ao redor, mais conversa para jogar fora, mais uma marchinha de carnaval na caixa de som. O mais banal dos cenários para a mais comum das...

‘O Desentupidor’: um olhar anárquico sobre a invisibilidade social

Jimmy Christian é um dos mais prolíficos realizadores da cena amazônica. Semelhante aos Gremlins do filme homônimo de Joe Dante da década de 80 que se reproduziam em abundância no primeiro contato com a água, Jimmy produz roteiros e curtas sempre que uma nova ideia...

Olhar do Norte 2023 consagra ‘Ela Mora Logo Ali’ com quatro prêmios

Pela primeira vez, Rondônia leva o prêmio máximo do Festival de Cinema da Amazônia - Olhar do Norte 2023. “Ela Mora Logo Ali” ganhou Melhor Filme do Júri Oficial da Mostra Amazônia, a principal do evento realizado no Teatro Amazonas entre os dias 22 e 25 de agosto. A...

‘Mãri-Hi: A Árvore do Sonho’: poética do fenômeno onírico e do cinema

O curta roraimense Mãri-Hi: A Árvore do Sonho, do diretor Morzaniel Ɨramari, nos introduz em um aspecto interessante da cultura do povo Yanomami, ao apresentar o conhecimento deles sobre sonhos. No filme, vemos a câmera passeando por dentro da floresta amazônica até...

‘Bebé’: carregando o peso do mundo em 3m12

Falar em um curta metragem de pouco mais de três minutos sobre solidão feminina e a sobrecarga que mulheres historicamente são submetidas pode parecer arriscado, no sentido de ser um tema que se direciona para múltiplos caminhos. Essa ousadia foi encarada pela...

‘Ao Lado da Estrada’: acasos felizes em um filme de estrada

Ela espera à beira da estrada após o trabalho. Ele chega em uma Kombi caindo aos pedaços. Oferece uma carona. Os dois já se conhecem, os sorrisos não mentem. Dentro do carro, rola um clima ou a indicação de que deveria haver um clima. Ele coloca umas canções no rádio....

‘Meus pais, Meus atores preferidos’: o pessoal pode ser coletivo

O curta Meus pais, meus atores preferidos, de Gabriel Bravo de Lima, é o segundo trabalho do diretor - o primeiro foi “No Dia Seguinte Ninguém Morreu”, vencedor do prêmio de Melhor Roteiro no Olhar do Norte 2020. O ponto de partida foi realizar uma série de...

‘Ana Rúbia’: permita que eu fale, não as minhas cicatrizes

A narrativa construída em cima do cinema de temática queer, que abarque experiências de corpos travestis quase sempre perpassa pelo caminho da dor. Até porque, o Brasil é o país que mais mata pessoas trans e travestis no mundo. Então, é de se esperar que o cinema como...