Grandes clássicos do cinema não deram sorte no Oscar seja por concorrer contra um mega favorito ou estar no meio de uma disputa entre dois candidatos fortes.

Neste vídeo, Caio Pimenta traz 10 filmes que passaram por essa situação.

A MULHER FAZ O HOMEM 

O Oscar de 1940 foi o auge da era de ouro de Hollywood com “E o Vento Levou” dominando a cerimônia ao levar 10 estatuetas. Se não fosse ele, outra obra-prima poderia ter sido consagrada. 

Dirigido por Frank Capra, “A Mulher Faz o Homem” traz uma atuação consagradora do James Stewart em uma história repleta de idealismo na democracia e nos valores dos EUA, pelo menos, aqueles que eles gostam de vender para o mundo inteiro. Impossível não torcer pelo Mr. Smith. 

Você pode se perguntar: ‘mas, Caio, “O Mágico de Oz não seria o segundo mais forte daquela disputa?’. Na minha visão, não até por conta de não ter o diretor indicado nem mesmo a Judy Garland em Melhor Atriz.  

Vale também lembrar que o Capra já tinha três Oscars e poderia chegar ao quarto tranquilamente se não fosse Scarlett O´Hara. 

CREPÚSCULO DOS DEUSES 

crepúsculo dos deuses norma desmond gloria swanson

Foi cruel demais o Oscar 1951, afinal, como é possível duas obras-primas intocáveis de Hollywood disputaram justamente no mesmo ano?  

Com o roteiro preciso do Mankiewicz e o duelo de atuações de Anne Baxter e Bette Davis, “A Malvada” ganhou seis estatuetas, incluindo, Filme, Direção, Ator Coadjuvante e Roteiro.

Azar do Billy Wilder com “Crepúsculo dos Deuses”: o noir com seu clínico e cínico olhar sobre Hollywood e o estrelato teve que se contentar com Melhor Roteiro e Argumento, Direção de Arte e Trilha Sonora. 

E pensar que teve tanto filme sem graça vencedor do Oscar nos anos 1950… 

ANATOMIA DE UM CRIME 

O Oscar de 1960 entrou para história com “Ben-Hur” se tornando o maior vencedor do Oscar de todos os tempos até então com 11 estatuetas. Esse sucesso encobriu outro clássico do cinema. 

Dirigido pelo Otto Preminger, “Anatomia de um Crime” trazia uma boa lufada de complexidade e personagens dúbios para uma Hollywood marcada por filmes mais preocupados com a escala de suas produções do que em histórias mais desenvolvidas.  

Talvez fosse ousado demais para vencer o Oscar, especialmente, em um período de vigência do Código Hays, mas, que merecia demais, merecia. 

O SOL É PARA TODOS 

O Oscar de 1963 poderia ter sido tranquilamente de “O Sol é Para Todos”. 

O drama adaptava um dos maiores best-sellers da época escrito pela Harper Lee, trazia o Gregory Peck perfeito como símbolo da justiça e do bom senso dos EUA, um pano de fundo racial em alta naquela época em um filme bem conduzido pelo Robert Mulligan. 

Porém, havia “Lawrence da Arábia” no meio do caminho: o épico do David Lean não deixou pedra sobre pedra naquela temporada e sobrou levando 7 Oscars, incluindo, Melhor Filme e Direção.

“O Sol é para Todos”, pelo menos, ganhou Melhor Ator. 

CHINATOWN 

Classic Movies: 40 anos de Chinatown, de Roman Polanski

Em 1973, “O Poderoso Chefão” suou para derrotar “Cabaret”. Vale lembrar, por exemplo, que o Bob Fosse levou o Oscar de Melhor Direção, superando o Francis Ford Coppola. 

Dois anos depois, a Academia resolveu ser mais generosa com a família Corleone e a segunda parte da saga passou por cima dos rivais ganhando seis Oscars, entre eles, Filme, Ator Coadjuvante com Robert De Niro e, finalmente, Direção. 

Azar de “Chinatown”: o extraordinário noir do Roman Polanski com um dos roteiros mais bem elaboradas da história de Hollywood só não saiu de mãos abanando por ter vencido justamente Melhor Roteiro Original. Ainda assim, muito pouco para uma obra-prima. 

E.T – O EXTRATERRESTRE

O Steven Spielberg podia ser amado pelo público, mas, a Academia resistia bastante ao nome dele nos anos 1970 e 1980. A esnobada em Melhor Direção por “Tubarão” foi um marco e, em 1983, esta história ganhou um novo capítulo. 

Campeão de bilheteria na época, “E.T – O Extraterrestre” até chegou a vencer quatro categorias – Melhor Som, Efeitos Visuais, Trilha Sonora e Efeitos Sonoros – porém, na hora mais importante, a superprodução não resistiu ao tradicional “Gandhi”, ganhador de Melhor Filme, Direção para o Richard Attenborough e Ator com Ben Kinglsey. 

JFK 

O Oliver Stone dominou o Oscar no fim dos anos 1980 e início dos 1990: ganhou Melhor Filme com “Platoon” e duas vezes direção com o drama de guerra e “Nascido em Quatro de Julho”. Porém, pelo melhor filme da carreira, ele saiu sem nada. 

Independente do quanto de verdade ou teoria da conspiração há ali, “JFK” é um espetacular exercício narrativo do Stone ao amarrar uma trama intrincada de forma tão fluida e com tensas sequências espetaculares. Como se não bastasse, lidera um elenco repleto de estrelas em que todos possuem momentos de destaque e relevância. Filmaço. 

 “JFK”, entretanto, teve a falta de sorte de concorrer com “O Silêncio dos Inocentes”, produção que fez a Academia abraçar o suspense e até o terror. A história de Hannibal Lecter e Clarice Sterling foi o último dos três filmes ao levar as categorias principais do Oscar em uma única edição: Melhor Filme, Direção, Ator, Atriz e Roteiro Adaptado. 

LOS ANGELES – CIDADE PROIBIDA 

Los Angeles – Cidade Proibida” trouxe o noir de volta ao foco no fim dos anos 1998. Curtis Hanson insere os personagens dúbios dentro de Hollywood ampliando o escopo da amoralidade com o charme inebriante do mundo do cinema. A obra ainda traz um elenco de primeira em grandes personagens como são os casos de Kevin Spacey, Russell Crowe e da vencedora de Melhor Atriz Coadjuvante, Kim Basinger. 

Tudo lindo e maravilhoso, porém, havia um “Titanic” no meio do caminho. Em qualquer outro ano, “Los Angeles – Cidade Proibida” poderia chegar como favorito ao Oscar. 

ENCONTROS E DESENCONTROS 

Em 2004, outro trator passou por cima dos concorrentes no Oscar. 

O Senhor dos Anéis – O Retorno do Rei” ganhou todos os prêmios que os dois filmes anteriores deixaram de vencer. O clássico do Peter Jackson se igualou com 11 estatuetas a “Ben-Hur” e “Titanic” como os maiores ganhadores de todos os tempos. 

Sobrou para a Sofia Coppola e o seu ótimo “Encontros e Desencontros”. O romance estrelado pelo Bill Murray e a então novata Scarlett Johansson conquistou fãs ao redor do planeta e venceu Roteiro Original, porém, passou bem longe em Melhor Filme e Direção. 

MEU PAI 

Por fim, vamos para edição deste ano. 

Florian Zeller realiza uma experiência imersiva na mente de uma pessoa com o mal de Alzheimer em “Meu Pai”. As pequenas mudanças na direção de arte, a montagem capaz de causar intencionalmente o mesmo grau de perturbação temporal e de lógica no público e a atuação soberba do Anthony Hopkins tornaram o drama uma verdadeira unanimidade da temporada. 

Nomadland”, entretanto, foi dominante como poucas vezes vimos nos últimos anos sobrando desde o Festival de Veneza passando por Toronto, os prêmios da crítica, Globo de Ouro, Critics Choice, DGA, PGA, Bafta e, finalmente, no Oscar. “Meu Pai” teve como consolação as estatuetas de Melhor Roteiro Adaptado e Ator com o Anthony Hopkins. 

Oscar: O Melhor e o Pior das Indicações de Al Pacino

Al Pacino.   Só de falar esse nome dá vontade de fazer uma reverência, afinal, se trata de uma das maiores lendas da história do cinema. A Academia, entretanto, não teve a melhor das relações com o ator e, apesar das nove indicações, ele venceu apenas uma vez.  Neste...

Oscar 2022 de Melhor Direção: Previsões Iniciais

De Steven Spielberg a Kenneth Branagh, Caio Pimenta apresenta a lista de candidatos ao Oscar 2022 de Melhor Direção. https://www.youtube.com/watch?v=k7yCO2R6RIs CHANCES MÍNIMAS  Já que iniciei falando de mulheres na direção, algumas delas parecem bem distantes da...

Oscar: O Melhor e o Pior das Indicações de Kate Winslet

De "Razão e Sensibilidade" a "Steve Jobs", Caio Pimenta analisa quais as melhores e piores indicações de Kate Winslet no Oscar. https://www.youtube.com/watch?v=nfP509-GoY0&t=249s 7. IRIS  Em 2002, a Kate Winslet disputou melhor atriz coadjuvante por “Iris”.  No...

Oscar 2022 de Melhor Ator: Previsões Iniciais

De Clint Eastwood a Will Smith, Caio Pimenta apresenta as chances das principais candidatas ao Oscar 2022 de Melhor Ator.  https://www.youtube.com/watch?v=3R1FHc5qXlI CHANCES MÍNIMAS    Tem muita gente sem grandes chances no Oscar 2022 de Melhor Ator. Quatro...

Oscar: O Melhor e o Pior das Indicações de Frances McDormand

A Katharine Hepburn pode ser a maior vencedora do Oscar de Melhor Atriz com quatro estatuetas, porém, a Frances McDormand detém um recorde incrível: 100% de aproveitamento na categoria com três indicações e três vitórias.   Ela ainda soma outras nomeações em atriz...

Oscar 2022 de Melhor Atriz: Previsões Iniciais

De Rachel Zegler a Lady Gaga e Kristen Stewart, Caio Pimenta apresenta as chances das principais candidatas ao Oscar 2022 de Melhor Atriz.  https://www.youtube.com/watch?v=IwUGzahLr6c CHANCES MÍNIMAS     Apesar dos muitos elogios a elas, três candidatas parecem...

Oscar: O Melhor e o Pior das Indicações de Leonardo DiCaprio

De "Gilbert Grape" a "Era uma vez em Hollywood", Caio Pimenta analisa quais as melhores e piores indicações de Leonardo DiCaprio no Oscar. https://www.youtube.com/watch?v=zjIqnog1h8Y 6. O REGRESSO  Igual fiz com o Martin Scorsese, começo com o desempenho que valeu o...

Museu da Academia em Los Angeles abre e promete passeio cinéfilo inesquecível

Chegou o dia: o Museu da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas está aberto para todo o público em Los Angeles. A cerimônia de inauguração aconteceu nesta quinta-feira, 30 de setembro, na The Walt Disney Company Piazza. O passeio promete ser parada obrigatória...

Oscar 2022 de Melhor Filme: Previsões Iniciais – Parte II

Angelina Jolie, Clint Eastwood, Nicole Kidman, Paul Thomas Anderson, Guillermo del Toro e Lady Gaga estão na segunda parte das previsões iniciais do Cine Set para o Oscar 2022 de Melhor Filme.  https://www.youtube.com/watch?v=GIHfiW9th-A CHANCES MÍNIMAS  Três filmes...

Oscar: O Melhor e o Pior das Indicações de Anthony Hopkins

De "O Silêncio dos Inocentes" a "Meu Pai", Caio Pimenta analisa quais as melhores e piores indicações de Anthony Hopkins no Oscar. https://www.youtube.com/watch?v=02BMDi_x_3Y 6. AMISTAD  Em 1998, o Anthony Hopkins foi indicado a Melhor Ator Coadjuvante por “Amistad”. ...