O cinema do Amazonas viveu uma noite histórica neste sábado (26): “O Barco e o Rio” conquistou cinco prêmios na mostra competitiva de curtas-metragens nacionais do Festival de Gramado 2020. A produção levou os Kikitos de Melhor Filme, Melhor Direção para Bernardo Ale Abinader, Direção de Arte para Francisco Ricardo, Direção de Fotografia com Valentina Ricardo e o prêmio do Júri Popular. 

-> LEIA TAMBÉM: Crítica – “O Barco e o Rio” – angústias e desejos sufocados compõem ótimo filme

O filme rompeu o hiato de 23 anos do Amazonas sem produções em Gramado: a última vez aconteceu em 1997 com “Bocage – Um Hino ao Amor”, de Djalma Limongi Batista, ganhador de um prêmio especial do júri. Durante o agradecimento, o diretor Bernardo Abinader afirmou que espera que os Kikitos impulsionem a produção amazonense a ganhar ainda mais espaço no cenário nacional. 

CONHEÇA O FILME

“O Barco e o Rio” apresenta a história de duas irmãs: Vera (Isabela Catão), uma mulher religiosa, introspectiva e metódica, enquanto Josi (Carolinne Nunes) tem uma vida mais livre. O barco da família vira o motivo de discórdia entre elas com Vera querendo mantê-lo e Josi desejando vendê-lo, enquanto lida com uma gravidez inesperada. No Matapi 2019, o projeto de longa-metragem da história ganhou o pitching para participar do Talent Coprodution Meeting, do Festival de Guadalajara 2020. 

Criada em 2015 por Ana Oliveira, Bernardo Ale Abinader e Valentina Ricardo, a Fita Crepe Filmes e Artes Cênicas já produziu três curtas-metragens: “Os Monstros”, “Amém” e “A Goteira”. Por este último projeto, a direção de fotografia de Valentina recebeu menção honrosa no Festival Olhar do Norte 2019. Além do audiovisual, a Fita Crepe promove o ‘Roda na Praça’, espetáculo artístico circense feito em praças públicas no Amazonas. Contemplado pelo Funarte, o projeto já passou por cidades como Novo Airão, Presidente Figueiredo, Rio Preto da Eva, Itacoatiara, Manacapuru, além de Manaus. 

LISTA DE VENCEDORES DO FESTIVAL DE GRAMADO 2020 

CURTA-METRAGEM NACIONAL 

Melhor Filme: “O Barco e o Rio”

Melhor Direção: Bernardo Ale Abinader, de “O Barco e o Rio” 

Melhor Ator: Daniel Veiga, por “Você tem Olhos Tristes” 

Melhor Atriz: Luciana Souza, por “Inabitável” 

Melhor Roteiro: “Inabitável” 

Melhor Direção de Fotografia: “O Barco e o Rio” 

Melhor Montagem: “Você tem Olhos Tristes” 

Melhor Direção de Arte: “O Barco e o Rio” 

Melhor Trilha Musical: “Atordoado, Eu Permaneço Atento” 

Melhor Desenho de Som: “Receita de Caranguejo” 

Prêmio do Júri Popular: “O Barco e o Rio” 

Prêmio da Crítica: “Inabitável” 

Menção Honrosa: Preta Ferreira, por “Receita de Caranguejo” 

LONGA-METRAGEM LATINO-AMERICANO 

Melhor Filme: “La Frontera”

Melhor Direção: Mariana Viñoles, por “A Grande Viagem ao País Pequeno” 

Melhor Ator: Anibal Ortiz, por “Matar a un Muerto” 

Melhor Atriz: Daylin Vega Moreno, Sheila Monterola, por “La Frontera 

Melhor Roteiro: “La Frontera 

Melhor Direção de Fotografia: “El Silencio del Cazador 

Prêmio Especial do Júri: “A Grande Viagem ao País Pequeno” 

Prêmio da Crítica: “A Grande Viagem ao País Pequeno” 

Júri Popular: “A Grande Viagem ao País Pequeno” 

LONGA-METRAGEM BRASILEIRO 

Melhor Filme: “King Kong en Asunción”

Melhor Direção: Ruy Guerra, por “Aos Pedaços” 

Melhor Ator: Andrade Júnior, por “King Kong en Asunción” 

Melhor Atriz: Isabél Zuaa, por “Um Animal Amarelo” 

Melhor Ator Coadjuvante: Thomás Aquino, por “Todos os Mortos” 

Melhor Atriz Coadjuvante: Alaíde Costa, por “Todos os Mortos” 

Melhor Roteiro: “Um Animal Amarelo” 

Melhor Direção de Arte: “Um Animal Amarelo” 

Melhor Trilha Musical: “Todos os Mortos” e “King Kong en Asunción” 

Melhor Direção de Fotografia: “Aos Pedaços” 

Melhor Direção de Arte: “Aos Pedaços” 

Prêmio da Crítica: “Um Animal Amarelo” 

Menção Honrosa: Higor Campagnaro, por “Um Animal Amarelo” 

Prêmio Especial do Júri: Elisa Lucinda, por “Por que Você não Chora?” 

‘A Ratoeira’: percepções sensoriais do calor e da cultura manauara

São muito variantes as percepções que se tem de “A Ratoeira”, curta de Rômulo Sousa (“Personas” e “Vila Conde”) selecionado para o Festival Guarnicê 2020. Em seu terceiro projeto como diretor, ele entrega uma obra que experimenta várias construções cinematográficas e...

‘Enterrado no Quintal’: sabor amargo de que dava para ser maior

Tinha tudo para dar certo: Diego Bauer, recém-saído do ótimo “Obeso Mórbido”, adaptando um conto de Diego Moraes, escritor amazonense cercado de polêmicas, mas, de uma habilidade ímpar para construção de narrativas altamente descritivas, sarcásticas, sem qualquer tipo...

‘O Barco e o Rio’: angústias e desejos sufocados compõem ótimo filme

O Amazonas fechou a mostra competitiva de curtas-metragens brasileiros do Festival de Gramado 2020 com “O Barco e o Rio”. Quarto filme da carreira de Bernardo Ale Abinader, o projeto se mostra um salto evolutivo enorme dentro da filmografia do diretor/roteirista,...

‘Atordoado, Eu Permaneço Atento’: registro arrepiante da ditadura brasileira

O Brasil parece ser um país em que o passado e o presente vêm convergindo nos últimos tempos, e nesse contexto, o curta-metragem Atordoado, Eu Permaneço Atento, co-dirigido por Lucas H. Rossi dos Santos em parceria com o realizador amazonense Henrique Amud, chega como...

‘Manaus Hot City’: experiência afetiva, melancólica, quente e sensorial

Com pouco mais de 10 anos na direção de curtas-metragens de ficção, Rafael Ramos já trilhou os mais diversos rumos indo do convencional de “A Segunda Balada” e “A Menina do Guarda-Chuva" até o lisérgico de “Aquela Estrada”. Todos estes caminhos convergem para “Manaus...

‘De Costas Pro Rio’: dilemas de Manaus em curta irregular

Velhos dilemas (ou dilemas velhos?) sobre Manaus formam a base de “De Costas pro Rio”. Dirigido por Felipe Aufiero, diretor amazonense radicado em Curitiba há mais de uma década e co-fundador da produtora Casa Livre Produções, o curta-metragem de 16 minutos aborda a...

‘Boto’ – Episódios 12 e 13: no fim, um charme manauara inebriante

Depois de todos os atrasos possíveis na TV Ufam, “Boto” chegou ao fim. Apesar de deixar claro que não havia tanta trama para a quantidade total de capítulos, a série da Artrupe Produções encerra bem os principais núcleos da história nos dois últimos episódios e volta...

‘Boto’ – Episódios 10 e 11: afetos, traumas e intolerância

Seguindo a irregularidade característica da série, os episódios 10 e 11 de “Boto” conseguem, ao mesmo tempo, trazer momentos brilhantes – talvez, os melhores até aqui – e outros beirando o tédio. A reta final escancara que, apesar de ter cinco protagonistas, cabe a...

‘Boto’ – Episódios 8 e 9: sobra tempo e falta história

Momento confissão: chega a ser difícil escrever algo novo sobre os episódios 8 e 9 de “Boto” em exibição na TV Ufam desde a última sexta-feira, sempre às 23h, no programa Cine Narciso Lobo. Os capítulos voltam a bater nas mesmas temáticas já abordadas anteriormente...

‘Transviar’: trama inchada prejudica foco de série amazonense

As questões relativas à identidade de gênero seguem em alta no cinema brasileiro e são cada vez mais necessárias devido ao crescente fortalecimento do discurso conservador na sociedade. Produções que abordam o processo de transição de personagens transexuais têm...